Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



Instagram do CREF2/RS promove mais duas lives
10/07/2020
Fonte: CREF2/RS

Nos próximos dias, o CREF2/RS vai dar continuidade às suas lives pelo Instagram. Na terça-feira, dia 14 de julho, Jorge Kovács (CREF 006197-G/MT) irá abordar o tema “Como fazer um bom treino em casa, com pouco ou nenhum acessório”. Já na quinta-feira, dia 16 de julho, o Conselho vai receber Ednei Torresini (CREF 003786-G/RS), para a apresentação “Educação Física nos cruzeiros marítimos: nova possibilidade de atuação”.

Graduado em Educação Física pela Universidade de Santo Amaro, Kovács é pós-graduado em Gerontologia e tem especialização em pilates e em treinamento funcional, pelas Escolas IHP e pelo Mentorship Samorai. Além de atuar como palestrante, é personal trainer desde 2007 e já trabalhou nas academias dos principais clubes de São Paulo.

Torresini é graduado em Educação Física pela UFSC, pós-graduado em gestão e marketing esportivo e ex-atleta de futsal. Já atuou em academias, clubes, escolas e resorts. É um dos primeiros profissionais de Educação Física do Rio Grande do Sul a desempenhar a função de instrutor esportivo em cruzeiros marítimos, com diversas viagens internacionais realizadas pela empresa italiana Costa Cruzeiros. Atualmente, é preparador físico da seleção brasileira de futebol masculino para surdos.

As lives do CREF2/RS ficam salvas no IGTV do Instagram. Clique aqui para conferir as edições passadas.

Confira a programação:

14 de julho, terça-feira, às 17h
Jorge Kovács (CREF 006197-G/MT)
Como fazer um bom treino em casa, com pouco ou nenhum acessório

16 de julho, quinta-feira, às 17h
Ednei Torresini (CREF 003786-G/RS)
Educação Física nos cruzeiros marítimos: nova possibilidade de atuação


lives Instagram



CREF2/RS coloca-se à disposição do Governo Estadual para elaborar retomada da Educação Física Escolar
02/06/2020
Fonte: CREF2/RS

Na última semana, o Conselho enviou ao Governo Estadual um ofício, em que se coloca à disposição para contribuir na elaboração de protocolos para a retomada das aulas de Educação Física na rede pública de ensino. O documento, que foi uma iniciativa da Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS, também cita a disponibilidade de seus membros para trabalharem conjuntamente com a Secretaria da Educação, para que possam construir assim uma disciplina melhor e mais preocupada com a promoção da saúde, com a socialização e com o prazer de realizar exercícios físicos, assim como na capacitação de professores.

Encaminhado ao governador Eduardo Leite e ao secretário da Educação Faisal Karam, o ofício ainda salienta que o retorno das aulas é uma realidade e que precisa ser feito de forma gradual e segura. “Considerando que os tempos são outros e que se faz necessário uma modernização no ensino, aliando as tecnologias atuais, as aulas práticas e os meios virtuais devem ser levados em conta, já que a sua utilização serve como motivação e aderência do aluno ao programa de ensino”, frisa o documento.

A Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS é formada por Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), Clery de Lima 9CREF 000297-G/RS), Jeane Cazelato (CREF 000003-G/RS), Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS) e Ninon Leal (CREF 001350-G/RS).


Educação Física Escolar Escolas



CREF2/RS mantém lista de normativas estaduais e municipais
02/04/2020
Fonte: CREF2/RS

Diante da pandemia do coronavírus (COVID-19), o CREF2/RS tem recebido diversos questionamentos sobre como proceder quanto ao funcionamento das empresas registradas. Mesmo diante desta situação atípica, o Conselho não pode ordenar o fechamento, a abertura ou restringir o funcionamento dos locais que ofertam serviços na área de atividades físicas que estão devidamente regulares com a legislação vigente. Por isso, foi publicada, no dia 17 de março, uma Nota Técnica com orientações gerais para o exercício da profissão de Educação Física neste período.

O Conselho ressalta que a recomendação é que os estabelecimentos sigam as determinações dos órgãos federais, estaduais e municipais responsáveis. Diversos municípios do Estado estão publicando, diariamente, normativas com medidas que alteram o funcionamento de diferentes tipos de estabelecimentos, como academias, clubes e centros de treinamento.

Atento às demandas dos profissionais e proprietários de empresas da área, reunimos aqui as normativas estaduais e municipais disponíveis sobre o assunto, que afetam diretamente as atividades dos registrados. A lista não contempla a totalidade de cidades do Estado, mas está sendo atualizada constantemente. Caso tenha conhecimento de novas normativas em cidades do Rio Grande do Sul, envie as informações para o e-mail contato@crefrs.org.br e auxilie na atualização dos dados.

Rio Grande do Sul - Decreto 55.154

Alvorada
Bagé
Bento Gonçalves
Bom Jesus
Cachoeirinha
Canela
Canoas
Capão da Canoa
Capão do Leão
Carazinho
Caxias do Sul
Cotiporã
Eldorado do Sul
Erechim
Esteio
Farroupilha
Flores da Cunha
Garibaldi
Gravataí
Gramado
Ijuí
Lajeado
Liberato Salzano
Não-Me-Toque
Nova Petrópolis
Novo Hamburgo
Osório
Passo Fundo
Pejuçara
Portão
Porto Alegre
Salto do Jacuí
Santa Cruz do Sul
Santa Maria
Sant’Ana do Livramento
Santiago
Santo Antônio da Patrulha
São Borja
São Leopoldo
São Marcos
Sapiranga
Tapes
Taquara
Torres
Três Passos
Uruguaiana
Vacaria

Última atualização: 03/04


coronavírus



CREF2/RS mantém lista de normativas estaduais e municipais
20/03/2020
Fonte: CREF2/RS

Diante da pandemia do coronavírus (COVID-19), o CREF2/RS tem recebido diversos questionamentos sobre como proceder quanto ao funcionamento das empresas registradas. Mesmo diante desta situação atípica, o Conselho não pode ordenar o fechamento, a abertura ou restringir o funcionamento dos locais que ofertam serviços na área de atividades físicas que estão devidamente regulares com a legislação vigente. Por isso, foi publicada, no dia 17 de março, uma Nota Técnica com orientações gerais para o exercício da profissão de Educação Física neste período.

O Conselho ressalta que a recomendação é que os estabelecimentos sigam as determinações dos órgãos federais, estaduais e municipais responsáveis. Diversos municípios do Estado estão publicando, diariamente, normativas com medidas que alteram o funcionamento de diferentes tipos de estabelecimentos, como academias, clubes e centros de treinamento.

Atento às demandas dos profissionais e proprietários de empresas da área, reunimos aqui as normativas estaduais e municipais disponíveis sobre o assunto, que afetam diretamente as atividades dos registrados. A lista não contempla a totalidade de cidades do Estado, mas está sendo atualizada constantemente. Caso tenha conhecimento de novas normativas em cidades do Rio Grande do Sul, envie as informações para o e-mail contato@crefrs.org.br e auxilie na atualização dos dados.

Rio Grande do Sul Decreto 55.154 Decreto 55.184 Decreto 55.240

Agudo
Alvorada Decreto 29 Decreto 78
Bagé Decreto 050 Decreto 053 Decreto 055 Decreto 057
Bento Gonçalves
Bom Jesus
Cachoeirinha Decreto 6860 Decreto 6876
Canela
Canoas
Capão da Canoa
Capão do Leão
Carazinho
Carlos Barbosa Decreto 3.536 Decreto 3.539
Caxias do Sul
Cotiporã Decreto 3.719 Decreto 3.726 Decreto 3.732
Eldorado do Sul
Erechim
Esteio
Estrela
Farroupilha
Flores da Cunha
Garibaldi
General Câmara Decreto 024 Decreto 041
Gravataí
Gramado
Ijuí
Joia
Lajeado
Liberato Salzano
Não-Me-Toque
Nova Petrópolis
Novo Hamburgo Decreto 9.197 Decreto 9.206
Osório
Passo Fundo Decreto 32 Decreto 18/05 - Academias Decreto 18/05 - Serviços Gerais
Pejuçara
Portão
Porto Alegre Decreto 20.534 Decreto 20.562 Decreto 20.564 Decreto 20.583 Decreto 20.608 Decreto 20.623 Decreto 20.625 Decreto 20.639
Rio Grande
Rolante
Salto do Jacuí
Santa Cruz do Sul
Santa Maria
Sant’Ana do Livramento
Santiago
Santo Antônio da Patrulha
São Borja
São Leopoldo Decreto 9.428 Decreto 9.591 Decreto 9.598
São Marcos
Sapiranga
Tapes
Taquara
Torres
Três Passos
Uruguaiana
Vacaria
Viamão

Última atualização: 07/07


coronavirus



Saiba como combater o coronavírus
13/03/2020
Fonte: CONFEF/Ministério da Saúde

Em escolas, hospitais, academias ou clubes, os profissionais de Educação Física estão em contato direto e permanente com a sociedade. A nossa categoria é, portanto, um importante agente na disseminação de informações. Confira abaixo as instruções atualizadas do Ministério da Saúde para proteger você e sua família do coronavírus, além dos seus alunos e clientes.

O que é coronavírus (Covid-19)?

O coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto no dia 31 de dezembro de 2019, após casos registrados na China. Ele provoca a doença chamada de coronavírus (Covid-19).

Os primeiros coronavírus humanos foram isolados m 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como posso me proteger?

– Lave as mãos com frequência, com água e sabão, ou higienize com álcool em gel 70%;

– Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com o braço, e não com as mãos;

– Se estiver doente, evite contato físico com outras pessoas e fique em casa até melhorar;

– Evite tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas. Ao tocar, lave sempre as mãos com água e sabão;

– Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, toalhas, pratos e copos;

– Evite aglomerações e mantenha os ambientes ventilados.

Como o coronavírus (Covid-19) é transmitido?

A transmissão ocorre de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo (cerca de dois metros), por meio de gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, toque ou aperto de mãos, objetos ou superfícies contaminadas.

E quais são os principais sintomas?

O coronavírus (Covid-19) é similar a uma gripe. Geralmente é uma doença leve a moderada, mas alguns casos podem ficar graves. Os sintomas mais comuns são febre, tosse e dificuldade para respirar.

Para dúvidas e eventuais esclarecimentos sobre o coronavírus, contate o Disque Saúde através do telefone 136.


Coronavirus



CREF2/RS realiza 9º Fórum de Mobilização pela Educação Física Escolar em Capão da Canoa
04/03/2020
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS irá realizar, no dia 4 de abril, a nova edição do Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar, em Capão da Canoa. O evento, que tem o apoio da APEF/RS e integra a programação do 46º Encontro Nacional dos Profissionais de Educação Física (ENAPEF), vai ocorrer na Casa de Cultura Erico Verissimo e contará com duas palestras, ministradas por Cláudia Lucchese (CREF 002358-G/RS) e Eneida Feix (CREF 002116-G/RS), e uma atividade lúdica conduzida por Fernando Saraiva (CREF 002582-P/RS). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas aqui ou diretamente no local.

Eneida é especialista em Educação Psicomotora, em Lazer e Recreação e em Jornalismo Esportivo e possui mestrado na área de Ciências do Movimento Humano. Tem 40 anos de experiência na área de Recreação, com atuação no Ministério do Esporte, na Secretaria Municipal de Educação e de Esportes, Recreação e Lazer de Porto Alegre, na FUNDERGS e nos Ensinos especial, Fundamental, Médio e Superior. Já Cláudia é graduada pela UFRGS e possui pós-graduação em Medicina e Ciências do Esporte (UFRGS) e em Ergonomia (UGF). É coordenadora dos programas de Qualidade de Vida no Banrisul e certificada pela International Stress Management Association em gerenciamento do stress no trabalho.

Promovido pela Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS, o Fórum está previsto para iniciar às 13h45min e para encerrar às 16h45min. O evento, é aberto para todos os profissionais e acadêmicos do curso de Educação Física. O Conselho emitirá certificado online para todos os presentes na atividade.

9º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar
Data e horário: 4 de abril, sábado, das 13h45min às 16h45min
Local: Casa de Cultura Erico Verissimo
Endereço: Avenida Flávio Boianowski, 789 – Zona Nova (Capão da Canoa)
Entrada gratuita. Inscrições aqui ou diretamente no local


Educação Física Escolar Escolas Capão da Canoa ENAPEF



Profissionais de Educação Física conquistam reconhecimento na CBO
28/02/2020
Fonte: CREF1/RJ

Os profissionais de Educação Física foram reconhecidos pela Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), sob o código 2241-40, como “Profissional de Educação Física na Saúde”. A nova descrição foi adicionada no sistema em 17 de fevereiro deste ano. Com ela, a categoria passa a ter maior visibilidade dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), podendo desenvolver as suas atividades com a respectiva remuneração, da mesma forma que as demais profissões da área da saúde.

Junto ao novo termo, há outras sete classificações: Avaliador Físico, Ludomotricista, Preparador de Atleta, Preparador Físico, Técnico de Desporto Individual e Coletivo (exceto futebol), Técnico de Laboratório e Fiscalização Desportiva, Treinador Profissional de Futebol. Com a inclusão da classificação número 2241-40, a descrição primária foi ampliada com a seguinte informação: “estruturam e realizam ações de promoção da saúde mediante práticas corporais, atividades físicas e de lazer na prevenção primária, secundária e terciária no SUS e no setor privado”.

Importante ressaltar que nas características do trabalho consta que “o exercício das ocupações da família requer formação superior em Educação Física, com registro no Conselho Regional de Educação Física”.

Entre as competências descritas na letra G do Código 2241-40, estão: realizar ações de promoção da saúde mediante práticas corporais, atividades físicas e lazer, que englobam realizar atendimento individual; realizar atendimento em grupos; realizar consultas compartilhadas; participar de eventos, campanhas, ações e programas de educação em saúde; promover atividades de educação permanente; promover ações em práticas integrativas e complementares; desenvolver ações de saúde nas escolas e centros culturais; promover atividades de lazer e recreação; realizar visitas domiciliares; trabalhar em rede de serviços; matriciar equipes; desenvolver ações de atividade física e práticas corporais inclusivas na saúde; estruturar ações de atividade física e práticas corporais na prevenção primária, secundária e terciária no SUS; estruturar ações de atividade física e práticas.

Sobre a CBO

A estrutura básica da CBO foi elaborada em 1977, resultado do convênio firmado entre o Brasil e a Organização das Nações Unidas – ONU, por intermédio da Organização Internacional do Trabalho – OIT, no Projeto de Planejamento de Recursos Humanos (Projeto BRA/70/550), tendo como base a Classificação Internacional Uniforme de Ocupações – CIUO de 1968.


CBO



CREF2/RS repudia nova matriz curricular das escolas públicas do Rio Grande do Sul
03/12/2019
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS, diante da Portaria 289/2019 da Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul, publicada no dia 27 de novembro e que dispõe sobre a organização curricular do Ensino Fundamental e Médio nas escolas da rede estadual, vem a público mostrar o seu repúdio à redução da carga horária da disciplina de Educação Física, a partir do sexto ano, e a sua total ausência na última série do Ensino Médio.

O Governo do Estado, ao não tornar mais obrigatória a oferta da disciplina em todas as etapas da Educação Básica, deixa de cumprir a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, instituída pela Lei Federal 9.394/98, que determina a presença da Educação Física em todas as séries. Em razão disto, o CREF2/RS está tomando as providências para garantir que os estudantes da rede pública de ensino tenham à disposição, em suas grades curriculares e nos termos da lei, esta disciplina e os benefícios proporcionados pela atividade física na escola.

O CREF2/RS aproveita este momento para reiterar a importância das aulas de Educação Física, por ser um instrumento essencial para o combate ao sedentarismo, para a promoção da saúde e para o desenvolvimento das capacidades motoras e cognitivas. O Conselho também está atento aos desdobramentos desta Portaria, eis que totalmente contrária ao disposto na Ação Civil Pública nº 5015130-79.2013.4.04.7100, e tomará as medidas judiciais cabíveis para que todos os gaúchos tenham uma educação pública de qualidade, com a disciplina de Educação Física na sua carga horária correta e ministrada por profissionais capacitados.


Educação Física Escolar Escolas



CREF2/RS apoia greve dos professores do Rio Grande do Sul
20/11/2019
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS, que sempre esteve na luta para garantir uma Educação Física Escolar de qualidade para toda a população gaúcha, se solidariza com os professores da rede estadual de ensino e apoia a greve iniciada na última segunda-feira, dia 18 de novembro. O Rio Grande do Sul, que por muito tempo teve um dos melhores índices de educação do Brasil, está sofrendo com o sucateamento das escolas e com o enfraquecimento das políticas públicas relacionadas à área, pelo menos desde o Governo Sartori.

A atual mobilização dos professores é uma resposta às propostas apresentadas pelo governador Eduardo Leite, recentemente, à Assembleia Legislativa. Os cortes previstos no orçamento, que tem a intenção de gerar uma “perigosa” economia ao Estado, afetam de maneira drástica a carreira de todo o funcionalismo, incluindo aí diversos professores de Educação Física. O atraso e o parcelamento dos salários, que já ocorrem há bastante tempo, aliados ao fim de algumas gratificações e dos adicionais por tempo de serviço, vão piorar – de maneira quase que irreversível – as escolas públicas e destruir o futuro das nossas crianças.

Como bem destacou Helenir Schürer, presidente do Cpers, os professores que têm mestrado e doutorado, hoje com uma diferença salarial de quase 100% em comparação com aqueles que têm apenas Ensino Superior completo, deverão ter uma perda de mais de 90% do seu salário. As medidas sugeridas pelo Governo, que parecem dar um alívio nas contas públicas nos anos seguintes, certamente irão afastar os profissionais qualificados das salas de aula, impactando agressivamente não só na vida dessas pessoas, mas de toda a população que vê a educação como o caminho para um futuro mais próspero, capaz de proporcionar conhecimento e gerar oportunidades.

Apesar de todo o impacto que uma greve pode causar pontualmente, entendemos que estamos diante do momento em que precisamos estar unidos em nome de uma causa maior. A educação, assim como todas as escolas do Rio Grande do Sul, não podem permanecer na situação de calamidade que se encontram, lamentavelmente alheia aos interesses do Poder Público. Os professores, reconhecidos como os principais agentes de transformação da nossa sociedade, precisam ser urgentemente valorizados, para que o ensino do povo gaúcho retorne ao patamar que nunca deveria ter deixado. O CREF2/RS apoia as reivindicações!


Educação Física Escolar Escolas greve



COF encerra ciclo de palestras em Passo Fundo
02/09/2019
Fonte: CREF2/RS

Na última terça-feira, dia 27 de agosto, a Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS realizou, em Passo Fundo, a quarta e última edição do seu ciclo de palestras. O evento, promovido na UPF, reuniu cerca de 100 profissionais e estudantes, que assistiram às apresentações dos conselheiros Carlos Castilhos (CREF 000877-G/RS) e Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e do profissional e personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS).

O evento, dividido em duas partes, tratou inicialmente das ações e dos processos de fiscalização. Os membros da COF explicaram para os presentes os trâmites, as infrações, os desdobramentos legais e o papel desempenhado pelo CREF2/RS em todos estes casos. O público também pode tirar dúvidas sobre estágios e sobre a atuação profissional.

Já a segunda palestra da noite, intitulada “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”, foi ministrada por Leal e trouxe para debate um assunto de grande interesse, principalmente para aqueles que atuam no mercado fitness. Na sua fala, o palestrante também salientou como a avaliação física também pode ser implementada em outros locais, como os ambientes corporativos.

Aproximando o Conselho dos profissionais e dos acadêmicos do interior, o Ciclo de Palestras em Passo Fundo teve a entrada gratuita para todo o público. O evento, avaliado de maneira extremamente positiva pela COF, teve a sua primeira edição em maio e também passou pelas cidades de Santa Maria, Caxias do Sul e Pelotas.


Ciclo de Palestras COF Fiscalização



CREF2/RS promove hoje ciclo de palestras da Fiscalização em Passo Fundo
27/08/2019
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS vai realizar em Passo Fundo, nesta terça-feira, dia 27 de agosto, a quarta e última edição do seu ciclo de palestras. A atividade, que ocorrerá na Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da UPF, vai contar com as palestras dos conselheiros Carlos Castilhos (CREF 000877-G/RS) e Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e do personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS). As inscrições, abertas para profissionais, proprietários de academia e estudantes, são gratuitas e podem ser feitas diretamente no local.

O evento, marcado para iniciar às 19h, será dividido em dois momentos. Na primeira parte, os membros da COF irão falar sobre as ações e sobre os processos de fiscalização, explicando os trâmites e as atribuições do CREF2/RS, também relacionadas à Lei do Estágio. Na sequência, Leal vai ministrar a palestra “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”. Com grande experiência na área, o personal trainer também é o criador e o responsável técnico do Total Body Test.

Ciclo de Palestras da Comissão de Orientação e Fiscalização – Passo Fundo
Data e horário: 27 de agosto, terça-feira, às 19h
Local: UPF – Faculdade de Educação Física e Fisioterapia – Sala 14
Endereço: Rodovia BR-285, Km 292, s/nº – Bairro São José
Inscrições diretamente no local
* Haverá emissão de certificado de participação, de quatro horas/aula para todos que comparecerem ao evento.


Ciclo de Palestras Fiscalização Passo Fundo



Fórum de Educação Física Escolar discute metodologias de ensino e papel do professor
26/08/2019
Fonte: CREF2/RS

No último sábado, dia 24 de agosto, a Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS promoveu a oitava edição do Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar, no SESC Protásio Alves. O evento, que integrou a programação gratuita do 45º ENAPEF, contou com uma palestra conduzida pelo conselheiro federal Ricardo Catunda (CREF 000001-G/CE) e uma atividade lúdica ministrada por José Anchieta (CREF 000337-G/RS).

Com cerca de 100 participantes, entre profissionais e estudantes, a mesa de abertura do Fórum contou com a presença do presidente do CREF2/RS José Edgar Meurer (CREF 001953-G/RS), da presidente da Comissão de Educação Física Escolar Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), da presidente da APEF Luciane Citadin (CREF 000100-G/RS) e do diretor de logística da Secretaria de Educação Paulo Rezende (CREF 001298-G/RS). Na sua fala, Miryam destacou o papel importante que o evento desempenha, desde a sua primeira edição, para a valorização do profissional de Educação Física dentro das escolas e para a defesa de projetos de lei que contemplem a sua presença desde as séries iniciais de ensino.

Criador do método de ginástica afro aeróbica, Anchieta deu continuidade ao evento, com uma atividade prática. A interação contou com o envolvimento de todos os presentes, que puderam conhecer um pouco mais sobre o batucalê e as formas de utilizá-lo em aulas de Educação Física Escolar, por exemplo. Na sequência, foi a vez da conselheira Cláudia Lucchese (CREF 00238-G/RS) conduzir um segundo momento de descontração, com uma performance de dança e bom humor.

Metodologias ativas

Abordando as metodologias da Educação Física e o papel desempenhado pelos professores, Catunda iniciou a sua palestra explicando o processo de aprendizagem ativa e o desafio complexo que é o ato de ensinar. “A definição de ‘aprender’, como aponta diversos autores, é ‘se tornar capaz de fazer o que antes não se conseguia fazer’. O conceito tem, portanto, uma relação intrínseca com o desenvolvimento de um conjunto integrado de competências”, enfatizou.

Na sua apresentação, o Conselheiro Federal também esclareceu como o aprendizado, sobretudo na Educação Física, tem a possibilidade de transformar a realidade com experimentações. Para isso, Catunda afirmou que a “pirâmide da aprendizagem” precisa ter como objetivo a autonomia dos alunos, através de práticas que reforcem o trabalho em equipe, a resolução de problemas e a criatividade. “O professor é apenas um facilitador dentro do processo, em um modelo de ensino que deve ter clara classificação de prioridades, com as experiências práticas sempre em destaque”, avaliou.

No encerramento do Fórum, Catunda ainda respondeu as dúvidas da plateia, quase todas sobre temas que dizem respeito ao dia a dia dos profissionais de Educação Física que atuam nas escolas. A Comissão de Educação Física Escolar do CREF é formada por Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), Clery de Lima (CREF 000297-G/RS), Jeane Cazelato (CREF 000003-G/RS), Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS) e Ninon Leal (CREF 001350-G/RS).


Educação Física Escolar Comissão de Educação Física Escolar



CREF2/RS divulga finalistas do Troféu Destaque 2019
21/08/2019
Fonte: CREF2/RS

Na manhã desta quarta-feira, dia 21 de agosto, o CREF2/RS divulgou os nomes de todos os finalistas do Troféu Destaque 2019. O prêmio, criado pelo Conselho como forma de comemorar o Dia do Profissional de Educação Física, terá a sua cerimônia de entrega realizada no dia 31 de agosto, no Grêmio Náutico União.

Divididos em quatro categorias, os finalistas listados abaixo, em ordem alfabética, foram escolhidos pelos profissionais registrados, que puderam indicar os seus favoritos por meio de uma votação aberta no site do Conselho, durante o último mês de julho. Outras duas categorias – Personalidade e Mérito da Educação Física – terão os seus ganhadores eleitos diretamente pela Plenária. Todos os vencedores do Troféu Destaque serão conhecidos somente no dia 31 de agosto.

As empresas que estão completando dez anos de registro ininterrupto, em 2019, também serão homenageadas na cerimônia. Confira os finalistas:

Categoria Profissional – Atuação Bacharelado:

Camilla Padilha da Silva Dutra (CREF 025641-G/RS)
Graduada em Educação Física pela Faculdade Sogipa, é criadora do método de treinamento Generation System e sócia-proprietária da Kangoo Top Team, empresa especializada em kangoo jumps. Atua em academias de Porto Alegre.

Roberta Anselmo Borges (CREF 007239-G/RS)
Graduada em Educação Física pela UFPel e pós-graduada em marketing esportivo e academias de ginástica, é proprietária da Academia VO2 Beta, em Pelotas, há 18 anos. Atua na área fitness com aulas de jump, step, local e é uma das referências em todo o Estado nas modalidades kangoo jumps, board fitness e HUGS 7.

Tiago Barrionuevo Proença (CREF 012034-G/RS)
Graduado em Educação Física pelo IPA, é proprietário da BPro – Treinamento Físico Funcional, em Porto Alegre. É um dos precursores da modalidade no Rio Grande do Sul e também ministra diversos cursos sobre o assunto no Brasil e no exterior.

Categoria Profissional – Atuação Licenciatura:

Anelise Reis Gaya (CREF 024009-G/RS)
Graduada em Educação Física pelo IPA, tem doutorado pela Universidade do Porto, em Portugal. Atualmente é docente da ESEFID da UFRGS e professora do Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano. É coordenadora do Projeto Esporte Brasil e atua em várias iniciativas relacionadas à promoção da saúde nas aulas de Educação Física Escolar.

Fabiani Dias da Silveira (CREF 002949-G/RS)
Graduado em Educação Física pelo IPA, tem mais de 30 anos de experiência na Educação Física Escolar e atualmente é professor do Colégio Sinodal do Salvador, de Porto Alegre. Em Novo Hamburgo, atua também em um projeto social que fomenta o handebol em escolas municipais, formando equipes para participar de diversos campeonatos. Foi professor substituto da cadeira de handebol da ESEFID/UFRGS, de 2011 a 2012 e é o criador de um projeto de intercâmbio técnico e cultural de handebol entre o Brasil e a Áustria.

Josiane Margarete de Araújo Fassini (CREF 013909-G/RS)
Graduada em Educação Física pela Ulbra Canoas e pós-graduada pela UFRGS em Mídias e Educação, é professora da Escola Municipal Miguel Couto, em Nova Santa Rita. Atua com a inclusão através do projeto “Educação Física Inclusiva na EJA”, com atividades desportivas adaptadas, como goalball e vôlei sentado. É também coordenadora do projeto “A Escola da Universidade”, em parceria com o curso de Educação Física da Ulbra.

Categoria Profissional – Atuação Projeto Social:

Evandir Ricardo Viegas Ferraz (CREF 008382-P/RS)
Conhecido pelo nome artístico Mike Júnior, é professor de street dance no Ballet Gutierres, em Porto Alegre. Pioneiro em adotar e explorar a cultura hip hop em suas aulas, há 15 anos desenvolve um projeto social no Centro Comunitário da Vila Orfanotrófio, na zona sul de Porto Alegre, aproximando crianças carentes da dança. É idealizador da modalidade hip hop fitness e instrutor de step nas academias Movere Fitness, HF Personal Training e Fit Academia.

Rosani Oliveira Franco (CREF 005930-G/RS)
Graduada em Educação Física pelo IPA, é coordenadora do Instituto Tênis – Núcleo Porto Alegre. O projeto, que já atendeu quatro mil crianças, tem o objetivo de desenvolver o tênis e de transformar o Brasil numa potência do esporte nos próximos 20 anos, oferecendo a modalidade gratuitamente para crianças de escolas municipais e estaduais, que dificilmente teriam acesso, através de aulas regulares de Educação Física e com atividades em parques públicos.

Tânia Beatriz Rodrigues da Silva (CREF 027013-G/RS)
Graduada em Educação Física pela Universidade La Salle, atua no SESI/FIERGS como monitora de esportes. Há 14 anos também é voluntária na Associação dos Amigos do Centro Olímpico Municipal (AACOM), em parceria com a Prefeitura Municipal de Canoas, ministrando aulas de fitness e de ritmos.

Categoria Pessoa Jurídica:

Fazendo Onda (CREF 001345-PJ/RS)
Em atividade desde 2002, a Fazendo Onda é uma escola de natação e academia de Igrejinha. Além de aulas de natação, hidroginástica e caminhada aquática, também desenvolve projetos de emagrecimento para grupos de pessoas com IMC acima da faixa “Obesidade 1”, com duração de seis meses e prêmios para os melhores resultados. Em quatro etapas realizadas até o momento, ajudou a eliminar mais de 620kg somente através da atividade física.

Fit Academia (CREF 002825-PJ/RS)
Em atividade desde 2014, a Fit Academia é de Porto Alegre e conhecida pelo seu ambiente familiar. Oferece diversas atividades aos seus alunos, como grupo de corrida, treinamento funcional e yoga. Como diferenciais tem o Circuito 60+, dedicado ao público da terceira idade, e cumpre todas as normas de acessibilidade, como rampas de acesso para cadeirantes, banheiro adaptado no térreo e elevador interno.

Sublime Academia (CREF 001162-PJ/RS)
Em atividade desde 2008, a Sublime Academia é de Santa Cruz do Sul e busca contribuir para o equilíbrio físico e mental dos seus alunos, com um ambiente agradável e acolhedor. Conta com uma ampla estrutura, totalmente climatizada, com diversas opções de atividades, como pilates, treinamento funcional, musculação e outras tantas aulas coletivas, ministradas por profissionais altamente qualificados e comprometidos.


Troféu Destaque



Comissão de Educação Física Escolar se reúne com deputado Sebastião Melo
09/08/2019
Fonte: CREF2/RS

Na última quinta-feira, dia 8 de agosto, o presidente do CREF2/RS José Edgar Meurer (CREF 001953-G/RS) e membros da Comissão de Educação Física Escolar receberam o deputado estadual Sebastião Melo. O objetivo do encontro foi apresentar ao parlamentar o projeto de lei que determina que as aulas de Educação Física nas séries iniciais do ensino público devam ser ministradas exclusivamente por profissionais de Educação Física habilitadas.

Segundo Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), um projeto com o mesmo escopo foi aprovado e implantado com sucesso no município de Porto Alegre. “Vim aqui para me somar às causas da Educação Física, e serei parceiro para desarquivar o projeto e fazê-lo tramitar na Assembleia”, comentou o Deputado. Melo falou que se reunirá com o deputado Tiago Simon objetivando propor em conjunto a instalação de uma audiência pública para debater o tema na Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia da Casa. "Talvez este seja o passo decisivo para chamarmos a Secretaria Estadual de Educação e outros órgãos novamente ao diálogo".

Miryam assegurou que o projeto é extremamente necessário para a saúde das crianças e adolescentes. "Sem o profissional de Educação Física orientado os alunos, as crianças, principalmente nas escolas estaduais, chegam ao sexto ano com graves problemas de saúde e muitas apresentam índices de obesidade alarmantes”. Para a conselheira Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), o incentivo à atividade física orientada nunca foi tão necessária para se poder fazer frente à atual epidemia de sedentarismo e obesidade.


Comissão de Educação Física Escolar



CREF2/RS realiza ciclo de palestras da Fiscalização em Passo Fundo
30/07/2019
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS vai realizar em Passo Fundo, no dia 27 de agosto, a quarta e última edição do seu ciclo de palestras. A atividade, que ocorrerá na Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da UPF, vai contar com as palestras dos conselheiros Carlos Castilhos (CREF 000877-G/RS) e Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e do profissional e personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS). As inscrições, abertas para profissionais, proprietários de academia e estudantes, são gratuitas e podem ser feitas por aqui ou diretamente no local.

O evento, marcado para iniciar às 19h, será dividido em dois momentos. Na primeira parte, os membros da COF irão falar sobre as ações e sobre os processos de fiscalização, explicando os trâmites e as atribuições do CREF2/RS. Na sequência, Leal vai ministrar a palestra “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”. Com grande experiência na área, o personal trainer também é o criador e o responsável técnico do Total Body Test.

Haverá emissão de certificado de participação, de quatro horas/aula, para todos que comparecerem ao evento.

Ciclo de Palestras da Comissão de Orientação e Fiscalização – Passo Fundo
Data e horário: 27 de agosto, terça-feira, às 19h
Local: UPF – Faculdade de Educação Física e Fisioterapia – Sala 14
Endereço: Rodovia BR-285, Km 292, s/nº – Bairro São José
Inscrições gratuitas por aqui ou diretamente no local


Ciclo de Palestras Fiscalização Passo Fundo



Eduardo Bedin: quebrando barreiras e superando desafios
17/06/2019
Fonte: CREF2/RS

"Nunca desista de seus sonhos!”. Com este pensamento sempre presente, o profissional de Educação Física Eduardo Bedin (CREF 026673-G/RS) enfrentou com leveza e bom humor todos os empecilhos que a sociedade impõe aos deficientes e, derrubando todos os preconceitos, se tornou uma das primeiras pessoas com Síndrome de Down a se formar em Educação Física no Estado, assim como o graduado pela ULBRA Guaíba Igor Becker (CREF 015310-G/RS). Eduardo nasceu em Porto Alegre há 28 anos. Em 2017, ele licenciou-se em Educação Física pela UNOPAR e, de acordo com dados do Movimento Down, portal filiado à Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down, ele é uma das 74 pessoas com Down no Brasil que cursam ou que já se formaram no Ensino Superior até 2019.

