Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



Ginástica Laboral faz 40 anos de existência no Brasil
27/11/2018
Fonte: CREF2/RS

Em 2018, o Sistema CONFEF/CREFs, em conjunto com a sociedade brasileira, celebram os 40 anos da implantação no país da Ginástica Laboral, uma ferramenta extremamente importante para a manutenção da saúde dos trabalhadores. Tanto em nível mundial, como nacional, a evolução desta atividade esteve intimamente ligada às transformações do mundo do trabalho e às demandas relativas à saúde dos trabalhadores. O novo ritmo de produção imposto pela Revolução Industrial, que implementou linhas de produção em série, através de grandes cadeias de produção seriais, forçaram os operários a realizar diariamente milhares de movimentos repetitivos. Ao mesmo tempo que esse gigantesco desenvolvimento manufatureiro aumentou em muito a eficiência e a produtividade, gerou em contrapartida o crescimento exponencial de novas doenças laborais, como Lesões por Esforço Repetitivos (LER), Distúrbios Osteo-Musculares (DORT), além de acidentes no chão de fábrica. Este quadro preocupante alertou pesquisadores, médicos, empregadores e sindicatos ao redor do mundo para os sérios prejuízos à saúde dos trabalhadores, acarretados pela produção massiva que se estendeu pelas cidades e campos.

O afastamento do trabalho por problemas de saúde ainda é uma realidade crescente no Brasil. De acordo com o Anuário do Sistema Público de Emprego e Renda do Dieese compilado a partir de informações do Ministério do Trabalho, em 2015, foram contabilizados 181,6 mil casos de natureza diretamente relacionada ao ambiente profissional – o que representa uma alta de 25% comparado aos dez anos anteriores.

Para elaborar uma resposta aos novos problemas laborais e proporcionar um ambiente mais sadio e seguro aos trabalhadores, fez-se necessário um estudo profundo de cada seção de trabalho, do quadro funcional, dos turnos, das características da organização e dos seus diversos setores. Estava nascendo a Ginástica Laboral, que em seus primórdios era denominada “ginástica de pausa”, implantada na indústria europeia com o objetivo de dar repouso ativo aos operários por alguns períodos durante sua jornada de trabalho. A partir deste momento histórico, a ideia toma força e se dissemina pelo mundo.

No Brasil, o Rio Grande do Sul foi pioneiro oficial na implantação do programa, quando no dia 22 de novembro de 1978, tendo como protagonista a Escola de Educação Física da FEEVALE-RS, efetivou-se o primeiro contrato com uma empresa da região para a implantação de um programa de Ginástica Laboral, baseado em análises biomecânicas e estruturada pelos profissionais de Educação Física da instituição, bem como através de parcerias com o SESI da região. A data virou um marco histórico para a atividade, tanto que em vários estados do país, o dia 22 de novembro é oficialmente considerado o Dia da Ginástica Laboral, referência importante para reforças ao conjunto da sociedade sobre o valor que estes programas têm para a saúde e para a produtividade sustentável.

Como observa o conselheiro do CREF2/RS e Ergonomista do Trabalho, Alessandro Gonçalves (CREF 005863-G/RS), o atual modelo de Ginástica Laboral representa uma importante ferramenta ergonômica e exerce papel fundamental no equilíbrio entre a saúde, produtividade e qualidade de vida dos trabalhadores envolvidos nos programas. “Utilizar a Ginástica Laboral de forma estratégica, alinhada com ações de ergonomia e segurança ocupacional é um diferencial competitivo em empresas que entendem o passado, trabalham o presente e constroem o futuro”, assegura. Alessandro explica que a atuação do profissional de Educação Física frente a programas de Ginástica Laboral exige conhecimentos em diversas áreas. “Entender o contexto em que as organizações estão inseridas irá atribuir um ganho de competitividade aos profissionais, já que a função exige identificação com o sistema de trabalho das empresas clientes. Também é obrigatório conhecer as cadeias musculares, exercícios de alongamento, relaxamento e fortalecimento muscular. Além disso é preciso entender os componentes da música, a ludicidade, o equilíbrio, a propriocepção e as rotas metabólicas”, enumera.

Alessandro argumenta que a Ginástica Laboral é aplicável onde houver trabalho, pois sempre haverá riscos biomecânicos envolvidos, portanto os programas de GL têm vários ambientes para se desenvolver. Um novo mercado a ser explorado são as zonas agrícolas. “Apesar de ainda não estar muito difundida, a prática de Ginástica Laboral em ambientes rurais pode garantir aos trabalhadores e empregadores os mesmos benefícios encontrados e já mensurados nas empresas, cujas sedes encontram-se em locais urbanizados”.

