Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



CREF2/RS leva ciclo de palestras sobre regulamentação da profissão a Caxias do Sul
08/06/2018
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS realizou na última quarta-feira, dia 6 de maio, o segundo encontro do Ciclo de Palestras “20 Anos de Regulamentação da Profissão de Educação Física”, em Caxias do Sul. O evento, que ocorreu na Faculdade Anhanguera, reuniu cerca de 30 participantes, entre profissionais e estudantes. A atividade contou com duas apresentações, conduzidas pela conselheira Marcia da Cruz (CREF 007545-G/RS) e por Eduardo Remião (CREF 001855-G/RS), treinador e ex-atleta de atletismo e triatlo.

A mesa de abertura do evento foi composta por Erica Ramos, diretora da Anhanguera Caxias do Sul; Paulo Eugênio de Carvalho (CREF 004659-G/RS), secretário municipal de Esporte e Lazer; Honorino Lorencetti, presidente do Rotary Club Pérola das Colônias; e por Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), presidente do CREF2/RS. As autoridades relembraram os primórdios regulamentação, que ganhou força em todo o Brasil no final da década de 80, e os avanços que isto trouxe para todos. “Muita coisa aconteceu nos últimos 20 anos. A nossa representatividade cresceu e o nosso papel, principalmente na prevenção de diversas doenças, se tornou reconhecida por toda a sociedade”, destacou Carmen.

Na sequência, Marcia ministrou a palestra “Educação Física: Legislação e Perspectivas”. Ela apresentou uma linha do tempo sobre a regulamentação da profissão, desde a criação do Sistema CONFEF/CREFs, até as conquistas mais recentes, como a inclusão do profissional de Educação Física no Núcleo Ampliado de Saúde da Família (NASF), vinculado ao Ministério da Saúde. “O Conselho tem uma atuação muito forte, no sentido de ser o órgão que fiscaliza e normatiza a presença do nosso profissional em todas estas áreas”, comentou a Conselheira. Marcia ainda apresentou a Cédula de Identidade Profissional (CIP) aos estudantes e explicou como é o dia a dia de trabalho no CREF2/RS. “Na nossa página, é possível consultar todas as resoluções, assim como as empresas e os profissionais registrados”, acrescentou. A palestra também tratou da Lei de Estágio e da importância do trabalho de Fiscalização.

Já a segunda palestra da noite, intitulada “Treinamento Físico de Endurance e as Assessorias Esportivas”, foi ministrada por Remião e tratou de diversos assuntos relacionados às experiências profissionais do palestrante, que é técnico de corrida há mais de 25 anos. Depois de um breve histórico sobre a evolução da Educação Física, ele destacou as características das atividades de endurance e o que elas exigem dos seus praticantes. “O treinamento é individualizado. O endurance, com duração de três horas ou mais, requer uma adaptação e o profissional de Educação Física precisa estar atento a isto, respeitando todas as fases do treinamento”, explicou. Além disso, o palestrante ainda abordou os quatro pilares para uma boa técnica de corrida – equilíbrio, coordenação, descontração e eficácia – e a periodização do exercício. “É extremamente perigoso seguir os treinos propostos por revistas, por exemplo, pois elas não são elaborados levando em consideração as condições particulares dos praticantes”, comentou.

O Ciclo de Palestras “20 Anos de Regulamentação da Profissão de Educação Física” ainda terá mais uma edição em 2018. A atividade será em Pelotas, no dia 17 de outubro. Compareça!

Palestras ciclo de palestras eventos caxias do sul



CREF em Revista discute questões de gênero na Educação Física Escolar
01/06/2018
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa as questões relacionadas à diversidade e à igualdade de gênero, já está disponível para leitura pela Internet e para download. A publicação discute como os profissionais de Educação Física que atuam nas escolas devem agir frente aos conflitos que surgem diariamente, desconstruindo a oposição que existe entre o masculino e o feminino.

Com o intuito complementar o debate sobre este assunto, a reportagem de capa é acompanhada pelo perfil de Eduarda Luizelli (CREF 004280-G/RS), uma das profissionais pioneiras na disseminação do futebol feminino do Rio Grande do Sul. Há ainda matérias sobre os benefícios da caminhada nórdica, sobre a presença da ginástica rítmica gaúcha nos Jogos Escolares da Juventude, sobre as ações de fiscalização realizadas pelo CREF2/RS na fronteira com Santa Catarina e sobre o Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar, ocorrido em Torres.

Você também pode acessar a edição online da nossa publicação diretamente pela plataforma Issuu, cujo aplicativo gratuito está disponível para tablets e para smartphones em geral.

revista diversidade gênero futebol feminino



O número de corredores de rua não para de aumentar em Porto Alegre
23/04/2018
Fonte: CREF2/RS

Seja apenas no fim de semana ou sempre que pode, há um grupo que não para de aumentar no Brasil: o de pessoas que participam das corridas de rua. O número de corredores de rua cresceu mais de 50% nos últimos 5 anos e, atrás de tanta gente, tem gerado uma variedade enorme de pequenos e grandes negócios. Com o aumento dos adeptos desse esporte houve um significativo crescimento da mídia especializada - com revistas e sites promovendo a modalidade - e dos fabricantes voltados para esse segmento, que passaram a oferecer tênis cada vez mais modernos e arrojados, camisetas com tecnologias que melhoram a regulação térmica do corpo, e produtos similares. Também ocorreu um incremento na estrutura de apoio fornecida pelas empresas organizadoras dos eventos, que passaram a oferecer melhor suporte antes e após a prova, através de maior facilidade de pagamento das inscrições, de consulta dos resultados e até mesmo de busca de fotos dos atletas tiradas durante as competições.

Este aumento vertiginoso de esportistas também foi sentida no Rio Grande do Sul e, em especial, na capital gaúcha. Tal representatividade fez com que o Município de Porto Alegre sancionasse, em 2017, a Lei 12.225, que determina a data de 24 de abril como Dia Municipal em Homenagem Corrida de Rua. A indicação foi da Câmara Técnica de Corrida de Rua do CREF2/RS.

Segundo a presidente da Câmara, Cláudia Ramos Lucchese (CREF 002358-G/RS), o "boom" nas corridas de rua se deve a múltiplos fatores. “Hoje cada vez mais pessoas se encantam por esse esporte, que é democrático, pois teoricamente qualquer pessoa pode colocar um tênis, uma bermuda e sair para correr. E por ser uma atividade aeróbica, na maioria das vezes, podemos perceber que a evolução do condicionamento cardiorrespiratório é um dos fatores importantes nessa prática. Mas além disso, o que se percebe ainda é o prazer e a sensação de estar do indivíduo que participar de corridas”, explica. Muitos estudos relatam a liberação de hormônios do "bem", como a serotonina, quando se pratica a corrida. E esse hormônio é o grande remédio contra sentimentos de solidão e depressão.

Cláudia explica que esse esporte também proporciona a possibilidade de interagir com o meio ambiente, fazer novas amizades e com isso a sensação de pertencimento a um grupo com os mesmos objetivos. “Muitas pessoas que participam de provas de corridas de rua não buscam tanto a alta performance, e sim os benefícios acima descritos e principalmente a questão da superação, de saber que a competição é consigo mesma e isso o torna mais resiliente”, ressalta.

Mas, como todos os outros esportes, a corrida exige muitos cuidados e principalmente o acompanhamento de profissionais de Educação Físicas capacitados para que se evitem lesões importantes ou problemas cardiorrespiratórios, por exemplo. Uma pesquisa desenvolvida pela Unicamp com o objetivo de verificar a prevalência de lesões dos participantes nos corredores de rua constatou que cerca de 31% dos entrevistados relataram algum tipo de lesão. As lesões são mais recorrentes entre os que se submetem a maiores cargas de treinamento e mais participações em provas. A pesquisa indica que os corredores que vêm praticando corrida há mais tempo e que se submetem a maiores cargas de treinamento são mais suscetíveis a lesões, embora estas inferências devam ser confirmadas por outros estudos.

E é nesse sentido que a Câmara técnica de Corrida de Rua vem se reunindo periodicamente desde 2016. São profissionais de Educação Física que trazem seu conhecimento nessa área e discutem sobre quais as melhores ações para divulgar à sociedade que correr com segurança deve passar por algumas etapas como avaliação médica, avaliação física, atividades educativas e sempre com evolução de acordo com a especificidade de cada indivíduo. “Assim, muitas assessorias ou grupos de corridas têm se formado no Brasil e em nosso Estado. Sempre supervisionados por profissionais de Educação Física habilitados, o corredor tem a chance de praticar esse esporte com mais segurança e ainda evoluir na técnica e em outras competências necessárias”, avalia Cláudia.