A chegada de uma criança com deficiência em uma família pode gerar situações complexas e resultantes da falta de preparo e informação adequada para lidar com os sentimentos que surgem nesse momento. Quando Eduardo nasceu, a notícia da Síndrome foi colocada de maneira chocante pelo pediatra. “Teu filho tem mongolismo! Isso não cura”, relembra sua mãe, Neuza Leite. A atitude brutal do profissional da área médica foi o pontapé inicial para que os pais enfrentassem o desafio de buscar caminhos para viabilizar uma vida de superação. “Graças ao Centro Lydia Coryat, familiares, alguns amigos, além de profissionais responsáveis e dedicados, a vida começou a acontecer”, recorda. Ela explica que Eduardo iniciou sua ambientação escolar com um acolhimento amoroso no maternal, recebendo toda a atenção das professoras.

Registrado no CREF2/RS desde maio de 2018, Eduardo sempre teve uma rotina muito ativa, trabalhando profissionalmente como auxiliar técnico de judô, ao mesmo tempo que estudava em vários cursos para aprimorar as suas habilidades. Atualmente, desenvolve atividades esportivas junto a outras pessoas com deficiências na Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência, de Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade (APABB-RS). O projeto tem a coordenação de Fábio Izaguirre (CREF 005430-G/RS), judoca filiado à Federação Gaúcha de Judô (FGJ), e que trabalha de forma voluntária.

Eduardo também participa da Associação Judoística (AJURGS) e é chefe da Tropa Escoteira do Grupo Escoteiro Souza Lobo, localizado no bairro Sarandi, em Porto Alegre, além de ser membro da Associação dos Familiares e Amigos do Down (AFAD Porto Alegre), entidade a qual ele representa como suplente no Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência de Porto Alegre. De acordo com sua mãe, o trabalho voluntário tem permitido que Eduardo encare os compromissos com mais responsabilidade, notadamente com relação a horários e convivência.

Formatura e romance

Carismático e determinado, no dia da sua formatura Eduardo conquistou o coração da violonista e bailarina Florença Sanfelice, também com Síndrome de Down. Ela havia sido contratada para tocar na cerimônia, mas nessa noite ganhou também um namorado e um excelente amigo. “Estou muito apaixonado!”, é como ele mesmo se define. Os seus planos de vida incluem a independência própria e o futuro casamento.

Eduardo cursou a antiga primeira série em uma escola pública estadual e teve a felicidade contar com professoras amorosas e competentes, que o alfabetizaram e fizeram sentir-se incluído no ambiente escolar. Mas também existiram muitas experiências ruins em sua vida. “Há duas escolas de Porto Alegre das quais nem quero lembrar por serem preconceituosas e fechadas, o que me causou muito desalento”, recorda.

Quando Eduardo concluiu o Ensino Fundamental pela EJA, pois sentia-se constrangido em meio a crianças e preferia conviver com adultos, Neuza foi nomeada como assistente social para a Prefeitura de Rosário do Sul. “Ao chegar lá, as portas da Escola Estadual Plácido de Castro foram abertas, sendo imediatamente incluído no Grupo de Danças. Foi incrível! Fiz uma bela festa de formatura pensando que a vida escolar do meu filho estava sendo encerrada ali”, diz Neuza.

Mas a vida ainda reservava um grande objetivo a ser alcançado pela mãe e seu filho. “Quando fui fazer a minha matrícula para cursar Direito, o Eduardo estava junto.Ao sairmos da universidade, ele perguntou: “E a minha faculdade?” Coincidentemente estava sendo aberto o curso de Educação Física. Então cancelei a minha faculdade e investi na dele”, recorda. “O resultado felizmente foi o melhor possível. Estamos muito orgulhosos”, comemora Neuza.


Eduardo Leite Bedin



Ciclo de Palestras da COF discute fiscalização e avaliação física em Caxias do Sul
11/06/2019
Fonte: CREF2/RS

Na última quinta-feira, dia 6 de maio, a Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS realizou, em Caxias do Sul, a segunda edição do seu ciclo de palestras. O evento, promovido na FSG – Centro Universitário da Serra Gaúcha, reuniu cerca de 50 profissionais e estudantes, que assistiram às apresentações dos conselheiros Alessandro Gamboa (CREF 001534-G/RS) e Carla Tartarotti (CREF 006564-G/RS) e do profissional e personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS).

O evento, dividido em duas partes, tratou inicialmente das ações e dos processos de fiscalização. Os Conselheiros e membros da COF explicaram para os presentes os trâmites, as infrações, os desdobramentos legais e o papel desempenhado pelo CREF2/RS em todos estes casos. O público também pode tirar dúvidas sobre estágios e sobre a atuação profissional.

Já a segunda palestra da noite, intitulada “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”, foi ministrada por Leal e trouxe para debate um assunto de grande interesse, principalmente para aqueles que atuam no mercado fitness. “A oferta da avaliação física, etapa em que percebemos com clareza o que podemos fazer com cada pessoa, é que diferencia a boa academia e o bom personal dos estabelecimentos e dos profissionais comuns”, declarou. Na sua fala, o palestrante também salientou como a avaliação física também pode ser implementada em outros locais, como empresas e escolas.

Aproximando o Conselho dos profissionais e dos acadêmicos do curso de Educação Física, o Ciclo de Palestras em Caxias do Sul – que teve a entrada gratuita para todo o público – foi avaliado de maneira extremamente positiva pela COF, sobretudo pela boa presença de público. O evento ainda terá datas em Passo Fundo e em Pelotas, que serão anunciadas em breve.


Ciclo de Palestras Fiscalização Caxias do Sul



CREF2/RS realiza ciclo de palestras da Fiscalização amanhã em Caxias do Sul
05/06/2019
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS vai realizar amanhã, dia 6 de junho, a segunda edição do seu ciclo de palestras, em Caxias do Sul. A atividade, que ocorrerá na FSG – Centro Universitário da Serra Gaúcha, vai contar com as palestras dos conselheiros Alessandro Gamboa (CREF 001534-G/RS) e Carla Tartarotti (CREF 006564-G/RS) e do profissional e personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS). As inscrições, abertas para profissionais, proprietários de academia e estudantes, são gratuitas e podem ser feitas por aqui ou diretamente no local.

O evento, marcado para iniciar às 19h, será dividido em dois momentos. Na primeira parte, os membros da COF irão falar sobre as ações e sobre os processos de fiscalização, explicando os trâmites e as atribuições do CREF2/RS. Na sequência, Leal vai ministrar a palestra “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”. Com grande experiência na área, o personal trainer também é o criador e o responsável técnico do Total Body Test.

Haverá emissão de certificado de participação, de quatro horas/aula, para todos que comparecerem ao evento. Já em agosto, o Ciclo de Palestras da COF será realizado em Pelotas e Passo Fundo. Mais informações sobre estas datas serão anunciadas em breve.

Ciclo de Palestras da Comissão de Orientação e Fiscalização – Caxias do Sul
Data e horário: 6 de junho, quinta-feira, às 19h
Local: FSG – Centro Universitário da Serra Gaúcha – Sala A110
Endereço: Rua Os Dezoito do Forte, 2366 – São Pelegrino
Inscrições gratuitas por aqui ou diretamente no local


Ciclo de Palestras Fiscalização Caxias do Sul



Ciclo de Palestras da Fiscalização reúne profissionais e estudantes no Sesc Santa Maria
03/06/2019
Fonte: CREF2/RS

Na última quinta-feira, dia 30 de maio, o CREF2/RS esteve no Sesc Santa Maria para realizar o primeiro encontro do Ciclo de Palestras da Comissão de Orientação e Fiscalização.

Os presentes, que puderam entender como funcionam as ações e os processos de fiscalização, também assistiram à palestra “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”, ministrada por Leandro Leal (CREF 008113-G/RS).

Na foto, estão o gerente do Sesc Santa Maria Pedro Saccol, o assessor institucional do CREF2/RS Samuel de Almeida (CREF 013510-G/RS), o conselheiro Carlos Castilhos (CREF 000877-G/RS) e o gerente adjunto do Sesc Santa Maria Fábio Leite.


Fiscalização Ciclo de Palestras Santa Maria



Comissão de Fiscalização realiza ciclo de palestras em Caxias do Sul
30/05/2019
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS realizará em Caxias do Sul, no dia 6 de junho, a segunda edição do seu ciclo de palestras. A atividade, que ocorrerá na FSG – Centro Universitário da Serra Gaúcha, vai contar com as palestras dos conselheiros Alessandro Gamboa (CREF 001534-G/RS) e Carla Tartarotti (CREF 006564-G/RS) e do profissional e personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS). As inscrições, abertas para profissionais, proprietários de academia e estudantes, são gratuitas e podem ser feitas diretamente por aqui.

O evento, marcado para iniciar às 19h, será dividido em dois momentos. Na primeira parte, os membros da COF irão falar sobre as ações e sobre os processos de fiscalização, explicando para os presentes os trâmites e o papel desempenhado pelo CREF2/RS. Na sequência, Leal vai ministrar a palestra “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”. Com grande experiência na área, o personal trainer também é o criador e o responsável técnico do Total Body Test.

Ciclo de Palestras da Comissão de Orientação e Fiscalização – Caxias do Sul
Data e horário: 6 de junho, quinta-feira, às 19h
Local: FSG – Centro Universitário da Serra Gaúcha – Sala A110
Endereço: Rua Os Dezoito do Forte, 2366 – São Pelegrino
Inscrições gratuitas por aqui ou diretamente no local


Fiscalização Ciclo de Palestras Caxias do Sul



CREF2/RS promove ciclo de palestras amanhã em Santa Maria
29/05/2019
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS vai realizar amanhã, no Sesc Santa Maria, a primeira edição do seu novo ciclo de palestras. A atividade vai contar com as apresentações dos conselheiros Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e Carlos Castilhos (CREF 000877-G/RS) e do profissional e personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS). As inscrições, abertas para profissionais, proprietários de academia e estudantes, são gratuitas e podem ser feitas antecipadamente por este link ou diretamente no local.

O evento, marcado para iniciar às 19h, será dividido em dois momentos. Na primeira parte, os membros da COF irão falar sobre as ações e sobre os processos de fiscalização, explicando para os presentes os trâmites e o papel desempenhado pelo CREF2/RS. Na sequência, Leal vai ministrar a palestra intitulada “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”. Com grande experiência na área, o personal trainer também é o criador e o responsável técnico do Total Body Test.


Ciclo de Palestras da Comissão de Orientação e Fiscalização – Santa Maria
Data e horário: 30 de maio, quinta-feira, às 19h
Local: Sesc Santa Maria
Endereço: Avenida Itaimbé, 66 – Centro
Inscrições gratuitas por aqui ou diretamente no local


Fiscalização Ciclo de Palestras Santa Maria



SESC-RS promove Dia do Desafio em Porto Alegre
24/05/2019
Fonte: SESC/RS

No dia 29 de maio, o SESC-RS irá promover, em Porto Alegre, a 25ª edição do Dia do Desafio, ação que propõe às pessoas interromper suas atividades rotineiras e praticar por, pelo menos, 15 minutos consecutivos de qualquer tipo de atividade física. O evento tem o apoio do CREF2/RS.

Neste ano, a capital gaúcha competirá com Campinas e o município que mobilizar mais pessoas em relação ao número oficial de habitantes vence. Utilize as hashtags #DiaDoDesafio e #PortoAlegre até a data do evento e registre a sua participação enviando fotos e o número de colaboradores engajados pelo e-mail diadosesafiopoa@sesc-rs.com.br. Conheça abaixo os locais públicos para participar, entre às 8h e 18h, em Porto Alegre.

Largo Glênio Peres
Estrutura com toldo e tatame com programação o dia todo com artes marciais e apresentações de dança. Ponto central de arrecadação de agasalho para o desafio solidário

Esquina Democrática
Chute a gol

Rua da Praia
Muro de escalada

Praça da Alfândega
Futemesa

CETE
Programação desenvolvida pelo CETE com aulões de dança, artes marciais, esportes olímpicos e cama elástica, jogo de cotonetes, Bob Esponja e jacaré inflável para as crianças das escolas estaduais e municipais do entorno

Mais informações no site www.sesc-rs.com.br.

Foto: Marco Prass/Arquivo Trensurb


Dia do Desafio



Comissão de Fiscalização realiza ciclo de palestras em Santa Maria
23/05/2019
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS realizará em Santa Maria, no dia 30 de maio, a primeira edição do seu mais novo ciclo de palestras. A atividade, que ocorrerá no Sesc Santa Maria, vai contar com as palestras dos conselheiros Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e Carlos Castilhos (CREF 000877-G/RS) e do profissional e personal trainer Leandro Leal (CREF 008113-G/RS). As inscrições, abertas para profissionais, proprietários de academia e estudantes, são gratuitas e podem ser feitas diretamente por aqui.

O evento, marcado para iniciar às 19h, será dividido em dois momentos. Na primeira parte, os membros da COF irão falar sobre as ações e sobre os processos de fiscalização, explicando para os presentes os trâmites e o papel desempenhado pelo CREF2/RS. Na sequência, Leal vai ministrar a sua palestra, intitulada “A Avaliação Física nas Escolas e Academias”. Com grande experiência na área, o personal trainer também é o criador e o responsável técnico do Total Body Test.

Depois de Santa Maria, o ciclo de palestras da Comissão de Fiscalização irá para Caxias do Sul, Pelotas e Passo Fundo. Mais informações sobre as outras edições do evento serão divulgadas em breve.

Ciclo de Palestras da Comissão de Orientação e Fiscalização – Santa Maria
Data e horário: 30 de maio, quinta-feira, às 19h
Local: Sesc Santa Maria
Endereço: Avenida Itaimbé, 66 – Centro
Inscrições gratuitas por aqui ou diretamente no local


Ciclo de Palestras Fiscalização



Fortunati fala no CREF2/RS sobre obras da Copa e revitalização da Orla
07/05/2019
Fonte: CREF2/RS

Na última sexta-feira, dia 3 de maio, o CREF2/RS recebeu José Fortunati, ex-prefeito de Porto Alegre. Ele esteve no Conselho para esclarecer as obras da Copa do Mundo, além de conversar sobre a revitalização da Orla do Guaíba e o novo trecho do projeto. Fortunati foi a primeira autoridade a aceitar o convite para participar de uma série de diálogos promovidos na sede do CREF2/RS, e que pretende trazer políticos, dirigentes e esportistas que contribuem para o esporte, para a atividade física e para a profissão de Educação Física.

De acordo com ex-Prefeito, em 2008 foram abertas as candidaturas das cidades para sediar a Copa do Mundo. Assim que finalizaram as inscrições, os dados foram levados à FIFA, com previsão de oito sedes escolhidas. Fortunati afirmou que o ex-presidente Lula cometeu um equívoco ao impor 12 sedes, pois várias das cidades incluídas nesta lista não tinham tradição no futebol. O resultado foi estádios que viraram verdadeiros elefantes brancos, a exemplo de Brasília, que teve a construção da arena mais cara no país e que atualmente tem uma média de cinco mil torcedores nos jogos lá disputados.

Quando Porto Alegre acabou sendo escolhida uma das cidades-sede, a FIFA enviou à Prefeitura as exigências a serem cumpridas para que a capital gaúcha pudesse receber a Copa do Mundo. “Nós já estávamos negociando com o Sport Club Internacional, que garantiu reformar o Beira-Rio de acordo com as normas da FIFA. Porto Alegre foi a única cidade entre as 12 sedes que não injetou recursos públicos em estádios. Para tanto, nós abrimos mão dos impostos ISSQN em troca do empréstimo gratuito do Beira-Rio durante a Copa”, esclareceu.

Outra demanda da FIFA era a modernização do Aeroporto Salgado Filho, obra que foi totalmente realizada pela Infraero. A terceira exigência foi estabelecer regras de segurança. “Para isto, foi feito um processo de revitalização, que foi facilitado devido a ótima localização do estádio. Contudo, tivemos de retirar comerciantes irregulares que atuavam há muitos anos na área, além das quadras de duas escolas de samba”. Para melhorar o acesso ao estádio, foram duplicadas a avenida Beira Rio e corredores de ônibus da avenida Padre Cacique. “Isto só aconteceu porque renegociamos com o Governo Federal mais recursos no caderno de encargos da Copa, atingindo o montante de R$ 140 milhões”.

Fortunati percebeu que poderia incluir as principais obras de mobilidade da cidade em uma nova negociação. “Então, celebramos em Brasília a aprovação dos projetos de melhoramentos para avenida Tronco, Terceira Perimetral, Elevada da Rodoviária e a duplicação das avenidas Voluntários da Pátria e Severo Dullius, no valor de R$ 888 milhões”. Porém, nem tudo ocorreu como previsto. Entre as dificuldades que provocaram o atraso na entrega das obras, Fortunati enumera a descoberta de solo arenoso e de uma imensa rocha durante as escavações, a obrigação do Ministério Público de que se trocasse o turno diurno de trabalho dos operários pelo noturno, encarecendo e atrasando as obras, e uma devastadora crise econômica em nível nacional.

Revitalização da Orla do Guaíba

Em relação à revitalização da Orla do Guaíba, o ex-Prefeito explicou que os recursos iniciais foram contratados em 2016 com a Corporação Andina de Fomento, apesar de problemas havidos anteriormente com o projeto do VLT. “Ainda assim obtivemos um empréstimo de 90 milhões de dólares e contratamos o arquiteto e urbanista Jaime Lerner para realizar o projeto”. Simultaneamente em Brasília, ocorria o escândalo político da Lava Jato, que tirou o completamente o foco do Senado sobre projetos e obras no país. Mesmo assim, em um esforço da bancada de senadores gaúchos, o empréstimo foi aprovado.

O ex-Prefeito explicou que a terceira fase do projeto, que irá urbanizar a área que vai da foz do Arroio Dilúvio ao Parque Gigante, em frente ao Beira-Rio, será voltado para a atividade física. “Esta fase tem uma vocação esportiva, com 27 quadras de futebol society, infantil, poliesportiva, tênis, vôlei de praia e tênis de praia. Também terá a maior pista de skate da América Latina, além de academia ao ar livre e para a melhor idade e parque infantil”, explica.

Fortunati finalizou afirmando ser contra a extinção da Secretaria Municipal de Esportes. “Acho uma lástima que se tenha uma ideia equivocada, e muito propagada pela grande mídia, que defende pura e simplesmente a redução do número de Secretarias”. Ele também disse estar convencido que a reforma administrativa promovida pelo atual prefeito é um desastre, e afirmou que esta análise é corroborada por técnicos de vários órgãos municipais.


Fortunati



CREF2/RS se reúne com titular da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esporte da capital
26/02/2019
Fonte: CREF2/RS

O presidente do CREF2/RS, José Edgar Meurer (CREF 001953-G/RS), e seu 1º secretário, Claudio Franzen (CREF 003304-G/RS), reuniram-se ontem, dia 25, com a secretária Municipal de Desenvolvimento Social e Esporte de Porto Alegre (SMDSE), Nádia Gerhard. Durante o encontro, foi discutida a situação dos professores cedidos em 2010 à SMDSE pela Secretaria Municipal de Educação, e que foram convocados para que retornem às escolas da rede municipal de ensino. Também foi colocado em pauta a reativação dos projetos sociais envolvendo atividades físicas bem como a parceria entre as associações de frequentadores e os aparelhos esportivos da Prefeitura, visando uma melhor conservação destes locais.

Segundo Meurer, sempre houve demanda para esportes na cidade. Mas partir de 2010, iniciou-se um incremento na busca da população por atividades física em Porto Alegre, que já estavam em uma curva ascendente. Por outro lado, o quadro funcional da Secretaria de Esportes era insuficiente para esta suprir esta procura. Devido a este gargalo, houve um acordo entre os secretários de Esporte e da Educação para que cedesse alguns professores aprovados em um concurso aberto da SME à pasta dos Esportes.

Ao longo do tempo, conforme as possibilidades, foram cedidos 32 professores, ao mesmo tempo que se chamavam alguns extras para atender a área do esporte. "E eles estavam atendendo com louvor a grande carência que a cidade enfrenta em relação às atividades esportivas. Quando o atual governo assumiu, houve um acordo entre prefeito, secretários e funcionários, no qual devolveu à pasta original 14 professores. Na SMDSE permaneceram apenas 18 professores além dos professores da SME para atender todos os equipamentos esportivos da prefeitura, como Ginásio Tesourinha, Parque Marinha do Brasil, CECOPAM e tantos outros", explicou Meurer. O secretário Claudio Franzen complementou que uma das bandeiras do CREF2/RS é que profissionais de Educação Física ocupem os postos estratégicos vinculados às políticas esportivas tanto no estado como no município.

Segundo a secretária Nádia, os professores cedidos estão exercendo sua atividades e prestando um serviço essencial à sociedade com seus serviços "Mas esta questão agora está centralizada no prefeito Marchezan Jr". Nádia prometeu envidar esforços junto ao prefeito para o retorno dos professores para atuarem com esporte, recreação e lazer na SMDSE.

O presidente do CREF2/RS também lembrou à secretária da importância de se manter parcerias com as associações de frequentadores dos equipamentos esportivos da Prefeitura, pois elas seriam as principais mantenedoras destes locais. Meurer lembrou o episódio do destalhamento e inundação do Ginásio Tesourinha, e revelou que grande parte da recuperação do equipamento foi realizado graças à associação dos frequentadores do ginásio. Nádia explicou que uma decisão da Procuradoria-Geral do Município (PGM) inviabilizou as parcerias, impedindo que a secretaria receba dinheiro destas associações.

O último assunto a ser tratado foi a a reativação dos projetos sociais envolvendo atividades físicas. Estabeleceu-se um consenso entre os participantes que há uma grande carência na área, e o CREF2/RS se disponibilizou a auxiliar no retorno destas atividades tão importantes para as populações carentes e vulneráveis.


SMDSE



CREF2/RS faz em Pelotas última palestra do ciclo “20 Anos da Regulamentação da Profissão de Educação Física”
22/10/2018
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS esteve em Pelotas na última quarta-feira, dia 17 de outubro, para realizar o terceiro e último encontro do Ciclo de Palestras “20 Anos de Regulamentação da Profissão de Educação Física”. O evento, que ocorreu na Escola de Educação Física da UFPel, reuniu cerca de 30 participantes, entre profissionais e estudantes. A atividade teve apresentações conduzidas por Samuel de Almeida (CREF 013510-G/RS), membro da Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CREF2/RS; e por Leandro Leal (CREF 008113-G/RS), criador do Total Body Test e personal trainer.

A abertura do evento, feita pela presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), destacou o sucesso do Ciclo, que também visitou Santa Maria e Caxias do Sul, e os grandes avanços conquistados pela Educação Física após a assinatura da Lei 9.696/98. O conselheiro Clery de Lima (CREF 000297-G/RS) foi o mestre de cerimônias do Ciclo em Pelotas e Carmen ainda mostrou aos presentes o novo vídeo institucional do CREF2/RS.

Na sequência, Almeida ministrou a palestra “Orientação e Fiscalização do Exercício Profissional da Educação Física”. Ele apresentou uma linha do tempo sobre a regulamentação e destacou quais são as atribuições do Sistema CONFEF/CREFs. O “Conselho é o órgão regulamentador e fiscalizador do exercício profissional, defendendo a sociedade e zelando pela qualidade dos serviços prestados”, comentou o membro da COF. “O nosso trabalho, especificamente dentro da Comissão, é elaborar as instruções para as ações de fiscalização e determinar as atividades em todo o Estado”, complementou. Samuel ainda explicou aos presentes como é o dia a dia dos agentes fiscais e o que pode acontecer em casos de infrações.

Por fim, a segunda palestra da noite, intitulada “A Importância da Avaliação Física nas Academias, Empresas e Escolas” foi ministrada por Leal e trouxe para o debate um assunto de grande importância para aqueles que atuam na área, sobretudo no mercado fitness. “A oferta da avaliação física, etapa em que percebemos com maior clareza o que podemos fazer com cada pessoa, é o que sempre diferencia a boa academia dos estabelecimentos comuns”, declarou. Na sua fala, o palestrante também salientou como os profissionais podem usar a avaliação física – antes, durante e depois do programa de treinamento – e como ela também pode ser implementada em outros locais, como empresas e escolas. “A avaliação faz o aluno adquirir autoconhecimento e também se torna um instrumento de fidelização, pois a melhora no desempenho destas pessoas se torna mensurável e perceptível, principalmente para eles mesmos”, analisou.


Eventos Pelotas



CREF2/RS realiza amanhã em Pelotas a última palestra sobre os 20 anos da regulamentação
16/10/2018
Fonte: CREF2/RS

O ano de 2018 marcou as duas décadas da Lei 9.696/98, que regulamentou a profissão de Educação Física. Para celebrar a data, o CREF2/RS vem realizando o Ciclo de Palestras “20 Anos de Regulamentação da Profissão de Educação Física”, em cidades do interior. Amanhã, dia 17 de outubro, Pelotas sediará o terceiro e último encontro do Ciclo, encerrando as comemorações de uma das mais importantes conquistas da área.

O evento, que já visitou Santa Maria e Caxias do Sul, vai ser realizado na Escola de Educação Física da UFPel, a partir das 19h, e contará com duas palestras. A primeira, chamada “Orientação e Fiscalização do Exercício Profissional da Educação Física”, será conduzida pelo membro da Comissão de Fiscalização e Orientação do CREF2/RS Samuel de Almeida (CREF 013510-G/RS). Já a segunda, com o tema “A Importância da Avaliação Física nas Academias, Empresas e Escolas”, vai ser ministrada por Leandro Leal (CREF 008113-G/RS), criador e responsável técnico do Total Body Test e personal trainer.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local. O Ciclo de Palestras terá a emissão de certificado online, com carga horária de quatro horas, para todos os participantes.

Ciclo de Palestras “20 Anos de Regulamentação da Profissão de Educação Física” - Pelotas
Data: 17 de outubro, quarta-feira, das 19h às 22h
Local: Auditório da Escola Superior de Educação Física – UFPel
Endereço: Rua Luís de Camões, 625


Eventos Pelotas



Benno Becker recebe Troféu Destaque pela sua militância em prol da regulamentação da profissão
11/10/2018
Fonte: CREF2/RS

O professor Benno Becker Júnior (CREF 01644-G/RS) esteve na sede do CREF2/RS no dia 4 de outubro, quando recebeu da presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), o Troféu Destaque na categoria Mérito da Educação Física. A homenagem faz jus a longa militância que Becker desenvolveu em prol do esporte e a sua participação fundamental na regulamentação da profissão de Educação Física. Benno é doutor em Psicologia pela Universidad de Barcelona e mestre em Educação pela PUCRS, tendo publicado 12 livros, e atua como terapeuta e coach pessoal, promovendo cursos e workshops sobre "comunicação Verbal e Não Verbal", "Atividades Psicofísicas para a Qualidade de Vida" e "Técnicas Cognitivas, Comportamentais e Somáticas - TCCS" aplicadas ao controle do estresse individual e grupal no esporte e para empresas, manejo da insônia, redução da Ansiedade e Depressão, manejo da obesidade e redução da Dor.

Benno foi um dos precursores na discussão sobre a problemática da atuação profissional em Educação Física, visando a criação de um órgão orientador, disciplinador e fiscalizador do exercício profissional. Em 1983, ele coordenou a reunião entre diretores, professores e estudantes de Escolas de Educação Física com o objetivo de elaborar um projeto tendo como base os projetos de conselho regionais e federais da psicologia e medicina. Após discussão e debate, o projeto de lei foi aperfeiçoado, e foi proposto a criação de Conselho dos Profissionais de Educação Física. A tramitação do projeto seria na Câmara dos Deputados, com a necessidade da mobilização dos representantes políticos de cada estado, para a defesa e o acompanhamento do projeto. Os Professores Benno Becker e Antônio Amorim foram designados para encaminhar o projeto de lei ao poder legislativo.

O projeto, já aperfeiçoado, foi apresentado por Benno no encontro de diretores de Escolas de Educação Física do Brasil, encontro que comemorava os 50 anos das Escolas de Educação Física da Universidade de São Paulo. Do ano de 1984 em diante, iniciaram de fato as ações concretas para a regulamentação da profissão. Paralelamente, foi apresentado o Projeto de Lei 4559/84, pelo deputado federal Darcy Pozza à Câmara dos Deputados, que dispunha sobre o Conselho Federal e os Regionais dos Profissionais de Educação Física, Desporto e Recreação. Este foi, oficialmente, o primeiro projeto de regulamentação da profissão.

Em praticamente todas as instâncias deliberativas, até então, das APEFs e nos Congressos da FBAPEF, as decisões eram sempre no sentido da luta pela regulamentação. De acordo com o trâmite do projeto de apresentação de propostas para apresentação de substitutivos. O PL 4559/84 foi aprovado pelo Congresso Nacional, em dezembro de 1989, sendo vetado pelo Presidente da República, José Sarney. Isso ocorreu no início do ano de 1990, baseando-se em parecer exarado pelo Ministério do Trabalho.

A luta prosseguiu no início de 1994, com grupos de estudantes de Educação Física preocupados com o crescente aumento de pessoas sem formação atuando no mercado emergente, articularam-se com a APEF-RJ para impedir o abuso, requerendo a regulamentação da profissão, com um novo movimento de mobilização da categoria, com a adesão de político para apresentar o projeto de lei e todo o desgaste que representaria tal questão, ao longo do trâmite do projeto na Câmara e no Senado.

Em Janeiro de 1995, durante a realização do congresso da FIEP em Foz do Iguaçu, o “Movimento pela regulamentação do Profissional de Educação Física” foi lançado na abertura do evento, após contar com a aprovação e adesão do delegado geral da FIEP no Brasil, Prof. Almir Gruhn e do Vice-Presidente, Prof. Manoel José Gomes Tubino. Jorge Steinhilber proferiu conferência de abertura do Congresso, anunciando que a assembleia da Federação Brasileira das Associações de Profissionais de Educação Física aprovara a proposta de regulamentação da profissão, e que lançava o “Movimento” como mola propulsora da regulamentação e como centro da rede de divulgação e mobilização, que seria necessária para esclarecimento e adesão nacional a respeito da questão. Assim foi lançado o “Movimento nacional pela regulamentação do Profissional de Educação Física”, no início do ano de 1995. Até a audiência pública realizada no dia 17 de outubro de 1996, o deputado Paulo Paim consultou as Instituições formadoras de profissionais de Educação Física, entidades, órgãos públicos, profissionais e estudantes de Educação Física.

Em 13 de agosto de 1998, o projeto foi incluído na ordem do dia do Senado. Após alguns momentos de tensão, em razão de possíveis emendas ao Projeto de Lei, o professor Jorge Steinhilber, reunido com a deputada Laura Carneiro e Senadores, firmou acordo para possibilitar a aprovação do Projeto de Lei nesta sessão. Após algumas manifestações de parlamentares, e um longo e brilhante discurso do senador Francelino Pereira, o projeto foi aprovado por unanimidade e encaminhado à sanção presidencial. Em 1º de Setembro de 1998, o Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, sanciona a lei 9696/98, publicada no Diário Oficial da União em 02/09/98.


Troféu Destaque 2018



CREF2/RS encerra em Pelotas seu ciclo de palestras sobre os 20 anos de regulamentação da profissão
25/09/2018
Fonte: CREF2/RS

O ano de 2018 marcou as duas décadas da aprovação da Lei 9696/98, legislação que regulamentou a profissão de Educação Física. Para celebrar a data, o CREF2/RS vem realizando durante este ano o Ciclo de Palestras “20 Anos de Regulamentação da Profissão de Educação Física” em cidades do interior do estado. No próximo dia 17 de outubro, Pelotas sediará o terceiro e último encontro do Ciclo, encerrando as comemorações de uma das mais importantes conquistas profissionais que trouxeram qualidade e segurança aos serviços prestados à saúde do povo brasileiro e na manutenção do bem-estar e na prevenção contra doenças.

O evento já visitou a cidade de Santa Maria, no dia 25 de abril, e Caxias do Sul no dia 6 de maio. Os palestrantes convidados pelo Conselho promoverem nestas cidades um diálogo com profissionais da saúde, docentes, estudantes e vários estratos do sociedade sobre vários aspectos da profissão, analisando suas conquistas e os desafios de promoção da saúde integral e políticas públicas que garantam as conquistas constitucionais. Até o momento, o Ciclo contou já abrangeu um público de 150 participantes.

Pelotas promete repetir o entusiasmo apresentado nas duas primeiras edições, tanto de público quanto pelos palestrantes. O próximo evento ocorrerá numa quarta-feira, 17 de outubro, das 19h às 22h. A primeira conferência tratará da “Orientação e Fiscalização do Exercício Profissional da Educação Física”, sendo realizada a partir das 19h05min pelo palestrante Samuel Moreira de Almeida (CREF 013510-G/RS). Samuel é licenciado em Educação Física, e exerce a função de secretário na Comissão de Orientação e Fiscalização do CREF2/RS.

A segunda palestra iniciará às 20h40min, tendo como tema “A Importância da Avaliação Física nas Academias, Empresas e Escolas”, ministrada por Leandro Feijó Leal (CREF 008113-G/RS). Licenciado pleno em Educação Física, Leandro possui ampla experiência em avaliação física. É criador e responsável técnico do Total Body Test (1998), método já utilizado em mais de 6 mil avaliações. Atuou em diferentes academias na cidade de Porto Alegre, nas áreas de avaliação física e de musculação. Atualmente é personal trainer na Body Tech.

Ciclo de Palestras “20 Anos de Regulamentação da Profissão de Educação Física” - Pelotas
Data: 17 de outubro, quarta-feira, das 19h às 22h
Credenciamento: 18h30min
Abertura: 19h
Local: Auditório da Escola Superior de Educação Física - UFPel
Rua Luís de Camões, 625 - Pelotas
Carga horária: 4 horas
O evento terá a emissão de Certificado online aos participantes
Inscrições gratuitas até o dia 16 de outubro pelo link aqui
*Com apoio da ESEF/UFPel


Ciclo de palestras “20 anos de regulamentação da profissão de Educação Física



CREF2/RS revela vencedores do Troféu Destaque 2018
03/09/2018
Fonte: CREF2/RS

Comemorando o Dia do Profissional de Educação Física, o CREF2/RS realizou no sábado, dia 1º de setembro, a cerimônia de entrega do Troféu Destaque 2018. O prêmio, que chegou ao seu sétimo ano consecutivo, homenageou as pessoas e as empresas que mais de destacaram ao longo do último ano, em 17 categorias diferentes. Os estabelecimentos que completaram dez anos de registro também receberam um certificado como forma de reconhecimento.

