Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



CREF2/RS alerta sobre cuidado ao escolher personal trainer
18/03/2019
Fonte: Zero Hora

Assim como os números de obesidade e sedentarismo, cresce também a quantidade de ofertas que prometem uma grande perda de peso em um curto intervalo de tempo. Basta uma simples espiada nas redes sociais para ser exposto a uma enxurrada de fotos e anúncios de treinos e métodos ditos milagrosos. Mas é bom ficar atento: embora não haja uma legislação específica sobre a atuação de profissionais de Educação Física no meio online, é fundamental que ele, além de formado, esteja registrado junto ao CREF2/RS.

Para garantir tanto a qualidade do serviço prestado quanto a segurança dos alunos, só em 2018, o Conselho notificou mais de 500 pessoas por exercício ilegal da profissão. Foram flagrados não só indivíduos que atuam de forma ilegal em meios eletrônicos, mas também aqueles que trabalham de forma irregular em academias e outros estabelecimentos sem o devido registro.

O assessor institucional do CREF2/RS Samuel de Almeida (CREF 013510-G/RS) explica que, depois de autuados, os flagrados em exercício ilegal da profissão de Educação Física são apresentados ao Ministério Público, onde as denúncias são investigadas e podem resultar em multa ou prisão, segundo artigo 47 da Lei de Contravenções Penais brasileira. “As consequências para os profissionais que cometerem falhas técnicas e/ou éticas na prestação dos serviços de condicionamento físico podem ser: advertência, multa, suspensão ou cancelamento de registro profissional”, lista.

O que cuidar na hora de contratar um personal

Cada vez mais populares, os programas de treino online ainda não têm regras definidas pelo CONFEF. O que o Conselho defende é o cuidado com a personalização do atendimento. “A ideia é ter um treinamento individualizado. Esses treinos milagrosos são para vender e não dão conta dessas questões”, alerta o diretor da Escola de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e 2º secretário do CREF2/RS Eduardo Merino (CREF 004493-G/RS).

Como não há legislação que trate da prescrição de treinos virtuais, Almeida desaconselha essa modalidade e destaca que a responsabilidade por qualquer possível problema enfrentado pelo aluno recai sobre o profissional. “Ele não é impedido de fazer, porém assume a responsabilidade técnica e ética por uma eventual parada cardíaca, respiratória ou lesão muscular pela prescrição sem relatório de anamnese”.

Antes de contratar um personal, fique atento:

Dê preferência aos profissionais que podem atender presencialmente
“Só eles poderão fazer uma avaliação física correta e prescrever um treino condizente com possíveis lesões”, indica Almeida.

Confirme o registro do profissional
Mesmo que tenha diploma, o profissional só poderá atuar de forma regular se estiver com registro em dia junto ao conselho regional. Para verificar isso, basta procurar o nome do profissional nos sites do CONFEF e do CREF2/RS.


Zero Hora personal trainer



Pesquisador da FADERGS visita CREF2/RS e traz dados preocupantes sobre a obesidade e sedentarismo
23/05/2017
Fonte: CREF2/RS

O Coordenador de Pesquisa da Escola de Saúde e Bem-Estar do Centro Universitário da FADERGS, Roberto Costa, pós-doutorado em Ciências do Movimento Humano pela UFRGS, visitou o CREF2/RS, ontem, dia 22. Costa vem estudando há 20 anos a obesidade na infância e adolescência e as doenças crônicas a elas associadas. Segundo o professor, os dados indicam que a cada ano a condição da saúde juvenil se deteriora, por mais que se façam ações governamentais e sociais de combate à obesidade. “Talvez as estratégias não sejam as mais apropriadas”, avalia.

Segundo a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), o Conselho apoia a ação de combate à obesidade infantil, problema que já se tornou uma pandemia. "Cerca de 33% das crianças e adolescentes estão com sobrepeso ou obesas. Ou seja, uma em cada três crianças tem esta doença. A obesidade implica em várias outras sequelas, sejam psicológicas, como exclusão da criança, ou agressões, via bullyng. Isto pode causar sérios traumas que deveriam ser evitados com atividade física e uma alimentação saudável".

Costa alerta para o bombardeio a que as crianças e a adolescentes sofrem pela publicidade, incentivando o consumo de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal e com baixa qualidade nutricional. “De outro lado, enfrentamos o sedentarismo cada vez mais elevado. Crianças que antes brincavam ativamente na rua, hoje ficam inativas em frente a uma tela. A isto, soma-se alimentação inadequada, resultando em um caminho aberto para doenças”, constata.

