Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



CREF2/RS discute projetos com deputado federal João Derly
20/06/2016
Fonte: CREF2/RS

A presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), visitou na última sexta-feira (17) o deputado federal e ex-campeão mundial de judô João Derly em seu escritório de Porto Alegre. Durante a reunião, Carmen explicou ao parlamentar que o Conselho está se aproximando dos legisladores gaúchos no intuito de amplificar as lutas dos 30 mil registrados no estado, aos quais se somam cerca de 400 mil profissionais de Educação Física brasileiros.

Derly disse fazer parte da Frente Parlamentar da Educação Física na Câmara Federal. "Neste momento, estamos discutindo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), e sempre que tenho oportunidade de falar com o pessoal da Educação Física reafirmo a importância de unirmos forças e aumentarmos nossa representatividade. Na verdade, temos pouca união, pois verificamos poucos professores e ex-atletas valorizados em secretarias, o que culmina na falta da obrigatoriedade do profissional de Educação Física nas séries iniciais", avaliou Derly.

Carmen demonstrou preocupação ao deputado quanto o andamento do PLS 552/2013, que amplia as possibilidades de atuação como técnicos esportivos a atletas ou ex-atletas da modalidade em que pretendam atuar, desde que comprovem no mínimo cinco anos de atividade, e revoga a Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, que trata apenas do exercício da profissão de treinador de futebol. Derly afirmou que já havia discutido esta questão com o presidente do CONFEF. “O treinador de rendimento pode ser aberto e os próprios CREFs poderiam intermediar e gerirem esta relação. Na questão da formação, quando se trabalha inclusive com crianças, é imperativo o registro", declarou o deputado.

Também foi debatida a proposta de extinção do bacharelado feita pelo Conselho Nacional de Educação (CNE). Carmen explicitou que com a criação do bacharelado houve a integração com as áreas de saúde, o que proporcionou a abertura de vagas de trabalho nos NASFs, hospitais e clínicas. “Se fores a qualquer faculdade de Educação Física, verás que o aluno do bacharelado está satisfeito com o curso escolhido, portanto, este projeto é unilateral e antidemocrático”.

Ao final da reunião, João Derly sugeriu a realização de uma Audiência Pública conjunta com a Frente Parlamentar do Esporte, para discutir leis de interesse dos profissionais de Educação Física, trazendo para o debate professores, profissionais de Educação Física, atletas e ex-atletas.


Legislativo



CREF2/RS realiza aula magna na Faculdade Metodista de Santa Maria
09/05/2016
Fonte: CREF2/RS

No dia 5 de maio, o auditório da Faculdade Metodista de Santa Maria (FAMES) foi palco da aula magna ministrada pela assessora de Fiscalização, Fernanda Rodrigues (CREF 009604-G/RS), e pela assessora jurídica, Cristiane Corrêa (OAB/RS 60.229), ambas do CREF2/RS. O tema abordado foi “Questionamentos sobre as questões legais e éticas que envolvem o bacharelado em Educação Física”.

Durante a aula, foram esclarecidos aos estudantes temas como procedimentos de fiscalização, a Lei de Estágio, ações judiciais, ética e o projeto de extinção do bacharelado, proposto pela Comissão de Ensino Superior (CNE) do Ministério da Educação e que está sendo combatido pelo Sistema CONFEF/CREFs.


Eventos



CREF2/RS realiza aula magna na Faculdade Metodista de Santa Maria
18/04/2016
Fonte: CREF2/RS

No dia 5 de maio, às 19h, o auditório da Faculdade Metodista de Santa Maria (FAMES) sediará a aula magna ministrada pela conselheira e representante da Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional do CREF2/RS, Débora Rios Garcia (CREF 002202-G/RS), pela assessora de Fiscalização, Fernanda Rodrigues (CREF 009604-G/RS), e pela assessora jurídica, Cristiane Corrêa (OAB/RS 60.229). O tema abordado será “Questionamentos sobre as questões legais e éticas que envolvem o bacharelado em Educação Física”.