Câmara técnica de Corrida de Rua



Nova edição da CREF2/RS em Revista faz retrospectiva de 2017
01/03/2018
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que teve a sua edição digital lançada nesta quinta-feira, dia 1º de março, faz uma retrospectiva dos eventos que o Conselho realizou no segundo semestre do ano passado. Com o Troféu Destaque 2017 na capa e um breve perfil de todos os vencedores do prêmio, a publicação também conta como foram as palestras do CongregaCREF e do “O Mercado do Personal Trainer Corporativo”, promovido em celebração ao Dia Estadual da Ginástica Laboral.

Além destas matérias, a nova edição também traz um artigo sobre o papel do profissional de Educação Física na Equoterapia, de autoria de Afonso Forni (CREF 025395-G/RS); o perfil de Rafael Astrada (CREF 010168-G/RS), técnico duas vezes campeão brasileiro de futsal para cegos; uma matéria sobre trabalho da Fiscalização e um pouco mais da história dos conselheiros João Guilherme Queiroga (CREF 000839-G/RS) e Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS).

Você também pode acessar a edição online da nossa publicação diretamente pela plataforma Issuu, cujo aplicativo gratuito está disponível para tablets e para smartphones em geral. A revista impressa é enviada para todas as Pessoas Jurídicas registradas e para os profissionais que solicitaram recebê-la. Os pedidos devem ser feitos via contato@crefrs.org.br.

Revista CREF em Revista



CREF em Revista analisa as novas modalidades de atividade física no RS
21/02/2018
Fonte: CREF2/RS

A nova edição do CREF2/RS em Revista já pode ser lida em PDF no site do Conselho. Neste número, o leitor pode ser informar melhor sobre a história de quem aderiu as modalidades de atividade física que chegaram ao país nos últimos anos e de quem criou metodologias e treinamentos diferenciados, que aos poucos vêm chamando a atenção pelos resultados alcançados.

O profissional Tiago Proença (CREF 012034-G/RS) conta como sua academia de Treinamento Funcional se tornou referência no segmento e Michelle Scalon (CREF 008668-G/RS) analisa o crescimento do Pilates em todo o Rio Grande do Sul. A Revista traz também, entre outros conteúdos, os números sobre as fiscalizações efetuadas, bem como a ação conjunta do DEFOR e a Polícia Civil que interditou academias irregulares no interior do estado.

A Revista é enviada às pessoas jurídicas registradas. Os profissionais que desejarem receber um exemplar via correio podem solicitar através do e-mail contato@crefrs.org.br.

CREF2 RS em Revista



Nova edição da CREF2/RS em Revista destaca novas modalidades
12/12/2017
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa as novas modalidades de academia, já está disponível para leitura pela Internet e para download. A publicação relata como o pilates e o treinamento funcional, por exemplo, chegaram à área fitness e tiveram uma grande aderência do público, proporcionando aos profissionais de Educação Física oportunidades diversificadas de atuação e a possibilidade de estarem à frente do seu próprio negócio.

Com o intuito de ampliar o debate sobre este assunto, a reportagem de capa é dividida entre o perfil de Tiago Proença (CREF 012034-G/RS), fundador da BPro Treinamento Funcional, e entrevistas com a vice-presidente da Associação Brasileira de Pilates Michelle Scalon (008668-G/RS), com o criador do método R100 Diego Furian (CREF 007285-G/RS) e com Áderson Loureiro (CREF 000038-G/RS) e Rogério Menegassi (CREF 001080-G/RS), ambos empreendedores com décadas de experiência no ramo das academias no Rio Grande do Sul.

Há ainda matérias sobre as ações de fiscalização do CREF2/RS em parceria com a Polícia Civil e relatos sobre alguns dos eventos realizados pelo Conselho em 2017, como o VII Fórum dos Coordenadores de Curso de Educação Física e o Encontro Sul Brasileiro das Comissões de Orientação e Fiscalização e Ética Profissional. Você também pode acessar a edição online da nossa publicação diretamente pela plataforma Issuu, cujo aplicativo gratuito está disponível para tablets e para smartphones em geral.

Revista novas modalidades treinamento funcional pilates



CREF2/RS revela vencedores do Troféu Destaque 2017
04/09/2017
Fonte: CREF2/RS

Comemorando o Dia do Profissional de Educação Física, o CREF2/RS realizou na última sexta-feira, dia 1º de setembro, a cerimônia de entrega do Troféu Destaque 2017. O prêmio, que chegou ao seu sexto ano consecutivo, homenageou as pessoas e as empresas que mais de destacaram ao longo do último ano, em 15 categorias diferentes. Os estabelecimentos que completaram dez anos de registro também receberam um certificado como forma de reconhecimento durante a noite.

A abertura da cerimônia foi feita pela presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), que destacou a importância da data e o reconhecimento da premiação depois de cinco edições. “O Dia do Profissional de Educação Física, que comemoramos com o Troféu Destaque, é um momento único no ano, em que podemos estar perto de muitos colegas e de sentir orgulho pelo que fazemos pela profissão e pela sociedade”, analisou. A forma de escolha dos vencedores, com uma votação aberta no site do CREF2/RS para a definição dos três finalistas de cada categoria, também foi mencionada pela Presidente. “Somos mais de 25 mil registrados e queremos que todos participem, tanto do Troféu Destaque como do dia a dia do Conselho. Esta é a nossa maior honra”.

Confira os ganhadores:

Mérito da Educação Física
Vilson Fermino Bagatini (CREF 000009-G/RS)
Formado em Educação Física e em Pedagogia, Bagatini possui diversos cursos de aperfeiçoamento na área e é pós-graduado em Técnicas Esportivas em Futebol, Handebol e Voleibol e Mestre em Educação pela Universidade de Paris. Autor de 12 livros, foi docente de dezenas de cursos no Brasil e no exterior e Delegado Regional da FIEP, sendo agraciado pela instituição com a Cruz de Prata de Honra Internacional.

Profissional do Ano
Pedro Rodrigues Curi Hallal (CREF 024120-G/RS)
Mais jovem reitor a ocupar o cargo na Universidade Federal de Pelotas, assumiu a liderança da instituição em 2017. Possui mestrado e doutorado em Epidemiologia pela Universidade e realizou estágio pós-doutoral no Instituto de Saúde da Criança em Londres. É um dos sócios-fundadores da Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde e bolsista de produtividade do CNPq.

Profissional de Academia
Roberta Forini Ortega (CREF 012398-G/RS)
Formada pela Universidade Federal de Pelotas, atua desde 2001 em academias. Em Pelotas, atuou com musculação, ginástica, natação e hidroginástica, ministrando também aulas de bike, local, step, combate e lecionando também na Faculdade Anhanguera de Pelotas. Em Porto Alegre desde 2012, atua nas academias Natasul e Fórmula, como personal trainer e professora em diferentes modalidades.

Profissional de Atividade Física na Empresa e Ginástica Laboral
Aline de Andrades Silva (CREF 017502-G/RS)
É graduada pela UNISC e atua desde 2006 na área de licenciatura e de bacharelado. Trabalhou junto a Escolas de Educação Infantil, com Recreação e Lazer, tendo atuado ainda como personal trainer. Atualmente, trabalha com Atividade Física na Empresa e Ginástica Laboral, além de atividades aquáticas, como natação infantil e hidroginástica.

Profissional com Atuação em Projetos Sociais
Paulo Cezar Mello (CREF 003951-G/RS)
É professor da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia da Universidade de Passo Fundo e coordenador adjunto do curso de Educação Física Licenciatura no Campus Soledade da Universidade. Na UPF, coordena o Projeto de Extensão “Educação Inclusiva Equoterapêutica”, que concorreu ao Prêmio Educação RS em 2016, do Sinpro. É também diretor da Escola Municipal de Autistas Profª Olga Caetano Dias, de Passo Fundo.

Profissional de Escola
César Augusto Osorio Dornelles (CREF 000875-G/RS)
Pós-graduado em Ciência do Desporto e em Psicomotricidade pela UFRGS, Cesar possui atuação voltada ao ensino da prática pedagógica da Educação Física em nível do pré-escolar e Ensinos Fundamental e Médio, e no desporto escolar de voleibol e atletismo. Atualmente trabalha no Colégio Estadual Júlio de Castilhos, como professor e treinador de voleibol, e na Escola Infantil Tartaruguinha Verde como professor de Psicomotricidade.

Profissional de Paradesporto e Atividade Adaptada
Cláudia Regina Alfama (CREF 006362-G/RS)
É especialista em Ética e Educação em Direitos Humanos pela UFRGS. É profissional de Educação Física da FADERS – Acessibilidade e Inclusão há 23 anos, onde atualmente coordena o Núcleo Estadual do Paradesporto. Faz parte ainda do Comitê Paralímpico Brasileiro, atuando como técnica de voleibol sentado e de bocha paralímpica da Associação Nacional de Desporto para Deficientes.

Profissional de Recreação
Eneida Feix (CREF 002116-G/RS)
É especialista em Educação Psicomotora, em Lazer e Recreação e em Jornalismo Esportivo e possui mestrado na área de Ciências do Movimento Humano. Tem 40 anos de experiência na área de Recreação, com atuação no Ministério do Esporte, na Secretaria Municipal de Educação e de Esportes, Recreação e Lazer de Porto Alegre, na FUNDERGS e nos Ensinos especial, Fundamental, Médio e Superior.