É o que acontece em Américo Brasiliense (SP), onde cerca de 200 cortadores fazem diariamente Ginástica Laboral antes de começar a trabalhar. O objetivo é prevenir doenças como lesão por esforço repetitivo, que atinge com frequência os cortadores de cana. O projeto foi criado depois de uma norma regulamentadora de 2005 exigir das empresas melhoria nas condições de trabalho e ações de prevenção a acidentes de trabalho. Isso ocorre também nas grandes empresas da cadeia produtiva do frango no Rio Grande do Sul, como a Perdigão, a Doux/Frangosul e a Minuano, que oferecem uma ampla gama de benefícios assistenciais aos seus funcionários, entre eles programas de Ginástica Laboral nas suas linhas de produção.  

De fato, são os resultados quantitativos na melhora da saúde do trabalhador e do consequente aumento da produtividade, advindo do bem-estar proporcionado pelo programa, que tornaram a Ginástica Laboral em uma atividade econômica consolidada no mercado. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Ginástica Laboral (ABGL), Cynara Cristina Pereira (CREF 068042-G/SP), o programa está implantado em inúmeras empresas de diversos segmentos por todo o país e cresce na medida em que profissionais de Educação Física tem se especializado para desenvolver os programas, a partir da publicação e da demonstração científica dos indicadores de resultados, e se fortalece quando inovações bem sucedidas são aplicadas nos ambientes corporativos. “Dados científicos informam que o passivo gerado pelas das doenças laborais, os afastamentos e o absenteísmo oneram três vezes mais a empresa que todos os custos somados de produção, aí inclusos matéria-prima, os insumos, os salários e a logística. Portanto, é muito mais inteligente investir em programas de promoção da saúde e qualidade de vida no trabalho”, avalia.

O Rio Grande do Sul, além de ter sido vanguarda na implantação da Ginástica Laboral no país, sedia empresas com sólida cultura de promoção da saúde dos trabalhadores. Um destes exemplos é o Banrisul S/A, cujo programa de Ginástica Laboral, de acordo com a conselheira do CREF2/RS e supervisora de Ginástica Laboral e Fitness do Banrisul Cláudia Lucchese (CREF 002358-G/RS), foi construído a “quatro mãos”. “Foi em 1999 que se formou uma comissão paritária de saúde, composta de membros representando os empregados indicados pelo Sindicato da categoria e membros representantes da Empresa, dando início a um projeto piloto em algumas agências, que após seis meses já tinha indicativo de expansão às mais de 500 agências do Banrisul”, constata. Cláudia esclarece que o objetivo do programa é a prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos – LER, especificamente os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho – DORT e promoção da saúde ocupacional dos empregados da empresa.

Conforme a supervisora, desde a implantação poucas vezes ocorreram interrupções no programa. “Até porque esta atividade faz parte do acordo coletivo selado pelo Sindicato com o Banco". O maior problema, explica Claudia, se dá por conta da morosidade nas licitações públicas, acarretadas pelo formalismo no procedimento. “Importante ressaltar que por ser um programa qualitativo, o banco nunca buscou medidas de resultados em produtividade. A questão maior sempre foi a percepção subjetiva do empregado em relação ao programa. O quanto a prática da Ginástica Laboral colabora para a qualidade de vida no trabalho”, especifica. Os dados levantados entre os participantes pela supervisora demonstraram que 95% destes entendem que quando participam das atividades, sentem-se mais ativos, como menos desconfortos em relação às posturas exigidas no seu posto de trabalho. Também consideram que levantar da cadeira e mobilizar seu corpo e relaxar a mente tem sido o grande ganho com esse programa. “Hoje a média de participação no Banrisul é de 65% dos empregados. No momento, passamos novamente por um processo de licitação pública”, relata a supervisora.

Outro grande referencial para o setor é o Serviço Social da Indústria (SESI), pioneiro na área e grande divulgador da Ginástica laboral no país, constantemente reconhecida pelos serviços prestados em segurança e saúde no trabalho. Premiado com o Marca Brasil no período entre 2006 a 2017, distinção que reconheceu a excelente atuação do SESI em Ginástica Laboral, Medicina Ocupacional e Serviços para Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (Sipat), o SESI ainda teve sua Ginástica Laboral eleita por 12 anos consecutivos como o melhor programa de GL do País.

Para o superintendente do Sesi-RS, Juliano Colombo, a Ginástica Laboral busca atuar como ferramenta de promoção de saúde do trabalhador, interagindo com a política corporativa da empresa. "Nosso objetivo é contribuir para a educação postural e adaptação funcional, além de estimular o exercício físico e o comportamento saudável. Com as ações de promoção da saúde, o Sesi-RS busca contribuir para o bem estar e o aumento da produtividade da indústria. A atividade começou no Brasil, em 1978, em parceria do Sesi gaúcho com a Feevale, com o projeto Ginástica Laboral Compensatória. Hoje atuamos com o Programa Sesi Ginástica na Empresa, em 114 companhias, alcançando cerca de 8.700 trabalhadores no estado", explica. Em todo o país, o SESI Ginástica na Empresa atende diariamente 750 mil trabalhadores de 2,5 mil indústrias.