Será um bate-papo em que se tratarão os procedimentos de fiscalização, a Lei de Estágio, ações judiciais, ética e a extinção do bacharelado. No intervalo, haverá degustação dos produtos da Nação Verde, FrutaMania e suplementos da Transformers Academia. O evento é aberto ao público em geral.

Aula Magna no curso de Educação Física da Faculdade Metodista de Santa Maria
Data: 5 de maio, quinta-feira, às 19h
Local: Auditório da FAMES, rua Dr. Turi, 2003, Centro, Santa Maria
Tema : “Questionamentos sobre as questões legais e éticas que envolvem o bacharelado em Educação Física"


Aula Magna



Documento contra a extinção do bacharelado é enviado ao ministro da Educação
11/04/2016
Fonte: CREF2/RS

No dia 8, a Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional do CREF2/RS enviou ao ministro da Educação Aloizio Mercadante e aos conselheiros do Conselho Nacional de Educação (CNE) um manifesto contendo argumentos contra a proposta de extinção do bacharelado. O documento, assinado por 22 coordenadores de cursos de Educação Física, foi entregue à Comissão de Ensino Superior pelo representante da Associação dos Dirigentes de Instituições de Ensino Superior em Educação Física (ADIESEF) e coordenador do Bacharelado da Unisinos, Cláudio Gutierrez (CREF 014210-G/RS).

Entre outros pontos, o documento ressalta que a proposta do CNE é arbitrária e unilateral e que, se aprovada, além de extinguir uma profissão e não apenas uma formação, trará imensos prejuízos na licenciatura, pois aproximadamente 2/3 dos estudantes que hoje estão cursando Educação Física o fazem buscando o bacharelado. Além disto, não se mensurou os prejuízos do fechamento de 600 cursos em todo o estado, em termos de campo de trabalho bem como da saúde pública e da qualidade de vida.

Fizeram parte da reunião, além de Gutierrez, o presidente da Câmara Eduardo Merino (CREF 004493-G/RS) e os conselheiros Carlos Ernani Olendzki de Macedo (CREF2/RS 001262), Débora Rios Garcia (CREF 002202-G/RS) e Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS).


Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional



Documento contra a extinção do bacharelado é finalizado
11/03/2016
Fonte: CREF2/RS

Nesta quinta-feira, dia 10 de março, a Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional do CREF2/RS finalizou o documento que alerta para as consequências negativas da extinção do curso de bacharelado. O próximo passo será a distribuição aos coordenadores de curso para o conhecimento da íntegra do texto. Posteriormente, ele será enviado ao ministro da Educação e aos conselheiros do Conselho Nacional de Educação (CNE).

A proposta de extinção do bacharelado foi elaborada e apresentada no final de 2015 pelo Conselho Nacional de Educação, por meio de uma Comissão interna, criada especificamente para esta finalidade. Caberá ao Ministro da Educação decidir pela homologação, ou não, da proposta. Segundo o presidente da Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional do CREF2/RS, Eduardo Merino (CREF 004493-G/RS), o projeto de extinção é uma proposta unilateral e autoritária. “Não houve nenhum debate sobre o projeto, mas sim a pretensão de definir os rumos de uma profissão sem ouvir quem forma os profissionais”, explicou.


Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional



Reunião contra a extinção do bacharelado tem presença do presidente do CONFEF e de 13 coordenadores de curso
24/02/2016
Fonte: CREF2/RS

Em um encontro considerado histórico pelos coordenadores das instituições de ensino superior presentes, a Comissão de Ensino Superior do CREF2/RS reuniu-se ontem, dia 23 de fevereiro, para estudar formas de sensibilizar a Comissão de Ensino Superior (CNE) do Ministério da Educação para não aprovar a proposta de extinção dos cursos de bacharelado em Educação Física. De acordo com os artigos 7º e 8º do projeto do CNE, os cursos de bacharelado deixariam de existir a partir do ano letivo seguinte à publicação da resolução.