Profissional Técnico Desportivo
André Luís Rocha Scott (CREF 001215-G/RS)
É atualmente coordenador do Departamento de Basquete do Grêmio Náutico União, além de técnico nas categorias de base e principal do esporte no clube, onde trabalha desde 1992. Atuou como técnico da modalidade também no colégio LaSalle Santo Antônio, onde era professor nos Ensinos Fundamental e Médio. Treinou ainda a Seleção Gaúcha de Basquete nas categorias sub-13, sub-15 e sub-17.

Profissional de Corrida de Rua
Leonardo Rossato Ribas (CREF 003760-G/RS)
Especializado em fisiologia do exercício e em treinamento de atletismo, atua na Sogipa e no grupo PerCorrer. Como treinador de atletismo, participou dos últimos mundiais de atletismo e de revezamento, além dos Jogos Olímpicos do Rio, como treinador da seleção brasileira. Atua também com corrida e caminhada recreativa, com o objetivo maior de proporcionar mais saúde, socialização e qualidade de vida aos praticantes.

Profissional de Saúde
Emilian Rejane Marcon (CREF 002792-G/RS)
É mestre em Ciências da Saúde pela Fundação Universitária de Cardiologia e Doutora em Medicina – Ciências Cirúrgicas pela UFRGS, atuando como pesquisadora nas áreas de obesidade mórbida, exercício físico e cirurgia bariátrica. Atualmente, trabalha no Hospital de Clínicas de Porto Alegre e na Unidade Básica Santa Cecília, onde desenvolve um programa de exercícios físicos para pacientes pré e pós-cirurgia bariátrica.

Clube ou Sociedade
Clube do Professor Gaúcho (CREF 000269-PJ/RS)
O Clube do Professor Gaúcho é a única agremiação social de educadores do Brasil e maior clube classista da América do Sul. Foi fundado em 1966 sob o lema: “a união de uma classe materializada em concreto”. Mantém atualmente três sedes sociais, em Porto Alegre, Santa Maria e Balneário Pinhal, sendo um consagrado espaço de sociabilidade que proporciona convívio entre professores de todas as instituições de ensino.

Academia
Cia Athlética (CREF 001430-PJ/RS)
Presente no mercado há 30 anos, a Cia. Athletica atende 35.000 alunos e conta com 18 unidades pelo Brasil. Em Porto Alegre, conta com ambiente moderno com 3000m² e mais de 30 modalidades de aulas coletivas. A partir de avaliação física e nutricional, sua equipe de profissionais especializada desenvolve um programa completo de atividades de acordo com o perfil, objetivos, preferências e disponibilidade de tempo do aluno.

Veículo de Comunicação
Vozes do Esporte – Rádio Charrua
É um programa de conversa e entrevistas sobre o esporte local e em geral, sendo o mais tradicional programa de esportes da Fronteira Oeste do Estado. Criado para fomentar, discutir, organizar e melhorar o esporte na cidade de Uruguaiana, é apresentado por Vicente Majó da Maia. Está no ar há dezoito anos, sendo cinco na Rádio Charrua, e foi responsável por diversas conquistas na área esportiva da região.

Personalidade do Ano
João Derly
É ex-judoca, bicampeão mundial da modalidade, e também campeão em diversos outros torneios. Participante ativo de campanhas sociais quando atleta, após aposentar-se do judô de alto rendimento fundou o Instituto Pódium, projeto que leva o judô gratuitamente a crianças em situação de vulnerabilidade social. Eleito vereador em 2012 e deputado federal em 2014, tem como principais bandeiras o esporte e as causas sociais.

Troféu Destaque



Fiscalização autua 14 estabelecimentos e fecha uma academia na segunda semana de agosto
22/08/2017
Fonte: CREF2/RS

Os agentes fiscais do CREF2/RS, entre os dias 6 e 14 de agosto, autuaram 14 estabelecimentos em todo o Rio Grande do Sul. Entre as empresas notificadas, oito não possuíam registro, quatro não contavam com um profissional habilitado presente no momento da visita e seis estavam permitindo o exercício ilegal da profissão. Além destas, uma academia foi flagrada descumprindo o Termo de Cooperação previamente assinado e uma outra empresa da área fitness teve as suas atividades suspensas, por funcionar de maneira totalmente irregular, em Canoas.

Porto Alegre, Eldorado do Sul, Esteio, Cachoeirinha e Bento Gonçalves são algumas das cidades por onde também passaram a equipe do Departamento de Fiscalização e Orientação (DEFOR) do CREF2/RS, que realizou 43 visitas e atendeu quatro denúncias, somente na segunda semana de agosto. Outras 12 pessoas também foram autuadas neste período, sendo sete por exercício ilegal da profissão, uma por estar atuando fora da área (Licenciado trabalhando como Bacharel) e três RT’s por descumprirem as funções inerentes ao cargo, previstas no Código de Ética do Profissional de Educação Física.

Internamente, a Fiscalização encaminhou 21 casos para ação civil pública e emitiu 28 notificações para empresas e pessoas que não se regularizaram dentro do prazo previamente estabelecido. Um Processo Administrativo de Fiscalização (PAD FIS) também foi aberto, referente a uma academia reincidente em uma infração gravíssima. Qualquer denúncia pode ser encaminhada ao DEFOR pelo formulário disponível neste link.

Fiscalização DEFOR



Nova edição da CREF2/RS em Revista destaca atividade física no combate ao câncer
17/07/2017
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa o câncer e a atividade física, já está disponível para leitura pela Internet e para download. A publicação relata, ao longo de suas páginas, como o trabalho que envolve a Educação Física é importante para a prevenção e para o tratamento desta doença, que afeta cerca de 500 mil pessoas todos os anos no Brasil. Ainda de acordo com o Instituto Nacional do Câncer, a prática regular de exercícios pode reduzir em até 30% a probabilidade de se desenvolver qualquer tipo de tumor.

Com o intuito de também ampliar o debate sobre a atuação profissional na área da saúde, a reportagem de capa é acompanhada por uma entrevista com Paulo Frenzel (CREF 001404-G/RS), que coordena o setor de Educação Física em duas Unidades Básicas de Saúde, vinculadas ao SUS, em Pelotas. Além deste conteúdo especial, a nova edição do CREF2/RS em Revista ainda apresenta o perfil da personal trainer Liège Gautério (CREF 017513-G/RS), medalhista nos Jogos Mundiais para Transplantados, e matérias sobre a Fiscalização do CREF2/RS e sobre o Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar.

Você também pode acessar a edição online da nossa publicação diretamente pela plataforma Issuu, cujo aplicativo gratuito está disponível para tablets e para smartphones em geral.

Revista câncer



Qual a diferença entre Sindicato e Conselho Profissional?
10/05/2017
Fonte: CREF2/RS

O Conselho Regional de Educação Física é uma Autarquia criada por Lei, com o objetivo de fiscalizar e regulamentar a profissão da Educação Física. Diferentemente do Sindicato. Não tem como missão defender os interesses econômicos e trabalhistas da classe profissional.

Por outro lado, o dever do Conselho é garantir o direito da sociedade em ter uma prestação de serviço de qualidade, ministrada por profissional habilitado. Ainda, o Conselho tem como dever garantir o cumprimento dos preceitos éticos da profissão, punindo aqueles profissionais, após devido processo ético, que infringirem os deveres e obrigações dispostos no Código de Ética Profissional.

Ao questionamento: o que o CREF faz pelos profissionais, só há uma resposta possível: o Conselho, por meio de sua fiscalização, visa garantir que os profissionais sem formação não atuem na área da Educação Física, ou seja, impede o exercício ilegal da profissão. Portanto, o CREF não é órgão assistencial, nem sindical e sim ente de fiscalização profissional, e tem como meta garantir o direito da sociedade de ter profissional habilitado e serviço de qualidade na área da Educação Física.

O Sindicato é uma associação para defesa e coordenação dos interesses econômicos e/ou profissionais dos indivíduos (empregados, empregadores, profissionais liberais, autônomos, etc.) que exercem a mesma atividade ou atividades similares ou conexas.

A livre associação sindical resta prevista no artigo 8º da Constituição Federal, sendo importante ressaltar alguns pontos referentes ao tema: 1º0 nos termos do inciso III cabe ao sindicato a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas; e 2º0 conforme inciso V ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a sindicato. Diante disto, concluímos que o Sindicato é o responsável pela defesa dos direitos e interesses relacionados `categoria, inclusive no âmbito judicial. No entanto, os profissionais não são obrigados à filiação.