Tendo em vista a importância da Ginástica Laboral para os trabalhadores e como mercado para os profissionais de Educação Física, o CREF2/RS irá comemorar os 40 anos da implantação da Ginástica Laboral no Brasil realizando na manhã do dia 1º de dezembro o “Workshop Ginástica Laboral: Os Desafios e Oportunidades do Mercado”. O evento, com público-alvo nos profissionais e estudantes de Educação Física, inicia às 9h, com a palestra "Como criar e comercializar programas de Ginástica Laboral" ministrada pelo conselheiro Alessandro Gonçalves (CREF 005863-G/RS). O conselheiro reforçará em sua fala a prerrogativa dos profissionais de Educação Física como protagonistas da Ginástica Laboral, bem como discorrerá como realizar um planejamento sólido para criar e comercializar programas de Ginástica Laboral. A partir das 10h30min, ocorrerá um workshop prático de execícios, com encerramento das atividades previsto para as 12h.

Workshop Ginástica Laboral: Os Desafios e Oportunidades do Mercado
Data e horário: 1º de dezembro, sábado, das 9h às 12h
Local: sala 204 da FADERGS
Endereço: av. João Pessoa, 1107, bairro Farroupilha, Porto Alegre/RS
Inscrições gratuitas e mais informações podem ser obtidas pelo site http://crefrs.org.br/eventos/laboral2018/. As vagas são vagas limitadas, e encerram no dia 29 de novembro, quinta-feira
Contato: 51-3288 0200
Organização: CREF2/RS
Apoio: FADERGS


Ginástica Laboral



11ª Semana de Prevenção das LER é nos dias 1º e 2 de março na FDRH
23/02/2016
Fonte: CREF2/RS

A 11ª Semana LER (Lesões por Esforço Repetitivo) – Três Visões sobre um Futuro Melhor, iniciativa da Câmara Municipal de Porto Alegre com o apoio do CREF2/RS, será realizada nos dias 1º e 2 de março no auditório da Federação para o Desenvolvimento dos Recursos Humanos (FDRH), em Porto Alegre. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail ftiars@ftiars.org ou diretamente no local.

LER é o conjunto de doenças que atingem músculos, tendões, nervos e articulações dos membros superiores (dedos, mãos, punhos, antebraços e braços) e, eventualmente, membros inferiores e coluna vertebral. Decorrem de sobrecarga do sistema músculo-esquelético no trabalho, que vai se acumulando ao longo do tempo. Tony Izaguirre (CREF 002462-G/RS), da Câmara Técnica de Ginástica Laboral e Atividade Física na Empresa do Conselho, será um dos palestrantes do evento.

11ª Semana LER Lesões por Esforço Repetitivo
Local: Auditório da Federação para o Desenvolvimento dos Recursos Humanos
Endereço: Avenida Praia de Belas, 1595 - Praia de Belas

Programação:

Dia 1º de março, terça-feira:

8h30min: credenciamento
9h: abertura
9h30min: Visão 1: Prevenção: Custo ou Investimento?
- Empresa: Gestão de Pessoas
- Segurança do Trabalho
- CIPA
- Ergonomia
- Ginástica Laboral e outras ações de prevenção
14h: Visão 2: A Fiscalização
- Ministério Público do Trabalho
- CIPA - DRT
- Previdência Social
- Tribunal Regional do Trabalho - TRT4

Dia 2 de março, quarta-feira:

9h: Visão 3: A Atuação Sindical
- Sindicatos da Alimentação, Bancários, do Comércio, da Previdência e da Saúde.
11h30min - Debates
11h45min - Encerramento da 11ª Semana e passeata até o TRT/4


Lesões por Esforço Repetitivo



Ginástica laboral: trabalho com equipe multidisciplinar leva melhoria da qualidade de vida dentro das empresas
19/02/2013
Fonte: Jornalismo Portal EF

Transmitir informações precisas também é fundamental para a adesão dos funcionários. Uma pausa no expediente é essencial em todas as profissões. Afinal, esse “respiro” no meio do dia pode contribuir com a melhora da produtividade. Se ela vier acompanhada de alguns exercícios leves, então, o incremento na qualidade de vida, na saúde, no humor e na produtividade são imensuráveis e podem ser alcançadas por meio da ginástica laboral.