Os coordenadores, que definiram a proposta como arbitrária e unilateral, vão lançar em breve um documento alertando sobre as consequências da extinção do curso às instituições de ensino, aos profissionais de Educação Física e à população. A reunião também contou com a presença do presidente do CONFEF, Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ), e da presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), que no mesmo dia haviam se encontrado com Sérgio Roberto Kieling, pró-reitor da UFRGS e vice-presidente da Câmara de Educação Superior, para tratar do tema.

Durante a reunião, o coordenador do bacharelado da Univates, Leonardo de Ross Rosa (CREF 006576-G/RS), relatou que os maiores problemas com a divisão dos cursos estão na falta de clareza das diretrizes e da própria interpretação das mesmas, além das regras de transição. “A solução para isso é, sim, definir novas diretrizes, mas especificando adequadamente as duas formações e seus respectivos campos de atuação com regras claras de transição, convocando instituições de ensino formadoras e os Conselhos de Educação Física, entidades que não podem ser alijadas da discussão pois é, por Lei, quem regulamenta a profissão”, afirmou.

Álvaro Reischak de Oliveira (CREF 001714-G/RS), docente da UFRGS, discorreu sobre quem atuaria nos campos que hoje são espaço dos bacharéis, caso haja a extinção do bacharelado. “Certamente não seriam os licenciados, que não têm as competências nem desenvolvem as habilidades necessárias para a atuação no campo do bacharelado. Esta lacuna naturalmente será preenchida por acadêmicos de outros cursos mais próximos da área da saúde, o que enfraqueceria por demais a profissão, restringindo o campo de atuação unicamente para o ensino na educação básica”, concluiu.

O presidente do CONFEF, Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ), avaliou que o movimento está se fortalecendo e terá condições de alertar ao CNE sobre a impropriedade da extinção do curso de bacharelado, demonstrando os prejuízos que o projeto provocará na área da saúde, onde hoje o profissional de Educação Física está inserido. “Sendo apenas licenciado, haveria perda na qualidade no serviço por falta de uma formação adequada, hoje muito bem atendida pelos cursos de bacharelado”, constatou.

Já Eduardo Merino (CREF 004493-G/RS), presidente da Comissão de Ensino Superior do CREF2/RS e professor do bacharelado da UFPel, destacou o papel do Conselho como aglutinador deste processo, que contou, na segunda reunião sobre o tema, com a presença significativa dos coordenadores de curso. “Além disso, com a adesão de alguns reitores, o movimento contra a extinção do bacharelado toma vulto. A partir da publicação do documento, mobilizaremos também a sociedade".


Extinção do Bacharelado



Presidente do CONFEF visita CREF2/RS e traz solidariedade ao conselheiro federal Professor Garcia
21/01/2016
Fonte: CREF2/RS

O presidente do CONFEF Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ) esteve hoje (21) na sede do CREF2/RS. De acordo com o Steinhilber, suas visitas aos Conselhos Regionais têm o objetivo de manter a harmonia do Sistema CONFEF/CREFs. “Principalmente quando surgem ameaças externas, como o recente projeto do Conselho Nacional de Educação (CNE) de extinção do bacharelado e a proposta da criação de cursos de graduação em gestão esportiva e futebol pelo Ministério da Educação, já que não está claro qual o objetivo deste curso”, explicou.

Steinhilber também conversou com a presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) questões relativas à Educação Física Escolar, assunto que será tratado em um encontro promovido pelo CONFEF em breve. O presidente ressaltou que a data da visita ao CREF2/RS se reveste de um significado especial, já que hoje é o aniversário do conselheiro federal Professor Garcia (CREF 000002-G/RS), que está hospitalizado há mais de 180 dias. “Vim prestar solidariedade de todo o Sistema CONFEF/CREFs, na certeza de que ele vai superar esta fase e retornar ao nosso convívio rapidamente. O conselheiro, além de muito ativo e competente, tem uma bela história na construção da profissão de Educação Física no Brasil”, destacou.