Nestes termos é o Sindicato quem auxilia os profissionais de Educação Física quanto a questões como piso salarial, carga horária, assinatura de carteira de trabalho, remuneração e outras demandas trabalhistas. Para esclarecer qualquer dúvida ou mesmo ingresso com demanda trabalhista, o profissional de Educação Física deve buscar orientação junto ao Sindicato dos Profissionais de Educação Física do Rio Grande do Sul (SINPEF/RS). A entidade é o órgão competente para garantir, lutar e exigir os direitos da categoria.

O SINPEF/RS atende de segunda a sexta-feira, das 13h às 17h, na Praça Osvaldo Cruz, 15/2014, no Centro de Porto Alegre. Mais informações pelo telefone (51) 3085-9529 ou pelo e-mail contato@sinpefrs.com.br

SINPEF RS



RT: toda academia deve ter o seu responsável técnico
13/04/2017
Fonte: CREF2/RS

Toda academia de atividades físicas, escolinhas desportivas e demais empresas do setor, ao se registrarem no CREF2/RS, juntam em seus assentamentos um Termo de Responsabilidade Técnica assinado pelo Profissional de Educação Física que assume este encargo. A Lei Federal no 6839/80 estabelece esta exigência legal, ao determinar em seu artigo 1º que o registro de empresas e a anotação dos profissionais legalmente habilitados, delas encarregados, serão obrigatórios nas entidades competentes para a fiscalização do exercício das diversas profissões.

Sendo que, no campo da Educação Física, somente profissionais com habilitação como Bacharel poderão assumir tal função. Ser o Responsável Técnico significa dizer que este profissional não pode se eximir de sua responsabilização sobre qualquer fato incidental ou acidental que envolva os aspectos técnicos e éticos do trabalho que é realizado em todos os horários e modalidades existentes na empresa. Para se ter uma ideia, o RT (sigla habitualmente usada para designar o Responsável Técnico) assume responsabilidade sobre a segurança e a qualidade dos equipamentos, do espaço físico, das condições de higiene, da regularidade dos estágios e estagiários e de todo o corpo técnico, coordenando e zelando pelo mais correto andamento do trabalho desenvolvido.

Os proprietários de estabelecimentos que ofereçam serviços na área de atividades físicas certamente possuem sua parcela de responsabilidade, mas sempre será o Responsável Técnico o primeiro a responder perante o consumidor do serviço, à Justiça, Polícia, Vigilância Sanitária, Administração Pública em geral e, logicamente, perante o CREF e o CONFEF.

São atribuições do Responsável Técnico:

• Coordenar as atividades dos Profissionais de Educação Física;
• Zelar pela boa qualidade e eficiência dos serviços prestados pelos profissionais de Educação Física;
• Zelar pelo respeito às disposições gerais da Profissão e do estabelecimento;
• Prestar apoio às atividades de atendimento e ensino, no caso de estágios curriculares acadêmicos;
• Perceber e analisar as modificações e inclusões de procedimentos;
• Inspecionar as condições físicas e tecnológicas para o atendimento;
• Coordenar o corpo técnico do estabelecimento;
• Supervisionar a execução das intervenções profissionais nas diversas atividades e programas;
• Zelar pelo fiel cumprimento do Código de Ética do Profissional de Educação Física.

O responsável técnico também está sujeito às penalidades previstas nas demais leis como qualquer outro cidadão.

Leia na íntegra a Resolução CONFEF nº 134/2007 que normatiza o RT aqui.
No site do CREF2/RS estão disponíveis os documentos para atualização do RT da empresa. A exclusão de RT de uma empresa pode ser solicitada pela empresa ou pelo próprio profissional. Acesse o link e saiba mais.

Rensponsável Técnico



Reunião da Câmara da Saúde do Fórum/RS discute EAD
16/03/2017
Fonte: CREF2/RS

O vice-presidente do CREF2/RS, Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), esteve presente nesta terça-feira, dia 14, da reunião da Câmara da Saúde do Fórum dos Conselhos Profissionais do Rio Grande do Sul (Fórum/RS), realizada na sede da OAB. Entre as putas discutidas, o risco de extinção dos cargos SUSEPE, o termo de cooperação técnica dos Conselhos Profissionais com Ministério Público do RS, Observatórios Sociais e o Movimento dos Conselhos Profissionais da área da saúde contra os cursos de graduação predominantemente na modalidade EAD, entre outros.

Segundo Lauro, o MEC já autorizou 274,1 mil vagas de ensino a distância, em 11 das 14 profissões da saúde. “A Educação Física tem uma oferta de 68 mil vagas”, alerta o vice-presidente. Para seu funcionamento, os cursos EAD deveriam obedecer uma série requisitos, mas que na prática não são cumpridos, tais como: não observância às diretrizes curriculares, bem como a carga horária e sua integralização; deficiência nas avaliações; falta de capacitação dos docentes; inexistência de estágios obrigatórios e atividades laboratoriais, dentre outros. Aliados a esses elementos que não condicionam a uma formação de qualidade, há uma proposta de mudança por parte do MEC, que altera o Decreto nº 5.622/2005, comprometendo ainda mais a qualidade da formação.

“O EAD deixa de exigir o credenciamento prévio para oferta presencial; credenciamento único para oferta de graduação e de pós-graduação lato sensu; credenciamento lato sensu EAD fica restrito às escolas de governo”, explica Lauro. Já os polos de apoio presencial passam a ser criados pelas instituições de ensino, que deverão informá-los ao MEC, no prazo de 60 dias, a partir da expedição do ato interno de criação, respeitando o quantitativo anual .

Os tutores que exercem atividades compatíveis com a docência deverão ser contratados como docentes (tutores a distância) e fica prevista a possibilidade de oferta de curso EAD totalmente virtual, mas, inicialmente, somente em caráter experimental e condicionado à autorização pelo MEC, mesmo para instituições com autonomia (Art. 10). A IES somente poderá pedir curso 100% virtual após o reconhecimento do primeiro curso EAD. O que, para o vice-presidente do CREF2/RS, é um erro pedagógico, já que no ensino da Educação Física faz-se indispensáveis aulas presenciais. “É necessário um amplo debate sobre o tema do EAD, pois corremos o risco de precarizar ainda mais nosso ensino”, alerta Lauro.

FÓRUM RS - Câmara da Saúde



Reunião da Câmara da Saúde do Fórum/RS discute EAD
16/03/2017
Fonte: CREF2/RS

O vice-presidente do CREF2/RS, Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), esteve presente nesta terça-feira, dia 14, da reunião da Câmara da Saúde do Fórum dos Conselhos Profissionais do Rio Grande do Sul (Fórum/RS), realizada na sede da OAB. Entre as pautas discutidas, o risco de extinção dos cargos SUSEPE, o termo de cooperação técnica dos Conselhos Profissionais com Ministério Público do RS, Observatórios Sociais e o Movimento dos Conselhos Profissionais da área da saúde contra os cursos de graduação predominantemente na modalidade EAD, entre outros.

Segundo Lauro, o MEC já autorizou 274,1 mil vagas de ensino a distância, em 11 das 14 profissões da saúde. “A Educação Física tem uma oferta de 68 mil vagas”, alerta o vice-presidente. Para seu funcionamento, os cursos EAD deveriam obedecer uma série requisitos, mas que na prática não são cumpridos, tais como: não observância às diretrizes curriculares, bem como a carga horária e sua integralização; deficiência nas avaliações; falta de capacitação dos docentes; inexistência de estágios obrigatórios e atividades laboratoriais, dentre outros. Aliados a esses elementos que não condicionam a uma formação de qualidade, há uma proposta de mudança por parte do MEC, que altera o Decreto nº 5.622/2005, comprometendo ainda mais a qualidade da formação.

“O EAD deixa de exigir o credenciamento prévio para oferta presencial; credenciamento único para oferta de graduação e de pós-graduação lato sensu; credenciamento lato sensu EAD fica restrito às escolas de governo”, explica Lauro. Já os polos de apoio presencial passam a ser criados pelas instituições de ensino, que deverão informá-los ao MEC, no prazo de 60 dias, a partir da expedição do ato interno de criação, respeitando o quantitativo anual .

Os tutores que exercem atividades compatíveis com a docência deverão ser contratados como docentes (tutores a distância) e fica prevista a possibilidade de oferta de curso EAD totalmente virtual, mas, inicialmente, somente em caráter experimental e condicionado à autorização pelo MEC, mesmo para instituições com autonomia (Art. 10). A IES somente poderá pedir curso 100% virtual após o reconhecimento do primeiro curso EAD. O que, para o vice-presidente do CREF2/RS, é um erro pedagógico, já que no ensino da Educação Física faz-se indispensáveis aulas presenciais. “É necessário um amplo debate sobre o tema do EAD, pois corremos o risco de precarizar ainda mais nosso ensino”, alerta Lauro.

FÓRUM RS - Câmara da Saúde



Nova edição da CREF2/RS em Revista discute novos rumos da Educação Física escolar
03/03/2017
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa os novos rumos da Educação Física escolar, já está disponível para leitura pela Internet e para download. A publicação discute, na sua matéria principal, como a MP 746/2016 e a PEC 55/2016, recentemente aprovadas pela Câmara e pelo Senado, podem modificar o ensino no Brasil.