Segundo Roberto, as classes sociais desfavorecidas sofrem mais com este tipo de alimentação. “Infelizmente, um pacote de biscoito recheado, com 1200 calorias, é mais barato do que uma fruta”, constata. O coordenador explica que o acesso a estes alimentos de má qualidade nutricional é facilitado pelo baixo custo. “Outro ponto é a questão da palatabilidade, não podemos negar que estes alimentos processados são gostosos para o paladar da criança e do adolescente”, explica.

De acordo com o coordenador, os adolescentes obesos apresentam índice elevado de síndrome metabólica. “Encontramos em Porto Alegre adolescentes obesos que tinham triglicérides alterados, colesterol elevado, obesidade abdominal, hipertensão arterial, ou seja, indivíduos com doenças de idosos, o que indica um risco elevado para a saúde, principalmente porque se apresenta uma tendência a se prolongar durante toda a vida”, argumenta. Costa conclui que estas pessoas chegam a sua vida adulta com sobrepeso e doenças crônicas, acabando por apresentar um risco maior de óbitos. “Atualmente vemos um aumento no número de indivíduos apresentando infarto aos 35 anos e AVC aos 45 anos”.

As ações para solucionar este problema têm que envolver toda a sociedade, aponta Costa. “Precisamos de uma mudança de atitude em relação a práticas alimentares e ao combate do sedentarismo, e para isto precisamos do apoio dos pais, da sociedade civil e da classe política em todos os âmbitos”. Costa vislumbra a escola como melhor ambiente para estas políticas serem efetuadas. “É o momento para utilizarmos este ambiente para a incentivarmos saúde. O ensino da matemática, da física e do português são muito importantes, mas é imperativo que eduquemos para a saúde”, arremata.

Para Costa, o professor de Educação Física que é o profissional de saúde dentro da escola, e ele tem que assumir este espaço. “É importante que tenhamos primeiro o conhecimento da condição dos alunos, precisamos saber aqueles que tem obesidade ou que estão em risco”. A partir desta etapa, afirma o professor, temos que propor as ações que envolvam a alimentação e a orientação aos pais sobre o que a criança traz para a escola. “Nos últimos cinco anos, o único país que conseguiu uma redução da obesidade na fase escolar foi nos EUA, com o programa alimentar implementado pela primeira-dama Michelle Obama. Infelizmente, com o novo presidente o programa foi revogado”, constata.

Costa explica que o deputado estadual Maurício Dziedrickir tem dois projetos de Lei envolvendo o tema. O primeiro introduz o cadastro de obesidade infanto juvenil, bem como torna obrigatório a realização da avaliação antropométrica para verificação do estado nutricional e triagem de risco para doenças crônicas não-transmissíveis nos alunos do ensino fundamental e médio nas escolas do Estado.

“E quem se não o profissional de Educação Física seria o mais indicado para realizar estas medidas”, afirma Costa. “Pois na sua graduação, o profissional de Educação Física tem disciplinas como biometria, medidas de avaliação ou avaliação física, que são matérias que cuidam desta medição antropométrica", analisa. O professor afirma ser possível fazer estes procedimentos em apenas uma aula. "Ele consegue fazer estas três medidas em todos os seus alunos. Em uma semana, ele terá conseguido medir todos os seus alunos. “Importante frisar que o PL vale para escolas públicas e particulares”, ressalta.

O segundo PL apresentado obriga todos os produtos alimentícios produzidos por indústrias do Estado a apresentar no rótulo a quantidade de sal e açúcar que contém em medidas em colheres de café. "Por exemplo, este suco tem seis colheres de chá de açúcar”.


Obesidade e Sedentarismo



CREF2/RS presente na 12ª edição do projeto Desobesa Brasil
30/11/2015
Fonte: CREF2/RS

Neste sábado (28), o CREF2/RS esteve presente à 12ª edição do projeto Desobesa Brasil e da 1ª Caminhada de Combate à Obesidade e Sedentarismo, realizada no Parque Marinha do Brasil pela Associação Brasileira de Apoio aos Operados Bariátricos (ABAOB). No evento, foram realizados cerca de 50 avaliações antropométricas, além de serem concedidas informações sobre a importância da atividade física orientada.