Sistema CONFEF CREFs



CREF2/RS repudia proposta de extinção dos cursos de bacharelado em Educação Física
20/01/2016
Fonte: CREF2/RS

O repúdio à proposta do Conselho Nacional de Educação (CNE), que preconiza a extinção dos cursos de bacharelado em Educação Física, foi a tônica da reunião da Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional do CREF2/RS, nesta terça-feira (19), que contou com a participação de 15 representantes de instituições de ensino superior. De acordo com os artigos 7º e 8º do projeto do CNE, os cursos de bacharelado deixariam de existir a partir do ano letivo seguinte à publicação da resolução.

Segundo o presidente da Comissão de Ensino Superior e professor do bacharelado da UFPel, Eduardo Merino (CREF 004493-G/RS), o CRE2/RS apoia a posição tomada pela maioria das instituições, que é de veemente repúdio ao projeto. “A proposta é perigosa do ponto de vista da formação do profissional de Educação Física, pois ao mesmo tempo que extingue o bacharelado, enfraquece a licenciatura”. Merino afirmou que a próxima medida da Comissão será elaborar um documento conjunto assinado por todos os coordenadores de bacharelado do estado, ressaltando as consequências da extinção do curso para as instituições de ensino, para os profissionais de Educação Física e à sociedade em geral.

Para o coordenador do bacharelado em Educação Física da Unisinos, Cláudio Gutierrez (CREF 014210-G/RS), o projeto extinguirá o curso que possui um forte vínculo com a promoção da saúde, além de ter maior procura em todas as universidades em que são oferecidos os dois cursos. "Não teremos uma participação efetiva na saúde se não mantivermos currículos que contemplem as especificidades da área. Todo o avanço que se construiu a partir da separação dos cursos será perdido, e os ganhos conquistados pela licenciatura na área pedagógica retrocederão, enfraquecendo seu compromisso com a escola básica".

De acordo com Álvaro Reischak de Oliveira (CREF 001714-G/RS), docente da ESEF/UFRGS, mais de 150 estudantes da Faculdade se posicionaram contra a extinção do curso em um recente abaixo-assinado. “Este expressivo número de assinaturas sinaliza que os próprios alunos querem a separação dos currículos e, acima de tudo, precisam ser ouvidos na formulação das políticas de ensino”. Álvaro também ressaltou a existência de movimentos no meio acadêmico que reiteradamente defendem a extinção do bacharelado e do Sistema CONFEF/CREFs. “O que faz mais urgente uma ampla articulação política na defesa do bacharelado, currículo essencial na formação do profissional de Educação Física”.

Um documento elaborado pelo conselheiro Federal do CONFEF Emerson Silami Garcia (CREF 000046-G/MG), com considerações à proposta do CNE, alerta que a extinção do bacharelado provocará a demissão de centenas ou até milhares de docentes qualificados, pois nenhuma licenciatura de 3200 horas acomodaria tantas disciplinas quanto as que existem atualmente nos dois currículos. “Como o único curso seria licenciatura, hoje regulada pela Resolução CNE 2/2015, é natural que sobrevivam principalmente os conteúdos próprios de licenciatura. Não existe nenhum arranjo possível para acomodar todas as disciplinas na mesma carga horária. É utopia dizer que a educação continuada suprirá todas as necessidades”, sustenta o documento.

Estiveram presentes à reunião representantes da UNISC, Ulbra Canoas e Gravataí, Unijuí, Univates Lajeado, FACOS, Fadergs, Sogipa, ESEF/UFRGS, Unilasalle, Unisinos.


Comissão de Ensino Superior e Preparação Profissional