Além desta reportagem, a revista também apresenta os números recordes atingidos pela Fiscalização em 2016; a cobertura do Dia Estadual da Ginástica Laboral, realizado pelo CREF2/RS no último mês de novembro; o perfil da professora Virgínia Wolffenbüttel (CREF 000055-G/RS) e um relato sobre o trabalho desenvolvido por Marco Aurélio Iorio (CREF 021919-P/RS) e Diego Model (CREF 017263-G/RS) a favor do esporte. A publicação ainda mostra como as alternativas de acessibilidade da Fit Academia (CREF 002825-PJ/RS) podem servir de exemplo para todas as outras empresas que atuam neste mesmo segmento.

Você também pode acessar a edição online diretamente pela plataforma Issuu, disponível para a leitura em computadores, tablets e smartphones.

Revista Educação Física escolar



Educação Física permanece obrigatória no Ensino Médio
16/02/2017
Fonte: CONFEF

Na última quarta-feira, 08/02, o Plenário do Senado aprovou a Medida Provisória do Novo Ensino Médio, com 43 votos favoráveis e 13 votos contrários ao Projeto de Lei de Conversão (PLV) 34/2016 - proposta originada após alterações promovidas na MPV 746/2016 pela Comissão Mista e pela Câmara dos Deputados.

O texto aprovado na Câmara dos Deputados determina que a Base Nacional Comum Curricular deverá incluir, obrigatoriamente, estudos e práticas de Educação Física. A matéria segue à sanção presidencial.

Mais do que uma vitória para a categoria, a decisão é de extrema importância para as crianças e jovens que encontram na disciplina um importante aliado no desenvolvimento dos conhecimentos básicos em relação à instrução física, ao bem-estar e às capacidades físicas. Quando devidamente organizada, ensinada e, dotada de recursos, a Educação Física pode oferecer uma ampla gama de benefícios aos indivíduos, às famílias, às comunidades e à sociedade em geral, conforme orientação da Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte (UNESCO).

Entenda a tramitação

O Governo Federal encaminhou ao Congresso Nacional, no dia 22/09, a Medida Provisória (MP) 746/2016 para reestruturação do Ensino Médio. A MP alterava, entre outros, o Art.26 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e a disciplina de Educação Física, que antes era prevista em todas as etapas da Educação Básica (Infantil, Fundamental e Médio), passava a ser obrigatória apenas nos ensinos Infantil e Fundamental.

A partir do anúncio da MP, o Sistema CONFEF/CREFs se mobilizou junto aos parlamentares, Profissionais de Educação Física e a sociedade como um todo. As ações incluíram participação em Audiências Públicas, visitas a gabinetes de Deputados, Senadores e Ministro da Educação. Devido a mobilização, antes de seguir para análise da Comissão Mista (formada por Deputados e Senadores), a MP recebeu 568 emendas de 93 parlamentares. Entre as mudanças sugeridas, a obrigatoriedade da Educação Física esteve presente em grande parte das emendas.

Logo em seguida, a Comissão Mista foi instaurada sob presidência e vice-presidência do deputado Izalci Lucas e senador Elmano Férrer, respectivamente, e relatoria do senador Pedro Chaves. A comissão aprovou alterações na MP, como o retorno das disciplinas de Educação Física e Artes. O texto, como Projeto de Lei de Conversão (PLC) 34/2016, seguiu para análise dos Plenários da Câmara e do Senado Federal. No Senado, a MP foi aprovada e segue para sanção presidencial.

Educação Física Escolar



Diferenças de registro de Pessoa Física e de Pessoa Jurídica
30/01/2017
Fonte: CREF2/RS

Dúvidas relativas aos registros no CREF2/RS para Pessoas Físicas e Pessoas Jurídicas são comuns. A Lei Federal Nº 9.696/98 dispõe sobre a regulamentação da profissão de Educação Física e cria os respectivos Conselho Federal e Regionais, sendo que a Lei Federal Nº 6.839/80 já colocava sobre a obrigatoriedade do registro de empresa nas entidades fiscalizadora do exercício da profissão.

O registro da Pessoa Física está vinculado ao CPF e habilita o profissional a exercer a atividade dentro da habilitação em que foi comprovada formação, de acordo com a base legal fornecida pela faculdade. Licenciados têm permissão para atuar na Educação Básica, formada pela educação infantil, ensino fundamental e médio, enquanto bacharéis estão habilitados para atuar no âmbito das academias, da ginástica laboral, dos clubes e como personal trainer, entre outros. Além disso, cada bacharel pode atuar como responsável técnico em até dois estabelecimentos.

Além dessas duas categorias, existem ainda os registros de provisionados: pessoas que comprovaram pelo menos três anos de atuação antes da data da regulamentação da profissão, obtendo permissão do Conselho para atuar em uma modalidade específica. A Cédula de Identidade Profissional do CREF2/RS, válida como documento identidade em todo o território nacional, identifica a categoria em que ele está habilitado a trabalhar.

Já o registro de Pessoa Jurídica deve ser obtido por todos os estabelecimentos prestadores de serviços na área de atividades físicas, desportivas ou similares. Este registro está vinculado ao CNPJ e deve ser solicitado pelo seu representante legal. Proprietários de uma PJ relacionada à Educação Física não precisam obrigatoriamente possuir registro de Pessoa Física, desde que não ministrem aulas ou orientem alunos. No entanto, todas empresas devem manter em tempo integral no seu estabelecimento um profissional de Educação Física registrado no Conselho, com habilitação em bacharelado.

O Certificado de Funcionamento é o documento que identifica o registro de uma PJ e seu responsável técnico. Emitido anualmente pelo CREF2/RS, este documento é enviado via correio para o endereço de registro da empresa.

Outro item importante é que o pagamento da anuidade de um tipo de registro não exclui o outro pagamento. Como possuem objetivos diferentes, o profissional de Educação Física que for proprietário de uma empresa de serviços de atividade física e atuar na área terá que manter em dia suas obrigações estatutárias previstas para o registro de Pessoa Física e de Pessoa Jurídica. Em caso de dúvida, entre em contato pelo telefone (51) 3288-0200 ou pelo e-mail contato@crefrs.org.br.

Registro Fiscalização



Nova edição da CREF2/RS em Revista aborda legado deixado pela Olimpíada
22/12/2016
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa o legado dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, já está disponível para leitura pela Internet e para download. A publicação relata, ao longo de suas páginas, como a competição esportiva mais importante do mundo pode se transformar, já a partir de agora, em um estímulo à prática esportiva e ao fortalecimento de diversas modalidades, assim como da Educação Física escolar.

Com o intuito de ampliar o debate, a reportagem de capa foi dividida em seis matérias principais, que relatam o ciclo olímpico de atletas, de treinadores e de profissionais de Educação Física que se envolveram com os Jogos do Rio. O canoísta Gilvan Ribeiro, o corredor Fabiano Peçanha (CREF 022437-G/RS), os técnicos de esgrima Alexandre Teixeira (CREF 00786-G/RS) e Eduardo Nunes (002764-G/RS) e técnico de tênis de mesa em cadeira de rodas Luciano Possamai (CREF 02066-G/RS), assim como os profissionais Idete Kunrath (CREF 013402-G/RS), Giovani Piloti (CREF 013810-G/RS) e Clery de Lima (CREF 000297-G/RS0), que lá estiveram trabalhando como voluntários ou como jornalista, comentam as suas respectivas vivências olímpicas.

Além deste conteúdo especial, a nova edição do CREF2/RS em Revista ainda apresenta o perfil do treinador de judô da Sogipa Kiko Pereira (CREF 003345-G/RS) e matérias sobre a Fiscalização do CREF2/RS e sobre o Seminário de Educação Física Escolar de Caxias do Sul. Você também pode acessar a edição online diretamente pela plataforma Issuu, disponível para a leitura em computadores, tablets e smartphones.

Revista Jogos Olímpicos Olimpíada



CREF2/RS defende Secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer na Câmara de Vereadores de Porto Alegre
22/12/2016
Fonte: CREF2/RS

Na manhã desta quinta-feira, dia 22 de dezembro, o vice-presidente do CREF2/RS Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS) esteve na Câmara Municipal de Porto Alegre para buscar o apoio dos vereadores contra a proposta de extinção da Secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer (SME). A votação está prevista para ocorrer hoje à tarde e os representantes do Plenário receberam uma carta, que apresenta os motivos para a continuidade do trabalho da SME e os benefícios que são proporcionados pelo órgão para toda a sociedade. O texto na íntegra segue abaixo:

O Conselho Regional de Educação Física da 2ª Região (CREF2/RS), representando cerca de 10 mil profissionais de Educação Física e 800 empresas registradas apenas em Porto Alegre, vem ratificar a importância da manutenção da Secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer (SME), que tem sido referência na execução e na propagação de políticas públicas de esporte e de lazer, constituindo significativos programas e projetos na área do esporte escolar e da saúde.