A abertura da cerimônia foi feita pela presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), que destacou a importância da data e o reconhecimento da premiação depois de seis edições. “O Dia do Profissional de Educação Física, que comemoramos com o Troféu Destaque, é um momento único no ano, em que podemos estar perto de muitos colegas e de sentir orgulho pelo que fazemos pela profissão e pela sociedade”, avaliou. A forma de escolha dos vencedores, com uma votação aberta no site do CREF2/RS para a definição dos três finalistas de cada categoria, também foi mencionada pela Presidente.

Confira os ganhadores:

Profissional de Academia:
Viviane Rigotti (CREF 000429-G/RS)
Graduada pelo IPA, Viviane possui pós-graduação em Ciências do Esporte pela UFRGS e formação na área de pilates pela STOTT. Participa constantemente de cursos de aprimoramento profissional na área, atuando como instrutora de ginástica localizada, step, bodypump e GAP, além da atividade de personal trainer. Atualmente, trabalha nas academias Bodytech, Fórmula e Ineex, em Porto Alegre.

Profissional da Saúde:
Alexandre Ritter (CREF 002070-G/RS)
Graduado pela UFRGS, Alexandre possui mestrado e doutorado em Ciências do Movimento Humano pela mesma Universidade. É professor da Diretoria de Esporte, Recreação e Lazer da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esporte de Porto Alegre. Atua principalmente nas áreas de postura corporal humana, em especial de crianças e adolescentes, e de exercício físico na promoção da saúde na terceira idade.

Profissional de Atividade Física na Empresa e Ginástica Laboral:
Cleber Picco (CREF 009417-G/RS)
Licenciado e bacharel em Educação Física pela Unijuí, Cleber possui também Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos. Como analista de lazer no SESI, coordenou o Programa de Ginástica na Empresa. É sócio-fundador e atualmente coordenador da Academia Fitness Center, em Horizontina, onde implementou o Programa de Ginástica Laboral e Consultoria para Empresas, que atende diversas organizações da região.

Profissional de Esporte Radical e de Aventura:
Felipe Raupp (CREF 001673-G/RS)
Fundador da Associação dos Surfistas de Torres, instituição por ele presidida, Felipe é responsável por diversas conquistas do esporte na cidade. Proprietário da Escola de Surf Felipe Raupp desde 1984, também em Torres, é arbitro e técnico da Federação Gaúcha de Surf e possui curso de técnico pela International Surfing Association. Tem experiência como free surfer nos Estados Unidos, Austrália, Peru, El Salvador e Nicarágua.

Profissional de Paradesporto e Atividade Adaptada:
Giuliano Liotto (CREF 019483-G/RS)
Especialista em Fisiologia do Exercício pela UGF, Giuliano é mestre em Ciências do Movimento Humano pela UFRGS e Professor da URI – Erechim. Presidente da Associação Erechim de Judô, é também Membro da Special Needs Judo Union, entidade que rege o Judô Para Todos, além de técnico da Seleção Brasileira da modalidade. Desenvolveu o Projeto Judô Para Todos Erechim, que atende diversas crianças com deficiência no Judô escolar.

Profissional de Corrida de Rua:
Eduardo Remião (CREF 001855-G/RS)
Graduado em Educação Física pelo IPA e especialista em Fisiologia do Exercício e em Ciências do Esporte pela UFRGS, Eduardo é ex-atleta de atletismo e de triatlo, com títulos nacionais e internacionais. É personal trainer e técnico de corrida há mais de 25 anos. É ainda coordenador da Remião Treinamento Físico e um dos fundadores da Federação Gaúcha de Triathlon e da Associação de Assessorias Esportivas do Rio Grande do Sul.

Profissional com Atuação em Projetos Sociais:
Vinícius Flores (CREF 017362-G/RS)
Vinícius atua desde 2010 com a modalidade de tênis, e é idealizador do projeto social “Tênis na Comunidade”, de 2013. Através do projeto, que adapta quadras públicas de futsal para o tênis, treina alunos que figuram entre as melhores colocações no ranking estadual de Tênis. Também é servidor da Secretaria do Esporte e Lazer de Caxias do Sul, onde trabalha com a iniciação e formação da modalidade com cerca de 500 alunos do município.

Profissional de Recreação:
Silvana Maziero (CREF 009847-G/RS)
Graduada em Educação Física e especialista em Ensino Especial pela Universidade de Caxias do Sul, Silvana foi professora de ginástica aeróbica e atuou nas Escolas de Educação Infantil Karamelada, Vovó Lu e na Crecha Tia Fran. Atualmente coordena o Serviço de Recreação Terapêutica Hospitalar e Projetos Sociais do Hospital Geral de Caxias do Sul, desempenhando também a função de professora de natação para pacientes da ala infantojuvenil e de instrutora de Ginástica Laboral para os funcionários do Hospital.

Profissional de Escola:
Luiz Rossetto (CREF 005469-G/RS)
Graduado em Educação Física pela Universidade de Passo Fundo e pós-graduado em Ciência do Esporte pela mesma instituição, Luiz Valério trabalha há mais de 20 anos na antiga Escola Agrotécnica de Sertão, hoje IFRS Campus Sertão. Atualmente, treina equipes de voleibol e handebol masculinas e femininas, com participação em diversas competições estaduais. Também promove torneios de integração entre municípios próximos a Sertão.

Profissional de Lutas:
Alexandre Velly Nunes (CREF 001933-G/RS)
Doutor em Pedagogia do Movimento Humano pela Universidade de São Paulo, Alexandre é treinador de judô graduado pela Deutsch Judo Bund, da Alemanha. Foi professor da Academia Brasileira de Treinadores do Instituto Olímpico Brasileiro do COB e integrante da Comissão de Combate ao Doping da Confederação Panamericana de Judô. Atuou na organização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e atualmente é professor adjunto da UFRGS.

Profissional Técnico Desportivo:
Dênio Peixoto (CREF 004135-G/RS)
Dênio é coordenador técnico do Departamento de Voleibol do Grêmio Náutico União desde 2005 e há nove anos atua como técnico das seleções gaúchas femininas da modalidade. Com experiência em categorias de base, profissional e voleibol escolar, possui experiência na organização de eventos esportivos e é, desde 2015, também técnico das equipes de voleibol do Colégio Batista.

Mérito da Educação Física:
Benno Becker Júnior (CREF 01644-G/RS)
Graduado em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e em Psicologia pela PUC-RS, Benno é doutor em psicologia pela Universidade de Barcelona. Atualmente é professor convidado em diferentes universidades do país e do exterior, sendo ainda colaborador em periódicos na área da psicologia do esporte. É também vice-presidente da Federación Sudamericana de Deporte para la Paz.

Profissional do Ano:
Álvaro Laitano da Silva (CREF 000006-G/RS)
Especialista em Educação Psicomotora pela UFRGS, foi professor da rede pública de ensino estadual. Atualmente é professor da Faculdade de Educação Física da Ulbra nos Campus Gravataí e Guaíba, atuando principalmente nos temas educação física, natação, aprendizagem, futebol e história. Dedicou-se à defesa da profissão e dos profissionais junto ao Sindicato, Conselho e Associação dos Profissionais de Educação Física.

Pessoa Jurídica – Academia:
Mapi Academia – Canoas (CREF 001682-PJ/RS)
Com quase duas décadas de reconhecimento junto à comunidade de Canoas, a Mapi Academia conta com uma estrutura moderna, equipamentos de alta performance e uma grande diversidade de modalidades oferecidas aos seus frequentadores, como musculação, treinamento funcional, zumba, kangoo jump, yoga, muay thai, jiu-jitsu e ballet fitness. Possui ainda aulas específicas para crianças e para a terceira idade.

Pessoa Jurídica – Clube ou Sociedade:
Grêmio Sargento Expedicionário Geraldo Santana (CREF 000372-PJ/RS)
Um dos maiores clubes do Rio Grande do Sul, referência entre as entidades do mesmo porte, o Grêmio Sargento Expedicionário Geraldo Santana foi criado em 1948, a partir da união de duas entidades. Com um importante quadro associativo, atende, além de militares das três forças, associados civis. Na área de esportes, atua com atividades de ginásio e de piscina, em modalidades como futsal, vôlei, judô, natação e hidroginástica.

Personalidade do Ano:
Luiz Celso Giacomini (CREF 001449-G/RS)
Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal de Santa Maria, Luiz é professor do curso de graduação de Educação Física da UFSM. Técnico de handebol com diversos títulos brasileiros e sul-americanos, atuou também à frente da Seleção Brasileira desta modalidade. Foi presidente da Federação Gaúcha de Handebol, presidente da Fundergs e membro da Associação Mundial Antidopagem. Atualmente é Secretário Nacional de Esporte de Alto Rendimento do Ministério do Esporte.

Veículo de Comunicação:
Radar Esportivo – Rádio Universidade AM – Santa Maria
No ar desde 1981 na Rádio Universidade AM, da Universidade Federal de Santa Maria, o Programa Radar Esportivo é dedicado exclusivamente ao esporte, sendo reconhecido por abrir espaço para todas as modalidades individuais e coletivas e eventos esportivos locais, regionais, estaduais, nacionais e internacionais. Produz entrevistas, reportagens, comentários, notícias, curiosidades, quadros e um toque especial dos sons do esporte.


Troféu Destaque



Presidente do CONFEF fala sobre os 20 anos de regulamentação da profissão no CongregaCREF
20/08/2018
Fonte: CREF2/RS

O CongregaCREF – IV Seminário Sul Brasileiro de Educação Física, que tem como objetivo promover o conhecimento e a qualificação dos profissionais, ocorrerá em Porto Alegre nos dias 24 e 25 de agosto, no Centro Universitário Metodista IPA. Entre as seis palestras que estão na programação do evento, haverá a apresentação do presidente do Sistema CONFEF/CREFs, Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ), falando sobre os "20 anos de regulamentação da profissão de Educação Física: desafios, lutas, perdas e perspectivas". A palestra acontece na sexta-feira, dia 24, às 19h30min.

Durante sua exposição, Steinhilber fará um apanhado sobre a criação do Sistema CONFEF/CREFs, abordando a defesa incondicional da entidade para que a sociedade seja atendida nos serviços em atividades físicas e do desporto por profissionais de Educação Física. “Embora sejam duas décadas de vitórias e conquistas, 20 anos de existência de uma profissão ainda é pouco para sensibilizar os praticantes sobre a necessidade da orientação do Profissional de Educação Física em todos os segmentos”, afirma

A apresentação também tratará da luta para que a compreensão do esporte enquanto ferramenta - adotada em nível internacional - seja interiorizada e incorporada no judiciário, legislativo, executivo, na sociedade, nas Instituições de Ensino Superior (IES) e entre os estudantes e profissionais de Educação Física. “Alguns desafios precisavam ser superados, principalmente quanto à sensibilização da sociedade sobre a relevância do Profissional de Educação Física, e do trabalho que vem sendo implementado pelo Sistema CONFEF/CREFs na valorização desse profissional”, constata o presidente.

Segundo Steinhilber, a maior qualidade do CongregaCREF é reunir profissionais e estudantes de Educação Física para manter sua atualização. “Nós sempre temos defendido, e o CREF2/RS tem sido um baluarte nesse trabalho, oferecer oportunidades como seminários, congressos e reuniões para debatermos todas as questões da Educação Física. A nossa área tem muita abrangência, exigindo constante especialização e aprofundamento nos diversos conhecimentos dessas intervenções profissionais, objetivando prestar à sociedade um serviço com qualidade e segurança”, observa.

Além de presidente do CONFEF e da Academia Olímpica Brasileira, Jorge Steinhilber é mestre em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco e professor aposentado de escolas públicas e privadas, bem como de instituições de Ensino Superior. Ele é autor de diversos livros sobre a área e também membro do Conselho Nacional do Esporte.


CongregaCREF



CongregraCREF tem palestra sobre O profissional de Educação Física na prevenção da hérnia de disco
09/08/2018
Fonte: CREF2/RS

Para comemorar o Dia do Profissional de Educação Física, celebrado em 1º de Setembro, o CREF2/RS realizará o CongregaCREF – IV Seminário Sul Brasileiro de Educação Física, que tem como objetivo promover o conhecimento e a qualificação dos profissionais. O evento ocorrerá em Porto Alegre nos dias 24 e 25 de agosto de 2018, no Centro Universitário Metodista IPA - Auditório da Biblioteca, rua Coronel Joaquim Pedro Salgado, 80. O Seminário terá seis palestras, abrangendo uma ampla área de conhecimentos, desde novidades técnicas e de treinamento, as conquistas e os desafios destes 20 anos de regulamentação da profissão, as tendências mundias do mercado fitness, entre outros.

A partir desta semana, o CREF2/RS divulgará os detalhes dos temas que serão abordados nas palestras do evento. Neste texto, Robson Santos (CREF 021677-G/RS) apresenta alguns aspectos da sua conferência “O profissional de Educação Física na prevenção da hérnia de disco”, que ele ministrará no sábado, dia 25 de agosto, às 14h45min. Segundo Robson, é importante que o profissional de Educação Física saiba lidar com o medo das pessoas ao realizar certos exercícios, principalmente após lesões, e que conceba treinos e evoluções com um prognostico onde seu aluno participe das escolhas. “Mas demonstrando a ele sua responsabilidade na prevenção de uma nova lesão após o retorno à atividade física, pois nem todos responderão ao mesmo estímulo para a execução do treinamento, e gritar com os alunos e falar que sempre é necessário sentir dor já não é o estímulo certo, já que sendo otimista, apenas 15% da população se mantém ativo o ano todo, portanto é necessário procurar motivações distintas para pessoas singulares, como ponto central da prática de exercícios sem sofrimento contínuo”, avalia.

Robson defende que o CongregaCREF promove junto aos Profissionais e aos estudantes Educação Física o debate sobre a formação profissional, as políticas educacionais e as novidades nas escolas, faculdades, academias, clubes, laboratórios, além de outros espaços. “No meu caso, tenho um trabalho interdisciplinar com fisioterapeutas, objetivando o retorno a uma vida sem dor após lesões, mas para que isso ocorra é essencial que o profissional saiba o que e como fazer com cada indivíduo nos seus objetivos, já que nossa intervenção na saúde é integral, e não apenas estética”, defende.

O palestrante é pós-graduado em Reabilitação de Lesões Muscuoesqueléticas. Ele foi um dos finalistas do prêmio Top Trainer Brasil 2017, que elegeu o melhor personal trainer do país no ano passado. Ele também possui certificação em treinamento físico pela World Top Trainer Certification e em reabilitação de lesões pela organização norte-americana Premier Health

CongregaCREF - IV Seminário Sul Brasileiro de Educação Física
Data: sexta-feira, 24, e sábado, 25 de agosto de 2018
Local: Centro Universitário Metodista IPA - Auditório da Biblioteca
Endereço: Rua Coronel Joaquim Pedro Salgado, 80 - Porto Alegre/RS
Período de inscrições: de 27 de julho a 23 de agosto

Inscrição gratuita - clique aqui.
Indispensável apresentação de Cédula de Identidade Profissional ou carteira de estudante válida.


CongregaCREF



CREF em Revista discute questões de gênero na Educação Física Escolar
01/06/2018
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa as questões relacionadas à diversidade e à igualdade de gênero, já está disponível para leitura pela Internet e para download. A publicação discute como os profissionais de Educação Física que atuam nas escolas devem agir frente aos conflitos que surgem diariamente, desconstruindo a oposição que existe entre o masculino e o feminino.

Com o intuito complementar o debate sobre este assunto, a reportagem de capa é acompanhada pelo perfil de Eduarda Luizelli (CREF 004280-G/RS), uma das profissionais pioneiras na disseminação do futebol feminino do Rio Grande do Sul. Há ainda matérias sobre os benefícios da caminhada nórdica, sobre a presença da ginástica rítmica gaúcha nos Jogos Escolares da Juventude, sobre as ações de fiscalização realizadas pelo CREF2/RS na fronteira com Santa Catarina e sobre o Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar, ocorrido em Torres.

Você também pode acessar a edição online da nossa publicação diretamente pela plataforma Issuu, cujo aplicativo gratuito está disponível para tablets e para smartphones em geral.


revista diversidade gênero futebol feminino



As inscrições para o 11º Prêmio Professores do Brasil terminam em 28 de maio
21/05/2018
Fonte: Ministério da Educação

Permanecem abertas até 28 de maio as inscrições para a 11ª edição do Prêmio Professores do Brasil. A iniciativa do Ministério da Educação, ao lado de instituições parceiras, busca reconhecer e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuem para a melhoria da aprendizagem nas salas de aula. A categoria Esporte como Estratégia e Aprendizagem, dedicada aos professores de Educação Física, premiará cinco educadores com um prêmio no valor de 5 mil reais e ainda levará os vencedores do PPB2018 para conhecer o Núcleo de Alto Rendimento de São Paulo (NARSP). 

Para se inscrever, é necessário acessar o site do prêmio, preencher o formulário, escrever o relato da prática pedagógica e enviar os materiais que comprovem a realização do projeto. O relato será avaliado e poderá ser selecionado para uma premiação estadual, regional e nacional.

Etapas

Nesta edição, a seleção dos trabalhos será realizada nas fases estadual, regional e nacional, por comitês especializados. Vale destacar que os projetos contemplados serão premiados em todas as etapas. Os 162 docentes que se destacarem em nível estadual receberão um troféu.

No nível regional, além do troféu, os 30 educadores terão direito a R$ 7 mil e a uma viagem. Já na fase nacional, os seis professores melhor avaliados levarão R$ 5 mil adicionados aos prêmios das etapas anteriores.

Além do tema livre, o 11º Prêmio Professores do Brasil reconhece projetos desenvolvidos sobre temáticas especiais, como, por exemplo: Esporte como Estratégia de Aprendizagem; Práticas Inovadoras de Educação Científica; Uso de Tecnologias de Informação e Comunicação no Processo de Inovação Educacional; Educação Empreendedora; e Boas Práticas no Uso de Linguagens de Mídia para as Diferentes Áreas do Conhecimento no Ensino Fundamental e no Ensino Médio.


Prêmio Professores do Brasil



Sistema CONFEF/CREFs participa de debate sobre a BNCC em Brasília
02/05/2018
Fonte: CONFEF

Em uma audiência pública realizada na Câmara de Deputados, na última semana, membros do Sistema CONFEF/CREFs, professores e parlamentares defenderam a inclusão, na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), da obrigatoriedade de profissionais de Educação Física em todos os níveis do ensino básico – especialmente nos níveis iniciais – para atividades esportivas com crianças do primeiro ao quinto ano escolar. O encontro, organizado por membros da Comissão do Esporte, contou com a presença do presidente do CONFEF Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ).

Durante a audiência, Steinhilber afirmou que o sucesso da educação passa pela valorização do professor, o que não ocorre atualmente. “Nós continuamos valorizando planos, programas, bases, mas não focamos na essência. Quem vai aplicar a BNCC? Quem estará de frente com as crianças? Quem terá o conhecimento para aplicar?”, questionou.

Por sugestão da deputada Flávia Morais, uma das responsáveis pela audiência, será criada uma subcomissão específica dentro da Comissão do Esporte para encaminhar as questões referentes à Educação Física. “A exigência dos profissionais de Educação Física nas escolas é muito importante. Nós não podemos deixar esse momento ficar no papel, nós precisamos agir, este debate é o começo”, afirmou.

Evandro Roman (CREF 000958-G/PR), outro deputado que pediu a realização da audiência, defendeu a atuação de profissionais qualificados na educação esportiva. “Temos que trabalhar com profissionais qualificados. A busca é para que isso ocorra e seja desenvolvido, a exemplo do Distrito Federal, que implantou essa ação em 2017. Eu tenho certeza que vamos levar para todo o Brasil”.

A subcomissão que tratará da obrigatoriedade de profissionais de Educação Física em todos os níveis do ensino básico deverá ser instalada em até três semanas, após os partidos indicarem os seus integrantes entre os membros da Comissão do Esporte.


CONFEF BNCC



CREF2/RS reúne-se com Prefeitura de Porto Alegre para aplicar decisão que obriga profissionais a serem registrados
13/04/2018
Fonte: CREF2/RS

A presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), a conselheira Sonia Maria Waengertner (CREF 007781-G/RS) e a assessora Jurídica Cristiane Costa se reuniram nesta quinta-feira, dia 12, na Prefeitura Municipal de Porto Alegre com o assessor jurídico do prefeito Marchezan Jr, Cassiano Sgorla Ferreira. A pauta foi a decisão do Supremo Tribunal de Justiça que reconhece a necessidade de inscrição no CREF2/RS por parte dos professores de Educação Física em todo o território do estado do Rio Grande do Sul. As representantes do Conselho foram sensibilizar o prefeito para a necessidade de se aplicar a normativa do STJ na rede municipal de ensino.

Segundo a assessora Cristiane, seria dado um prazo de 60 dias para os professores regularizarem seu registro. Ela explicou que o CREF2/RS não pretende enviar fiscalização a todas as escolas, pois seria muito oneroso e geraria muitas autuações, o que provocaria um clima de rejeição a ideia. “Nosso propósito é que haja uma transição pacífica”, explicou. A presidente do CREF2/RS lembrou que a Prefeitura de Porto Alegre tem a tradição de ser parceira nas ações do Conselho. “Nós não viemos aqui impondo um “execute-se” ao prefeito, mas sim tratarmos quais as melhores atitudes para que esta decisão seja aplicada de forma a não causar traumas, ao mesmo tempo que conte com ajuda dos órgãos competentes”, afirmou Carmen,

O assessor jurídico Sgorla Ferreira disse que o alinhamento entre o CREF2/RS e a Prefeitura é o caminho ideal para que se dê andamento a uma decisão judicial pacificada. “Para sermos práticos e rápidos, aconselho ao CREF2/RS fazer um ofício ao prefeito dando ciências da decisão e pedindo providências”, explicou. O próximo passo, segundo o assessor, é submeter a decisão jurídica à Procuradoria-Geral do Município para não caracterizar um ato unilateral. “Daí teremos o parecer jurídico da PGM, e a partir deste momento podemos produzir um decreto e programarmos um evento para assinatura conjunta do documento, dando um tempo de transição para os servidores da educação em Educação Física poderem tratar da regulamentação”, finalizou.


Prefeitura de Porto Alegre



Formação em Licenciatura é tema do 7º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar
09/04/2018
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS realizou, no último sábado, dia 7 de abril, a sétima edição do Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar. O evento, que contou com o apoio da APEF/RS, do Sesc/RS e da Prefeitura de Torres, integrou a programação do 44º Encontro Nacional dos Profissionais de Educação Física (ENAPEF) e teve como atração uma palestra conduzida pela conselheira federal Iguatemy Martins (CREF 000001-G/PB).

Com entrada gratuita para profissionais de Educação Física e acadêmicos do curso, o 7º Fórum reuniu participantes de todo o Estado e trouxe para debate a formação em Licenciatura e como os professores podem se preparar melhor para atuar nas escolas. A mesa de abertura foi composta pela presidente da Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), pelo representante da Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul Paulo Rezende (CREF 001298-G/RS), pela presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e pela presidente da APEF/RS Luciane Citadin (CREF 000100-G/RS). Nas suas falas, todos destacaram os avanços conquistados pelo Fórum e pelo Conselho nos últimos sete anos e como esta oportunidade de aperfeiçoamento profissional é de grande valia para todos os Licenciados em Educação Física, sempre com palestras de alto nível.

Na sequência, Iguatemy iniciou a apresentação intitulada “A formação em Educação Física para atuação na Escola: preparando o professor, vivenciando a Licenciatura”. Na primeira parte da sua fala, a palestrante trouxe números referentes à quantidade de docentes presentes na Educação Básica, estimada em 2,1 milhões de pessoas, e à presença de professores de Educação Física devidamente habilitados para desempenhar esta função. “Como indica o Plano Nacional de Educação (PNE), quase 80% daqueles que atuam nas escolas têm curso superior. No entanto, um dos principais problemas não diz respeito a este dado, mas ao fato de que somente metade deles lecionam dentro da sua área específica. Apenas na Educação Física, por exemplo, há um deficit de cerca de 30% de profissionais habilitados”, pontuou.

A Educação Física Escolar, embora bem representada frente a outras disciplinas em que a ausência de professores capacitados é mais evidente, como Química, Física e Biologia, precisa capacitar melhor os seus profissionais. Os apontamentos feitos por Iguatemy ao longo da palestra, baseados em indicadores divulgados pelo Governo Federal, mostraram que o baixo capital cultural, a frágil preparação para o Magistério, a teoria descolada da formação prática e o estágio não encarado como uma ação estratégica de formação são os principais eixos que precisam ser contemplados pelos cursos de Licenciatura. “As Instituições Públicas e Privadas não estão resolvendo a questão formativa do futuro professor. A maioria das alterações curriculares feitas nas Licenciaturas, nos últimos anos, não teve uma avaliação feita do seu impacto e dos seus resultados”, salientou Iguatemy.

Na segunda parte da apresentação, Iguatemy falou sobre a intervenção profissional nas escolas e como os professores de Educação Física podem se preparar para realizar um trabalho de excelência. A palestrante destacou os seis eixos da atuação – planejar, programar, organizar, desenvolver, coordenador e lecionar conteúdos de Educação Física no Ensino Infantil, Fundamental e Médio – e como eles poderiam ser aplicados da melhor forma. “Os professores precisam colecionar, selecionar e aplicar metodologias e técnicas nas diversas faixas etárias e níveis de ensino. No entanto, a maioria dos profissionais sentem falta de capacitação adequada para fazer esta distinção”, relatou Iguatemy. “A ausência de uma sistematização ainda é algo que prejudica a evolução da Educação Física enquanto disciplina escolar e a valorização dos seus professores. O profissional precisa compreender, dentro dos cursos de Licenciatura, que não pode dar a mesma aula para alunos do 4º, do 5º ou do 6º ano. Resumidamente, não há qualidade no ensino que é engessado e igual para todo mundo”, complementou.

Para Iguatemy, a falta de clareza do que é ensinado e as expectativas de aprendizado que não são atendidos afetam não só os alunos, mas também os docentes, que no fim das contas acabam se afastando do saber pedagógico das Licenciaturas. “Os professores têm que conhecer o conteúdo daquilo que ensinam, precisam dominar todos os assuntos que são levados para as aulas de Edução Física. O principal indicador de qualidade do ensino é o capital humano, ou seja, os docentes bem formados e preparados”.


Fórum Educação Física Escolar Educação Física Escolar ENAPEF



CREF2/RS participa das reuniões da Comissão Especial de Combate à Obesidade Infanto-Juvenil
03/04/2018
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS tem participado das reuniões da Comissão Especial de Combate à Obesidade Infanto-Juvenil, colegiado da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em sua visitas ao interior do estado O objetivo do encontro é debater sobre obesidade na infância e adolescente e os reflexos na saúde pública. Até o momento, foram visitados os municípios de Guaíba, Capão da Canoa, Portão e Gravataí. As próximas visitas serão em Lajeado, Santa Rosa, Rio Grande, Santa Maria, Caxias do Sul e Novo Hamburgo

O objetivo da Comissão é discutir com a comunidade gaúcha como a obesidade infanto-juvenil tem se tornado uma pandemia brasileira. Com o resultado das discussões será elaborado um livro com os dados referente ao consumo de alimentos industrializados, práticas de exercícios físicos e hábitos saudáveis, que será distribuído gratuitamente nas escolas públicas, municipais e particulares.

O Presidente da Comissão Especial de Combate à Obesidade Infanto-Juvenil, deputado Maurício Dziedricki, afirma que há uma consciência quanto ao exagerado tempo gasto em tela, em frente ao computador, TV, celular e videogame. “Sabemos que a insegurança da atividade física na rua e a vida corrida colaboram para isso, gerando tempo ocioso em casa e incremento do consumo calórico, contribuindo para o sobrepeso e obesidade”, afirma.

O deputado disse que “é preciso sublinhar a todos a gravidade da matéria com a qual trabalharão". Conforme ele, prognósticos mundiais apontam que o Brasil, nos próximos 10 anos, será o país com a maior concentração de obesos no mundo.

“Na maioria das vezes, são adotadas políticas de cura ou busca desta cura, mas com a doença já presente, ao passo que a lógica – de estudo, interpretação e produção – deveria ser a prevenção, muito em especial, da criança e do adolescente, no que diz respeito ao trato nutricional e atividade física”, ponderou, salientando a inatividade neste campo como fator impulsionador de doenças.

Nas audiências, são convidados a participar representações das secretarias estaduais de Educação e Saúde; secretarias municipais destas pastas; prefeituras municipais; Câmaras de Vereadores; os conselhos regionais de Educação Física, Nutrição, Psicologia e Medicina; conselhos municipais de Saúde e Educação; coordenadorias regionais de Educação e Saúde; Conselhos Tutelares e Conselhos de Pais e Mestres.

Segundo a presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), as visitas são uma importante oportunidade de firmar parcerias com os órgãos públicos para promover a atividade física. "Cerca de 33% das crianças e adolescentes estão com sobrepeso ou obesas. Ou seja, uma em cada três crianças tem esta doença. A obesidade implica em várias outras sequelas, sejam psicológicas, como exclusão da criança, ou agressões, via bullyng. Isto pode causar sérios traumas que deveriam ser evitados com atividade física e uma alimentação saudável".


CREF2 RS participa das reuniões da Comissão Especial de Combate à Obesidade Infanto-Juvenil



CREF2/RS percorre o interior com o ciclo de palestras “20 anos de regulamentação da profissão de Educação Física”
23/03/2018
Fonte: CREF2/RS

Em comemoração aos 20 anos da regulamentação da profissão de Educação Física pela Lei 9696/98 e da criação do sistema CONFEF/CREFs, o CREF2/RS lança o ciclo de palestras “20 anos de regulamentação da profissão de Educação Física”, que percorrerá os municípios de Santa Maria, Caxias do Sul e Pelotas durante os meses de abril, junho e outubro. O ciclo, em conjunto com o CongregaCREF – Seminário Sul Brasileiro de Educação Física, estarão entre os eventos comemorativos programados pelo Conselho para celebrar o legado de duas décadas da regulamentação da profissão.

A Educação Física, desde que virou uma profissão regulamentada em 1998, vem conquistando espaço ano após ano. Se antes a imagem do profissional de Educação Física era associada ao professor da disciplina nas escolas, ou a instrutores nas academias de ginástica e clubes, hoje a visão das atribuições desse profissional é mais ampla: a de um especialista também capacitado e qualificado na promoção da saúde, seja de crianças, jovens, adultos ou idosos.

O interesse pelos exercícios físicos também tem aumentado no país. Mesmo assim, dados do Ministério da Saúde demonstram uma verdadeira epidemia de obesidade, diabetes e hipertensão, todas doenças associadas ao sedentarismo que assolam a população brasileira. Diante deste quadro, cresce também a responsabilidade do CREF2/RS em demonstrar à sociedade de que a boa orientação faz a diferença, e que sob a instrução de um profissional habilitado aumenta a eficiência dos exercícios, os benefícios dos praticantes e previne problemas de saúde, garantindo bem-estar e melhoria da qualidade de vida. Imbuídos desta missão, o Conselho percorrerá o interior do estado promovendo um diálogo aberto e democrático com a sociedade, estudantes, profissionais e docentes sobre os 20 anos da regulamentação da profissão de Educação Física, suas conquistas e seus desafios.

Ciclo de palestras “20 anos de regulamentação da profissão de Educação Física”

Santa Maria
Data: 25 de abril, quarta-feira, das 19h às 22h
Local: FAMES – Faculdade Metodista de Santa Maria

Caxias do Sul
Data: 6 de junho, quarta-feira, das 19h às 22h
Local: Auditório da Anhanguera

Pelotas
Data: 17 de outubro, quarta-feira, das 19h às 22h
Local: Auditório da UFPEL

Instituições apoiadoras

- FAMES – Faculdade Metodista de Santa Maria
- Universidade Anhangüera
- Universidade Federal de Pelotas (UFPel)


20 anos da regulamentação da profissão de Educação Física



Conselheira faz aula inaugural no IFRS
13/03/2018
Fonte: CREF2/RS

A conselheira do CREF2/RS Marcia da Cruz (CREF 007542-G/RS) participou no dia 7 de março da aula inaugural no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), no Campus de Caxias do Sul. Segundo a conselheira, no Fórum de Educação Física Escolar, promovido pela Comissão de Educação Física Escolar do CONFEF em Foz do Iguaçu, ela relatou sua atividade na Comissão de Educação Física Escolar promovida em uma atividade com a direção das escolas pertencentes a Coordenadoria Regional de Educação. “Contamos com 122 escolas de 14 municípios e também a direção das 86 escolas da rede pública municipal de Caxias do Sul”.

Marcia participou da reunião com todas as diretoras explanando a partir dos pressupostos do documento proposto pela UNESCO. “As diretrizes para uma Educação Física de Qualidade, a proposta da BNCC e o livro do CONFEF: Recomendações para Educação Física Escolar”. Ainda segundo a conselheira, todas as escolas receberam o livro em 2016. “O professor Ricardo Catunda (CREF 000001-G/CE) cedeu os livros em Foz do Iguaçu, e na aula inaugural do IF Caxias do Sul falei com os alunos sobre a proposta do Sistema CONFEF/CREFs de contribuir com a educação fazendo a lição de casa pela Educação Física Escolar.”

Segundo a professora do IFRS Campus Caxias, Heloisa Santini (CREF 003715-G/RS), a Aula Inaugural de Educação Física teve como objetivo incentivar o hábito do exercício físico sistemático e estimular formas de relacionamento baseadas no respeito e na cooperação mútua. “Além de, claro, divulgar diferentes práticas esportivas e paraesportivas aos estudantes”, complementou Santini Ainda conforme a professora, os livros serão enviados aos campis do IFRS, contribuindo para a intervenção dos profissionais de Educação Física.


IFRS



Comissão de Educação Física Escolar aborda o PL 87/2016
01/12/2017
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS voltou a se reunir na sede do Conselho, na última quinta-feira, dia 30 de novembro. Estiveram presentes a presidente da Comissão Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), João Guilherme Queiroga (CREF 000839-G/RS) e Marcia Rohr da Cruz (CREF 007542-G/RS).