De acordo com a vice-presidente ABAOB, Jussara Tessele, a obesidade é o segundo maior fator de risco evitável para o câncer, perdendo apenas para o tabagismo, e a mortalidade do câncer é maior na população obesa."Isto é muito preocupante, pois pesquisa divulgada em março pelo IBGE mostra que o Rio Grande do Sul tem o maior percentual do país de pessoas com excesso de peso", assinala. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), o Brasil está em segundo lugar na lista de países que mais realizam procedimentos de redução de estômago no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos.

A presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), defendeu um novo estilo de vida, com atividade física, novos hábitos alimentares e os exames periódicos como fatores fundamentais na boa recuperação pós-operatória, manutenção do peso e da saúde em geral. "Aproximadamente de 10 a 15% desses pacientes, depois de alguns anos, recupera todo o peso perdido na cirurgia. Por isto nossa ênfase em atividade física", afirma. Segundo Carmen, após a cirurgia ocorre uma perda de peso significativa de, em média, 30 a 60 quilos, provocando flacidez. “O exercício físico fortalece o músculo e evita as cirurgias plásticas que podem expor o paciente a infecções”, explica.


Desobesa Brasil



Conselho realiza avaliações antropométricas neste sábado no Parque Marinha do Brasil
26/11/2015
Fonte: CREF2/RS

No próximo sábado, dia 28 de novembro, a Associação Brasileira de Apoio aos Operadores Bariátricos (ABAOB) vai realizar, no Parque Marinha do Brasil, em Porto ALegre, a 12ª edição do projeto Desobesa Brasil e a 1ª Caminhada de Combate à Obesidade e Sedentarismo. Os eventos contarão com a participação do CREF2/RS, que estará no local realizando avaliações antropométricas e concedendo informações sobre a importância da atividade física orientada. O horário de atendimento será das 15h às 19h, em frente à Secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer (SME).

A programação desta edição do Desobesa Brasil também contará com uma oficina de vôlei de praia, promovida pela Federação Gaúcha de Vôlei, uma aula de patinação e uma série de atividades esportivas para o público infantil, entre outras mais. O evento será gratuito e aberto para a comunidade em geral. Compareça!

Desobesa Brasil – 12ª edição
Sábado, 28 de novembro, das 15h às 19h
Local: Parque Marinha do Brasil, em frente à SME
Endereço: Avenida Borges de Medeiros, 2035 – Praia de Belas


Desobesa Brasil atendimento



Projeto Desobesa Brasil estimula vida saudável no Parque Marinha do Brasil no dia 28
05/11/2015
Fonte: ABAOB

A Associação Brasileira de Apoio aos Operados Bariátricos (ABAOB), com apoio do CREF2/RS e dos conselhos ligados à saúde, promove no dia 28 de novembro, das 15h às 19h, a 12ª Edição do Projeto Desobesa Brasil e a 1ª Caminhada de Combate à Obesidade e Sedentarismo no Parque Marinha do Brasil, em Porto Alegre.

Será um dia com múltiplas atividades, no qual vários profissionais da saúde prestarão atendimento e mobilizando a sociedade para o combate à obesidade e ao sobrepeso. Haverá avaliações físicas e dicas de nutrição, aulas de skate, patinação e a secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer (SME) promoverá atividades lúdicas e esportivas para as crianças.

A ABAOB e o Projeto Desobesa Brasil têm como objetivo engajar pessoas com sobrepeso e àquelas que realizaram a cirurgia bariátrica em atividades físicas, esportivas, programas de saúde nutricional e psicológico. Ambos buscam a reinserção do obeso e daqueles que realizam o procedimento cirúrgico bariátrico, procurando formas de incentivo à socialização das pessoas que não saíam de casa, por se sentirem discriminadas pela sociedade.

O CREF2/RS fará atendimento no local, realizando avaliações físicas e exames de bioimpedância, método moderno de alta precisão na avaliação da composição corporal e do percentual de gordura corpórea, da massa magra e da hidratação. O Conselho também reforçará junto à população seu papel de fiscalizador dos serviços prestados pelos profissionais de Educação Física.

Desobesa Brasil - 12ª Edição

Sábado, 28 de novembro, das 15h às 19h
Local: Parque Marinha do Brasil, em frente à SME
Endereço: Avenida Borges de Medeiros, 2035 - Praia de Belas

Atendimento da equipe do CREF2/RS, com avaliações antropométricas, orientações sobre atividade física e informações sobre trabalho desenvolvido pelo Conselho


Associação Brasileira de Apoio aos Operados Bariátricos