Desde a sua criação nos anos 1920, a SME vem cumprindo o seu papel institucional com excelência, cuja função para a sociedade porto-alegrense é fundamental e imprescindível, gerando ações que oportunizam a prática da atividade física e do esporte, nas suas mais diversas modalidades e dimensões, além de fomentar a formação de novos profissionais de Educação Física.

Através do esporte e do exercício físico, a população de Porto Alegre tem demonstrando uma grande melhora na sua qualidade de vida, mesmo diante de números preocupantes apresentados em 2016 pelo Ministério da Saúde, em que relaciona 50% da população brasileira ao sobrepeso e a algum tipo de doença relacionada à obesidade, como hipertensão e diabetes. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, para cada R$ 1,00 investido em esporte e em atividade física são poupados outros R$ 5,00 em saúde.

Diante desse quadro, somente com a permanência da SME será possível desonerar a Prefeitura e os postos de saúde, solidificando as políticas públicas das quais a sociedade vem sendo beneficiada por meio do esporte e da atividade física. O CREF2/RS, seguro de contar com o vosso apoio na busca constante dos interesses da sociedade, está à disposição para esclarecer eventuais questionamentos.

Porto Alegre



CREF2/RS e deputado João Derly se unem contra a MP 746
28/10/2016
Fonte: CREF2/RS

A presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e o vice-presidente Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS) estiveram reunidos, na tarde de hoje, dia 28 de outubro, com o deputado federal João Derly. O objetivo do encontro foi buscar apoio para a mobilização dos profissionais de Educação Física e das instituições de ensino para participarem da audiência pública a favor da obrigatoriedade da Educação Física no currículo escolar do Ensino Médio, que será realizada no dia 11 de novembro, na Câmara Municipal de Porto Alegre.

A sessão, proposta pela Frente Parlamentar Mista do Esporte, foi idealizada por Derly, coordenador do grupo. O Deputado, que concorda com a necessidade de uma reforma no Ensino, destacou que as disciplinas, como a Educação Física, na verdade precisam ser aperfeiçoadas, não excluídas do currículo, como propõe a MP 746. “A Câmara Legislativa deveria discutir o que pode ser feito para melhorar a educação. A Educação Física é um componente obrigatório e essencial, que precisa urgentemente da definição de um currículo mínimo e de uma estratégia pedagógica clara”, declarou.

No encontro, Carmen firmou o compromisso do CREF2/RS em lutar contra a aprovação da MP 746 e também salientou que o investimento na Educação Física, sobretudo no ambiente escolar, pode representar uma economia para o Poder Público, em longo prazo. “Diversos estudos têm mostrado que o exercício físico é uma forma valiosa de se prevenir diversas doenças”, comentou. “A criança que não é sedentária, que é atendida de maneira correta pela Educação Física escolar, não tem o seu desenvolvimento motor e cognitivo prejudicados e se torna um adulto ativo e meno propenso a diversas doenças, desonerando assim o Sistema Único de Saúde”.

Depois desta audiência pública em Porto Alegre, o objetivo é levar a discussão também para Brasília. Como adiantou Derly, a ideia é reunir o maior número de pessoas possíveis, entre profissionais de Educação Física e representantes do esporte, em um ato contra a MP 746. A data prevista para a votação da Medida Provisória é os dias 22 e 23 de novembro.

Audiência Pública pela obrigatoriedade da Educação Física
Data: sexta-feira, dia 11 de novembro, às 9h30min
Local: Câmara Municipal de Porto Alegre – Plenário Ana Terra
Endereço: Avenida Loureiro da Silva, 255 – Centro Histórico
Entrada gratuita

MP 746 Audiência Pública



Nova edição da revista do CREF2/RS aborda doenças respiratórias
25/10/2016
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como matéria de capa as doenças respiratórias, já está disponível para download no site do CREF2/RS. A publicação explica, ao longo da sua reportagem principal, como este tipo de problema, que atinge 20% da população brasileira, pode ser prevenido e tratado de maneira eficiente com um programa de exercícios físicos, sempre orientado por um profissional de Educação Física.

Além deste assunto, a publicação também apresenta os vencedores do Troféu Destaque 2016, realizado em setembro pelo Conselho, e conta como foram as comemorações do Dia do Profissional de Educação Física, com o CongregaCREF. Também fala sobre as ações de fiscalização, que bateram um recorde de academias fechadas neste ano, e traça o perfil de Fabiano Miguel (CREF 009594-G/RS), um dos primeiros profissionais de Educação Física a ingressar em um Programa de Pós-graduação em Biologia Celular e Molecular no Estado.

Desde a última edição, os exemplares impressos da CREF2/RS em Revista são enviados somente às Pessoas Jurídicas registradas. Já os profissionais e os demais interessados pela área podem baixar a versão em PDF da revista diretamente por aqui ou também acessar a edição online diretamente pela plataforma Issuu, disponível gratuitamente para a leitura em computadores, tablets e smartphones.

Revista doenças respiratórias Troféu Destaque



Medida Provisória recebe mais de 500 emendas no Senado
30/09/2016
Fonte: CONFEF

Após a grande mobilização do Sistema CONFEF/CREFs e de muitos profissionais de Educação Física de todo o Brasil, a Medida Provisória (MP) de Reforma do Ensino Médio recebeu 567 emendas de deputados e senadores até o final da noite da última quinta-feira, dia 29 de setembro. Os parlamentares cobram, entre outras demandas, que a disciplina de Educação Física seja obrigatória em todo o Ensino Médio.

O texto será analisado primeiro por uma comissão mista e depois pela Câmara e pelo Senado. Nesta semana, a MP já havia sido alvo de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal, sendo aceita pelo ministro Edson Fachin, que decidiu levar ao plenário da Corte o processo.

Publicada no dia 23 de setembro pelo Governo Federal, a Medida altera o Artigo 26 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). A disciplina de Educação Física, que antes era prevista em todas as etapas da Educação Básica (Infantil, Fundamental e Médio), passa a ser obrigatória apenas nos Ensinos Infantil e Fundamental.

O Sistema CONFEF/CREFs segue atento e na luta contra a Medida Provisória que restringe direitos consagrados na escola. No portal do Senado Federal, há uma consulta pública para receber a opinião da sociedade. Dê o seu voto aqui. Há também um abaixo-assinado do Sistema CONFEF/CREFs contra a MP, que já conta com mais de 100 mil participações. Assine aqui.

Educação Física Escolar Medida Provisória CONFEF



CONFEF se posiciona contra Medida Provisória de reforma do Ensino Médio
23/09/2016
Fonte: CONFEF

O Conselho Federal de Educação Física publicou uma nota ontem, dia 23 de setembro, se posicionando radicalmente contra a Medida Provisória apresentada pelo Governo Federal, que altera os parágrafos 1º, 2º, 3º e 7º do artigo 26 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Com a mudança, a disciplina de Educação Física, que antes era prevista em todas as etapas da Educação Básica (Infantil, Fundamental e Médio) passa a ser obrigatória apenas nos Ensinos Infantil e Fundamental.

O CONFEF considera um contrassenso que, no momento em que inúmeras pesquisas apontam o crescimento da obesidade e do sedentarismo infantojuvenil, e sabendo que a atividade física é a medida mais eficaz para evitar esse mal, o Governo proponha a retirada da Educação Física do Ensino Médio. Sobretudo por se tratar do país que acabou de atravessar a década de megaeventos esportivos, sediando recentemente os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, em que ficou clara a importância da atividade física na manutenção da saúde e da formação cidadã.

A MP ainda terá de ser aprovada em até 120 dias pela Câmara e pelo Senado, caso contrário, perderá o efeito. Desta forma, o Conselho Federal de Educação Física se compromete a fazer todo o esforço possível junto ao Congresso Nacional a fim de rejeitar a medida. Conta ainda com o apoio dos profissionais de Educação Física e da sociedade em geral para trabalhar junto aos deputados e senadores para a reprovação da proposta.

Atualização: Embora em seu texto final a Medida Provisória indique que o ensino de artes, Educação Física, filosofia e sociologia deverá continuar em vigor até o segundo ano letivo posterior à aprovação da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC), o MEC manteve o trecho que retira da LDB a garantia explícita de que essas disciplinas já consolidadas deveriam ser aplicadas no Ensino Médio.

Sendo assim, o Conselho Federal de Educação Física permanece comprometido a fazer todo o esforço possível junto ao Congresso Nacional a fim de rejeitar a medida. Ademais, já temos conhecimento de pelo menos cinco parlamentares que se comprometeram a propor emendas à MP. Continuamos contando com o apoio dos profissionais de Educação Física e da sociedade em geral para trabalhar junto aos Deputados e Senadores dos seus respectivos estados a reprovação da MP.