A pauta principal do encontro foi o andamento do Projeto de Lei 87/2016, que institui como requisito a formação profissional em Educação Física para exercer a docência da disciplina em todos os níveis de ensino – infantil, fundamental e médio – nas escolas públicas e privadas do Rio Grande do Sul.

A Comissão também fará sugestão à APEFRS, organizadora do ENAPEF-Encontro Nacional do Profissionais de Educação Física, para que seja oferecido curso na área da Educação Física Escolar, sobre vivências pedagógicas na sala de aula, durante a edição de 2018 do evento.


Comissão de Educação Física Escolar



CREF2/RS revela vencedores do Troféu Destaque 2017
04/09/2017
Fonte: CREF2/RS

Comemorando o Dia do Profissional de Educação Física, o CREF2/RS realizou na última sexta-feira, dia 1º de setembro, a cerimônia de entrega do Troféu Destaque 2017. O prêmio, que chegou ao seu sexto ano consecutivo, homenageou as pessoas e as empresas que mais de destacaram ao longo do último ano, em 15 categorias diferentes. Os estabelecimentos que completaram dez anos de registro também receberam um certificado como forma de reconhecimento durante a noite.

A abertura da cerimônia foi feita pela presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), que destacou a importância da data e o reconhecimento da premiação depois de cinco edições. “O Dia do Profissional de Educação Física, que comemoramos com o Troféu Destaque, é um momento único no ano, em que podemos estar perto de muitos colegas e de sentir orgulho pelo que fazemos pela profissão e pela sociedade”, analisou. A forma de escolha dos vencedores, com uma votação aberta no site do CREF2/RS para a definição dos três finalistas de cada categoria, também foi mencionada pela Presidente. “Somos mais de 25 mil registrados e queremos que todos participem, tanto do Troféu Destaque como do dia a dia do Conselho. Esta é a nossa maior honra”.

Confira os ganhadores:

Mérito da Educação Física
Vilson Fermino Bagatini (CREF 000009-G/RS)
Formado em Educação Física e em Pedagogia, Bagatini possui diversos cursos de aperfeiçoamento na área e é pós-graduado em Técnicas Esportivas em Futebol, Handebol e Voleibol e Mestre em Educação pela Universidade de Paris. Autor de 12 livros, foi docente de dezenas de cursos no Brasil e no exterior e Delegado Regional da FIEP, sendo agraciado pela instituição com a Cruz de Prata de Honra Internacional.

Profissional do Ano
Pedro Rodrigues Curi Hallal (CREF 024120-G/RS)
Mais jovem reitor a ocupar o cargo na Universidade Federal de Pelotas, assumiu a liderança da instituição em 2017. Possui mestrado e doutorado em Epidemiologia pela Universidade e realizou estágio pós-doutoral no Instituto de Saúde da Criança em Londres. É um dos sócios-fundadores da Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde e bolsista de produtividade do CNPq.

Profissional de Academia
Roberta Forini Ortega (CREF 012398-G/RS)
Formada pela Universidade Federal de Pelotas, atua desde 2001 em academias. Em Pelotas, atuou com musculação, ginástica, natação e hidroginástica, ministrando também aulas de bike, local, step, combate e lecionando também na Faculdade Anhanguera de Pelotas. Em Porto Alegre desde 2012, atua nas academias Natasul e Fórmula, como personal trainer e professora em diferentes modalidades.

Profissional de Atividade Física na Empresa e Ginástica Laboral
Aline de Andrades Silva (CREF 017502-G/RS)
É graduada pela UNISC e atua desde 2006 na área de licenciatura e de bacharelado. Trabalhou junto a Escolas de Educação Infantil, com Recreação e Lazer, tendo atuado ainda como personal trainer. Atualmente, trabalha com Atividade Física na Empresa e Ginástica Laboral, além de atividades aquáticas, como natação infantil e hidroginástica.

Profissional com Atuação em Projetos Sociais
Paulo Cezar Mello (CREF 003951-G/RS)
É professor da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade de Passo Fundo e coordenador adjunto do curso de Educação Física Licenciatura no Campus Soledade da Universidade. Na UPF, coordena o Projeto de Extensão “Educação Inclusiva Equoterapêutica”, que concorreu ao Prêmio Educação RS em 2016, do Sinpro. É também diretor da Escola Municipal de Autistas Profª Olga Caetano Dias, de Passo Fundo.

Profissional de Escola
César Augusto Osorio Dornelles (CREF 000875-G/RS)
Pós-graduado em Ciência do Desporto e em Psicomotricidade pela UFRGS, Cesar possui atuação voltada ao ensino da prática pedagógica da Educação Física em nível do pré-escolar e Ensinos Fundamental e Médio, e no desporto escolar de voleibol e atletismo. Atualmente trabalha no Colégio Estadual Júlio de Castilhos, como professor e treinador de voleibol, e na Escola Infantil Tartaruguinha Verde como professor de Psicomotricidade.

Profissional de Paradesporto e Atividade Adaptada
Cláudia Regina Alfama (CREF 006362-G/RS)
É especialista em Ética e Educação em Direitos Humanos pela UFRGS. É profissional de Educação Física da FADERS – Acessibilidade e Inclusão há 23 anos, onde atualmente coordena o Núcleo Estadual do Paradesporto. Faz parte ainda do Comitê Paralímpico Brasileiro, atuando como técnica de voleibol sentado e de bocha paralímpica da Associação Nacional de Desporto para Deficientes.

Profissional de Recreação
Eneida Feix (CREF 002116-G/RS)
É especialista em Educação Psicomotora, em Lazer e Recreação e em Jornalismo Esportivo e possui mestrado na área de Ciências do Movimento Humano. Tem 40 anos de experiência na área de Recreação, com atuação no Ministério do Esporte, na Secretaria Municipal de Educação e de Esportes, Recreação e Lazer de Porto Alegre, na FUNDERGS e nos Ensinos especial, Fundamental, Médio e Superior.

Profissional Técnico Desportivo
André Luís Rocha Scott (CREF 001215-G/RS)
É atualmente coordenador do Departamento de Basquete do Grêmio Náutico União, além de técnico nas categorias de base e principal do esporte no clube, onde trabalha desde 1992. Atuou como técnico da modalidade também no colégio LaSalle Santo Antônio, onde era professor nos Ensinos Fundamental e Médio. Treinou ainda a Seleção Gaúcha de Basquete nas categorias sub-13, sub-15 e sub-17.

Profissional de Corrida de Rua
Leonardo Rossato Ribas (CREF 003760-G/RS)
Especializado em fisiologia do exercício e em treinamento de atletismo, atua na Sogipa e no grupo PerCorrer. Como treinador de atletismo, participou dos últimos mundiais de atletismo e de revezamento, além dos Jogos Olímpicos do Rio, como treinador da seleção brasileira. Atua também com corrida e caminhada recreativa, com o objetivo maior de proporcionar mais saúde, socialização e qualidade de vida aos praticantes.

Profissional de Saúde
Emilian Rejane Marcon (CREF 002792-G/RS)
É mestre em Ciências da Saúde pela Fundação Universitária de Cardiologia e Doutora em Medicina – Ciências Cirúrgicas pela UFRGS, atuando como pesquisadora nas áreas de obesidade mórbida, exercício físico e cirurgia bariátrica. Atualmente, trabalha no Hospital de Clínicas de Porto Alegre e na Unidade Básica Santa Cecília, onde desenvolve um programa de exercícios físicos para pacientes pré e pós-cirurgia bariátrica.

Clube ou Sociedade
Clube do Professor Gaúcho (CREF 000269-PJ/RS)
O Clube do Professor Gaúcho é a única agremiação social de educadores do Brasil e maior clube classista da América do Sul. Foi fundado em 1966 sob o lema: “a união de uma classe materializada em concreto”. Mantém atualmente três sedes sociais, em Porto Alegre, Santa Maria e Balneário Pinhal, sendo um consagrado espaço de sociabilidade que proporciona convívio entre professores de todas as instituições de ensino.

Academia
Cia Athlética (CREF 001430-PJ/RS)
Presente no mercado há 30 anos, a Cia. Athletica atende 35.000 alunos e conta com 18 unidades pelo Brasil. Em Porto Alegre, conta com ambiente moderno com 3000m² e mais de 30 modalidades de aulas coletivas. A partir de avaliação física e nutricional, sua equipe de profissionais especializada desenvolve um programa completo de atividades de acordo com o perfil, objetivos, preferências e disponibilidade de tempo do aluno.

Veículo de Comunicação
Vozes do Esporte – Rádio Charrua
É um programa de conversa e entrevistas sobre o esporte local e em geral, sendo o mais tradicional programa de esportes da Fronteira Oeste do Estado. Criado para fomentar, discutir, organizar e melhorar o esporte na cidade de Uruguaiana, é apresentado por Vicente Majó da Maia. Está no ar há dezoito anos, sendo cinco na Rádio Charrua, e foi responsável por diversas conquistas na área esportiva da região.

Personalidade do Ano
João Derly
É ex-judoca, bicampeão mundial da modalidade, e também campeão em diversos outros torneios. Participante ativo de campanhas sociais quando atleta, após aposentar-se do judô de alto rendimento fundou o Instituto Pódium, projeto que leva o judô gratuitamente a crianças em situação de vulnerabilidade social. Eleito vereador em 2012 e deputado federal em 2014, tem como principais bandeiras o esporte e as causas sociais.


Troféu Destaque



Pesquisador da FADERGS visita CREF2/RS e traz dados preocupantes sobre a obesidade e sedentarismo
23/05/2017
Fonte: CREF2/RS

O Coordenador de Pesquisa da Escola de Saúde e Bem-Estar do Centro Universitário da FADERGS, Roberto Costa, pós-doutorado em Ciências do Movimento Humano pela UFRGS, visitou o CREF2/RS, ontem, dia 22. Costa vem estudando há 20 anos a obesidade na infância e adolescência e as doenças crônicas a elas associadas. Segundo o professor, os dados indicam que a cada ano a condição da saúde juvenil se deteriora, por mais que se façam ações governamentais e sociais de combate à obesidade. “Talvez as estratégias não sejam as mais apropriadas”, avalia.

Segundo a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), o Conselho apoia a ação de combate à obesidade infantil, problema que já se tornou uma pandemia. "Cerca de 33% das crianças e adolescentes estão com sobrepeso ou obesas. Ou seja, uma em cada três crianças tem esta doença. A obesidade implica em várias outras sequelas, sejam psicológicas, como exclusão da criança, ou agressões, via bullyng. Isto pode causar sérios traumas que deveriam ser evitados com atividade física e uma alimentação saudável".

Costa alerta para o bombardeio a que as crianças e a adolescentes sofrem pela publicidade, incentivando o consumo de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal e com baixa qualidade nutricional. “De outro lado, enfrentamos o sedentarismo cada vez mais elevado. Crianças que antes brincavam ativamente na rua, hoje ficam inativas em frente a uma tela. A isto, soma-se alimentação inadequada, resultando em um caminho aberto para doenças”, constata.

Segundo Roberto, as classes sociais desfavorecidas sofrem mais com este tipo de alimentação. “Infelizmente, um pacote de biscoito recheado, com 1200 calorias, é mais barato do que uma fruta”, constata. O coordenador explica que o acesso a estes alimentos de má qualidade nutricional é facilitado pelo baixo custo. “Outro ponto é a questão da palatabilidade, não podemos negar que estes alimentos processados são gostosos para o paladar da criança e do adolescente”, explica.

De acordo com o coordenador, os adolescentes obesos apresentam índice elevado de síndrome metabólica. “Encontramos em Porto Alegre adolescentes obesos que tinham triglicérides alterados, colesterol elevado, obesidade abdominal, hipertensão arterial, ou seja, indivíduos com doenças de idosos, o que indica um risco elevado para a saúde, principalmente porque se apresenta uma tendência a se prolongar durante toda a vida”, argumenta. Costa conclui que estas pessoas chegam a sua vida adulta com sobrepeso e doenças crônicas, acabando por apresentar um risco maior de óbitos. “Atualmente vemos um aumento no número de indivíduos apresentando infarto aos 35 anos e AVC aos 45 anos”.

As ações para solucionar este problema têm que envolver toda a sociedade, aponta Costa. “Precisamos de uma mudança de atitude em relação a práticas alimentares e ao combate do sedentarismo, e para isto precisamos do apoio dos pais, da sociedade civil e da classe política em todos os âmbitos”. Costa vislumbra a escola como melhor ambiente para estas políticas serem efetuadas. “É o momento para utilizarmos este ambiente para a incentivarmos saúde. O ensino da matemática, da física e do português são muito importantes, mas é imperativo que eduquemos para a saúde”, arremata.

Para Costa, o professor de Educação Física que é o profissional de saúde dentro da escola, e ele tem que assumir este espaço. “É importante que tenhamos primeiro o conhecimento da condição dos alunos, precisamos saber aqueles que tem obesidade ou que estão em risco”. A partir desta etapa, afirma o professor, temos que propor as ações que envolvam a alimentação e a orientação aos pais sobre o que a criança traz para a escola. “Nos últimos cinco anos, o único país que conseguiu uma redução da obesidade na fase escolar foi nos EUA, com o programa alimentar implementado pela primeira-dama Michelle Obama. Infelizmente, com o novo presidente o programa foi revogado”, constata.

Costa explica que o deputado estadual Maurício Dziedrickir tem dois projetos de Lei envolvendo o tema. O primeiro introduz o cadastro de obesidade infanto juvenil, bem como torna obrigatório a realização da avaliação antropométrica para verificação do estado nutricional e triagem de risco para doenças crônicas não-transmissíveis nos alunos do ensino fundamental e médio nas escolas do Estado.

“E quem se não o profissional de Educação Física seria o mais indicado para realizar estas medidas”, afirma Costa. “Pois na sua graduação, o profissional de Educação Física tem disciplinas como biometria, medidas de avaliação ou avaliação física, que são matérias que cuidam desta medição antropométrica", analisa. O professor afirma ser possível fazer estes procedimentos em apenas uma aula. "Ele consegue fazer estas três medidas em todos os seus alunos. Em uma semana, ele terá conseguido medir todos os seus alunos. “Importante frisar que o PL vale para escolas públicas e particulares”, ressalta.

O segundo PL apresentado obriga todos os produtos alimentícios produzidos por indústrias do Estado a apresentar no rótulo a quantidade de sal e açúcar que contém em medidas em colheres de café. "Por exemplo, este suco tem seis colheres de chá de açúcar”.


Obesidade e Sedentarismo



6º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar reúne profissionais e estudantes em Capão da Canoa
22/05/2017
Fonte: CREF2/RS

A Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS realizou, no último sábado, dia 20 de maio, o 6º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar, em Capão da Canoa. O evento, que integrou a programação do 43º ENPAEF, teve a entrada gratuita e reuniu profissionais e acadêmicos para debater o futuro da área. Neste ano, o Fórum contou com as palestras de Vitor Powaczruk (CREF 023027-G/RS), intitulada “A Educação Física dentro da nova BNCC: Reflexões sobre a Obrigação e a Opcionalidade”; e de Maria Teresa Cauduro, com o nome “A Educação Física Escolar e um Passeio pelas Linguagens do Corpo”. Powaczruk é assessor pedagógico da Secretaria Estadual de Educação e Maria Teresa pesquisadora do Grupo de Estudos Qualitativos de Formação de Professores e Prática Pedagógica em Educação Física e Ciências do Esporte (CNPq/UFRGS) e do Observatório de Educação (Unisinos).

A mesa de abertura do evento foi composta pela presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e pela presidente da Comissão de Educação Física Escolar Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS). Para a plateia, formada em grande parte por professores da rede pública e privada de ensino, Carmen falou sobre as funções do Conselho, para além do trabalho de fiscalização e de orientação. “A nossa atuação tem o intuito também de manter a Educação Física forte e viva no ambiente político. O Sistema CONFEF/CREFs já participou da elaboração de diversos projetos na Câmara Federal, em parceria com os deputados, para garantir a presença e o reconhecimento dos nossos profissionais em nível nacional”, revelou.

Miryam, por outro lado, aproveitou o momento para destacar o crescimento do Fórum, que chegou à sua sexta edição consecutiva, e da aproximação com a Associação dos Profissionais de Educação Física do Rio Grande do Sul (APEF/RS) ao longo desta trajetória. “O nosso trabalho, feito em parceria desde o primeiro ano, tem sido exaustivo para garantir a presença do profissional de Educação Física em todas as séries escolares. O PLC 116/2013, embora esteja engavetado na Assembleia Nacional, teve uma iniciativa parecida aqui no nosso Estado, já transformada no PL 087/2016. Este novo projeto de lei, que continua tramitando, pode ser considerado uma das grandes conquistas deste Fórum”, mencionou.

Palestras

Graduada em Educação Física pela UFRGS e em Direito pela Feevale, com doutorado pela Universitat de Barcelona em Ciências da Educação, Maria Teresa foi a primeira palestrante do Fórum. Depois de falar um pouco sobre a sua trajetória profissional e relatar algumas das suas experiências dando aula e conhecendo a realidade do ensino no Brasil, a pesquisadora apresentou didaticamente a legislação da Educação Física e um pequeno panorama do que ocorre nas escolas. A conclusão, de acordo com Maria Teresa, indica que ainda há um longo caminho para que a Educação Física seja colocada no seu devido lugar. “Ainda precisamos compreender todas as leis da nossa profissão, pois só assim poderemos posicionar a Educação Física, as suas linguagens e as suas interfaces como importantes para as pessoas”, explicou.

No âmbito das escolas, Maria Teresa também destacou a necessidade que os professores têm de trabalhar com diferentes tipos de alunos, mas sem nenhuma segregação. “As crianças, muitas vezes, vêm de lugares distintos, possuem crenças e aspectos culturais que não são compatíveis entre si. O profissional de Educação Física tem a obrigação de lidar com isto e o caminho mais adequado é trabalhar todas as possibilidades corporais, não apenas os jogos com bola”, sentenciou. A decisão do conteúdo programático, por conta disto, acaba sendo a tarefa mais difícil. “Os professores precisam vivenciar a realidade do aluno para definir como serão as aulas. Além disto, eles necessitam trabalhar com o corpo e com os gestos de cada um, aliando teoria e prática e ainda criando uma interface com as outras disciplinas, como geografia, física e matemática. Só assim o conhecimento será capaz de crescer e de abrir possibilidades para os alunos”.

Powaczruk conduziu a segunda palestra do Fórum e trouxe para o centro da discussão os diversos contextos da Educação Física Escolar, que afetam diretamente o dia a dia dos professores. “Na Secretaria Estadual de Educação, temos o dado de que quase metade dos alunos não participa das aulas de Educação Física. Cabe ao profissional de escola, por conta disto, mudar esta realidade e mostrar para a comunidade em geral que a transformação proporcionada pela disciplina é duradoura e essencial para as crianças e para os adolescentes”, comentou.

Powaczruk é um dos especialistas responsáveis pela elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ao junto ao MEC. O projeto, que começou a ser discutido em 2013 e deverá ser adotado por todas as escolas públicas e privadas do Brasil em um futuro bastante próximo, também foi abordado na sua apresentação. “A Educação Física ainda não era considerada uma disciplina obrigatória em 1996, mas em 2001 passou a ser um componente curricular imprescindível na formação de todos os alunos. As alterações da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), ao longo do tempo, trouxeram alguns dos benefícios que tentarão ser ampliados agora com a adoção da BNCC”, declarou o palestrante.

A parte final do Fórum foi dedicada às perguntas da plateia. Os palestrantes puderam complementar os assuntos abordados nas suas apresentações e ainda tratar de outros temas extremamente conflituosos e atuais. Para Maria Teresa, os profissionais de escola precisam ter um diálogo permanente com as crianças, para entender o contexto em que vivem, e sempre comunicar a direção da escola quando algum abuso for detectado. “O conhecimento da realidade do aluno é muito importante nestes casos. Nas famílias em que os pais estão desempregados, ou que têm problemas com bebida, os casos de violência podem ocorrer até com uma certa frequência”, explicou. “Os profissionais de Educação Física, por causa da proximidade que acabam tendo com os alunos, podem identificar um comportamento não-verbal de agressão, de depressão ou até mesmo de socorro. Eles devem estar sempre atentos e as escolas não podem ser omissas diante destes casos”, finalizou.


Educação Física Escolar



Práticas Integrativas e Complementares é um novo campo para profissionais de Educação Física
15/05/2017
Fonte: CREF2/RS

A construção da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS (PNPIC) iniciou-se a partir do atendimento das diretrizes e recomendações de várias conferências nacionais de saúde e das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Em junho de 2003, representantes das associações nacionais de Fitoterapia, Homeopatia, Acupuntura e Medicina Antroposófica reuniram-se com o então ministro da Saúde, ocasião em que, por solicitação dele, foi instituído um grupo de trabalho, coordenado pelo Departamento de Atenção Básica, da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS), e pela Secretaria-Executiva, com a participação de representantes das secretarias de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos e de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde, do Ministério da Saúde (MS); Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); e associações brasileiras de Fitoterapia, Homeopatia, Acupuntura e Medicina Antroposófica, para discussão e implementação das ações, no sentido de elaborar-se a política nacional.

Em setembro de 2003, o grupo gestor responsável pela ordenação dos trabalhos e formulação da política nacional definiu, entre outras coisas, a criação de quatro subgrupos de trabalho, respeitando as diversas áreas, em virtude das especificidades de cada uma delas. Como estratégia de elaboração da política, o grupo gestor elaborou um plano de ação a ser adotado pelos subgrupos para, posteriormente, a ser consolidado em documento técnico único relativo à política nacional.

Em 2006 foram criadas no Brasil as Políticas Nacionais de Práticas Integrativas Complementares, partindo da orientação da O.M.S., para fortalecer ações e serviços de PICS (Práticas Integrativas e Complementares) na rede de atenção à saúde e comunidade. A M.T.C. (Medicina Tradicional Chinesa), através de um modelo transdisciplinar foi acrescentado a essas práticas, aqui no Brasil, e abrindo possibilidades aos profissionais de Educação Física para atuação tanto em empresas, comunidades, escolas, academias de rua, NASF (Núcleo de Apoio a Saúde da Família) entre outros.

Marco Aurélio Scharcow (CREF 002463-G/RS) foi um dos profissionais de Educação Física que aderiram às novas modalidades. “Na minha prática e convivência na Educação Física, tive a felicidade de conhecer pessoalmente o criador do método “Lian Gong” em 18 terapias, uma prática corporal elaborada na década de 70 pelo Dr. Zhuang Yuan Ming, médico ortopedista da Medicina Tradicional Chinesa que viveu em Shangai na China”, explica.

Marco afirma que esta prática foi escolhida pelo governo de Shangai para ser amplamente divulgada para a população e o Dr. Zhuang, o seu criador, recebeu o prêmio de “Pesquisa Cientifica de Resultado Relevante”. “O Doutor Zhuang, uniu conhecimento da MTC – Medicina Tradicional Chinesa e a Moderna Medicina Ocidental, com as artes guerreiras e os antigos exercícios terapêuticos”.

Segundo Scharcow, o objetivo principal do Lian Gong em 18 Terapias é a de tratar e prevenir dores no corpo, inúmeros problemas osteosmusculares, articulações, etc. hoje tão freqüente nas condições da vida moderna, além de atuar nas disfunções dos órgãos internos e problemas respiratórios. São exercícios preventivos e curativos, cujas práticas põe em movimento o “Chi” (energia vital) através dos meridianos, em especial ao “Zhen Chi” ou “Chi Verdadeiro” no organismo, termos encontrados nos fundamentos da MTC, Medicina Tradicional Chinesa, que diz “Quando o Zhen Chi esta pleno no interior do corpo humanos fatores negativos não podem invadir”. A prática ajuda na circulação do sangue, dissolve aderências e inflamações dos tendões. Restaura a movimentação natural, melhorando a resistência e a vitalidade do organismo. O sistema completo do Lian Gong em 18 terapias é composto de 3 partes, totalizando 54 exercícios.


Práticas Integrativas e Complementares



CREF2/RS participa de audiência pública sobre a obesidade infantojuvenil na Assembleia Legislativa
05/05/2017
Fonte: Agência de Notícias/ALRS

A presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) esteve presente na noite desta quarta-feira (3), na audiência pública conjunta na Assembleia Legislativa para debater a obesidade na infância e na adolescência e os reflexos na saúde pública. A proposição foi do deputado Maurício Dziedricki (PTB), que coordenou o encontro. Ao final do debate, foi criado um grupo permanente de trabalho para dar prosseguimento à discussão do tema, propondo ações concretas, como a criação ou modificação de leis.

O parlamentar explicou que a questão surgiu em 2016, quando disputou a eleição municipal, e se deparou com a questão da reincidência de pessoas no sistema de saúde pública por falta de cuidados relacionados à alimentação saudável e inatividade física. Por isso, apresentou, este ano, o PL 40 2017, que cria o cadastro de obesidade infantojuvenil nas escolas de ensino fundamental e médio do Rio Grande do Sul.

A presidente Carmen Masson lembrou que de todas as áreas da saúde apenas o profissional da Educação Física trabalha realmente com a saúde, pois as demais tratam da doença. Ressaltou que apenas 33% da população brasileira realiza atividades físicas regulares e criticou iniciativas que discutem retirar a disciplina de Educação Física dos currículos escolares. Lembrou também que a atividade física traz benefícios à saúde se bem orientada, defendendo como fundamental a orientação do profissional da área. Ainda destacou que é preciso adequar as atividades físicas à idade da criança.

O professor Roberto Costa, da Faculdade de Desenvolvimento do RS (Fadergs), apresentou dados de estudos acadêmicos e públicos sobre a obesidade na infância e na adolescência. Entre eles, os do Sistema de vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde. Segundo as informações apresentadas, de 2016, o RS tem 54,9% de prevalência de obesidade. Conforme o Programa Nacional de Saúde do Escolar, de 2015, o sobrepeso e a obesidade estão presentes em 31,5% dos adolescentes de 13 a 17 anos no país e, na Região Sul, essa prevalência chega a 38,4%.

O presidente da Fundação de Saúde de Canoas, Fernando Ritter, defendeu leis que obriguem e estimulem os gestores municipais a executarem ações para prevenir a questão. “O grande problema de quem está na gestão é o tempo que ações de prevenção levam para trazer resultados. Eles só vão ser sentidos em gerações futuras, mas é preciso começar agora”, salientou.

A reitora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Lucia Pellanda, defendeu que se invista na prevenção primordial, aquela feita antes da população desenvolver os fatores de risco. “É muito mais efetivo fazer uma campanha para as crianças não começarem a fumar do que tentar fazer os adultos deixarem de fumar”, exemplificou.

A presidente do Conselho Regional de Nutrição, Jacira Conceição dos Santos, lembrou que há uma legislação, de 2009, que obriga escolas públicas a terem um profissional da nutrição, mas o governo do Estado, até agora, não incluiu o cargo de nutricionista nas escolas. Segundo Jacira, além de cuidar da alimentação, o profissional é responsável pela educação alimentar. Lembrou que não apenas na família ocorra a alimentação inadequada, citando cantinas de escola e festas de recreação onde alimentos industrializados e bebidas açucaradas são oferecidas.

Foto: Pablo Santos


Audiência Pública sobre a obesidade infantojuvenil



Deputado apresenta projeto de cadastro de obesidade infanto-juvenil ao CREF2/RS
31/03/2017
Fonte: CREF2/RS

O deputado Maurício Dziedricki e sua equipe visitaram a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) na quarta-feira, dia 29. O deputado veio expor seu projeto que cria o cadastro de obesidade infanto-juvenil, tornando obrigatória a avaliação antropométrica nas crianças e adolescentes nas escolas de ensino fundamental e médio do RS.

A ideia é que a escola realize as avaliações e, havendo um quadro de baixo peso, sobrepeso ou obesidade, seja encaminhado às Coordenadorias Regionais de Saúde e Educação. A partir daí os pais serão informados, bem como as secretarias do Estado de Educação e Saúde. O referido cadastro permitirá a verificação da eficiência de programas de prevenção e tratamento da obesidade que venham a ser implantados em nosso Estado.

O deputado aproveitou a ocasião para convidar o CREF2/RS a participar da Audiência Pública com o tema “Obesidade na infância e adolescência e os reflexos na saúde pública”, que ocorrerá no dia 3 de maio, às 18h30m, no Plenarinho na Assembleia Legislativa. Segundo a presidente do CREF2/RS, iniciativas como a do deputado sempre encontram respaldo no Conselho, pois somam esforços na luta pela saúde e bem-estar dos gaúchos.


Visita deputado Maurício Dzidricki



Reunião da Câmara da Saúde do Fórum/RS discute EAD
16/03/2017
Fonte: CREF2/RS

O vice-presidente do CREF2/RS, Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), esteve presente nesta terça-feira, dia 14, da reunião da Câmara da Saúde do Fórum dos Conselhos Profissionais do Rio Grande do Sul (Fórum/RS), realizada na sede da OAB. Entre as putas discutidas, o risco de extinção dos cargos SUSEPE, o termo de cooperação técnica dos Conselhos Profissionais com Ministério Público do RS, Observatórios Sociais e o Movimento dos Conselhos Profissionais da área da saúde contra os cursos de graduação predominantemente na modalidade EAD, entre outros.

Segundo Lauro, o MEC já autorizou 274,1 mil vagas de ensino a distância, em 11 das 14 profissões da saúde. “A Educação Física tem uma oferta de 68 mil vagas”, alerta o vice-presidente. Para seu funcionamento, os cursos EAD deveriam obedecer uma série requisitos, mas que na prática não são cumpridos, tais como: não observância às diretrizes curriculares, bem como a carga horária e sua integralização; deficiência nas avaliações; falta de capacitação dos docentes; inexistência de estágios obrigatórios e atividades laboratoriais, dentre outros. Aliados a esses elementos que não condicionam a uma formação de qualidade, há uma proposta de mudança por parte do MEC, que altera o Decreto nº 5.622/2005, comprometendo ainda mais a qualidade da formação.

“O EAD deixa de exigir o credenciamento prévio para oferta presencial; credenciamento único para oferta de graduação e de pós-graduação lato sensu; credenciamento lato sensu EAD fica restrito às escolas de governo”, explica Lauro. Já os polos de apoio presencial passam a ser criados pelas instituições de ensino, que deverão informá-los ao MEC, no prazo de 60 dias, a partir da expedição do ato interno de criação, respeitando o quantitativo anual .

Os tutores que exercem atividades compatíveis com a docência deverão ser contratados como docentes (tutores a distância) e fica prevista a possibilidade de oferta de curso EAD totalmente virtual, mas, inicialmente, somente em caráter experimental e condicionado à autorização pelo MEC, mesmo para instituições com autonomia (Art. 10). A IES somente poderá pedir curso 100% virtual após o reconhecimento do primeiro curso EAD. O que, para o vice-presidente do CREF2/RS, é um erro pedagógico, já que no ensino da Educação Física faz-se indispensáveis aulas presenciais. “É necessário um amplo debate sobre o tema do EAD, pois corremos o risco de precarizar ainda mais nosso ensino”, alerta Lauro.


FÓRUM RS - Câmara da Saúde



Reunião da Câmara da Saúde do Fórum/RS discute EAD
16/03/2017
Fonte: CREF2/RS

O vice-presidente do CREF2/RS, Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), esteve presente nesta terça-feira, dia 14, da reunião da Câmara da Saúde do Fórum dos Conselhos Profissionais do Rio Grande do Sul (Fórum/RS), realizada na sede da OAB. Entre as pautas discutidas, o risco de extinção dos cargos SUSEPE, o termo de cooperação técnica dos Conselhos Profissionais com Ministério Público do RS, Observatórios Sociais e o Movimento dos Conselhos Profissionais da área da saúde contra os cursos de graduação predominantemente na modalidade EAD, entre outros.

Segundo Lauro, o MEC já autorizou 274,1 mil vagas de ensino a distância, em 11 das 14 profissões da saúde. “A Educação Física tem uma oferta de 68 mil vagas”, alerta o vice-presidente. Para seu funcionamento, os cursos EAD deveriam obedecer uma série requisitos, mas que na prática não são cumpridos, tais como: não observância às diretrizes curriculares, bem como a carga horária e sua integralização; deficiência nas avaliações; falta de capacitação dos docentes; inexistência de estágios obrigatórios e atividades laboratoriais, dentre outros. Aliados a esses elementos que não condicionam a uma formação de qualidade, há uma proposta de mudança por parte do MEC, que altera o Decreto nº 5.622/2005, comprometendo ainda mais a qualidade da formação.

“O EAD deixa de exigir o credenciamento prévio para oferta presencial; credenciamento único para oferta de graduação e de pós-graduação lato sensu; credenciamento lato sensu EAD fica restrito às escolas de governo”, explica Lauro. Já os polos de apoio presencial passam a ser criados pelas instituições de ensino, que deverão informá-los ao MEC, no prazo de 60 dias, a partir da expedição do ato interno de criação, respeitando o quantitativo anual .

Os tutores que exercem atividades compatíveis com a docência deverão ser contratados como docentes (tutores a distância) e fica prevista a possibilidade de oferta de curso EAD totalmente virtual, mas, inicialmente, somente em caráter experimental e condicionado à autorização pelo MEC, mesmo para instituições com autonomia (Art. 10). A IES somente poderá pedir curso 100% virtual após o reconhecimento do primeiro curso EAD. O que, para o vice-presidente do CREF2/RS, é um erro pedagógico, já que no ensino da Educação Física faz-se indispensáveis aulas presenciais. “É necessário um amplo debate sobre o tema do EAD, pois corremos o risco de precarizar ainda mais nosso ensino”, alerta Lauro.


FÓRUM RS - Câmara da Saúde



Relator da MP 746/2016 no Senado decide que Educação Física permanece como disciplina obrigatória no Ensino Médio
02/12/2016
Fonte: Agência Senado

A Educação Física permanecerá como disciplina obrigatória do Ensino Médio. É o que propõe o senador Pedro Chaves em seu relatório à Medida Provisória 746/2016, apresentado à comissão mista encarregada de analisar a medida, na última terça-feira, dia 29 de novembro. O texto, agora como Projeto de Lei de Conversão (PLC), seguirá para análise dos Plenários da Câmara e do Senado Federal.

– Optamos por retomar a obrigatoriedade do ensino da Educação Física como componente curricular do Ensino Médio. Esta opção se justifica porque acreditamos que a formação integral do ser humano exige o atendimento de várias dimensões, dentre as quais a corporeidade e o movimento não podem ser desconsiderados – explicou o Senador.