André Nessi, profissional de educação física, professor da Universidade Anhembi Morumbi e diretor do Instituto Nessi (www.institutonessi.com.br), conta que a Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que a prática de 30 minutos de atividades físicas por dia e as empresas têm buscado incluir ao menos 15 minutos diários de exercícios físicos e recreativos que estimulam o corpo, as emoções e a conexão entre pessoas de departamentos distintos. “No mundo corporativo há promoções para que sejam consideradas as melhores empresas do setor e, dentre os itens avaliados estão os benefícios aos funcionários, que incluem a ginástica laboral. Por isso acreditamos que este é um setor em franca expansão”, defende.

O que é Ginástica Laboral?

Dentro de muitas empresas ainda há quem se questione sobre o que é a ginástica laboral. De acordo com o fisioterapeuta, mestre em reabilitação do equilíbrio corporal e coordenador do curso de Fisioterapia da Faculdade de Tecnologia e Ciências de Vitória da Conquista (BA), Vinícius de Moraes, “a ginástica laboral é a execução de exercícios e atividades específicas junto ao ambiente de trabalho com o intuito de promover a saúde do trabalhador, prevenir o aparecimento de lesões por esforço repetitivo (LER/DORT) e melhorar o relacionamento, a interação entre os indivíduos”.

Vários profissionais podem aplicar a Ginástica Laboral

Se dentro das empresas a pergunta sobre o que é a ginástica laboral figura entre os funcionários, dentre os profissionais da área da saúde surge o questionamento sobre quem é que deve aplicar essas atividades dentro das empresas e a resposta surpreende: ginástica laboral é um trabalho multidisciplinar que pode envolver fisioterapeutas, profissionais de educação física, nutricionistas e psicólogos, tudo para promover a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida no ambiente corporativo.

“O papel de execução das aulas é prioridade do profissional de educação física, mas o fisioterapeuta interage com os programas de ergonomia, postural, de qualidade física e, inclusive, de reabilitação e reinserção de trabalhadores afastados. Trabalhamos juntos para desenvolver assuntos específicos e essa simbiose é muito importante hoje em dia. Um complementa o trabalho do outro”, conta Moraes.

Nessi afirma que a Educação Física tem o papel de preparar o corpo para a atuação na vida, de modo a prevenir lesões, enquanto a fisioterapia tem um enfoque mais voltado á reabilitação e reinserção às atividades corriqueiras. “Elas são distintas, mas quando integradas na manutenção do dia a dia da estrutura do profissional atuam em perfeita harmonia”, diz. A necessidade de capacitação profissional também é destacada pelo professor universitário, que lembra que apenas há cursos de pós-graduação e especialização em ginástica laboral e indica a Associação Brasileira de Ginástica Laboral e o Portal da Educação Física como fontes de informação a respeito de tais cursos.

Sem contraindicações absolutas, o departamento médico das empresas também deve participar da liberação dos funcionários para a prática da ginástica laboral sempre que houver queixas de dor ou problemas específicos. “Quem trabalha com atividade física costuma separar as pessoas por grupos. Assim, ao implantar um programa de qualidade de vida numa empresa, fazemos um levantamento das pessoas com indicações e contraindicações à atividade física, separando aquelas que usam marcapasso, têm labirintite, as gestantes e os idosos para podermos fazer grupos de comprometimento. Todos farão a atividade laboral, mas cada grupo com as suas demandas específicas a serem atendidas”, explica Nessi.

Ginástica Laboral vai ser obrigatória

Ainda tramita em votação o projeto de lei 6083/09, que foi aprovado pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público em 2010 para obrigar as empresas com cerca de 100 ou mais funcionários a terem um programa de ginástica laboral. Segundo Moraes, elas ainda não têm essa obrigação, mas muitas o fazem por notar os benefícios que esse tipo de atividade física trazem para os empregados e para o negócio em si. O fisioterapeuta lembra que há países que incentivam a prática da ginástica laboral, o que é ótimo para a saúde física e emocional dos empregados.

“Na realidade, a obrigatoriedade da participação do funcionário pode configurar assédio moral, por isso precisamos tomar muito cuidado. Tentamos convencer com informações e palestras, mas a empresa pode controlar a adesão deles por meio de relatórios”, alerta Moraes.

Além disso, a grande vantagem da ginástica laboral é que o clima empresarial muda, já que este é um momento lúdico, de redução do estresse. Estudos indicam que a repercussão é satisfatória na produção, na redução da abstenção e até mesmo na redução de processos jurídicos movidos contra a empresa que oferece ginástica laboral aos funcionários. “Sofremos inclusive pressão das empresas porque impactamos na produção”, diz o fisioterapeuta.

De acordo com André Nessi, as vantagens para os funcionários são variadas também, como tirar a tensão excessiva voltada ao trabalho, melhorias psicológicas e fisiológicas, melhor percepção corporal prevenindo acidentes ao melhorar a atenção, os reflexos, a agilidade e a execução correta de força e movimento ao pegar e transportar materiais, entre outras.