No portal do Senado Federal, há uma consulta pública para receber a opinião da sociedade. Dê o seu voto aqui. Há também um abaixo-assinado contra a MP que já conta com mais de 100 mil assinaturas. Assine-o aqui.

CONFEF



Câmara Técnica de Futebol organiza divulgação de ações na mídia
09/08/2016
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Técnica de Futebol do CREF2/RS realizou, no dia 3 de agosto, sua terceira reunião do ano, contando com a presença do seu presidente Alessandro de Azambuja Gamboa (CREF001534-G/RS) e dos convidados Luiz Afonso Gomes (CREF 000484-G/RS) e Everton Pergher (CREF 020632-G/RS). No início da reunião debateu-se o baixo índice de comparecimento nas reuniões da Câmara, e o impacto negativo que isto traz para as estratégias que pretendem uma melhor inserção do profissional de Educação Física no Futebol.

Na pauta, debateu-se a criação da Missão e Visão da Câmara de Futebol. Entre os debates, observou-se a necessidade de se criar e aprimorar os procedimentos e as ações do profissional no Futebol em seus diferentes âmbitos. Já em relação à Visão, estabeleceu-se a necessidade dos profissionais de Educação Física serem referência em assuntos referentes ao Futebol.

Após a discussão e análise do contexto do Futebol e do CREF2/RS, decidiu-se a divulgação da Câmara de Futebol nas mídias e universidades, além de matérias na revista e boletim eletrônico do CREF2/RS. Também ficou acertado convidar o SINPEFRS e as APEF RS para participar da próxima reunião da Câmara.

Câmara Técnica de Futebol



CREF2/RS em Revista: Nicolas Sanchez é um dos árbitros de tênis selecionados para a Olimpíada
29/07/2016
Fonte: CREF2/RS em Revista

O “uruguaio-gaúcho” Nicolas Sanchez (CREF 012322-G/RS), professor de tênis do Teresópolis Tênis Clube, é um dos convocados pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) para fiscalizar os melhores tenistas do mundo, que vão participar da próxima Olimpíada. Natural da cidade de Nueva Helvecia, Sanchez se mudou para Porto Alegre ainda durante a infância, quando o seu pai, um tenista profissional de grande sucesso em terras uruguaias, foi contratado pela Sogipa, na década de 80.

Juiz de linha há 15 anos, o árbitro tem uma extensa lista de campeonatos no currículo, que inclui o Pan-americano de 2007 e o Rio Open, realizado no ano passado. Preparado para vivenciar o maior evento esportivo do mundo, Sanchez quer aproveitar a ida ao Rio de Janeiro também para adquirir conhecimento. A entrevista, que reproduzimos parcialmente abaixo, foi publicada na última edição do CREF2/RS em Revista sobre os Jogos Olímpicos e pode ser conferida na íntegra no link.

Por que ser árbitro e não atleta?

O fato de ser árbitro e não atleta, pra mim, foi algo que teve uma transição natural. Queria continuar neste meio esportivo e, para isto, já tinha feito o curso da Federação Internacional de Tênis (ITF). Rapidamente, já estava arbitrando os maiores tenistas do mundo . No momento, estou atuando somente nos torneios da ITF, da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) e da Associação de Tênis Feminino (WTA), como árbitro de linha. Vale salientar que esta parte de já ter sido atleta e conhecer alguns tenistas profissionais torna o meu trabalho um pouco mais fácil, porque este conhecimento me dá toda a base de como o jogo vai ser.

O que é mais motivador e desafiador no seu dia a dia de trabalho como juiz?

O que mais me motiva em ser árbitro é ter a oportunidade de conhecer os maiores tenistas do mundo e fazer parte dos torneios da ATP e da WTA. O árbitro é fundamental para o andamento de cada torneio. Quanto aos desafios, às vezes não são as jogadas que exigem mais, mas o conjunto, o torneio como um todo. Tem vezes que pegamos partidas longas, tenistas complicados, calor, e tudo isto nos demanda uma concentração redobrada, para não perder o foco na partida. É como se estivéssemos dentro da quadra jogando! O atleta, quando não está concentrado, acaba perdendo a partida. No nosso caso, podemos perder a marca da bola, um ponto, e assim tornar a partida mais tensa do que o normal.

Além da sua carreira como árbitro, você também é professor de tênis. Como fazer para conciliar as duas profissões?

As duas carreiras são bem tranquilas de administrar, porque as aulas não são competitivas, são apenas sociais, com cunho da aprendizagem e da saúde. Elas não comprometem em nada as arbitragens. Se optasse por treinar alguma equipe profissional, mesmo em nível estadual, eu teria que escolher a carreira de árbitro ou de treinador. Sou presidente da Associação Gaúcha de Árbitros de Tênis (AGAT) e o item mais importante é este: o árbitro não pode estar ligado a nenhuma equipe ou clube. Além disto, é muito interessante arbitrar os torneios profissionais e passar as experiências e as curiosidades do mundo do tênis para os alunos, mesmo que eles sejam apenas tenistas de primeira viagem. Também passo para eles informações de como funcionam os rankings, as competições da ATP e da WTA, quais os tenistas que estão em ascensão. Repasso ainda o calendário dos torneios, pois é muito importante que eles vejam ao vivo, bem de perto, como o esporte funciona.

As suas primeiras competições internacionais como árbitro foram os Jogos Pan-americanos do Rio e a Copa Davis. Como surgiram essas primeiras oportunidades, em eventos de grande visibilidade?

As maiores competições foram, realmente, o Pan-americano de 2007 e a Copa Davis, em duas oportunidades, em 2012 e 2015. Antes, eu já tinha arbitrado torneios, futures e challengers de nível da ITF e da ATP. As oportunidades surgiram pelo bom desempenho e alto nível da arbitragem que sempre mostrei dentro da quadra, me destacando como chefe de equipe. A Olimpíada será a maior competição em que irei atuar, mas são inúmeros os torneios de alto nível que já participei. Um dos últimos foi o Rio Open 2016, onde pude arbitrar os jogos de Rafael Nadal, John Isner, Pablo Cuevas, entre outros tenistas do primeiro escalão mundial.

Como você está se preparando para a Olimpíada? O que está sendo diferente no seu dia a dia?

A preparação mais intensa iniciamos em janeiro deste ano, com a convocação para os torneios mais importantes e que contaram com a participação de tenistas de ponta, que exigem o máximo de cada árbitro. Tem também a parte da saúde física e mental, que é importante para permanecermos muito bem concentrados dentro da quadra. O meu dia a dia ainda continua o mesmo, mas acredito que em breve já estaremos com atividades específicas para a Olimpíada.

Quais são as suas expectativas com os Jogos Olímpicos deste ano? O que você espera levar desta experiência para a sua carreira de professor e de árbitro de tênis?

As expectativas são as melhores possíveis! Espero respirar cada momento desta atmosfera esportiva, que é o maior evento esportivo do mundo. Quero aprender e absorver tudo que for possível, já que os Jogos Olímpicos não são só a modalidade de tênis, mas também todos os outros esportes. Espero que ocorra tudo como planejado, já que penso que a Olimpíada não voltará para o Brasil tão cedo. Só terei esta única oportunidade. Quero trazer para cá um legado da mais alta qualidade e poder dizer para a minha filha, para os alunos e para os amigos que fiz história, participando como árbitro da Olimpíada.

O tênis brasileiro nunca ganhou uma medalha olímpica, mesmo que tenha revelado grandes atletas. O que a modalidade ainda precisa desenvolver para se tornar competitiva também nos Jogos Olímpicos?

Tivemos e ainda temos tenistas extraordinariamente talentosos. Atualmente, o melhor tenista brasileiro, Thomaz Bellucci, está na 35ª colocação do ranking da ATP. No feminino, a melhor é a Teliana Pereira, que está na 86ª posição. Eles terão a dura missão de trazer uma medalha olímpica. Já nas duplas, temos uma real possibilidade, pois o Marcelo Mello está no 2º lugar e formará a dupla com o Bruno Soares, que se encontra na 7ª colocação. Um torneio singular, como a Olimpíada, mexe com a cabeça. Ela aparece a cada quatro anos e, quando os atletas estão lá, ficam deslumbrados com a grandiosidade. Nem todos estão focados na medalha de ouro e acabam por se distrair com a estrutura do evento. No tênis, sempre falamos que o atleta é 50% cabeça, ou seja, ele depende de concentração total. Os atletas brasileiros devem trabalhar isto para almejar o brilho do ouro.

Como o tênis brasileiro pode crescer depois dos Jogos Olímpicos?