O Relator também ampliou a carga horária do Ensino Médio, que deverá abarcar as disciplinas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O novo texto determina que 60% das horas sejam destinadas à BNCC — antes eram 50%. A base ainda está em fase de elaboração pelo Ministério da Educação e vai conter, por exemplo, temas transversais como cidadania e meio ambiente. Para o senador, essa alteração garantirá unidade e sincronia entre as escolas brasileiras.

Meta intermediária

Na nova redação proposta, o Senador pondera sobre as dificuldades de ampliar a carga horária mínima para 1.400 horas anuais e propõe uma meta intermediária: no prazo máximo de cinco anos, todas as escolas de Ensino Médio do país terão carga horária anual de pelo menos 1.000 horas, cinco horas diárias. O ensino noturno e o da educação de jovens e adultos sofrerão as adequações necessárias, como a aprendizagem por projetos envolvendo os temas transversais. O novo Ensino Médio será ofertado com as disciplinas da BNCC e com um rol de áreas do conhecimento e “itinerários formativos”, que serão escolhidos pelo próprio aluno.

Notório saber

Chaves aprovou a inclusão, pela MP, dos profissionais com notório saber na lista dos que podem atuar na formação técnica e profissional e ampliou essa previsão, permitindo que os profissionais graduados, detentores de complementação pedagógica, também possam atuar no magistério. “Tal medida, ao mesmo tempo em que exige uma formação pedagógica mínima, desafoga o sistema e incrementa, no espaço escolar, as possibilidades de atuação e de atendimento às necessidades dos alunos”, defendeu.

O parlamentar retirou ainda, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), a exigência de que apenas em universidades e institutos superiores de educação se faça a formação de docentes em nível superior para atuar na educação básica. Ele observou que faculdades isoladas, devidamente credenciadas pelo Ministério da Educação, não atreladas a institutos ou universidades, oferecem essa formação.


MP 746 Educação Física escolar



Presidente do CREF2/RS participa da audiência pública que debate a MP 746 e da PEC 241 nos institutos federais
14/11/2016
Fonte: CREF2/RS

Representantes de organizações estudantis, de organizações dos trabalhadores em educação, reitores, professores, estudantes e parlamentares lotaram o teatro Dante Barone, na Assembléia Legislativa, nesta sexta-feira, dia 11, para debater os impactos da MP 746 e da PEC 241 nos institutos federais no Rio Grande do Sul na audiência pública da Comissão de Educação, Cultura, Desporto Ciência e Tecnologia. O CREF2/RS esteve representado pela sua presidente, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS).

Primeiro, manifestaram-se reitores de institutos federais presentes. Marcelo Bender Machado, que foi reitor do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) e hoje preside o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), explicou que o objetivo, quando da criação dos institutos, foi o de implantar a rede onde não havia equipamentos federais de ensino, em grande centros e no “Brasil profundo”. "Atualmente, são atendidos 850 mil alunos em todos os níveis. A PEC 241 emperra o orçamento por 20 anos e não há segurança de verbas mínimas à manutenção. Existe o perigo a retornarmos a situação da UFPel, em que não havia nem banheiros funcionando na universidade".

Amílton de Moura Figueiredo, reitor em exercício do Instituto Federal Rio Grande do Sul (IFRS), depositou sua confiança na atuação aguerrida do atual movimento estudantil para barrar as MP do governo Temer. “Esta juventude que nos faz resistir aos ataques deste atual governo ilegítimo”. Disse que a MP 476 é um retrocesso na educação. “Se existe a necessidade de melhorias, vamos debatê-las, mas não se pode aceitar algo imposto”, advertiu. Sobre a PEC 241, afirmou que significará retroceder a educação à década dos anos 90, e sublinhou que é preciso unificação dos movimentos de protesto, “numa luta para que não seja negado a esta juventude um futuro melhor”.

O procurador regional da República, Domingos Dresch da Silveira, frisou que a “MP pode até congelar investimentos sociais, mas não vai congelar corações, que vão resistir e lutar”. Frisou que ocupar escolas não é a simples ocupação, mas sim “a realização do princípio constitucional da desobediência civil, que é dever de cada um de nós. Não haveria reforma agrária se não houvesse desobediência civil”, enfatizou. Hoje, para ele, infelizmente, “é subversivo quem defende a Carta Federal”. 

O deputado Pedro Ruas afirmou que tanto a PEC como a MP são preocupantes. “Mas este ato hoje, com este local lotado, nos enche de orgulho. É uma audiência pública com representatividade e bradamos a todo o país, desde aqui do Sul, o grito forte da resistência. Estamos falando, sim, de vida e morte, porque os dados já informados dão conta do custo à sociedade caso haja a implementação destas iniciativas”, advertiu. A deputada Manuela d Àvila também destacou o papel da juventude, “mas especialmente das jovens mulheres”, à frente da movimentação estudantil. “Querem, isso sim, estabelecer uma linha imaginária entre aqueles que devem continuar quem apenas aperta parafusos, precarizados, e os que poderão continuar pensando. A PEC e a MP fazem parte da mesma política segundo a qual pobre não pode se emancipar por meio da educação”. A deputada Stela Farias afirmou que esta luta é pela vitória do povo brasileiro. “Uma luta que achávamos acalmada, mas não, está mais viva que nunca”, disse, “evidenciado pelo golpe das oligarquias, agregou. 

A presidente do CREF2/RS, Carmen Masson, afirmou que a PEC que congela os investimentos em saúde e educação no país é um ato bastante negativo ao futuro do país, constituindo-se em um grande ataque aos direitos sociais. "Estudos mostram que se a PEC existisse desde 2006, o orçamento da educação que hoje é de 103 bilhões seria de apenas 31 bilhões, ou seja, menos 62%. Com a 241, não existirá mais o ProUni, nem FIES, nem Pronatec. Os programas de pesquisa, qualificação profissional e combate ao analfabetismo serão suspensos. Também teremos menos vagas em creches e escolas e os professores serão cada vez mais desvalorizados. Ao final dos 20 anos, teremos índices semelhantes ao Haiti", alertou Carmen.


MP 746 PEC 241 PEC 55



Ulbra Guaíba promove evento para discutir MP 746 e PEC 241
31/10/2016
Fonte: CREF2/RS

Com o apoio do CREF2/RS e da Secretaria Municipal de Educação, a Ulbra Guaíba realizou na última quinta-feira, dia 27 de outubro, o I Ciclo de Debates: um Olhar sobre o Futuro da Educação Física. O evento, que integrou o II Encontro de Educação Física da Costa Doce e a Semana Acadêmica do Curso de Educação Física da Ulbra Guaíba, trouxe para debate a MP 746, que propõe a reforma do Ensino Médio, e a PEC 241, que busca limitar os gastos públicos.

A mesa foi composta pelo coordenador do curso de Educação Física Luciano Loureiro (CREF 007142-G/RS), pela doutora em Políticas Públicas Líbia Aquino, pela professora da UFRGS Anelise Gaya (CREF 024009-G/RS) e pelo representante da Secretaria de Educação Vitor Powaczruk (CREF 023027-G/RS). O evento contou com a presença de mais de 200 pessoas, entre professores das escolas da região e estudantes. Além de debater a relação da MP 746 e da PEC 241 com o futuro da Educação Física, a Base Nacional Comum Curricular e a saúde na escola também foram abordadas. “É preciso que mais momentos como este, para firmarmos um posicionamento forte, de que a Educação Física é uma disciplina fundamental para o desenvolvimento da cultura corporal”, declarou Loureiro.


Eventos Guaíba Ulbra Guaíba



UCS reúne profissionais da Serra durante I Seminário de Educação Física Escolar
25/10/2016
Fonte: CREF2/RS

A universidade de Caxias do Sul (UCS) realizou, nos dias 22 e 23 de setembro, o I Seminário de Educação Física Escolar. O evento, que contou com as palestras da conselheira do CREF2/RS Marcia da CRUZ (CREF 007542-G/RS) e dos conselheiros do CONFEF Antônio Catunda (CREF 000001-G/CE) e Elisabete Laurindo (CREF 002036-G/SC), foi dedicado aos profissionais que atuam na rede municipal de Caixas do Sul e nas entidades de ensino pertencentes à 4ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE).

Com o objetivo de contribuir com a prática pedagógica dos docentes e proporcionar, através da troca de conhecimento, o repensar da Educação Física escolar, o Seminário iniciou com a palestra “Educação no Brasil – Contribuições da Educação Básica e recomendações para Educação Física Escolar”, ministrada pela Conselheira do CREF2/RS. Na sua apresentação, além de destacar os avanços obtidos pelo Sistema CONFEF/CREFs nos últimos anos, Marcia também salientou que a Educação Física precisa ser trabalhada de maneira ainda mais ampla nas escolas, para contribuir com a formação cidadã e com a saúde de todos os alunos.

Na parte da tarde, o evento prosseguiu com a palestra “Educação Física – Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental”, ministrada por Elisabete. Durante a sua apresentação, ela mostrou como a Educação Física pode contribuir para a apropriação de todas as linguagens e destacou que a ação dos professores devem proporcionar desafios às crianças, através de interações e brincadeiras. Segundo Elisabete, isto precisa ocorrer, sobretudo, porque “os professores necessitam assumir a defesa da Educação Física na escola”, declarou.

O segundo dia de Seminário iniciou, na parte da manhã, com a palestra “Educação Física Escolar – Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio”, ministrada por Catunda. O conselheiro do CONFEF propôs um diálogo acerca da responsabilidade pedagógica e das estratégias para o ensino, visto que o aluno passa a maior parte do tempo de aula realizando atividades que não são consideradas didáticas. Na sua apresentação, também foram expostos alguns aspectos da Declaração de Madrid, do European Mhysical Education Association, destacando que “não há educação sem Educação Física”. “O professor deve assumir o compromisso com a responsabilidade e com a qualidade da aula. Não adianta infraestrutura se o professor não está motivado para ensinar”, analisou.

No encerramento do Seminário, Marcia agradeceu a presença de todos e destacou a mobilização dos profissionais de Educação Física pertencentes à 4ª CRE, que foi representada por professores de 12 municípios da região da Serra: Caxias do Sul, Flores da Cunha, Picada Café, Nova Petrópolis, Nova Pádua, São Marcos, São Francisco de Paula, Cambará, Gramado, Canela, Farroupilha e Antônio Prado. Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), presidente do CREF2/RS; e Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), presidente da Comissão de Educação Física Escolar do Conselho; também estiveram presentes no evento.


Educação Física Escolar Seminário



CREF2/RS realiza palestras em Antônio Prado e Uruguaiana para comemorar Dia do Profissional de Educação Física
05/09/2016
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS, representado pela conselheira Marcia da Cruz (CREF 007542-G/RS) e pela agente de Fiscalização Denise Candaten (CREF 010750-G/RS), esteve na Prefeitura de Municipal de Antônio Prado, na última quarta-feira, dia 31 de agosto, para uma palestra. A apresentação, feita para os profissionais de Educação Física da cidade, abordou os desafios e as conquistas da profissão, bem como o trabalho desempenhado pelo Conselho.

O encontro, realizado como forma de comemorar o Dia do Profissional de Educação Física, também ocorreu em Uruguaiana na quinta-feira, dia 1º de setembro. A palestra, mais uma vez ministrada pela Conselheira, foi promovida pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer de Uruguaiana e, além dos profissionais, também reuniu acadêmicos do curso para um debate sobre as duas áreas de intervenção, licenciatura e bacharelado. Ao total, 150 pessoas compareceram aos dois eventos.

Como destacou Marcia, as palestras foram muito proveitosas e importantes para o CREF2/RS, já que contaram com a participação ativa da plateia, que colaborou com questionamentos e interações. “Além disto, tivemos a oportunidade de entregar o nosso material de divulgação para parte da Serra e da Fronteira Oeste do Estado, sobretudo para professores, coordenadores de curso, acadêmicos e demais pessoas que atuam na área”, acrescentou. “Também ficou acordado que faremos visitas às escolas de Antônio Prado para falar sobre a importância das aulas de Educação Física serem ministradas por profissionais habilitados, atendendo as premissas da legislação”, concluiu.


Eventos palestras



Troféu Destaque homenageia os melhores profissionais do ano
02/09/2016
Fonte: CREF2/RS

Comemorando o Dia do Profissional de Educação Física, o CREF2/RS realizou ontem, no Grêmio Náutico União, a cerimônia de entrega do Troféu Destaque. O prêmio, que chegou ao seu quinto ano consecutivo, homenageou aqueles que mais se destacaram ao longo de 2016, em 15 categorias diferentes. As empresas que completaram dez anos de registro também receberam um certificado como forma de reconhecimento.

A abertura da cerimônia foi feita pela presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), que destacou a tradição do Troféu Destaque, já reconhecido entre os profissionais como o “Oscar da Educação Física gaúcha”. A forma de escolha dos vencedores, pela primeira vez com uma votação aberta no site do CREF2/RS para a definição dos três finalistas de cada categoria, também foi mencionada como outro ponto positivo. “Queremos que todos participem, não só do Troféu Destaque, mas do dia a dia do Conselho. Hoje estamos aqui para premiar os nossos colegas, mas sempre de portas abertas para recebê-los”.

Confira os ganhadores:

Academia:

Fórmula RS Fitness Center (CREF 002499-PJ/RS)
É uma empresa do grupo internacional Bodytech Company e chegou a Porto Alegre em 2014. Localizada no Shopping Praia ade Belas, possui duas grandes salas para atividades coletivas, relacionadas à musculação e ao condicionamento físico, e um espaço de indoor cycle. Oferece uma grande variedade de modalidades, como pilates, alongamento e zumba.

Clube ou sociedade:

Recreio da Juventude (CREF 000515-PJ/RS)
Foi fundado em dezembro de 1912, em Caxias do Sul. Com uma grande estrutura, que conta com academia, piscinas, sauna e modalidades esportivas, como basquete, futsal, handebol e vôlei, o clube tem mais de 16 mil associados e diversas outras opções de atividades sociais, de lazer e de diversão.

Mérito da Educação Física:

Adroaldo Cézar Araújo Gaya (CREF 002280-G/RS)
Doutor em Treinamento Desportivo pela UERJ e em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto, atualmente é professor titular da UFRGS, das disciplinas de epistemologia e metodologia da pesquisa. É o criador e o coordenador do Projeto Esporte Brasil, pioneiro observatório permanente de indicadores de crescimento e de desenvolvimento de crianças e de adolescentes esportistas. É ainda autor de diversos livros sobre Educação Física, esportes e metodologia da pesquisa.

Profissional do ano:

Antônio Carlos de Oliveira Pereira (CREF 003345-G/RS)
Kiko é faixa preta e técnico de judô da Sogipa. Chegou no clube em 1984, foi três vezes campeão gaúcho como atleta e em 1986 começou a atuar como auxiliar técnico da equipe de judô. Foi treinador dos campeões mundiais e medalhistas olímpicos João Derly, Tiago Camilo, Mayra Aguiar, Felipe Kitadai e Maria Portela.

Profissional de academia:

Paulo André Poli de Figueiredo (CREF 000340-G/RS)
Mestre em Ciência do Movimento Humano pela UFRGS e especialista em Medicina Esportiva e Saúde Escolar pela PUCRS, é sócio-diretor do Centro Físico Acqualità e membro da comissão científica da Aquatic Exercise Association. É também autor dos livros “AICHI – Técnica de Relaxamento Aquático” e “Natação para Bebês, Infantil e Iniciação: Uma Estimulação para a Vida”.

Profissional de atividade física na empresa e Ginástica Laboral:

Vinicius da Silva Alves (CREF 008089-G/RS)
Especialista em Ginástica Laboral e Qualidade de Vida pela UNIGRANRIO, é também especialista em Engenharia de Produção, com ênfase em Ergonomia, pela UFRGS. É sócio-proprietário da empresa Esportes em Ação – Programas de Promoção da Saúde e diretor da empresa Valorize Projetos e Consultoria Esportiva. Possui experiência de mais de dez anos em consultoria, assessoria e treinamento em diversas empresas do Rio Grande do Sul.

Profissional com atuação em projetos sociais:

Felipe Rosa de Quadros (CREF 020906-G/RS)
Pós-graduado em psicomotricidade escolar e faixa preta de judô, iniciou no esporte em 1999. Já passou pelos Departamentos de Judô do Sport Club Internacional, do Grêmio Náutico União e atualmente é auxiliar técnico das equipes de base da Sogipa e da Federação Gaúcha de Judô. É também professor do projeto Geração Futuro/Educandário, que oferece oficinas de judô para jovens e adolescentes que vivem em comunidades de risco na zona norte de Porto Alegre.

Profissional de escola:

Virgínia Rolim Wolffenbuttel (CREF 000055-G/RS)
Atua com a Educação Física escolar desde 1981. Com mais de 30 anos de experiência na área, atualmente é professora da Escola Estadual de Ensino Médio Mariz e Barros, em Porto Alegre. Em 2004, iniciou o Projeto Jovens Talentos, cujas equipes escolares de handebol masculino já conquistaram diversos títulos nas categorias mirim, infantil e juvenil. Também é especialista em autismo e pós-graduada em Ginástica de Academia.

Profissional de esporte radical e de aventura:

Thomas Schulze (CREF 013024-G/RS)
Escoteiro, monitor de rapel e de escalada, foi diretor técnico da Associação Caxiense de Montanhismo, de 2009 a 2011. Atuou também como árbitro do Campeonato Gaúcho de Escalada, e foi o criador do blog Montanhismo, Escalada e Educação Física, pioneiro no Rio Grande do Sul. Com experiência de 24 anos no montanhismo e na escalada, atualmente trabalha com escalada esportiva, escalada recreativa, preparação física e com assessoria de expedições em alta montanha.

Profissional de lutas:

Ricardo Reuter Pereira (CREF 002715-G/RS)
Faixa preta de judô e praticante da modalidade desde 1980, foi competidor de luta olímpica e integrante da Seleção Gaúcha, que conquistou o segundo lugar no Campeonato Brasileiro de 1987. Já participou da Comissão de Educação da Federação Gaúcha de Judô e é professor da disciplina de lutas, na PUCRS, desde 2000. Atua também rede municipal de Porto Alegre, onde desenvolve um projeto de judô e Educação.

Profissional de paradesporto e atividade adaptada:

Ana Paula Vieira Malanovicz (CREF 005885-G/RS)
Pós-graduada em Metodologia do Ensino dos Esportes, pela UFRGS; e em Psicomotricidade, pela PUCRS; Ana Paula Vieira Malanovicz atua na Escola Estadual Especial Recanto da Alegria, que atende alunos com deficiência intelectual. É idealizadora do Projeto Esporte+, o qual já revelou campeões paralímpicos de atletismo e de natação, e tem habilitação de nível II como técnica de atletismo pelo Comitê Paralímpico Brasileiro.

Profissional da saúde:

Luiz Antônio Barcellos Crescente (CREF 011597-G/RS)
Possui graduação em Medicina e mestrado em Ciências do Movimento Humano, ambos pela UFRGS. Atualmente é professor do curso de graduação em Educação Física da ULBRA e da pós-graduação da Universidade Corporativa Mãe de Deus. Atua como médico e fisiologista do Sport Club Internacional, desde 1994, e também da Seleção Brasileira, com ênfase em Medicina do Esporte, avaliação funcional e controle de treinamento.

Profissional técnico desportivo:

Celso Gomes da Silva (CREF 002893-G/RS)
É professor aposentado da Rede Pública Estadual e técnico de basquete desde 1979. Foi por 17 vezes treinador das seleções de base do Rio Grande do Sul em Campeonatos Brasileiros de Basquete e campeão sul-americano de basquete nas categorias sub-14 e sub-17. Possui diversos títulos nos Jogos Escolares do Rio Grande do Sul comandando o time das escolas estaduais Prudente de Morais, General Osório e Ildefonso Simões Lopes, todas do município de Osório, e representou o Rio Grande do Sul nos em algumas edições dos Jogos Brasileiros da Juventude.

Personalidade do ano:

Carlos Alberto Oliveira Garcia (CREF 000002-G/RS)
Autor de leis que beneficiaram a Educação Física, Professor Garcia foi vereador, presidente da Câmara Municipal de Porto Alegre e conselheiro federal do CONFEF. Como profissional de Educação Física, foi treinador de atletismo e técnico da equipe brasileira de atletismo no Mundial de Saint-Ettienne, na França, em 1977. A obrigatoriedade da presença de um profissional de Educação Física como responsável técnico em academias de Porto Alegre, a criação da Semana de Educação Física e a exigência do curso de Licenciatura para professores de Educação Física das séries iniciais da rede municipal de ensino foram algumas das suas principais conquistas na política.

Veículo de comunicação:

Plano de Jogo
Exibido pela TVE de segunda a sexta-feira, o Plano de Jogo tem como foco o esporte e as diversas modalidades praticadas em todo o Rio Grande do Sul. O programa mostra as competições e as atividades esportivas como forma de educação, inclusão social e meio para manter a saúde. As matérias veiculadas no Plano de Jogo são produzidas pela TVE e pela rede de 25 emissoras parceiras do interior, assim como pelas entidades esportivas e atletas, que enviam imagens e notícias.


Troféu Destaque 2016



CongregaCREF reúne profissionais e estudantes para debater diversas áreas da Educação Física
30/08/2016
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS realizou, no último sábado, dia 27 de agosto, a segunda edição do CongregaCREF – Seminário Sul Brasileiro de Educação Física. O evento, que integra as comemorações do Conselho pelo Dia do Profissional de Educação Física, ocorreu no auditório do CRO/RS, em Porto Alegre, e contou com a presença de profissionais registrados e de estudantes para debater as diversas áreas da profissão. A abertura do evento foi feita pela presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), que reiterou o sucesso de público do CongregaCREF, pelo segundo ano consecutivo, e saudou todos aqueles que compareceram para assistir às palestras.

A primeira apresentação foi feita por Rodrigo Gonçalves Dias (CREF 059988-G/SP), pesquisador da Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Instituto do Coração (InCor), em São Paulo, e primeiro profissional de Educação Física a vencer o Prêmio Jovem Cientista, promovido pelo CNPq, em 2012. A palestra “Genética, performance física humana & doping genético: o senso comum versus a realidade científica” abordou as suas investigações científicas mais recentes e tentou explicar como funciona o rastreamento de genes para a descoberta de novos “fenômenos do esporte”, algo tão em evidência nos dias de hoje por causa da Olimpíada. “O nosso trabalho envolveu os melhores atletas do atletismo brasileiro e comparou o desempenho de todos com pessoas comuns. A conclusão que chegamos é que há mais ou menos 200 pessoas com potencial para serem esportistas espetaculares no nosso país e que ainda não foram descobertas”, revelou Dias.

Além de explicar os detalhes do seu trabalho, o pesquisador também contextualizou os avanços que a Educação Física teve – e ainda pode ter – desde o surgimento do projeto Genoma, na década de 90. “Os estudos genéticos deixaram claro que a responsividade ao treinamento é diferente de pessoa para pessoa, não segue um padrão que pode ser aplicado da mesma forma a todos os atletas. Ou seja, não podemos simplificar algo tão complexo como o organismo humano, precisamos aprender e relacionar as particularidades de cada estrutura muscular aos diversos genes que compõem o DNA de cada um destes indivíduos”, explicou.

Com espaço para perguntas da plateia e transmissão online, que permitiu que profissionais e acadêmicos de todo o Estado acompanhassem as palestras dos seus computadores em casa, o CongregaCREF prosseguiu com a conselheira federal do CONFEF Elisabete Laurindo (CREF CREF 002036-G/SC), que falou sobre o papel do profissional de Educação Física na escola. Além de apresentar os consensos internacionais da UNESCO e de inserir a Educação Física aos direitos fundamentais de todas as pessoas, Elisabete mostrou quais são os indicadores de qualidade na educação e explicou como o ambiente escolar, a prática pedagógica e as condições de trabalho dadas aos profissionais que atuam nestes locais interferem nesta equação. “O Brasil está entre os países mais obesos do mundo e precisamos nos apropriar da Educação Física escolar como forma de promover a saúde das crianças”, defendeu.

A Conselheira também trouxe para discussão o atual momento vivido pela Educação Física escolar, em que há a busca pela consolidação do profissional de Educação Física neste ambiente. “O livro Recomendações para a Educação Física Escolar, publicado pelo CONFEF e distribuído às escolas de todo o Brasil, veio para conscientizar todos dos benefícios da atividade física e de como é importante uma qualificação adequada para atuar na área, com comportamento ético e materiais adequados”.

Depois, quem deu continuidade ao CongregaCREF foi a professora da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID) da UFRGS Anelise Gaya (CREF 024009-G/RS). A palestra “O papel da Educação Física na promoção da saúde na escola” abordou um pouco do seu trabalho com o projeto de pesquisa Esporte Brasil, que busca avaliar e dar um novo sentido aos indicadores de aptidão física, saúde, obesidade e de outras doenças, com ênfase na população infantojuvenil. “30% das crianças tem obesidade e sobrepeso e a atividade física na escola poderia ter uma função primordial no sentido contrário a estes dados alarmantes”, explicou. “Os profissionais de Educação Física da escola precisam se dar conta deste quadro e trabalhar de maneira consciente, sabendo que existe um período crítico para o desenvolvimento motor das crianças e que este precisa ser bem aproveitado, para que não haja nenhum comprometimento”, complementou.

Como salientou Anelise durante a sua palestra, os dados coletados pelo Projeto Esporte Brasil nos últimos anos mostram ainda que 60% das crianças em idade escolar não cumprem o mínimo de atividade física proposto pela Organização Mundial da Saúde. “O que descobrimos é que muitas delas não brincam, não têm recreio e ou são atendidas de maneira correta pelas aulas de Educação Física. O sedentarismo é uma das principais causas de morte no Brasil e esta realidade no ambiente escolar é bastante preocupante, já que muitas doenças que eram vistas somente em adultos, como o diabetes tipo II e hipertensão, já estão aparecendo em crianças e gerando outras complicações”, revelou.

A conclusão, compartilhada com todos os presentes que lotavam o auditório do CRO/RS, é que a escola deveria oferecer mais momentos para a prática de atividade física, com pelo menos 45 minutos de duração, duas vezes por semana. “Não podemos privar o desenvolvimento das crianças, sobretudo da forma que só o esporte proporciona”, contou Anelise. As aulas de Educação Física escolar, além de precisarem de um planejamento mais eficaz, necessitam a adoção de novas estratégias, para que os hábitos de vida sejam modificados desde cedo. “Há bons projetos ocorrendo nas escolas, sobretudo fora do país, que podem servir de exemplo. O Projeto Esporte Brasil, por exemplo, tem contribuído na interpretação dos padrões de crescimento e, com isto, oportunizado o planejamento de ações diferenciadas e auxiliado os professores de Educação Física na avaliação dos seus alunos”, concluiu.

O CongregaCREF foi encerrado pela palestra “Gestão de academia”, ministrada por Rogério Menegassi (CREF 001008-G/RS), proprietário da academia Athlética, localizada em Porto Alegre, e ex-presidente da Associação das Academias do Rio Grande do Sul (ACAD RS). Há mais de 30 anos atuando na área, Menegassi conversou com os presentes sobre esta área e tirou as dúvidas daqueles que tem a intenção de abrir, futuramente, o seu próprio negócio. “As opções para as academias cresceram muito nos últimos anos. A piscina, antigamente, era aproveitada somente para aulas de natação e hoje há uma infinidade de modalidades e de atividades que podem ser exploradas e ofertadas aos alunos”.

Além disto, Menegassi apresentou um pequeno panorama sobre a evolução da ginástica em academias, explicou algumas estratégias adotadas pela Athlética e salientou que muitos adultos são resistentes a aderir a um programa de treinamento porque não tiveram uma boa experiência com a atividade física quando eram jovens, numa época em que a profissão de Educação Física ainda não era regulamentada. “Na nossa área, ninguém poderá inventar algo totalmente inédito, porque as modalidades são variações e vêm de uma mesma base. O que os profissionais de academia realmente precisam fazer é tentar tornar as suas aulas cada vez mais prazerosas para os alunos, para que eles se transformem em clientes fiéis, tenham resultados e que reconheçam os benefícios que só podem ser proporcionados pela Educação Física em suas vidas”.


CongregaCREF eventos



Câmara Técnica de Esporte Educacional se reúne no CREF2/RS para identificar fontes de financiamento
15/08/2016
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Técnica de Esporte Educacional do CREF2/RS voltou a se reunir na sede do Conselho, na última sexta-feira, dia 12 de agosto. O encontro, que teve como objetivo a identificação das fontes de fomento nas três esferas que são destinadas ao Esporte Educacional, contou também com a presença de representantes da Federação Universitária Gaúcha de Esportes (FUGE) e da Secretaria da Educação do Rio Grande do Sul (SEDUC).

Como destaca a conselheira Marcia da Cruz (CREF 007542-G/RS), presidente da Câmara, a intenção do encontro também foi realizar um mapeamento dos espaços disponíveis para a prática esportiva no Rio Grande do Sul. As informações sobre o financiamento do Esporte Educacional no Estado e sobre os projetos em andamento serviram ainda para a discussão da atuação do profissional de Educação Física nesta área, assim como as questões relacionadas à carga horária nas escolas públicas.

Com estas informações, a Câmara Técnica irá agora entrar em contato com as Instituições de Ensino Superior para realizar um estudo mais abrangente sobre o Esporte Educacional no Rio Grande do Sul. Além da Presidente, também estiveram presentes as conselheiras Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS) e Leila Iabel (CREF 000113-G/RS) e os profissionais Francisco Carlos de Menezes (CREF 000075-G/RS), representando a Feevale; João Guilherme Queiroga (CREF 000839-G/RS), em nome da FUGE, e Danusa Zanella (CREF 003307-G/RS), da SEDUC.


Esporte Educacional



Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS debate Agenda Positiva do Sistema CONFEF/CREFs
15/08/2016
Fonte: CREF2/RS

Na última sexta-feira, dia 12 de agosto, a Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS voltou a se reunir na sede do Conselho. O encontro, que contou com a presença de Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), Marcia da Cruz (CREF 007542-G/RS), João Guilherme Queiroga (CREF 000839-G/RS), Francisco Carlos de Menezes (CREF 000075-G/RS) e Leila Iabel (CREF 000113-G/RS), teve como assunto principal a Agenda Positiva do CONFEF/CREFs.

Com o intuito de contribuir com esta iniciativa, a Comissão irá propor um encontro com a Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul para falar sobras ações que envolvem o Conselho, a formação continuada de professores e as escolas de tempo de integral. Uma das ideias é que o CREF2/RS crie, futuramente, um repositório online para o envio de trabalhos realizados nas escolas e que continue distribuindo as publicações do Sistema CONFEF/CREFs, como o livro “Recomendações para a Educação Física Escolar”. Por fim, a Comissão também quer fazer visitas aos deputados orientando em relação ao Projeto de Lei 87/2016, que tem o intuito de tornar obrigatória a formação em Educação Física para os professores da disciplina que atuam na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental.


Comissão de Educação Física Escolar Educação Física Escolar



CREF2/RS tem encontro com diretores da 4ª CRE em Caxias do Sul
10/08/2016
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS, representado pela conselheira Marcia da Cruz (CREF 007542-G/RS), esteve reunido, entre os dias 2 e 4 de agosto, com os diretores da Rede Estadual de Ensino, que pertencem à 4ª Coordenadoria Regional de Educação do Rio Grande do Sul (CRE). O encontro, realizado em Caxias do Sul, reuniu 122 diretores e serviu para que fosse apresentada a proposta do Sistema CONFEF/CREFs, em relação à melhoria do componente curricular da Educação Física, e para definir alguns dos detalhes do I Seminário de Educação Física, que ocorrerá em setembro.

Além de debater a Educação Física no âmbito das escolas, os diretores que compareceram ao encontro também receberam o livro “Recomendações para a Educação Física Escolar”, editado pelo Sistema CONFEF/CREFs, e um exemplar do Código de Ética Profissional, para que deixem estas publicações à disposição dos professores de Educação Física em suas escolas. “A recepção foi excelente, houve praticamente uma unanimidade nos relatos de que não somente a Educação Física, mas todos os componentes curriculares, merecem uma movimentação”, avaliou Marcia.

A Conselheira também destacou que, durante os quatro dias de evento, a presença do CREF2/RS foi bastante elogiada pelos presentes, que tiveram mais uma oportunidade para se aproximarem do Conselho e tirarem as suas dúvidas. Por fim, a reunião decidiu ainda que o I Seminário de Educação Física será realizado nos dias 22 e 23 de setembro, na Universidade de Caxias do Sul (UCS). A atividade vai representar mais uma possibilidade de formação e de troca de conhecimento para os professores de Educação Física vinculados à 4ª CRE e contará com três palestrantes em nome do Sistema CONFEF/CREFs.


Eventos Educação Física Escolar Caxias do Sul



CREF2/RS em Revista: Nicolas Sanchez é um dos árbitros de tênis selecionados para a Olimpíada
29/07/2016
Fonte: CREF2/RS em Revista

O “uruguaio-gaúcho” Nicolas Sanchez (CREF 012322-G/RS), professor de tênis do Teresópolis Tênis Clube, é um dos convocados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) para fiscalizar os melhores tenistas do mundo, que vão participar da próxima Olimpíada. Natural da cidade de Nueva Helvecia, Sanchez se mudou para Porto Alegre ainda durante a infância, quando o seu pai, um tenista profissional de grande sucesso em terras uruguaias, foi contratado pela Sogipa, na década de 80.

Juiz de linha há 15 anos, o árbitro tem uma extensa lista de campeonatos no currículo, que inclui o Pan-americano de 2007 e o Rio Open, realizado no ano passado. Preparado para vivenciar o maior evento esportivo do mundo, Sanchez quer aproveitar a ida ao Rio de Janeiro também para adquirir conhecimento. A entrevista, que reproduzimos parcialmente abaixo, foi publicada na última edição do CREF2/RS em Revista sobre os Jogos Olímpicos e pode ser conferida na íntegra no link.

Por que ser árbitro e não atleta?

O fato de ser árbitro e não atleta, pra mim, foi algo que teve uma transição natural. Queria continuar neste meio esportivo e, para isto, já tinha feito o curso da Federação Internacional de Tênis (ITF). Rapidamente, já estava arbitrando os maiores tenistas do mundo . No momento, estou atuando somente nos torneios da ITF, da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) e da Associação de Tênis Feminino (WTA), como árbitro de linha. Vale salientar que esta parte de já ter sido atleta e conhecer alguns tenistas profissionais torna o meu trabalho um pouco mais fácil, porque este conhecimento me dá toda a base de como o jogo vai ser.

O que é mais motivador e desafiador no seu dia a dia de trabalho como juiz?

O que mais me motiva em ser árbitro é ter a oportunidade de conhecer os maiores tenistas do mundo e fazer parte dos torneios da ATP e da WTA. O árbitro é fundamental para o andamento de cada torneio. Quanto aos desafios, às vezes não são as jogadas que exigem mais, mas o conjunto, o torneio como um todo. Tem vezes que pegamos partidas longas, tenistas complicados, calor, e tudo isto nos demanda uma concentração redobrada, para não perder o foco na partida. É como se estivéssemos dentro da quadra jogando! O atleta, quando não está concentrado, acaba perdendo a partida. No nosso caso, podemos perder a marca da bola, um ponto, e assim tornar a partida mais tensa do que o normal.

Além da sua carreira como árbitro, você também é professor de tênis. Como fazer para conciliar as duas profissões?

As duas carreiras são bem tranquilas de administrar, porque as aulas não são competitivas, são apenas sociais, com cunho da aprendizagem e da saúde. Elas não comprometem em nada as arbitragens. Se optasse por treinar alguma equipe profissional, mesmo em nível estadual, eu teria que escolher a carreira de árbitro ou de treinador. Sou presidente da Associação Gaúcha de Árbitros de Tênis (AGAT) e o item mais importante é este: o árbitro não pode estar ligado a nenhuma equipe ou clube. Além disto, é muito interessante arbitrar os torneios profissionais e passar as experiências e as curiosidades do mundo do tênis para os alunos, mesmo que eles sejam apenas tenistas de primeira viagem. Também passo para eles informações de como funcionam os rankings, as competições da ATP e da WTA, quais os tenistas que estão em ascensão. Repasso ainda o calendário dos torneios, pois é muito importante que eles vejam ao vivo, bem de perto, como o esporte funciona.

As suas primeiras competições internacionais como árbitro foram os Jogos Pan-americanos do Rio e a Copa Davis. Como surgiram essas primeiras oportunidades, em eventos de grande visibilidade?

As maiores competições foram, realmente, o Pan-americano de 2007 e a Copa Davis, em duas oportunidades, em 2012 e 2015. Antes, eu já tinha arbitrado torneios, futures e challengers de nível da ITF e da ATP. As oportunidades surgiram pelo bom desempenho e alto nível da arbitragem que sempre mostrei dentro da quadra, me destacando como chefe de equipe. A Olimpíada será a maior competição em que irei atuar, mas são inúmeros os torneios de alto nível que já participei. Um dos últimos foi o Rio Open 2016, onde pude arbitrar os jogos de Rafael Nadal, John Isner, Pablo Cuevas, entre outros tenistas do primeiro escalão mundial.

Como você está se preparando para a Olimpíada? O que está sendo diferente no seu dia a dia?

A preparação mais intensa iniciamos em janeiro deste ano, com a convocação para os torneios mais importantes e que contaram com a participação de tenistas de ponta, que exigem o máximo de cada árbitro. Tem também a parte da saúde física e mental, que é importante para permanecermos muito bem concentrados dentro da quadra. O meu dia a dia ainda continua o mesmo, mas acredito que em breve já estaremos com atividades específicas para a Olimpíada.

Quais são as suas expectativas com os Jogos Olímpicos deste ano? O que você espera levar desta experiência para a sua carreira de professor e de árbitro de tênis?

As expectativas são as melhores possíveis! Espero respirar cada momento desta atmosfera esportiva, que é o maior evento esportivo do mundo. Quero aprender e absorver tudo que for possível, já que os Jogos Olímpicos não são só a modalidade de tênis, mas também todos os outros esportes. Espero que ocorra tudo como planejado, já que penso que a Olimpíada não voltará para o Brasil tão cedo. Só terei esta única oportunidade. Quero trazer para cá um legado da mais alta qualidade e poder dizer para a minha filha, para os alunos e para os amigos que fiz história, participando como árbitro da Olimpíada.

O tênis brasileiro nunca ganhou uma medalha olímpica, mesmo que tenha revelado grandes atletas. O que a modalidade ainda precisa desenvolver para se tornar competitiva também nos Jogos Olímpicos?

Tivemos e ainda temos tenistas extraordinariamente talentosos. Atualmente, o melhor tenista brasileiro, Thomaz Bellucci, está na 35ª colocação do ranking da ATP. No feminino, a melhor é a Teliana Pereira, que está na 86ª posição. Eles terão a dura missão de trazer uma medalha olímpica. Já nas duplas, temos uma real possibilidade, pois o Marcelo Mello está no 2º lugar e formará a dupla com o Bruno Soares, que se encontra na 7ª colocação. Um torneio singular, como a Olimpíada, mexe com a cabeça. Ela aparece a cada quatro anos e, quando os atletas estão lá, ficam deslumbrados com a grandiosidade. Nem todos estão focados na medalha de ouro e acabam por se distrair com a estrutura do evento. No tênis, sempre falamos que o atleta é 50% cabeça, ou seja, ele depende de concentração total. Os atletas brasileiros devem trabalhar isto para almejar o brilho do ouro.

Como o tênis brasileiro pode crescer depois dos Jogos Olímpicos?

O esporte no Brasil, de um modo geral, nunca aproveita 100% o legado deixado. Passamos por isso no Pan-americano e na Copa do Mundo. Cabe às entidades esportivas pensarem de uma maneira mais decisiva. Praticamente, vivemos só do futebol no Brasil, mas temos várias modalidades que precisam de investimentos, pois têm grandes talentos sem oportunidade e patrocínio. Acredito que, nesta Olimpíada, os verdadeiros gestores se sentirão influenciados e verão que o esporte necessita de apoio em longo prazo. No tênis, sempre dizemos que o importante é investir nas categorias de base, através de escolinhas comunitárias gratuitas e quadras públicas, facilitando o interesse da população pela modalidade. Já fiz muitos cursos nas maiores escolas de tênis do mundo e todos são taxativos: o maior investimento deve ser nas categorias de base e na formação.


Tênis Olimpíada Jogos Olímpicos



Base Nacional Curricular é tema do 5º Fórum de Educação Física Escolar
02/05/2016
Fonte: CREF2/RS

Na tarde da última sexta, dia 29 de abril, a Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS realizou a 5ª edição do Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar. O evento, que integrou a programação do 42º Encontro Nacional dos Profissionais de Educação Física (ENAPEF), reuniu cerca de 100 pessoas na Casa de Cultura Erico Verissimo, em Capão da Canoa, para assistir à palestra da conselheira federal Iguatemy de Lucena Martins (CREF 000001-G/PB). O tema principal foi a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Doutora em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto (Portugal) e docente da Universidade Federal da Paraíba por mais de 30 anos, Iguatemy é a representante do CONFEF no Ministério da Educação para a avaliação dos cursos de graduação. Com larga experiência sobre o assunto, ela apresentou os conceitos da BNCC e os seus pilares de sustentação. “O programa orienta a formulação do projeto político-pedagógico das escolas e sinaliza os percursos de aprendizagem e desenvolvimento dos estudantes ao longo da Educação Básica”, explicou. A importância da discussão foi comprovada pelos números apresentados por Iguatemy durante a palestra: no Brasil há mais de 190 mil escolas de Educação Básica e mais de dois milhões de professores atuando nestes locais.

Com a proposta de orientar a formação dos professores e reorganizar os materiais didáticos, a BNCC pretende, em longo prazo, diminuir as desigualdades educacionais entre todos os Estados do Brasil. “Ao definir o que é essencial ao ensino, as expectativas de aprendizagem e os critérios de qualidade ganham transparência e podem dar objetividade à avaliação dos resultados educacionais”, salientou Iguatemy. “A Base Nacional Curricular tem o desafio de unir diferentes culturas educacionais em um modelo único”, complementou.

Além da apresentação destes conceitos, o Fórum também trouxe para debate o espaço ocupado pela Educação Física na BNCC. Estruturada dentro da área das linguagens, a disciplina tem o objetivo de compreender a amplitude da cultura corporal do movimento. “O problema desta definição é que se enquadram muitas coisas. A caracterização da nossa área não está errada, mas está complexa demais. Acredito que falte um pouco de clareza para universalizar a qualidade na Educação Física Escolar”, avaliou a conselheira. No final da palestra, Iguatemy também falou sobre os esforços do CONFEF para recolocar em tramitação, no Congresso Nacional, o projeto de lei 116/2013, que busca garantir, em todas as etapas da Educação Básica, a Educação Física ministrada exclusivamente por licenciados na área.

Antes da palestra, o Fórum teve as falas de Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e do deputado estadual Tiago Simon. A Presidente do Conselho reiterou a importância do evento aos longos dos anos, por elaborar e distribuir a Carta Gaúcha de Educação Física Escolar e por colocar em evidência, sobretudo aos olhos das autoridades públicas, a importância da Educação Física Escolar. “Por causa da Comissão de Educação Física Escolar do CREF2/RS, temos no Rio Grande do Sul um projeto de lei, de autoria do deputado Tiago Simon, para tornar obrigatória as demandas do PLC 116/2013 no nosso Estado. Isto mostra o quanto estamos trabalhando, nos coloca à frente e evidencia a luta de todos os nossos profissionais”, destacou.

A Comissão de Educação Física Escolar é formada pelos profissionais Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), Márcia da Cruz (CREF 007542-G/RS), Leila Iabel (CREF 000113-G/RS) e João Guilherme Queiroga (CREF 000839-G/RS).


Educação Física Escolar ENAPEF



CREF2/RS visita Secretaria Municipal de Educação de Caxias do Sul
27/04/2016
Fonte: CREF2/RS

Na tarde de ontem, dia 26 de abril, o CREF2/RS, representado pela conselheira Márcia da Cruz (CREF 007542-G/RS), visitou a Secretaria Municipal de Educação (SMED) de Caxias do Sul. Em reunião com o novo secretário do município, Agenor Basso, e com o assessor pedagógico, Sidnei dos Santos Jr. (CREF 014180-/G/RS), ela falou um pouco sobre o Código de Ética Profissional e sobre os encaminhamentos que são dados depois das ações de fiscalização.

Márcia aproveitou o encontro também para tirar algumas dúvidas sobre a elaboração dos editais de concursos públicos, que devem exigir, para os cargos de competência dos profissionais de Educação Física, o registro no CREF2/RS. Neste sentido, a Secretaria se prontificou em verificar se todos os professores da rede municipal possuem o CREF ativo. Além disto, também serão elaboradas, em parceria com o Conselho, oportunidades de formação e de capacitação aos profissionais que atuam nas escolas municipais. “Esta ação, contribuirá também com o projeto político-pedagógico escolar, que já está em andamento no município”, explicou Basso.

A proposta foi vista, pela SMED, como uma importante contribuição. A Secretaria e o Conselho voltarão a se reunir, em breve, para definir os detalhes da primeira palestra que será oferecida aos profissionais de Educação Física da Caxias do Sul. O tema será a Ética Profissional.


CREF Serra Educação Física Escolar



Federação Gaúcha de Desportos Aquáticos visita o CREF2/RS
12/02/2016
Fonte: CREF2/RS

O presidente da Federação Gaúcha de Desportos Aquáticos (FGDA), Mauro Campos de Quadros (CREF 009623-G/RS), visitou hoje (12) a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), na sede do Conselho, quando apresentou o trabalho do seu primeiro ano de gestão frente à Federação. Segundo Mauro, o objetivo é estreitar relações entre as duas entidades possibilitando futuras ações conjuntas. “Fizemos esta aproximação pois o profissional de Educação Física registrado traz credibilidade ao esporte, dando segurança à pessoa que está sendo orientada, preservando com isto sua integridade física e moral", explicou.

Filiada à Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, a FGDA é a entidade estadual responsável pela organização das competições de natação, polo-aquático, nado sincronizado, saltos ornamentais e maratonas aquáticas. Atualmente no estado são realizadas competições oficiais de natação e de maratonas aquáticas. Estas competições são organizadas entre as dezenove associações filiadas/vinculadas, contando com, aproximadamente, 2000 atletas em suas competições oficiais. Participam, ainda, das competições os nadadores master, que contam com cerca de trinta clubes/escolas, com um total de 1.000 atletas cadastrados.


Esportes Aquáticos



CREF2/RS recebe visita do coordenador da Campanha do Litro d`Água
15/12/2015
Fonte: FEBRAMEC

O CREF2/RS recebeu, na segunda-feira (14), o presidente da Associação Brasileira de Incentivo ao Desenvolvimento Sustentável da Indústria (ABID/Porto Alegre), Lélis Cunha, que coordena a Campanha do Litro D'água. A ação pretende divulgar hábitos simples para evitar o desperdício, que uma vez incorporados ao dia a dia, podem proporcionar a economia de milhões de litros de água.

O presidente da ABID salientou que se cada pessoa tomar o cuidado de não desperdiçar um litro de água por dia, isso significará a economia de um recurso natural em risco de escassez."Pretende-se que as pessoas assumam o compromisso e comentem, para transmitir a mensagem. Nas empresas, é importante que se convidem os funcionários. Nas escolas, na internet, não há impressos, só ações”, explicou.

A ABIDIS-MA é uma entidade sem fins lucrativos que se dedica a promover a conscientização de não agressão ao Meio Ambiente, premiando empresas que agem corretamente (Prêmio Febramec Meio Ambiente) e outras atividades que serão lançadas sempre procurando conscientizar sobre que poderão ter importante significado no futuro.

Dicas para economizar água:
- No banho, abra um pouco menos o chuveiro e termine um minuto antes
- Escove os dentes com a torneira fechada
- Ensaboe as mãos com a torneira fechada
- Ao molhar as plantas, use apenas o necessário
- Não lave a calçada. A chuva faz isso para você
- Se cortar a barba ou se depilar com lâminas, faça com a torneira fechada

Programe-se para poupar um litro de água por dia ou deixar de gastar o litro que não fará falta


Campanha Litro dágua



CREF2/RS entrega livros sobre Educação Física Escolar à Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre
24/09/2015
Fonte: CREF2/RS

Nessa quarta-feira (23), o CREF2/RS realizou a entrega oficial do livro “Recomendações para a Educação Física Escolar” à Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre (SMED). Os exemplares, editados pelo Sistema CONFEF/CREFs, serão repassados às 55 escolas municipais de ensino fundamental da capital. Na ocasião, a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), e a presidente da Câmara Técnica de Educação Física Escolar, Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), apresentaram as propostas contidas na publicação à Eliane Meleti, chefe de gabinete da secretária Municipal de Educação Cleci Jurach.

A presidente do CREF2/RS ressaltou importância da aprovação da lei nº 11.585 do vereador professor Garcia (CREF 000002-G/RS), que tornou obrigatória a formação em curso superior de Licenciatura em Educação Física para a docência da disciplina nas escolas de ensino, como um marco na luta pela Educação Física Escolar no país. “Sancionada pelo prefeito de Porto Alegre José Fortunati, essa legislação deve ser reforçada e propagada para outras cidades do Rio Grande do Sul e do Brasil. Vemos nela um grande ganho para a educação e para a defesa da formação do profissional de Educação Física”.

Carmen explicou que a publicação do CONFEF/CREFs é resultado de intensos debates realizados pela Comissão de Educação Física Escolar do CONFEF em seminários, fóruns e congressos, que identificaram a falta de um documento referencial que desse conta, de maneira objetiva, das questões relacionadas a este campo do saber. “O livro foi desenvolvido por meio de uma proposta democrática, e se constitui em um instrumento norteador para a intervenção responsável e qualificada no ambiente profissional”, afirmou.

“Vamos enviar essa publicação às escolas com ofício recomendando seu estudo”, disse Eliane Meleti, enfatizando que o Ensino Fundamental e Médio do município já possuem professores graduados em Educação Física. “A valorização dos profissionais é prioridade da gestão. A lei cumpre o papel de sacramentar o trabalho que já vem sendo realizado no município, além de incentivar novas experiências nesse sentido. Na educação infantil, desde 2013, a Prefeitura vem nomeando profissionais de Educação Física”, acrescentou.

Segundo Miryam Brauch, o livro foi desenvolvido por meio de uma proposta democrática, com a colaboração de todos os CREFs. “Os Conselhos historicamente têm se esforçado em cooperar na atualização dos profissionais de Educação Física e na elaboração e apresentação de projetos de lei que garantam aos alunos acesso às aulas de Educação Física Escolar ministradas por profissional habilitado”.

Foto: Guga Stefanello/Divulgação PMPA


Educação Física Escolar



CongregaCREF reúne profissionais e estudantes para discutir atividade física e saúde
04/09/2015
Fonte: CREF2/RS

Para comemorar o Dia do Profissional de Educação Física, celebrado todos os anos em 1º de setembro, o CREF2/RS realizou o CongregaCREF – Seminário Sul Brasileiro de Educação Física. O evento, realizado entre os dias 28 e 29 de agosto, no auditório da AMRIGS, reuniu profissionais e estudantes para discutir temas relacionados à atividade e à saúde.

Além da mesa-redonda "Multidisciplinaridade na Saúde", com os conselheiros Leomar Tesche (CREF 000129-G/RS), Carlos Cimino (CREF 001691-G/RS) e representantes do CREFITO5 e do CRN-2, o CongregaCREF contou com diversas palestras. A primeira, ministrada Alexandre Lazzarotto (CREF 002537-G/RS), trouxe para discussão a atuação do profissional de Educação Física nas doenças crônicas. De acordo com o integrante do GT Exercício Físico do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, este tipo de enfermidade representa 72% dos óbitos no Brasil e o exercício é a forma mais barata de prevenção. "O treinamento melhora a capacidade cardiorrespiratória e outros fatores. O profissional de Educação Física tem muitas possibilidades de atuação", destacou.

O primeiro dia (28) contou ainda com a palestra de Elio Carravetta (CREF 002980-G/RS), que foi antecedida pela abertura oficial do evento. No discurso, a presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) destacou que o Seminário era uma demanda dos profissionais registrados e que, através do aperfeiçoamento, é possível construir uma profissão e um Conselho mais forte. Carravetta, com quase 20 anos de experiência no Departamento de Preparação e Reabilitação Física do Sport Club Internacional, falou sobre a relação entre a gestão esportiva e a saúde. Ele destacou que o Estado hoje tem 5 milhões de sedentários e que o esporte, sem bem gerido, pode mudar hábitos. "Os profissionais de Educação Física podem assumir o papel de protagonista neste processo, implementando e massificando programas esportivos", pontuou.

No segundo dia (29), o CongregaCREF contou com as palestras de Ricardo Catunda (CREF 000001-G/CE), intitulada "Atividade física na Escola"; Áderson Loureiro (CREF 000038-G/RS), chamada "Academia e seus profissionais, promotores da saúde ou não!;" e Paulo Rodrigo da Silva (CREF 002076-G/RS), intitulada "Anabolizantes na academia: qual é o papel do profissional de Educação Física?". Com transmissão ao vivo pela Internet, o público pode acompanhar também de casa estes debates, que tiveram como tópicos principais as metodologias e estratégias da Educação Física Escolar, a inserção dos profissionais no mercado fitness e formas de combater o uso de anabolizantes para fins exclusivamente estéticos.

Os dados mais curiosos apresentados foram o crescimento de 133% no número de academias no Brasil e que o uso de anabolizantes é maior do que o uso de crack em nosso país. Para Catunda, as dificuldades de hoje não estão relacionadas à forma como a Educação Física é ministrada, sobretudo nas escolas. O que é preciso é reforçar que a atividade física pode mudar e salvar vidas. "Não há como prescrever atividade física sem uma avaliação prévia. Por atender públicos distintos, precisamos conhecer os alunos, em primeiro lugar. Sem isso, ao invés de promover a saúde, podemos ser responsáveis por problemas graves", complementou Oliveira.

O resultado do CongregaCREF, totalmente gratuito para os profissionais registrados no CREF2/RS foi considerado extremamente positivo. De acordo com a Presidente, a ideia agora é aperfeiçoar e incrementar o Seminário para a sua segunda edição, já no ano que vem.


CongregaCREF



Senado aprova carga horária mínima de 2 horas de Educação Física por semana
03/09/2015
Fonte: Centro Esportivo Virtual

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado aprovou, na última terça-feira (1º), o projeto de lei que estabelece a carga horária semanal mínima de duas horas para a prática de Educação Física em instituições de ensino fundamental e médio (PLS 249/2012). A aprovação marcou, ainda, as comemorações do Dia do Profissional de Educação Física, lembrado todos os anos no dia 1º de setembro.

O senador Romário (PSB-RJ), relator do projeto, parabenizou os profissionais da área e ressaltou a importância da prática de exercícios físicos para a saúde das pessoas. “Parabéns e, da minha parte, muito obrigado a estes profissionais que foram tão importantes durante os meus 30 anos jogando futebol. Espero que, com a prática de esportes, possamos ter uma saúde bem melhor”, disse.

Para o autor do projeto, o senador Eduardo Amorim (PSC-SE), há um crescente enfraquecimento da prática da Educação Física nas escolas. Além disto, segundo o senador, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) não determina a carga horária desta disciplina, apesar de estabelecer a obrigatoriedade das aulas e os casos em que a prática de Educação Física é facultativa.

A votação na Comissão foi terminativa e o texto agora segue para a apreciação da Câmara dos Deputados.


Educação Física Escolar



Câmara Técnica de Paradesporto e Atividade Física Adaptada participa da XXI Semana Estadual da Pessoa com Deficiência
24/08/2015
Fonte: CREF2/RS

No último sábado (22), o CREF2/RS participou, através da sua Câmara Técnica de Paradesporto e Atividade Física Adaptada, da XXI Semana Estadual da Pessoa com Deficiência. O evento, realizado no Centro Estadual de Treinamento Esportivo (CETE), em Porto Alegre, contou com a presença de Leila Iabel (CREF 000113-G/RS), conselheira e presidente da Câmara, no talk show "Gestores Dialogando sobre Políticas Públicas no Paradesporto".

Leila falou sobre as possibilidades da Educação Física em toda esta área de atuação, tanto no paradesporto de alto nível como também nas escolas. "A atividade física adaptada fomenta os valores esportivos e, principalmente, possibilita uma melhor qualidade de vida aos estudantes com deficiências nas escolas", explicou.

Com a presença de atletas amadores, profissionais que trabalham com o esporte adaptado e demais interessados pelo tema, o CREF2/RS agradece à Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grade do Sul (FADERS) pelo convite para participar do evento e se coloca à disposição na luta pela inclusão e pela formação adequada dos profissionais de Educação Física que queiram trabalhar com as pessoas com deficiência.


Paradesporto CETE FADERS



Novo Sistema Nacional de Esporte entra na pauta do Congresso em setembro
18/08/2015
Fonte: Agência Brasil

O Governo vai encaminhar, até o fim de setembro ao Congresso Nacional, a proposta para a criação do novo Sistema Nacional de Esporte. O anúncio foi feito pelo ministro do Esporte, George Hilton, ontem à tarde (17), durante a abertura do 4º Jurisports, congresso organizado pela Academia Nacional de Direito Desportivo, no Rio de Janeiro.

"Os três pilares do sistema são a gestão, o funcionamento e o financiamento, que estabelecerá de onde sairão os recursos públicos e privados", declarou o ministro. Ele informou ainda que o texto está em fase final de elaboração e que vai, entre outras coisas, fortalecer o desporto escolar e a Educação Física obrigatória nas escolas. Por isto, o documento está sendo preparado, em conjunto, por técnicos dos ministérios do Esporte e da Educação.

George Hilton avalia que não deverá ocorrer dificuldade na tramitação da proposta, uma vez que o assunto já vem sendo discutido com parlamentares e com entidades ligadas ao setor. Para o ministro, apesar de ser estruturado com base em uma política nacional, o sistema atual não integra o país. A nova proposta viria, justamente, para suprir esta falha e definir quais são os papeis de cada órgão. “Nos mesmos moldes que temos na educação, vai ter uma lei que não poderá ser transgredida. Ela terá que ser cumprida em todo país, tanto por entes públicos, quanto por entes privados”.

Além disto, o novo Sistema Nacional de Esporte vai definir as ações desde a formação esportiva até a excelência do esporte, com os atletas de alto rendimento. Segundo George Hilton, a estrutura vai garantir cada vez mais a presença de representantes brasileiros em competições internacionais, com o aumento de número de medalhas conquistadas no desporto e no paradesporto.


Políticas Públicas Congresso Nacional



CREF2/RS realiza entrega de livros sobre Educação Física Escolar na Secretaria Estadual de Educação/RS
05/08/2015
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS realizou, na terça-feira (04), a entrega oficial do livro “Recomendações para a Educação Física Escolar” à Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul (SEDUC). Os exemplares, editados pelo Sistema CONFEF/CREFs, serão repassados às 30 Coordenadorias Regionais de Educação (CREs), que, por sua vez, encaminharão às 2.558 escolas que integram a rede estadual de ensino. Na ocasião, a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), a presidente da Câmara Técnica de Educação Física Escolar, Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), e a conselheira Eliana Alves Flores (CREF 002649-G/RS) apresentaram as propostas contidas na publicação ao secretário-adjunto de Educação Luís Antônio Alcoba de Freitas, à diretora pedagógica da SEDUC, Leila Maria Schaan e ao diretor-adjunto de Logística e Suprimento da SEDUC, João Miguel Wenzel.

Segundo a presidente do CREF2/RS, a publicação é resultado de intensos debates realizados pela Comissão de Educação Física Escolar do CONFEF em seminários, fóruns e congressos, que identificaram a falta de um documento referencial que desse conta, de maneira objetiva, das questões relacionadas a este campo do saber. “O livro foi desenvolvido por meio de uma proposta democrática, e se constitui em um instrumento norteador para a intervenção responsável e qualificada no ambiente profissional”, afirma.

Carmen ressalta que a integração com a SEDUC é fundamental para que a Educação Física Escolar se consolide como instrumento de promoção da saúde e da cidadania. “A responsabilidade pela implantação deste currículo nas escolas não é papel exclusivo dos professores. É necessário que os gestores percebam o valor intrínseco da Educação Física. Portanto, o apoio demonstrado pela Secretaria é de grande importância nesta luta”, analisa.

De acordo com o secretário-adjunto da Educação do Rio Grande Sul, Luís Antônio Alcoba de Freitas, a doação dos livros “Recomendações para a Educação Física Escolar” para a rede estadual de ensino proporcionará muitos benefícios aos estudantes. “O material será muito útil para o desenvolvimento dos alunos, servindo como incentivo à prática de atividades físicas e, assim, colaborando com a saúde corporal e mental das nossas crianças”, argumenta.

Miryam Brauch assinala que o Conselho historicamente tem se esforçado em cooperar na atualização dos profissionais de Educação Física e na elaboração e apresentação de projetos de lei que garantam aos alunos acesso às aulas de Educação Física Escolar ministradas por profissional habilitado. “Esse livro é um trabalho corajoso, que reflete sobre os motivos que justificam a obrigatoriedade deste tema como componente curricular. Ele também aponta direções diante da complexa realidade enfrentada pela educação hoje”.

Foto: Evandro Oliveira/Seduc RS


Educação Física Escolar



CREF2/RS obtém vitória judicial contra Governo do Estado e CPERS Sindicato
03/08/2015
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS obteve sentença favorável na ação civil pública ajuizada no Tribunal Federal da 4ª Região (TRF4) contra o Centro de Professores do RS (Cpers Sindicato) e o Governo do Estado do Rio Grande do Sul. O Conselho demandou, em síntese, o registro profissional de todos os professores de Educação Física da rede pública estadual, inclusive os contratados anteriormente à publicação da Lei nº 9.696/98, como requisito obrigatório, nos editais dos futuros concursos públicos e o oferecimento obrigatório da disciplina de Educação Física na grade curricular.

Segundo a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), mesmo cabendo recurso à sentença, a decisão representa uma importante vitória, já que esta é uma reivindicação histórica do Conselho. “A garantia do direito à prática esportiva nas escolas, desde a educação infantil, ministrada por profissional de Educação Física habilitado, deve ser prioridade para qualquer governo, já que a Educação Física Escolar tem um papel fundamental no desenvolvimento integral do aluno”, assevera.


Educação Física Escolar



Câmara Técnica de Esporte Educacional debate sobre JERGS em reunião
01/07/2015
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Técnica de Esporte Educacional realizou reunião no último dia 29, na sede do CREF2/RS, quando foram debatidas propostas e demandas do esporte educacional escolar e universitário gaúchos. Durante a reunião, a representante da Secretaria de Educação do RS, Danusa Zanello, apresentou relato sobre os Jogos Escolares do Rio Grande do Sul (JERGS), que completam 45 anos nesta edição. Danusa relatou que os jogos neste ano terão contingenciamento de verbas. "Das nove modalidades, em 2015 serão realizadas apenas seis. Foram cortadas, inclusive, algumas categorias mirins". Quase 90% dos municípios gaúchos participam dos Jogos, que são o terceiro maior evento deste tipo em âmbito nacional. Em sua fase municipal, são oferecidos transporte e alimentação. Na fase estadual, inclui-se a hospedagem. O evento contará com profissionais registrados no CREF2/RS na orientação da prática das atividades desportivas

Outro tema tratado foi o Campeonato Mundial de Esgrima Escolar de 2016, quando atletas gaúchos terão chance de competir na etapa seletiva que ocorrerá estado. Segundo Fernando Mabilde, os gaúchos têm boas chances na competição. "Atualmente, estamos em quarto lugar no país. Precisamos, porém, que mais escolas se façam representar nas competições", analisa.

Estiveram presentes à reunião o presidente da Câmara João Guilherme Queiroga (CREF 000839-G/RS) e os profissionais Fernando Mabilde (CREF 005444-G/RS), Vladimir Chelkanoff Thier (CREF 008859-G/RS), Francisco Lemes de Menezes (CREF 000075-G/RS), Antônio Cimirro (CREF 004716-G/RS), Fernanda Silva dos Santos (CREF 014103-G/RS) e Lauro Inácio Ely (CREF 009457-G/RS). Também participaram a representante do Colégio Rosário, Eliezer Bazarelli Pereia, e a representante da SEDUC, Danusa Zanello.


Esporte Escolar



CREF2/RS reúne coordenadores de curso de Educação Física para debater uso da tecnologia e formação de novos profissionais
18/05/2015
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS realizou, nos dias 15 e 16 de maio, a sexta edição do Fórum de Coordenadores de Curso de Educação Física do Rio Grande do Sul. O evento, que neste ano teve como sede a Univates, em Lajeado, foi dedicado à discussão de temas como os riscos e as oportunidades do uso da tecnologia na intervenção profissional e as experiências no PIBID na formação de novos professores de Educação Física.

As atividades do Fórum iniciaram na sexta-feira à noite com o painel apresentado por Dari Göller (CREF 002469-G/RS), professor da UNIJUÍ; Fabrício Boscolo (CREF 056418-G/SP), professor da UFPEL; e Alexandre Greco (CREF 004204-G/RS), coordenador das academias do SESC/RS. Eles falaram sobre o conceito de tecnologia e explicaram como estes recursos podem auxiliar os alunos no processo de aprendizagem. "Os professores têm que se atualizar, é necessário transformar a didática das aulas. Com o avanço da tecnologia, elas não podem mais ser as mesmas", explicou Greco. Boscolo, por outro lado, destacou como os novos recursos podem despertar o interesse dos acadêmicos para a pesquisa. "Os alunos estão ligados ao mundo virtual, mas poucos veem a pesquisa como auxílio ao dia a dia da profissão", avaliou.

No sábado, o evento contemplou os cursos de Licenciatura com um debate sobre a formação de professores e as experiências com o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). Neste painel, Ednaldo Pereira Filho (CREF 001102-G/RS), professor da UNISINOS; e Clézio Gonçalves (CREF 008168-G/RS), professor da UFRGS; trouxeram dados importantes para conhecimento de todos os coordenadores. "Há, atualmente, uma defasagem de 7% no número de professores de Educação Física no Estado", relatou Pereira. "Portanto, o PIBID é uma obrigação legal do Governo para todas as instituições de Ensino Superior".

Além disto, Clézio apresentou como o PIBID contribui para a formação dos alunos e como o Programa funciona no dia a dia das escolas. "O PIBID valoriza o lúdico, combate à dependência tecnológica e promove a socialização e a saúde de alunos, em grande parte de baixa renda", contou. O Fórum ainda abriu espaço para o relato de experiências. Leonardo Rosa (CREF 006576-G/RS), coordenador do curso da Univates; e Rodrigo Rother (CREF 004055-G/RS), professor da mesma instituição, trouxeram alguns casos de como o PIBID foi fundamental para a formação dos acadêmicos de Licenciatura da universidade.

De acordo com Rosa, receber os colegas da área foi muito importante para discutir os rumos da Educação Física. "No início deste Fórum, havia a participação de quatro ou cinco instituições, hoje somos mais de dez. Isto mostra que grande parte dos representantes estão preocupados em debater o assunto e abertos para discutir como os cursos de graduação podem ser daqui para frente".

Também participaram da atividade Miria Burgos (CREF 001566-G/RS), da UNISC; Magale Konrath (CREF 000378-G/RS), da Feevale; Márcio Leiria (CREF 009570-G/RS), da UPF; Paulo Mello (CREF 003951-G/RS), da UPF Soledade; Sadi Oliveira Jr. (CREF 001979-G/RS), da ULBRA Torres; José Rogério Vidal (CREF 001965-G/RS), da Unilasalle; Derli Neuenfeldt (CREF 002651-G/RS), da Univates; Pedro Batistella (CREF 000283-G/RS), da UNICRUZ; Daniel Zacaron (CREF 002379-G/RS), da FSG; Julio Andreazza (CREF CREF 002263-G/RS), da UNIJUÍ Santa Rosa, Francisco Tavares (CREF 006966-G/RS), da UFPEL; Eduardo Merino (CREF 004493-G/RS), vice-presidente do CREF2/RS e professor da UFPEL; Vera Brauner (CREF 015174-G/RS); da PUC-RS, José Luís de Freitas (CREF 001797-G/RS), da Ulbra Cachoeira do Sul, Leomar Tesche (CREF 000129-G/RS), da UNUJUÍ; Alexandre Scherer (CREF 000021-G/RS), do IPA, e Vera Lúcia de Moraes (CREF 008871-G/RS) e Claudinara dal Paz (CREF 013872-G/RS), ambas da URI Frederico Westphalen.




4º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar discute PLC 116/2013 e lança livro em Capão da Canoa
30/03/2015
Fonte: CREF2/RS

Na última sexta-feira (27), a Câmara Técnica de Educação Física Escolar do CREF2/RS realizou o 4º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar, em Capão da Canoa. O evento, que integrou a programação do 41º Encontro Nacional dos Profissionais de Educação Física (ENAPEF), promovido pela APEF/RS, contou com a palestra de Lúcio Rogério dos Santos (CREF 000001-G/DF) e serviu também para o lançamento oficial do livro "Recomendações para a Educação Física Escolar".

Na abertura, as autoridades presentes salientaram a importância do Rio Grande do Sul para a regulamentação da profissão, no final dos anos 90, e de eventos como o Fórum para a aproximação dos profissionais que atuam na Educação Física Escolar. Além de Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), presidente do CREF2/RS; Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), presidente da Câmara Técnica de Educação Física Escolar; Álvaro Laitano (CREF 000006-G/RS), presidente da APEF/RS, José Anchieta (CREF 000337-G/RS), representando o SINPEF-RS; e Paulo Rezende (CREF 001298-G/RS), da Secretaria de Educação Rio Grande do Sul; também discursaram.

Em nome do CONFEF, Lúcio Rogério, fundador do CREF7/DF, falou em sua apresentação sobre o movimento pela regulamentação da profissão em todo o Brasil, em 1998, e sobre as ações que o Sistema CONFEF/CREFs lidera pela valorização do profissional de Educação Física até hoje. "É importante que a sociedade e as autoridades reconheçam a nossa importância", salientou. "Os conselhos trabalham neste sentido. Se a profissão não tivesse sido regulamentada, acredito que ela nem existiria mais", completou.

Além disto, a discussão do PLC 116/2013 também foi levada ao conhecimento do público que lotou o auditório da Prefeitura de Capão da Canoa durante o evento. Lúcio Rogério falou sobre a fragilidade da resolução do MEC, que não torna obrigatória a presença do profissional de Educação Física nas séries iniciais, e sobre como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação precisa ser modificada para garantir esta presença. "Não é ilegal não ter profissional na Educação Básica, a disciplina pode ser ministrada por professores de outras áreas. Mas a questão não é garantir o nosso mercado de trabalho, é garantir o mínimo de qualidade do ensino no Brasil", comentou.

No final da palestra, Lúcio Rogério apresentou o livro "Recomendações para a Educação Física Escolar", que foi entregue a todos que compareceram ao Fórum. O CREF2/RS foi o primeiro Conselho Regional a lançar a obra, organizada pelo Sistema CONFEF/CREFs no ano passado. Com a proposta de constituir um instrumento norteador para a intervenção profissional responsável e qualificada no ambiente escolar, Lúcio Rogério frisou o caráter coletivo do documento, produzido pela Comissão de Educação Física Escolar (CEFE) do CONFEF com a colaboração de inúmeros conselheiros federais e regionais. "O livro é também um convite para que todos participem do processo. Temos que qualificar a Educação Física como um todo, começando pela Educação Física Escolar", destacou.

Miryam encerrou o evento revelando o próximo passo da Câmara Técnica de Educação Física Escolar, que é distribuir agora um exemplar do "Recomendações para a Educação Física Escolar" para cada uma das escolas da rede pública do Estado. A obra já está à disposição para download também no site do CONFEF. Para baixá-la, clique aqui.




CREF2/RS em Revista: a gravidade da obesidade infantil
18/11/2014

Reportagem publicada originalmente no CREF2/RS em Revista nº 7. A publicação pode ser lida na íntegra aqui.

A obesidade é considerada hoje uma epidemia. De acordo com pesquisa publicada pela revista científica Lancet, em maio deste ano, aproximadamente 2,1 bilhões de pessoas estão acima do peso no mundo inteiro. O número não para de crescer e já é motivo de preocupação entre os cientistas. Se em 1980 eram "apenas" 875 milhões de indivíduos nesta faixa, a instituição norte-americana National Survey Data prevê que em 2030 51,1% da população do planeta – porcentagem estimada em cerca de 4 bilhões de seres humanos – será formada por pessoas com excesso de peso.

"A obesidade está relacionada com as maiores pandemias modernas, como depressão, alguns tipos de câncer, diabetes e doenças cardiovasculares", salienta Amélio Matos, médico do Instituto de Diabetes e Endocrinologia do Rio de Janeiro, no documentário "Muito Além do Peso". Se os números atuais e a perspectiva para o futuro já são motivo de atenção entre os adultos, o quadro se torna ainda mais preocupante quando é avaliada apenas a população infantil. No Brasil, em 1989, 4,1% dos meninos de 5 a 9 anos foram classificados como obesos, segundo pesquisa realizada pelo IBGE. Os dados do mesmo estudo, feito em 2008 e 2009, apontaram que 16,6% desta população apresentava o mesmo problema. O índice registrou, portanto, que a obesidade infantil aumentou 300% só nos últimos 20 anos. Por quê?

"A obesidade é o distúrbio mais comum na infância hoje e, na minha opinião, o fato de ter aumentado tanto nos últimos anos está associado às mudanças no estilo de vida da população", avalia Rafael Gambino (CREF 009460-G/RS), professor de Educação Física da Prefeitura Municipal de Esteio e mestre em Ciências do Movimento Humano. "A má alimentação e o consumo exagerado de alimentos hipercalóricos, associada às rotinas apressadas das famílias, são fatores responsáveis pelo excesso de peso e colaboram para agravar o problema", completa.

E não é só isso. As crianças deixaram de brincar como antigamente e praticar esportes. Para elas, hoje em dia, o lazer é muito mais sinônimo de computador e videogame do que de atividade ao ar livre. "O exercício físico ficou em segundo plano, porque falta espaços apropriados, há violência e falta de segurança. Além disto, os pais não têm tempo para levar os filhos para brincar", explica Fabiani da Silveira (CREF 002949-G/RS), professor de Educação Física dos colégios Farroupilha e Sinodal do Salvador, ambos em Porto Alegre. "A atividade física deve andar paralela às demandas diárias, como a escola. Uma não exclui a outra, muito pelo contrário. O estudo e o exercício físico são fundamentais para a formação de nossas crianças".

ATIVIDADE FÍSICA NO AMBIENTE ESCOLAR

A rotina apressada dos pais passa para a escola parte da responsabilidade de incentivar a prática de atividade física e de tornar isto frequente no dia a dia das crianças. "O professor de Educação Física tem que mostrar que exercício é importante para a vida toda. A base da saúde está relacionada a ter hábitos saudáveis", explica Luiz Fernando Kruel (CREF 002211-G/RS), professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e coordenador do Grupo de Pesquisa em Atividades Aquáticas e Terrestres (GPAT)."O único profissional da área da saúde que atua regularmente junto às crianças em idade escolar é o profissional de Educação Física. Muitos não se dão conta disto", reforça.

Para muitas crianças, a aula de Educação Física é o único momento da semana em que é praticado algum tipo de exercício. Por isto, "o professor deve estimular o interesse do aluno com aulas dinâmicas, intensidades adequadas e, principalmente, promovendo a inclusão das crianças com sobrepeso e obesidade nas aulas", defende Adriane Vanni (CREF 003918-G/RS), professora do curso de Educação Física da URI – Campus Erechim. Kruel vai mais além e mostrar que a situação é ainda mais complexa. "Para elas, a obesidade pode ser só um problema estético e social, mas no contexto escolar atrapalha muito. Os estudos mostram que compromete o desempenho em aula e as crianças acabam sendo marginalizadas também. A questão do bullying é muito presente e precisa ser bem administrada em aula", explica.

Por esta perspectiva, o profissional de Educação Física passa a ser mais do que apenas o professor responsável pela disciplina. "Ele deve ser o ponto central deste processo, deixando claro para o aluno os benefícios da prática esportiva a favor da saúde e contra os problemas ocasionados pelo sedentarismo e pela obesidade", salienta Bettega Lopes (CREF 020725-G/RS), pesquisador e mestre em Fisiologia. "O papel da Educação Física é estimular nas crianças o gosto pela prática, de formas e maneiras diversas, contemplando o maior número de estímulos diferentes. A vida saudável e equilibrada decorre da boa iniciação que, basicamente, começa na escola com o profissional da área", complementa Silveira.



DOENÇAS DE ADULTOS

O GPAT, em trabalho feito em 2009, avaliou a evolução de crianças com sobrepeso, de sete a dez anos de idade, da rede municipal de Porto Alegre. O índice piorou com o passar do tempo, quando a amostra atingiu a faixa de 11 a 14 anos. "Elas saíram da infância e foram para a adolescência em quadro muito preocupante. O nível de obesidade, que era 25%, passou a ser 50% grave", relata Kruel. A síndrome metabólica, que era antes considerada doença apenas de idosos, passou a ser vista, pela primeira vez, também entre as crianças. "Nós começamos a achar alguns dados alarmantes. Além de hipertensos, a concentração de insulina no sangue ficava em 22,5 mg/DL, quando o normal é de aproximadamente 10 mg/dL. Isto sobrecarrega o pâncreas de maneira assustadora, levando ao que podemos classificar como diabetes tipo 2".

Como é possível perceber, os números apresentados relataram problema de saúde muito grave. A criança, já hipertensa, começa a ter resistência à insulina, o que passa a configurar quadro de síndrome metabólica na adolescência. Das crianças obesas analisadas pelo GPAT, 51% já tinham três ou mais fatores de risco. Se o ponto de corte é diminuído para um, a taxa passa a ser superior a 90%. "A gente não vê ninguém tratando isto. Nem na escola, que seria responsabilidade da Secretaria de Educação, nem nos postos de saúde", critica Kruel. "O que seria ideal? O trabalho conjunto para reverter este quadro. A gente percebe que estas crianças são todas sedentárias. A aula de Educação Física não é adaptada para que têm obesidade", complementa.

Para Kruel, o que é preciso diminuir são os problemas causados pelo sedentarismo. Não há dúvidas de que os fatores de risco podem ser amenizados com atividade física. "A importância do profissional de Educação Física é muito grande, principalmente daquele que atua na escola", explica. "O que a gente vê é a criança obesa que, por causa do bullying e de outras coisas, abandona a atividade física e passa a ser ainda mais sedentária. Nós tivemos conquista muito grande, principalmente em Porto Alegre, quando foi aprovada lei municipal que obriga a presença do profissional de Educação Física nas séries iniciais. Nós temos agora que dar um passo adiante e oferecer formação adequada e especializada para este profissional, para que ele saiba lidar com isto".

Por mais que a criança passe boa parte do dia na escola, a responsabilidade pelo combate à obesidade precisa ser estendida também aos pais, que devem se portar como exemplo. "Os adultos precisam, com urgência, rever suas posturas frente a estas questões básicas que fazem parte da formação inicial das crianças", analisa Silveira. "Prevenir é a palavra-chave. Oferecer estrutura básica, como boa alimentação e acompanhamento médico, além de espaços para brincadeiras, convívio social e exercício físico, é contribuição fundamental que deve vir de casa". "A família é a base para a mudança no estilo de vida. A criança que vive em ambiente onde todos agem de forma desregulada e desregrada tende a se incluir nesta rotina", complementa Gambino.

ALIMENTAÇÃO

Não é só o sedentarismo que preocupa os pesquisadores e profissionais de Educação Física. A alimentação das crianças também tem sido objeto de estudo de nutricionistas. "O que mais assusta é a oferta inadequada e precoce de doces, guloseimas e alimentos com alto teor de sódio e gordura, como salgadinhos, bolachas recheadas e sucos artificiais", analisa Ana Carolina Terrazan (CRN2 8330), nutricionista da Clínica Nutriossoma e especialista em Nutrição Infantil. "Em muitos casos, as famílias demoram a entender que a alimentação correta desde o princípio, ou seja, desde a gestação, é fundamental para a saúde da criança", complementa.

A nutricionista Camila Vargas (CRN2 8264) acredita que o ambiente escolar colabora também de outra maneira no controle da obesidade infantil. "A escola poderia inserir a disciplina de Educação Nutricional desde as séries iniciais. Trabalhos educativos que envolvam o tripé nutrição, saúde e doença pode conscientizar e elucidar a importância de se manter bons hábitos alimentares", defende. "É possível criar formas de incentivar isto, buscando envolver a criança no contexto da alimentação saudável, sempre associando à atividade física".



POSSÍVEIS SAÍDAS

Há diversas alternativas para amenizar – ou até mesmo solucionar – o problema da obesidade infantil no país. "Acredito, que o primeiro passo, antes de tudo, é pensarmos de que forma isto pode ser contido, para não nos depararmos mais com esta realidade que a cada dia é mais frequente", explica Lopes. O estímulo da prática esportiva é consenso entre todos os profissionais de Educação Física. "Não só em casa, mas também nas escolas, como forma de instituir hábitos e costumes mais sudáveis, como forma de prevenção aos inúmeros problemas que são consequência do sedentarismo", complementa.

Além disto, o combate à obesidade não pode começar apenas quando o aparecimento de doenças cardiovasculares, como a hipertensão, se torna quadro inevitável. "A questão que penso ser mais pertinente é: como prevenir?", alerta Silveira. "As nossas crianças necessitam de muito mais atenção em todos os aspectos, afinal, elas não são responsáveis por elas mesmas", complementa. A opinião é compartilhada por Gambino. "A principal prevenção é a manutenção do peso que, no caso das crianças, deve se dar com alimentação adequada associada à prática de atividade física regular. As crianças precisam se movimentar".

Para Ana Carolina, é possível criar formas de incentivar a boa alimentação também entre os pais. "Informação é sempre a melhor estratégia e mostrar os resultados também é importante. Os familiares gostam muito de ver que o esforço e as mudanças realmente fizeram diferença", explica. A conscientização dos pais é importante também na visão de Kruel, já que muitos não conseguem enxergar o problema dos filhos. "Em nossa pesquisa, das 213 mães que tinham filhos obesos, só 50 os viam nesta condição. Muitas classificaram como normal ou abaixo do peso", revela. "Os adultos, geralmente, têm dificuldade de aceitar que a criança precisa emagrecer. Nós temos notado isto. Em alguns casos, só a criança querer não é suficiente. Ela não possui tanta independência para saber o que é certo e o que é errado e decidir o que ela vai ou não fazer".

Outra coisa que deve mudar é a percepção de que atividade física para fazer efeito precisa ser difícil. "A criança obesa não tem que sofrer", considera Kruel. "Se o profissional de Educação Física souber dosar a carga do exercício, é possível ter atividade eficiente sem sofrimento. Desta forma, começa a ter aderência ao programa e os resultados definitivamente aparecem". Para Kruel, o caminho seria procurar atividades de baixo impacto e que sejam prazerosas. "Apesar de muitos já serem adolescentes, eles querem algo lúdico, que não seja aquela coisa monótona de ir para a academia. Ou seja, tem que ser uma atividade que eles se sintam brincando", conclui.

Para Rafael Gambino, é importante também que todas as crianças tenham a oportunidade de experimentar várias modalidades, individuais e coletivas, para decidir com qual se identifica. A atividade física pode ser competitiva, mas precisa ser aquela que a criança quer praticar. "Ela precisa explorar e experimentar todos os jogos e esportes. A criança precisa ser estimulada e participar o máximo possível de vivências motoras até que consiga se identificar e optar pela que mais desperta interesse", avalia. Para a aderência, a criança tem que sentir vontade e não ser obrigada a participar. "Os pais não podem considerar que a sua vontade será a mesma de seu filho. Os profissionais de Educação Física devem oferecer aos alunos a mais diversificada oportunidade de movimentos. Quando a criança optar por uma, de forma espontânea, não tenho dúvidas de que ela dará continuidade por longo período".

O último alerta fica para os pais. "Os adultos estão atrás das demandas do momento. Muitos acreditam que estar numa boa escola, que invista no lado cognitivo e ensine uma língua estrangeira, já é suficiente para a formação básica. Nós, profissionais de Educação Física, sabemos que isto é importante, mas só parte do contexto todo", comenta Silveira. "A prática de atividade física formativa e saudável, o investimento em alimentação correta e o acompanhamento da saúde é o que deve ser feito. As instituições responsáveis pelo trabalho com crianças necessitam desenvolver projetos para que os pais possam perceber que toda esta formação de base será fundamental para o futuro longe da obesidade".

PARA ASSISTIR: MUITO ALÉM DO PESO



O documentário "Muito Além do Peso" foi lançado em novembro de 2012, com objetivo de criar amplo debate sobre a qualidade da alimentação das crianças brasileiras e os efeitos da comunicação dirigida a elas. O filme, dirigido por Estela Renner, é reflexo do trabalho do Instituto Alana, organziação que busca sensibilizar e mobilizar a sociedade sobre os problemas decorrentes do consumismo na infância. "O documentário mostra que as crianças desconhecem o que é alimentação saudável, aprendem a comer de forma equivocada desde muito", conta a nutricionista Camila Vargas.

A obra mergulha no tema da obesidade infantil ao discutir porque 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria alimentícia, a publicidade, o governo e a sociedade de modo geral. Com histórias reais e chocantes, de crianças com menos de dez anos que já apresentam quadros graves de diabetes, hipertensão e colesterol, o filme promove interessante discussão sobre o tema, dando voz a especialistas do mundo todo. "Quando se fala de obesidade infantil, vemos que as crianças não brincam mais na rua, las ficam com só seus polegares em iPhones e iPods. Elas não se exercitam mais", comenta William Dietz, um dos entrevistados pelo documentário. Ele é diretor da Divisão de Nutrição, Atividade Física e Obesidade do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos.

"Muito Além do Peso" pode ser assistido aqui.




Aniversário do CREF2/RS movimenta Redenção com grande festa
11/11/2014

No domingo (9), o CREF2/RS comemorou o seu aniversário de 15 anos com grande evento no Parque da Redenção, em Porto Alegre. A festa, que iniciou pela manhã e se estendeu até o final da tarde, contou com ampla programação. O público que compareceu ao local teve à disposição diversas atividades, além de distribuição de brindes e sequência de aulas e apresentações. O encerramento foi com o show da banda Dublê.

"Tivemos ótima aderência", declarou a presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) durante o evento. Para o conselheiro Cláudio Franzen (CREF 003304-G/RS), membro da comissão responsável pela idealização da festa, outro ponto positivo foi a participação dos conselhos parceiros, assim como da SME/POA, na prestação de serviços à população. O espaço destinado às atividades deste tipo teve intenso movimento durante toda a manhã, com medições de pressão, glicose, teste de memória, auriculoterapia e informações gerais sobre alimentação e agrotóxicos.

Para o público infantil que compareceu à festa do CREF2/RS, o Ônibus Brincalhão foi o ponto de encontro. "As crianças são as que mais aproveitam eventos como este", explicou Ana Eleonora Assis (CREF 000239-G/RS), responsável pelo projeto. A brinquedoteca itinerante também teve grande movimento, assim como a aula de tai chi chuan, ministrada por Rosaura Coronet (CREF 006555-G/RS). "O tai chi chuan faz interessante contraponto entre equilíbrio e saúde, através do movimento e da introspecção", avaliou. Na sequência, o público gastou as energias na aula de ritmos, conduzida por João Ferreira Filho (CREF 017097-G/RS). "A dança contagia as pessoas. Ao ar livre é ainda mais legal, porque a troca é também com a natureza, com o sol. Isto motiva mais", explicou o professor.

A última atividade do turno foi a apresentação de capoeira, feita pelo grupo Abadá. Em espécie de microaula, os presentes puderam aprender alongamento e alguns movimentos simples da modalidade. "A capoeira é reconhecida no mundo inteiro", analisou Montanha, integrante do Abadá. "O bacana de trazê-la para a Redenção é fortalecê-la como instrumento pedagógico para o desenvolvimento das crianças nas escolas".

Com espaço em que realizou mais de 300 avaliações antropométricas durante todo o dia, o aniversário do CREF2/RS teve o intuito de valorizar os profissionais de Educação Física e ressaltar a necessidade do exercício bem orientado. "As pessoas estão nos procurando e se informando bastante. Elas querem saber quem é o profissional de Educação Física", contou Fernanda Rodrigues (CREF 009604-G/RS), coordenadora do Departamento de Fiscalização e Orientação. "Nosso intuito é aproximar população e Conselho. Por isto, é muito importante orientar as pessoas como podem identificar uma academia regularizada e exigir que o profissional seja realmente habilitado. Elas precisam saber que que existe um Conselho que fiscaliza e defende a sociedade".

A banda Dublê, conhecida em todo o Estado pelo seu repertório eclético, encerrou a grande festa, às 18h30. O show do grupo, recheado com hits de todos as épocas, animou as centenas de pessoas que se posicionaram frente ao palco, montado próximo à Rótula da Setembrina. "Nossa relação com a Educação Física é direta", afirmou Vini Netto, vocalista do grupo. "Atividade física é muito importante para gente e todo mundo da banda acaba praticando algum tipo de exercício. Nosso trabalho depende do desempenho em cima do palco e a gente precisa da orientação do profissional de Educação Física para ter gás para fazer um bom show sempre". O público concordou e adorou.

Confira a galeria de fotos do evento aqui.




Troféu Destaque homenageia profissionais na Assembleia Legislativa
08/09/2014
Fonte: CREF2/RS

Na sexta-feira (5), o teatro Dante Barone, da Assembleia Legislativa, foi o palco da cerimônia de entrega do Troféu Destaque 2014. O prêmio, que homenageou os profissionais de Educação Física do ano, teve votação aberta no site Conselho, em que todos os registrados e em dia com suas obrigações estatuárias puderam participar e concorrer em cada uma das 17 categorias diferentes.

Com a presença de membros dos demais Conselhos Profissionais e de autoridades, como Ricardo Petersen (CREF 006862-G/RS), secretário de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul; e José Edgar Meurer (CREF 001953-G/RS), representando o prefeito José Fortunati; a cerimônia também premiou, com certificado, as empresas que completaram em 2014 dez anos de registro no CREF2/RS. Na abertura do evento, a presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) foi quem discursou. Ela agradeceu a grande presença dos profissionais homenageados e familiares e destacou a votação pela Internet. "O prêmio vem de uma eleição direta dos profissionais no nosso site. É a maneira mais democrática", analisou.

Os homenageados foram: Academia Esportiva Menegassi Ltda (CREF 000038-PJ/RS, academia), Grêmio Náutico Gaúcho (CREF 001237-PJ/RS, clube ou sociedade), Diná Santiago (mérito da Educação Física), Ana Eleonora Assis (CREF 000239-G/RS, profissional de recreação), Laerte Moraes (CREF 002084-G/RS, profissional de escola), Alexandre Teixeira (CREF 000786-G/RS, profissional técnico desportivo), Mariana Boos (CREF 009364-G/RS, profissional de saúde), Ana Maria Nappi (CREF 000900-G/RS, profissional de lutas), Alessandro Gonçalves (CREF 005863-G/RS, profissional de atividade física na empresa e ginástica laboral), Luis Grassel (CREF 009564-G/RS, profissional de esporte radical e de aventura), Mauro Sérgio de Oliveira (CREF 010206-G/RS, profissional de academia), Cláudia Romero (CREF 016205-G/RS, profissional de paradesporto e atividade adaptada), André Luiz Lopes (CREF 008061-G/RS, profissional de pesquisa), Correio do Povo (veículo de comunicação), Luiz Felipe Scolari (CREF 004278-G/RS, profissional do ano) e José Fortunati (personalidade do ano).

Para a 1ª tesoureira Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), o Troféu Destaque, no seu quarto ano consecutivo, pode ser considerado o "Oscar da Educação Física gaúcha". "É o reconhecimento dos nossos profissionais que estão nas escolas, nas academias. Precisamos valorizar o trabalho de quem faz a diferença", comentou. No discurso, Carmen complementou. "A nossa profissão está ganhando hoje espaço cada vez maior. Nossos profissionais estão cada dia mais qualificados e os homenageados são o exemplo disto".

Confira aqui, em breve, galeria de fotos com os homenageados.




Câmara de Vereadores homenageia o CREF2/RS pelo Dia do Profissional de Educação Física
02/09/2014
Fonte: CREF2/RS

Em comemoração ao Dia do Profissional de Educação Física, a Câmara Municipal de Porto Alegre realizou ontem (1) cerimônia de homenagem. A solenidade, promovida no Plenário Otávio Rocha e presidida pelo vereador Professor Garcia (CREF 000002-G/RS), contou com a presença da presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e da 1ª tesoureira Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS).

No seu discurso, Carmen agradeceu o espaço aberto pela Câmara à Educação Física e salientou o crescimento e a valorização que a profissão teve nos últimos anos. "O sedentarismo é uma das piores epidemias do país. Hoje há conscientização de que é melhor investir em atividade física para a promoção da saúde do que no tratamento de doenças", explicou a Presidente, que recebeu de Professor Garcia placa e homenagem pelo Dia do Profissional de Educação Física.

As atividades referentes à Semana da Educação Física seguiram após a solenidade. No Plenário Ana Terra, houve o debate "A Educação Física na Política Atual" e duas palestras. A primeira, "A importância da Educação Física nas Séries Iniciais", foi ministrada por Helena Dazevedo (CREF 001069-G/RS) e relatou parte dos 23 anos de experiência da professora da UFRGS no Ensino Infantil. "O nosso trabalho é garantir o professor de Educação Física nas escolas", explicou Helena. Em segundo momento, Luiz Fernando Kruel (CREF 001069-G/RS), professor da mesma universidade, apresentou trabalho do seu grupo de pesquisa sobre a obesidade infantil e ressaltou a importância da Educação Física escolar para saúde das crianças. "O mais importante não é emagrecer, mas aumentar a atividade física", avaliou.

Entre as palestras, José Anchieta (CREF 000337-G/RS) apresentou o Bataculê e ministrou pequena aula prática da atividade, que mistura danças afro-brasileiras.




CREF Serra celebra dois anos com coquetel e presença de autoridades e profissionais
21/08/2014
Fonte: CREF2/RS

Para comemorar o aniversário do CREF Serra, o Conselho realizou na noite de ontem (20) coquetel festivo para marcar a data. Primeiro Posto de Atendimento Avançado fora da capital, o CREF Serra foi inaugurado oficialmente em 20 de agosto de 2012 e completou dois anos de atividades e de serviços prestados aos profissionais de Educação Física de Caxias do Sul e região.

O evento, aberto ao público, contou com a presença de diversas autoridades, conselheiros e profissionais registrados. O vereador Zoraido Silva representou a Câmara Municipal de Caxias do Sul e falou sobre o grande valor que o CREF Serra tem para a cidade. Para ele, a presença do órgão fiscalizador é importante porque auxilia na regulamentação da profissão e no cumprimento da Lei. "Na rede municipal de Caxias, já temos professores habilitados pelo CREF2/RS. Mas a proximidade com o Conselho, através do CREF Serra, é suporte fundamental para que possamos trabalhar lado e lado de forma ainda melhor".

Em um segundo momento, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) apresentou para os presentes vídeo institucional sobre as atribuições e funções do CREF2/RS e relatou algumas das principais conquistas do Conselho nos últimos anos, como a defesa e a garantia do profissional registrado em todos os concursos públicos de Educação Física realizados pelo Estado. "Além disto, a política do CREF2/RS é a da aproximação. Nós queremos os nossos profissionais se sintam em casa no CREF Serra", completou a Presidente. Em conversa posterior, Vanessa Lyra, coordenadora do curso de Educação Física da UCS Bento, e Gislaine Sacchet, representante da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG), reforçaram como é importante o Conselho estar perto quem mora no interior.

O vereador Professor Garcia (CREF 000002-G/RS), conselheiro federal e presidente da Câmara Municipal de Porto Alegre, também falou para os presentes. O autor da Lei Municipal 11.585, que torna obrigatória a formação em curso superior de Licenciatura em Educação Física para a docência da disciplina nas escolas de Ensino Fundamental, compartilhou a experiência do projeto pioneiro entre as capitais brasileiras e ressaltou a conscientização da importância do profissional de Educação Física habilitado. "No Rio Grande do Sul, temos hoje uma profissão reconhecida e valorizada pela sociedade. O Conselho se preocupa com os profissionais e o CREF Serra, uma marca importante do CREF2/RS, é uma das provas disto", salientou.

Gabriel Citton (CREF 008763-G/RS ), membro do Conselho Municipal do Desporto de Caxias do Sul, as conselheiras Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS) e Eneida Feix (CREF 002116-G/RS), Sidnei dos Santos Jr., representando a Secretaria Municipal da Educação de Caxias do Sul, também prestigiaram o evento.

Veja a galeria de fotos do evento aqui.




Conselhos Federal e Regionais discutem PLC 116/2013 em Campo Grande
09/06/2014
Fonte: CREF11/MS-MT

Campo Grande foi sede, na sexta-feira (6) e no sábado (7), da plenária ordinária mensal do CONFEF. O encontro, que reuniu 28 conselheiros federais e 14 presidentes de Conselhos Regionais, teve o objetivo de discutir temas referentes ao sistema e realizar julgamentos de casos de irregularidade na atuação da profissão.

Outro assunto da reunião foi o PLC 116/2013, que tramita no Senado e exige formação superior em Educação Física para professores das escolas de Ensino Básico e Fundamental. O Projeto de Lei, que deveria ser votado na terça-feira passada (3), foi retirado da pauta. Contrário ao entendimento do MEC, que tenta impedir a validação da norma, CREFs e CONFEF defendem a imediata aprovação da proposta, já que o projeto é antiga reivindicação dos profissionais de Educação Física.

"Vamos procurar estratégias para que o PLC volte para a votação e seja aprovado. Nós tínhamos uma expectativa para atender melhor a sociedade, fizemos toda uma mobilização e, de repente, saiu da pauta. Temos que garantir um serviço de qualidade às nossas crianças", ressaltou o presidente do CONFEF, Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ).

Com o intuito de mobilizar os profissionais de Educação Física, o CREF2/RS mantém em sua página campanha a favor do PLC 116/2013. "Temos que pressionar os senadores para aprovarem o projeto, que obriga que aulas de Educação Física sejam ministradas por professores com curso superior de Licenciatura em Educação Física. Portanto, mandem e-mail para o Senado, em defesa da Educação Física Escolar", declarou a presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS).

Clique aqui para participar.

Foto: CREF11/MS-MT




Votação do PLC 116/2013 é adiada para próxima semana
05/06/2014
Fonte: CREF2/RS

As aulas de Educação Física nas etapas do Ensino Básico terão que ser ministradas exclusivamente por licenciados em Educação Física. A votação do Projeto de Lei 116/2013, que exige formação superior para os professores das escolas de Ensino Fundamental, foi adiada mais vez. A norma, que estaria em pauta no Senado anteontem (3), deve entrar novamente em discussão na próxima quarta-feira (11).

"A batalha é árdua e está estendida até próxima quarta-feira", comentou a presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS). Ela acompanhou a sessão no Senado com outros onze presidentes de CREFs e nove conselheiros federais. "Estamos juntos nesta luta. Já conseguimos segurar as tentativas de impedimento ou de rejeição da votação, o que significaria o fim de nossas esperanças em ter uma nova lei que determine o adequado atendimento de nossas crianças na disciplina de Educação Física", avaliou.

"Não desanimem! Os nossos representantes parlamentares permanecem em Brasília na luta diária, fazendo ecoar nossa vontade de defender a Edução Física Escolar", falou Carmen Masson. A presidente ressaltou ainda que todos podem participar da campanha nesta reta final. "Peço a todos que compartilhem no seu Facebook, repassem para familiares e amigos, pedindo que eles façam o mesmo, que entrem nesta campanha em defesa da Educação Física nas escolas". No site do CREF2/RS, há modelo de texto e relação de todos os e-mails do Senado. Para participar da campanha a favor do PLC 116/2013 e da Educação Física nas escolas, acesse aqui.




CREF2/RS entrega Carta Gaúcha da Educação Física Escolar à Câmara de Vereadores
02/06/2014
Fonte: CREF2/RS

Na tarde desta segunda-feira (2), a presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e a presidente da Câmara de Educação Física Escolar Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS) estiveram na Câmara de Vereadores para reunião. No encontro, as representantes do Conselho entregaram ao presidente da Câmara Professor Garcia (CREF 000002-G/RS) a Carta Gaúcha da Educação Física Escolar e prestaram novo reconhecimento a Lei 11.585.

Sancionada em fevereiro, a norma torna obrigatório o curso superior de Licenciatura em Educação para o ensino da disciplina nas escolas de Ensino Fundamental de Porto Alegre."A entrega da Carta é uma forma de reconhecermos o trabalho do Professor Garcia, que muito tem colaborado com a Educação Física nas escolas. Ele é o autor desta Lei pioneira entre todas as capitais do Brasil", avaliou Carmen Masson.

Foto: Leonardo Contursi/CMPA




Senado deve votar PLC 116/2013 nesta terça-feira
02/06/2014
Fonte: CREF2/RS

As aulas de Educação Física nas etapas do Ensino Básico terão que ser ministradas exclusivamente por licenciados em Educação Física. O Projeto de Lei 116/2013, que exige formação superior para os professores das escolas de Ensino Fundamental, passou pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Governo Federal em fevereiro e precisa agora ser aprovada pelo Senado. A votação deve ser amanhã (3).

"Temos que fazer o nosso dever de casa. Além de enviar nossa mensagem aos senadores, é importante pedir aos familiares e aos amigos que façam o mesmo", declarou Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ), presidente do CONFEF. A campanha, em parceria com os demais CREFs, tem o intuito de sensibilizar os senadores quanto a importante presença do profissional de Educação Física nas escolas. "A Educação Física é estratégica para a formação motora das crianças, sendo importante que os docentes tenham qualificação profissional", avaliou o senador Lindbergh Farias, relator do PLC.

"Nesta reta final, peço a todos que compartilhem no seu Facebook, repassem para familiares e amigos, pedindo que eles façam o mesmo, que entrem nesta campanha em defesa da Educação Física nas escolas", comentou Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), presidente do CREF2/RS. Disponibilizamos modelo de texto e relação de todos os correios eletrônicos do Senado. Para participar da campanha a favor do PLC 116/2013 e da Educação Física nas escolas, clique aqui.




Senado vota PLC 116/2013 amanhã
28/05/2014
Fonte: CREF2/RS

As aulas de Educação Física nas etapas do Ensino Básico terão que ser ministradas exclusivamente por licenciados em Educação Física. O Projeto de Lei 116/2013, que exige formação superior para os professores das escolas de Ensino Fundamental, passou pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Governo Federal em fevereiro e precisa agora ser aprovada pelo Senado. A votação será amanhã (29).

"Temos que fazer o nosso dever de casa. Além de enviar nossa mensagem aos senadores, é importante pedir aos familiares e aos amigos que façam o mesmo", declarou Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ), presidente do CONFEF. A campanha, em parceria com os demais CREFs, tem o intuito de sensibilizar os senadores quanto a importante presença do profissional de Educação Física nas escolas. "A Educação Física é estratégica para a formação motora das crianças, sendo importante que os docentes tenham qualificação profissional", avaliou o senador Lindbergh Farias, relator do PLC.

"Peço a todos que compartilhem no seu Facebook, repassem para familiares e amigos, pedindo que eles façam o mesmo, que entrem nesta campanha em defesa da Educação Física nas escolas", comentou Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), presidente do CREF2/RS.Disponibilizamos modelo de texto e relação de todos os correios eletrônicos do Senado. Para participar da campanha a favor do PLC 116/2013 e da Educação Física nas escolas, clique aqui.




II Seminário de Educação Física Escolar movimenta abertura da Convenção Brasil
16/05/2014
Fonte: CREF2/RS

Na tarde desta quinta (15), o CREF2/RS realizou o II Seminário de Educação Física Escolar. A atividade, ministrada pelo professor Lúcio Rogério dos Santos (CREF 000001-G/DF), abriu a programação de cursos e debates da 21ª Convenção Brasil.

Também conselheiro do CONFEF e Secretário Executivo da Frente Parlamentar Mista da Atividade Física para o Desenvolvimento Humano no Congresso Nacional, Lúcio Rogério trouxe para discussão assuntos como regulamentação da profissão, valorização da Educação Física nas escolas e Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96). "O professor de Educação Física é o principal agente para desenvolvimento da capacidade cognitiva e motora dos alunos", ressaltou. O palestrante destacou ainda que a mudança cultural que houve após criação dos Conselhos Federais foi importante. "A Educação Física é hoje um componente obrigatório nas escolas".

O convidado - que tem ampla experiência e trabalhos realizados em creches, berçários, jardins de infância e escolas de Ensino Fundamental e Médio das redes públicas e privadas do Rio de Janeiro e de Brasília - falou também sobre a necessidade que os professores têm de conscientizar os alunos e a comunidade de que a Educação Física é essencial no ambiente escolar. "As pessoas precisam e dependem muito de nós", destacou.

Lúcio Rogério reservou espaço para mostrar aos presentes como a Lei 9394/96 trouxe certo retrocesso logo na sua implementação. "A LDB nasceu sem a obrigatoriedade da Educação Física nas escolas", explicou. A disciplina, no entanto, é entendida hoje de maneira diferente. "A Educação Física é obrigatória em todos níveis, e devem ser sempre ministradas por licenciados habilitados. É garantia da melhor formação do cidadão brasileiro", analisou.

A palestra encerrou com lembrança de que bom trabalho nas escolas tem resultado valioso para sociedade e também para toda categoria. "O bom trabalho aumenta o percentual de pessoas que vão valorizar a Educação Física e, assim, procurar acompanhamento orientado no futuro". A presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e a presidente da Câmara de Educação Física Escolar Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS) finalizaram o Seminário com entrega da Carta Gaúcha da Educação Física. Escolar a Lúcio Rogério dos Santos.




Jogos Escolares do RS têm inscrições abertas
05/05/2014
Fonte: Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul

As escolas da rede de ensino público de Porto Alegre podem se inscrever até o dia 15 de maio para participarem dos Jogos Escolares do Rio Grande do Sul 2014. Promovida pela Secretaria de Educação do Estado, a atividade conta com nove modalidades: tênis de mesa, atletismo, basquete, futebol de campo, futsal, handebol, orientação, vôlei e xadrez.

Podem participar dos JERGS todos os alunos regularmente matriculados nos estabelecimentos de ensino público da 1ª Coordenadoria Regional de Educação, nascidos entre 1997 e 2004. A exigência para os professores responsáveis pelas equipes e/ou atletas é o curso superior em Licenciatura em Educação Física, como exige a lei nº 11.585, que entra em vigor no ano que vem, e o registro no CREF2/RS.

A expectativa dos JERGS 2014 é superar a edição do ano passado, quando participaram 213 mil estudantes de 1.850 escolas públicas. A abertura oficial do JERGS 2014 será realizada amanhã, 6 de maio, na Escola Estadual de Ensino Fundamental Paraíba (Rua Adão Pinheiro da Silva, 490 - Aberta dos Morros), em Porto Alegre.

As inscrições devem ser feitas pelos alunos em suas respectivas escolas.




José Fortunati é homenageado pelo CREF2/RS
29/04/2014
Fonte: CREF2/RS

O prefeito de Porto Alegre José Fortunati recebeu, hoje pela manhã, a diretoria do CREF2/RS. A reunião, que contou com a presença da presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), do 1º vice-presidente José Edgar Meurer (CREF 001953-G/RS), do 2º vice-presidente Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), da 2ª secretária Sonia Waengerther (CREF 007781-G/RS) e da 1ª tesoureira Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), serviu para homenagear o Prefeito pela sanção da lei nº 11.585, que torna obrigatória a formação em Licenciatura em Educação Física para o ensino da disciplina nas escolas de nível fundamental do município.

"O ato é a convicção que temos da necessidade de uma boa formação de base", declarou Fortunati. Carmen Masson, que entregou para o prefeito o diploma de Amigo da Educação Física Escolar, salientou a importância da norma, bem como a iniciativa do município em fazer da lei, pioneira entre as capitais do Brasil, um exemplo para outras cidades e prefeitos. "O Conselho é um parceiro de Porto Alegre na defesa da sociedade e na fiscalização da profissão e da ética", destacou.

A Presidente e a conselheira Miryam Brauch também entregaram ao Prefeito a Carta Gaúcha da Educação Física Escolar, que visa a mobilização de profissionais no sentido de garantir a obrigatoriedade da atividade nas escolas. A lei nº 11.585 é reforço valioso para os objetivos da Carta e para a promoção da Educação Física. "O sedentarismo é a maior causa dos problemas cardiovasculares. A ideia é conscientizar a população da importância da atividade física, sobretudo nas escolas", avaliou Carmen Masson.

O vice-presidente Lauro Aguiar encerrou o encontro com a sugestão de aproximar o Ministério da Saúde e as prefeituras para a promoção do bem-estar e da vida saudável. "A lei nº 11.585, levada para a Frente Nacional de Prefeitos, vai incentivar os municípios a organizarem projetos em nome da atividade física", concluiu.




Obesidade infantil aumenta 300%
16/04/2014
Fonte: Fonte: Bem Estar/G1

Prestem atenção nestes números: em 1989, no Brasil, 4,1% dos meninos de 5 a 9 anos foram classificados como obesos, segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares, realizada pelo IBGE. Os dados da mesma pesquisa, realizada em 2008 e 2009, apontaram que 16,6% dos meninos desta faixa de idade estavam obesos. Estes números registraram, portanto, um aumento de aproximadamente 300% nos índices de obesidade em meninos de 5 a 9 anos no Brasil. Isso mesmo: um aumento de 300%! O mesmo em relação às meninas: a taxa de obesidade aumentou de 2,4% em 1989 para 11,8%  em 2008: quase 5 vezes mais!

Por isso podemos perguntar: o que está acontecendo? Por que as crianças estão mais obesas?

Neste começo de século XXI, o estilo vida de todos, inclusive e principalmente o das crianças, mudou. E não foi pouco. As mulheres entraram para valer no mercado de trabalho. Até ai, tudo certo. Só que o tempo ficou mais curto e muito mais corrido para todos. Consequência: a alimentação também entrou nesta “correria”. Não é  à toa que surgem os “fast-foods” que vieram para resolver o problema da pressa. As prateleiras dos supermercados oferecem também uma gigantesca variedade de alimentos prontos e processados, produzidos para facilitar a vida corrida de todos. Resultado: a alimentação saudável perdeu espaço nas refeições das famílias.

Paralelamente, nas grandes cidades, a violência urbana “confinou” as crianças dentro de casa. Atividades simples como andar de bicicleta, jogar bola na rua, subir em árvores, correr ou brincar ao ar livre tornaram-se raras no dia a dia das crianças. O espaço físico disponível diminuiu. As brincadeiras de “esconde -esconde”, “pega-pega” ou de  pular muros e obstáculos, passaram a ser realizadas com apenas 2 dedos, uma vez que agora acontecem virtualmente nas telas dos tablets, televisores, computadores ou celulares. Resultado: menos atividade física!

Alimentação rápida com menor qualidade e maior carga calórica e atividade física restrita produzem um resultado conhecido de todos: aumento de peso!

Bem, até aí nenhuma novidade. Isso todos sabemos. E mais ainda: sabemos também como fazer para solucionar esta situação. Fácil, não é? Aumentar a atividade física e melhorar a qualidade da nutrição das crianças em casa e na escola. Mas... Se sabemos as causas e temos a solução, vale perguntar: por que a obesidade infantil esta de fato aumentando neste início de século XXI?

A resposta desta pergunta merece uma reflexão interessante. As famílias não estão conseguindo mudar seu estilo de vida. Uma criança obesa em casa é problema de todos. Pais e filhos devem, juntos, alterar seus hábitos de alimentação, de atividade física e de rotina de vida. A criança deve participar ativamente das decisões e sempre que possível ser instigada a sugerir as mudanças que julgar mais relevantes. As escolas também poderiam, de uma forma geral, contribuir e orientar suas cantinas a venderem produtos com boa qualidade nutricional.

Imagem: Creative Commons




Porto Alegre sanciona lei que torna obrigatória a formação em Educação Física para docência
28/02/2014
Fonte: CREF2/RS

O prefeito José Fortunati sancionou o Projeto de Lei nº 199/2011, de autoria do Vereador Professor Garcia (CREF 000002-G/RS), que obriga a formação em curso superior de Educação Física (Licenciatura) para docência da disciplina no Ensino Fundamental em todas as escolas do município de Porto Alegre. A lei entrará em vigor no ano letivo de 2015, para escolas públicas e privadas. A cerimônia oficial ocorreu na sede da Secretaria Municipal de Educação, na tarde de sexta-feira, dia 28 de fevereiro. O Conselheiro Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS) representou o CREF2/Rs na solenidade.




Vereador Professor Garcia aprova lei a favor da Educação Física escolar
17/12/2013
Fonte: CREF2/RS

O conselheiro do Confef e vereador Professor Garcia conseguiu uma vitória para a Educação Física escolar no RS ontem (16/12), ao tornar obrigatória a formação superior em Educação Física/licenciatura para docência desta disciplina no Ensino Fundamental nas escolas públicas e privadas de Porto Alegre. O CREF2/RS luta pela aprovação de Lei estadual que garanta as aulas de Educação Física do 1º ao 5º ano sejam ministrados por Profissionais de Educação Física.




CREF2/RS discute legado da Copa do Mundo
02/12/2013
Fonte: CREF2/RS

A Câmara de Futebol do CREF2/RS realizou no Ginásio Tesourinha, em Porto Alegre, no dia 25/11 o evento ""A Copa do Mundo, seu legado e a importância para o esporte escolar"". Durante o evento, o Secretário Municipal para a Copa de 2014, João Bosco Vaz, explicou que a oportunidade é importante por reunir formadores de opinião e poderá desmitificar muitos fatos. ""Aquela antiga Copa da Paixão transformou-se em um grande negócio, onde ganham todos. As pessoas tem ideia errada que o governo aporta dinheiro na FIFA, o que é um engano. ""
Bosco explicou que o Estado apenas deu incentivos para compra de material de construção. ""Nada comparado aos R$ 450 milhões que o Corinthians recebeu"", afirmou. Vaz reforçou a ideia que o esporte escolar será beneficiado, e que a FIFA está fazendo parceria com a Associação Cristã de Moços e com a rede pública de ensino, onde serão dadas aulas de história e geografia sobre os países participantes da Copa, deixando um legado de conhecimento.
O secretário disse ainda que a SMED manterá salas de recreação para que as crianças sejam cuidadas antes dos jogos por cerca de 30 professores. ""O que temos que ter em mente é que não existem eventos com 100% de acertos. Temos que trabalhar com a perspectiva de errar o menos possível"", complementou.
O Secretário do Esporte e do Lazer do Rio Grande do Sul e Coordenador Geral do Comitê Gestor da Copa 2014, Kalil Sehbe explicou que nenhuma categoria irá se beneficiar tanto com a Copa como os Profissionais de Educação Física. ""Nosso mercado se ampliará e se tornará mais complexo"", argumenta Kalil, que também questionou a forma como as escolas vão perceber a Copa. ""Temos de nos esforçar para que as crianças compreendam este evento como cidadania e um processo de construção da autoestima"". O secretário ressaltou os projetos sociais que a FIFA legou nos países em que houve Copa. ""Na África do Sul ainda estão em andamento cinco destes projetos, que beneficiam milhares de pessoas"". Kalil complementou sua fala ressaltando que os maiores legados são os intangíveis. ""Tudo o que melhorar na saúde e segurança irá reverter automaticamente para toda a sociedade"".




CREF2/RS premia destaques da categoria
30/08/2013
Fonte: CREF2/RS

Veja as imagens do evento em nossa Galeria de Fotos.

O CREF2/RS realizou na noite desta quinta (29), na Câmara Municipal de Porto Alegre, a entrega do Troféu Destaque, que premiou dez profissionais de diferentes áreas de atuação na Educação Física e duas instituições. Na solenidade, também foram homenageadas pessoas jurídicas que completaram dez anos de registro no Conselho.
A entrega das premiações faz parte da programação do Dia do Profissional de Educação Física, instituído em 1998, ano da regulamentação da profissão. O presidente Eduardo Merino ressaltou a importância da data. “É fundamental para nós comemorar a regulamentação da nossa profissão. E valorizar o trabalho das pessoas, porque uma coisa é o Conselho como instituição, mas quem faz a profissão são os profissionais no dia a dia, são eles que atendem as pessoas, que promovem educação, saúde e cidadania. Então, é fundamental que o Conselho reconheça os profissionais”.
Escolhido profissional do ano pelos conselheiros do CREF2/RS, Jayme Werner dos Reis foi o último a receber a premiação. Com atuação na área desde 1956, o Peixinho – como é conhecido por trabalhar com natação – recebeu fortes aplausos. “É uma honra ser lembrado, mostrar o que a gente já fez. São muitos anos de trabalho, passei por várias escolas e universidades. Sempre trabalhei no que gostei: o esporte. Me sinto realizado por ter passado conhecimento para toda esta gurizada”.
Marcaram presença no evento autoridades como o secretário municipal de Esportes, Recreação e Lazer, José Edgar Meurer – que representou o prefeito José Fortunati na cerimônia e é também conselheiro do CREF2/RS; a secretária municipal de Educação, Cleci Jurach; o secretário municipal da Copa, João Bosco Vaz; o secretário-adjunto da SMIC, José Oliveira Peres; o representante da FUNDERGS, Pedro Paulo Guimarães, além do deputado estadual Carlos Gomes e do vereador Professor Garcia.




CONFEF conquista vitória para Educação Física escolar no país
19/07/2013
Fonte: CREF2/RS

O Tribunal Regional Federal da Primeira Região concedeu sentença favorável ao Sistema Confef/CREFs e a partir de agora é obrigatória em todo o território nacional que a Educação Física escolar do 1º ao 5º ano seja ministrada por Profissionais de Educação Física.

O Confef, no ano de 2011, propôs ação judicial contra o art. 31 da resolução CNE/CEB nº 07/2010, que possibilitava ao professor regente de referência da turma – aquele com o qual os alunos permanecem a maior parte do período escolar – assumir as aulas de Educação Física nas escolas.

Defendendo o direito dos alunos de serem atendidos com qualidade, foi proferida sentença judicial favorável ao Sistema Confef/CREFs determinando a revisão do art. 31, da Resolução CNE/CEB nº 07/2010.

A sentença declara a necessidade da presença de Profissional de Educação Física para ministrar aulas de Educação Física e/ou recreção ou qualquer outra atividade que envolva exercícios físicos e esportes, em conformidade com a Lei 9.696/98 e com a Constituição Federal.

Trata-se de mais uma atuação competente, eficiente e ética em defesa da sociedade e da valorização do Profissional de Educação Física.




Educação Física Escolar é debatida na Sogipa
18/06/2013
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS, por meio da sua Câmara de Educação Física Escolar, realizou, no dia 13 de junho, durante a 20ª Convenção Brasil, o Seminário de Educação Física Escolar, na Sogipa. Participaram do evento como palestrantes o vereador Professor Garcia, as professoras Eliana Alves e Márcia Cruz e o professor Carlos Pilenghi Costa, o Betão.

Uma das principais reivindicações defendidas pelo Conselho Regional de Educação Física – CREF2/RS – é a obrigatoriedade da presença do Profissional de Educação Física nas séries iniciais do ensino público. Atualmente, nas escolas estaduais, as aulas do 1º ao 5º ano do ensino fundamental são ministradas por professores generalistas, o que exclui cerca de 300 mil crianças da iniciação esportiva no Estado.

Segundo o vereador professor Garcia, atualmente as crianças apresentam doenças que até pouco tempo eram relacionadas aos adultos, como hipertensão, glicose alta e colesterol. “Para preveni-las, temos que contar com a orientação correta do Profissional habilitado nas aulas de Educação Física nas séries iniciais”.

Eliana Alves, professora e advogada, explicou que não há como pensar a escola independente da sociedade na qual ela se insere. “O que acontece no ambiente escolar é mais que uma analogia a situações sociais mais amplas; é um reflexo da sociedade”.

O Grupo de Mobilização em Prol da Educação Física foi apresentado por Márcia Cruz. Conforme ela, o objetivo do grupo é contribuir para o resgate da essência da Educação Física Escolar nas Instituições de Ensino Municipais e Estaduais de Caxias do Sul. “Propomos novas alternativas para a recondução deste componente curricular, contribuindo com o desenvolvimento e formação dos alunos na Educação Básica”, explica.

Betão lembrou que o Esporte Escolar a utilização eminentemente educativa do esporte e de todos os seus conteúdos que lhe dão consistência como importante instrumento didático/pedagógico de formação geral de cada aluno em idade prevista para praticá-lo. “O esporte escolar está em crise como em crise está a Educação Física Escolar, bem como toda a Educação”.




Documentário discute obesidade infantil
26/04/2013
Fonte: CREF2/RS

Muito Além do Peso é um documentário que discute por que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria, o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo. Ele pode ser assitido no site do filme: www.muitoalemdopeso.com.br




Câmara de Educação Física Escolar faz sua terceira reunião
07/03/2013
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Educação Física Escolar/CREF2RS reuniu-se no dia 06/03. Na ocasião foi feito o relato sobre o Congresso Nacional de Educação Física Escolar de Foz do Iguaçu.

Também foi discutido o ENAPEF 2013, quando será realizado o 2º Fórum da Educação Física Escolar do RS no dia 23/03 das 18 às 21h. O evento terá como palestrantes Mirian Burgos e Paulo Rezende, sendo mediado Professor Catunda.

O Fórum terá o seguinte formato: a)Apresentação sobre a estrutura do Fórum com palestras

b)Debates sobre os temas sugeridos pela organização do Fórum da Educação Física Escolar

c)Apresentação dos itens levantados nos grupos com os seguintes sub-temas:

-Legislação;

-Formação do professor de educação física;

-Infraestrutura da escola para a educação física escolar;

-Grades curriculares das escolas;

-Saúde na escola.

d-Elaboração da Carta da Educação Física Escolar do RS.

Na ocasião, foi sugerido um encontro do Fórum das Entidades da Educação Física do RS com o Secretário de Estado da Educação e a criação de fóruns municipais para discutir o assunto da educação física escolar. Também houve a discussão de estratégias de mobilização popular para aprovação de uma lei institucionalizando a educação física escolar nas séries iniciais como componente curricular e orientada por professor de educação física, além do envolvimento dos diretores de escolas estaduais e municipais na discussão sobre a educação física escolar.




Licenciado em Educação Física só pode trabalhar em áreas formais da educação
29/01/2013
Fonte: Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal – 1.ª Região

Profissionais da Educação Física que obtiveram “licenciatura” não têm direito a registro perante o Conselho Federal de Educação Física na categoria de ""bacharel"". O entendimento é da 7ª. Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª. Região.

A controvérsia veio à tona após o recebimento de um recurso pelo TRF1 (agravo regimental em agravo de instrumento), interposto pelo Ministério Público Federal. O MPF sustenta que não há lei que restrinja o exercício extraescolar das atividades dos profissionais diplomados em curso de Licenciatura em Educação Física.

Diz ser ilegal a expedição pelos Conselhos Regionais de carteiras profissionais que limitem a área de atuação dos licenciados à educação básica.

Mas, segundo o relator do agravo regimental, desembargador Reynaldo Fonseca, ampla jurisprudência dos Tribunais Federais mostra que a “Habilitação dos profissionais de Educação física está segmentada de acordo com a divisão amparada em lei (...)”. (TRF2ª Região, AC 200851010083350, Desembargador Federal Frederico Gueiros, - SEXTA TURMA ESPECIALIZADA, 18/03/2011).

Pela leitura dos autos, as Diretrizes Nacionais para os Cursos de Educação Física, de 18/02/2004, dispõem que o curso de Licenciatura forma profissionais para atuar nas escolas de ensino infantil, fundamental e médio, e, também, desempenhar atividades de planejamento, coordenação e supervisão de atividades pedagógicas no sistema formal de ensino e em pesquisas, não podendo atuar em espaços não-escolares, função essa desenvolvida pelos bacharéis em Educação Física.

O magistrado ressaltou que: “(...) segundo entendimento dos tribunais regionais federais (...) há diferenças substanciais relativamente à duração e à carga horária mínima exigidas, bem como ao conteúdo curricular especificamente direcionado aos cursos de bacharelado e de licenciatura, na área de Educação Física”.

A decisão da 7ª. Turma foi unânime.

Proc. n.º 00060374320124013400




Delegação do CREF2/RS participa do 28º Congresso Mundial da FIEP
18/01/2013
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS esteve presente no 28º Congresso Mundial da FIEP 2013, realizado em Foz do Iguaçu – PR – de 12 a 16 de janeiro de 2013. O Congresso é o maior e mais importante evento da Federação Internacional de Educação Física - FIEP, e é realizado anualmente no mês de janeiro de forma ininterrupta desde o ano de 1986, tendo recebido mais de 55 mil participantes desde a sua primeira edição.

Estiveram presentes na delegação o presidente do CREF2/RS, Eduardo Merino, a Vice-Presidente Carmen Masson, a 1ª Tesoureira Miryam Brauch e o Conselheiro Lauro Aguiar Eles participaram do V Fórum de Educação Física Escolar, IV Seminário Sobre Valores do Esporte e Educação Olímpica, III Fórum de Coordenadores de Cursos de Educação Física, II Seminário de Atividades Físicas na Atenção à Saúde, VII Seminário de Ética, III Seminário de História da Educação Física e XI Fórum de Educação Física do Mercosul.

A experiência gaúcha em Educação Olímpica realizada na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI-Erechim) foi um dos temas do IV Seminário Sobre Valores do Esporte e Educação Olímpica. O projeto foi apresentado pelo coordenador do Curso de Educação Física da URI José Luis Dalla Costa (Nino). Ele explicou que a ação começou a ser desenvolvida na Universidade em março de 2009, por meio do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação Física (GEPEF) do Curso de Educação Física da URI – Erechim, que é formado por acadêmicos e professores do curso, e coordena as pesquisas em Educação Olímpica na Universidade e as ações provenientes destes estudos.

O objetivo geral do projeto é difundir os valores do esporte entre as crianças de forma a estimular a participação nas aulas de Educação Física e nas escolinhas de formação desportiva oferecidas pela escola no contraturno. Para trazer a experiência da Educação Olímpica na escola, o grupo promoveu eventos como acantonamento olímpico, acampamento em ginásios de esportes, corrida de rua, festival olímpico de minitênis, festival de pandorgas, entre outras atividades. A iniciativa fez ainda com que se fosse aprovado um projeto voltado às escolas públicas de Erechim e da região.




Projeto estabelece carga horária mínima de Educação Física nas escolas
08/01/2013
Fonte: Agência Senado

A disciplina de Educação Física poderá ser considerada obrigatória na educação básica, com carga horária mínima de duas horas semanais. É o que estabelece o projeto de lei do Senado (PLS) 249/2012, do senador Eduardo Amorim (PSC-SE).

Na justificativa do projeto, o autor diz que, desde 1996, quando da promulgação da Lei de Diretrizes e Bases para a Educação (LDB – Lei 9394/1996), não há mais determinação de carga horária das disciplinas e a escola é que elabora seu projeto pedagógico e define a carga horária de cada uma delas.

A medida, segundo Eduardo Amorim, representou “um preocupante enfraquecimento” da prática de esportes a partir da disciplina de Educação Física, que sempre enfrentou resistência no meio acadêmico, mas tinha a capa protetora da obrigatoriedade. Assim, argumenta o senador, apesar dos benefícios da educação física, hoje uma unanimidade, os professores da disciplina sempre tiveram que se preocupar em demonstrar para os pais, para o corpo docente e até mesmo para os alunos sua finalidade e sua importância para o futuro da sociedade.

Na visão de Amorim, o “problema pode e deve ser revertido pela legalidade”, já que seu projeto tornaria possível estabelecer carga horária mínima de Educação Física do ensino fundamental e médio, determinando a obrigatoriedade de duas aulas semanais da disciplina nas escolas públicas e particulares em todo o país.

O projeto, que tramita em caráter terminativo, está em análise na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). O relator, senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), já se manifestou pela aprovação da matéria.




Reportagem da RBS TV analisa Educação Física nas escolas gaúchas
21/10/2012
Fonte: CREF2/RS

A Educação Física escolar foi tema de reportagem veiculada no programa RBS Esporte do dia 20/10 pela RBS TV. A matéria, que contou com a participação do Presidente do CREF2/RS Eduardo Merino, analisou várias situações encontradas nas escolas gaúchas e vem ao encontro da campanha do Conselho pela obrigatoriedade da presença do Profissional de Educação Física nas séries iniciais do ensino. Assista a reportagem em nossa Central de Mídia.




CREF2/RS assegura na Justiça a contratação de Profissionais em concurso público estadual
19/10/2012
Fonte: CREF2/RS

Nesta sexta-feira, dia 19, o CREF2/RS garantiu uma importante vitória para todos os Profissionais de Educação Física do Estado. O 2º Grupo Cível do Tribunal de Justiça do RS proferiu Acórdão (nº 70043922269) reconhecendo a obrigatoriedade de graduação e registro no CREF2/RS para atuação no magistério estadual como Professor de Educação Física. O Edital publicado em 2011 pela Secretaria Estadual de Educação previa a possibilidade de contratação temporária de professores de Educação Física sem graduação na área, bem como sem Registro junto ao Conselho Profissional.

Com a decisão, além de tornar obrigatória a graduação em Educação Física e o Registro no CREF2/RS para atuação nas escolas estaduais, as contratações que não obedeceram tais requisitos foram declaradas ineficazes pelo Judiciário gaúcho.

O Acórdão está disponível na íntegra no link www.crefrs.org.br/informativos/noticias/docs/Acordao_MS_SEC-RS.pdf.




Proposta exige formação específica para dar aulas de educação física em escolas
19/10/2012
Fonte: Agência Senado

As atividades de educação física nas escolas somente poderão ser ministradas por profissionais qualificados na área. Essa é a proposta do Projeto de Lei do Senado (PLS) 103/2012, do senador Ivo Cassol (PP-RO), que está pronto para ser analisado pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). A matéria será apreciada em caráter terminativo pela CE.

A intenção do projeto é assegurar que apenas professores capacitados ministrem aulas de educação física nas escolas. Atualmente, de acordo com a Lei de Diretrizes Básicas de Educação (LDB), o professor de educação física deve ter nível superior para dar aula a alunos dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio. Mas, para alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, aceita-se que as aulas sejam dadas pelo professor titular da turma, formado em Pedagogia, mas sem formação específica em educação física.

Relator da proposta na comissão, o senador Benedito de Lira (PP-AL) deu parecer favorável à matéria, concordando que, não importando a série, todos os alunos precisam de um professor devidamente qualificado em educação física. Caso contrário, corre-se o risco de comprometer a saúde das crianças, avalia. O senador explica ainda que os cursos de Pedagogia não abordam o ensino da educação física com a mesma profundidade de outras disciplinas.




Projeto estabelece carga horária mínima para Educação Física nas escolas brasileiras
16/10/2012
Fonte: Agência Senado

Projeto de lei que estabelece carga horária mínima de duas horas de aulas de Educação Física por semana nos ensinos fundamental e médio nas escolas públicas e particulares de todo o país está pronto para inclusão na pauta da Comissão de Educação, Cultura e Esporte. A matéria receberá decisão terminativa na comissão (ou seja, será considerada uma decisão final do Senado).

O PLS 249/2012, do senador Eduardo Amorim (PSC-SE), altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB, Lei 9.394/96). Na norma está explícito o caráter obrigatório da disciplina e os casos em que a prática é facultativa.

A LDB determina ainda que cada escola é responsável por construir seu projeto pedagógico e definir a carga horária de cada uma das matérias. Na avaliação do senador, essa mudança em relação ao texto original da lei representou “um preocupante enfraquecimento da Educação Física, que sempre enfrentou resistência no meio acadêmico”.

“Apesar dos benefícios da Educação Física, os professores da disciplina sempre tiveram que se preocupar em demonstrar para os pais, para o corpo docente e até mesmo para os alunos sua finalidade e sua importância para o futuro da sociedade”, justifica Amorim.

Entre os benefícios da disciplina, o senador destaca que a Educação Física ajuda no desenvolvimento motor das crianças, além de combater diversas doenças relacionadas ao sedentarismo, como obesidade, diabetes e problemas cardíacos. “Não se dá a devida importância a essa que é uma matéria essencial no currículo escolar”, observa o parlamentar.




Audiência debateu presença do Profissional de Educação Física nas séries iniciais
23/09/2012
Fonte: Agência de Notícias AL
Assista aqui a matéria da TV Assembléia

A Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia realizou audiência pública na manhã desta segunda-feira (24), para debater a obrigatoriedade da presença de professor de educação física nas séries iniciais da educação básica do Estado. O encontro reuniu profissionais de educação física e autoridades.

O deputado Carlos Gomes (PRB), requerente e coordenador do encontro, destacou a importância do tema. Para ele, é inequívoco o benefício que a atividade física aporta aos alunos das séries iniciais, seja para a saúde, o bem-estar físico e o desenvolvimento psíquico e cognitivo das crianças. "Neste sentido, vamos buscar a parceria entre os professores da unidocência, que atuam nas escolas com os professores de educação física para que, através desta parceria, sejam desenvolvidas atividades físicas de maneira correta, com a presença de um profissional de educação física", adiantou.

O parlamentar também salientou que será realizado um estudo para identificar se existe em alguma unidade da federação uma legislação específica que contemple a presença do profissional de educação física nas séries iniciais do ensino básico. Ele ainda destacou que será encaminhada ao governo estadual uma solicitação para que profissionais de educação física sejam requisitados para trabalhar nas séries iniciais das escolas públicas estaduais do Rio Grande do Sul.

O presidente do Conselho Estadual de Educação Física do Rio Grande do Sul (CREF2/RS), Eduardo Merino, destacou que a presença de um profissional de educação física nas séries iniciais da rede estadual de ensino beneficiaria aproximadamente 300 mil alunos. "A educação física na escola é um direito garantido pela Constituição", argumenta. Entre os inúmeros benefícios da educação física nas séries iniciais, Merino apontou aqueles que ajudam no desenvolvimento do raciocínio, da saúde e cidadania dos alunos.

Para o presidente da Associação dos Professores de Educação Física, Álvaro Laitano da Silva, o período da 1ª à 4ª série é importante para o estabelecimento de hábitos saudáveis. Ele ainda sublinhou a importância dos estímulos ao desenvolvimento de toda a parte psicomotora das crianças, oferecido pelas atividades ministradas por profissionais de educação física.

O representante da Secretaria Estadual da Educação, José Valdir de Azevedo, salientou que concorda com as demandas dos profissionais de educação física e que a administração estadual tem feito um grande esforço em recuperar a estrutura das escolas e a qualificação dos profissionais que atuam nas salas de aula. Ele lembrou, porém, que a legislação determina que a educação nas séries iniciais seja ministrada por um profissional generalista.

José Valdir alertou para a questão da legislação nacional que regulamenta toda a estrutura curricular e pediu que seja realizado um estudo aprofundado para que não se encaminhe uma proposta legislativa sobre o tema que contenha vícios de legalidade e constitucionalidade.

A Presidente da Comissão de Educação Física Escolar do Conselho, Carmem Masson, alertou que atualmente a população vive confinada em apartamentos e a maior parte prática de atividades físicas realizadas pelas crianças é a Educação Física nas escolas. “Se não houver orientação adequada durante as séries iniciais, os índices de obesidade, diabetes e sedentarismo só tendem a aumentar, além de atrasar o desenvolvimento físico e cognitivo”. Segundo Carmem, não se quer banir a Unidocência, mas sim reforçar o trabalho conjunto do Profissional de Educação Física e do professor regente como forma de aprimorar a saúde e o bem-estar dos alunos das séries iniciais.

A representante do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul, Maria Backes, sublinhou que a instituição já respondeu a uma consulta feita pelo CREF/RS sobre a presença de um profissional de educação física nas séries iniciais. Segundo o Conselho Estadual de Educação, nada impede que um professor de educação física trabalhe nas séries iniciais da rede estadual de ensino.

Maria Backes comunicou que levará o tema para apreciação e debate no Conselho Estadual de Educação. "Devemos fazer um estudo sério para saber onde se pode trabalhar com os professores generalistas e onde é necessário o auxílio do professor de educação física", concluiu.

O secretário estadual do Esporte e do Lazer, Kalil Sehbe, entregou ao deputado Carlos Gomes uma cópia das conclusões da Conferência Estadual de Esporte e Lazer, realizada em 2011, em que defende a necessidade do profissional de educação física nas séries iniciais da rede estadual de ensino.

Participaram da audiência pública representantes da Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre, da OAB/RS, da Universidade de Passo Fundo (UPF), do Sindicato dos Professores de Educação Física do Rio Grande do Sul, do Conselho Federal de Educação Física (CONFEF), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Associação dos Profissionais de Educação Física (APEF), entre outras entidades.