O esporte no Brasil, de um modo geral, nunca aproveita 100% o legado deixado. Passamos por isso no Pan-americano e na Copa do Mundo. Cabe às entidades esportivas pensarem de uma maneira mais decisiva. Praticamente, vivemos só do futebol no Brasil, mas temos várias modalidades que precisam de investimentos, pois têm grandes talentos sem oportunidade e patrocínio. Acredito que, nesta Olimpíada, os verdadeiros gestores se sentirão influenciados e verão que o esporte necessita de apoio em longo prazo. No tênis, sempre dizemos que o importante é investir nas categorias de base, através de escolinhas comunitárias gratuitas e quadras públicas, facilitando o interesse da população pela modalidade. Já fiz muitos cursos nas maiores escolas de tênis do mundo e todos são taxativos: o maior investimento deve ser nas categorias de base e na formação.

Tênis Olimpíada Jogos Olímpicos



CONFEF publicará fotos dos profissionais de Educação Física que carregaram a Tocha Olímpica
26/07/2016
Fonte: CREF2/RS

A próxima edição da Revista Educação Física, publicada pelo CONFEF, homenageará os profissionais de Educação Física que carregaram a Tocha Olímpica, publicando suas fotos durante o momento histórico. Essa é uma boa oportunidade para dar visibilidade aos profissionais gaúchos que tiveram a honra de participar do revezamento pelos municípios gaúchos. Participe enviando seu nome e a foto com a Tocha para o e-mail contato@crefrs.org.br até o dia 25 de agosto.

Tocha Olímpica



CREF2/RS em Revista: Frederico Guariglia fala sobre natação e Jogos do Rio
26/07/2016
Fonte: CREF2/RS em Revista

Há 13 anos no Grêmio Náutico União, Frederico Guariglia (CREF 003724-G/RS) está pronto para encarar a sua segunda Olimpíada como treinador. O técnico da nadadora Graciele Herrmann, uma das grandes revelações do esporte gaúcho na última década, nunca foi um atleta profissional, mas desde muito cedo se interessou pela água.

Às vésperas dos Jogos do Rio, Guariglia se baseia na sua vivência no esporte para contar como a natação evoluiu no Brasil, sobretudo nos últimos anos, e como é desgastante o dia a dia de quem trabalha com atletas olímpicos, que precisam chegar sempre ao limite físico e mental para conquistar uma medalha. A entrevista, que reproduzimos parcialmente abaixo, foi publicada na última edição do CREF2/RS em Revista sobre os Jogos Olímpicos e pode ser conferida na íntegra no link.

Como foi a seletiva para a Olimpíada do Rio?

A primeira seletiva foi realizada em dezembro do ano passado, em Santa Catarina, e a segunda em abril, na piscina onde vai ser disputada a prova, no Rio de Janeiro. Esta segunda, por ser a última e no mesmo local da competição principal, tinha um ambiente mais tenso. Por isto, joguei as fichas no ano passado e deu certo. A primeira foi um pouco mais tranquila e o tempo que a Graciele fez nessa oportunidade credenciou ela para participar da Olimpíada.

A eliminação do Cesar Cielo foi um dos assuntos mais comentados da seletiva.

Ao invés disso, acho que temos que ressaltar os outros dois bons atletas que temos, que nadaram na frente. O Cielo é um mito, medalha de ouro e recordista mundial, mas outros foram melhores desta vez. Claro que seria muito bom ter ele na equipe, mas acho que houve um exagero na cobertura midiática. O repórter, que de praxe entrevista o nadador depois da prova, só parou de falar quando ele começou a chorar. Acho que o foco deveria ser informar mais sobre os outros nadadores classificados para os Jogos. A natação não é um esporte de grande visibilidade e o Cielo não tem a obrigação de ir à frente da câmera para pedir desculpa. A comoção foi grande, mas não sei se a gente não exagera demais. Na TV, parece que a seletiva acabou girando só em torno do fracasso do Cielo, como se os outros atletas não existissem. Se ele não ganha, a gente perde tudo. Não é assim.

O ciclo de preparação deve ser muito desgastante.

Tem que ser. O treinamento é fracionado conforme os eventos da temporada. Tem um bloco de preparação para as competições de agora, depois para a Olimpíada e outro lá no fim do ano, para o Mundial de piscina curta. A preparação é desgastante, mas nada perdemos de uma competição para a outra. Não podemos associar o esporte de alto rendimento à promoção da saúde, porque o atleta precisa ir ao seu limite para avançar. A associação com o corpo humano é completamente diferente, a preparação para ir à Olimpíada machuca mesmo. Se não doer, é porque o atleta poderia dar um pouquinho mais ainda.

E para o treinador? Existe algum tipo de preparação?

O técnico precisa se habituar à sequência de provas, tem que se aperfeiçoar e buscar contato com os treinadores dos outros países. Eu acho que isso acrescenta muito à nossa vida profissional. O Comitê Olímpico Brasileiro realiza cursos para atletas e para treinadores. A Confederação, por outro lado, fez um planejamento para que a gente tenha uma boa participação nos Jogos e um bom convívio também. Não dá para o treinador achar que é melhor do que os outros só porque o seu atleta está competindo na Olimpíada.

Como foi participar da Olimpíada de Londres, em 2012?

Eu me lembro de cada segundo lá. O Brasil tinha um QG em Crystal Palace, que era um centro de treinamento de primeiro mundo. A maior parte da delegação ficou lá e treinamos nesse local também. Não foi aterrorizante participar de uma Olimpíada, a sensação foi, pelo contrário, muito boa. A nossa participação em Londres, apesar do 22º lugar da Graciele, acrescentou muito, porque o atleta percebe, numa competição dessas, que todos realmente se preparam para estar lá. Não é só você que treina. Todos estavam focados e com o mundo inteiro assistindo pela TV. Não é fácil nadar na Olimpíada, mas a gente precisa trabalhar a competição com naturalidade, mesmo que a participação neste tipo de evento seja algo que fique marcado para o resto da sua vida.

E quais são as suas expectativas com os Jogos do Brasil?

São positivas, desde que a espontaneidade aflore e que os atletas consigam nadar o que podem. Eu não acredito, sinceramente, que exista um peso maior pela competição ser no Brasil. Pelo contrário, eu acho que os atletas vão ser muito bem recebidos, vai ser bem mais caloroso. A gente sabe o que cada um vai entrar na piscina buscando, ninguém vai cobrar dos atletas brasileiros aquilo que eles não poderão dar. Acredito que chegaremos em um bom número de finais, mas não vamos ter muitas medalhas, vai ficar concentrado com quem ganhou em Londres, sem surpresas. O revezamento masculino 4x100m tem grandes chances e o número de mulheres participantes cresceu bastante também, o que acho bem interessante de destacar. Isto é muito positivo para a natação brasileira.

Que tipo de cuidado é preciso ter com o atleta fora das piscinas?

O atleta, via de regra, é uma pessoa difícil de se lidar. Às vezes, administrar é mais complicado do que passar treino. O que eles precisam entender, em primeiro lugar, é que eles estão na piscina trabalhando. Neste ponto, acho que a mentalidade do atleta brasileiro evoluiu, porque ele sabe agora que precisa ter comprometimento para atingir as metas. A gente ajuda os atletas com questões pessoais na medida do possível, mas sempre partindo do pressuposto de que se trata de uma relação profissional. Isto é algo que tem que se cuidar, porque muitos, por um motivo ou outro, acabam criando uma relação de dependência com o técnico. A gente não pode ser uma bengala para o atleta.

Como você avalia a evolução da natação no Brasil?

O esporte se especializou demais. Nessa última seletiva, o staff do União tinha biomecânico, preparador físico, psicólogo, médico e fisioterapeuta. O conceito de multidisciplinaridade é cada vez mais presente, para tentar suprir as necessidades dos atletas. O treino de quem nada 50 metros é diferente de quem nada 100 metros, assim por diante. A especificidade da prova está muito aguçada e há ainda o acréscimo da preparação física, que tinha um papel coadjuvante até alguns anos atrás, e passou a ser muito importante. A diferença a gente já consegue ver comparando o ciclo olímpico de Londres com o do Rio. A musculação convencional praticamente não é feita mais, é apenas um pequeno complemento. Hoje se faz arremesso olímpico, alguns dos seus derivados, e treinamento core muito forte. A preparação física tem, atualmente, um papel que não tinha no passado.

O dia a dia de um treinador olímpico é de muita pressão?

A gente trabalha em dois turnos, quatro vezes por semana, e em um turno, três vezes por semana. Além de estarmos envolvidos com os atletas de segunda a domingo, eles ainda fazem a preparação física, que ocorre de três a quatro vezes por semana. A rotina é desgastante para o treinador, mas eu gosto muito da profissão. Isto já me fez perder períodos importantes da minha vida, que foi acompanhar o crescimento do meu filho. Ele tem doze anos hoje e eu me lembro, depois de chegar de uma viagem longa, ter notado feições diferentes nele. Isso me deixava um pouco triste, assim como ter estado presente em apenas um Dia dos Pais até agora. O trabalho é pesado, é ruim ficar longe da família, mas eu curto demais. A sensação é mesmo contraditória, porque quando a gente volta já estamos querendo a próxima competição. O esporte é o que nos alimenta e é, às vezes, mais forte do que tudo. Acho isso estranho, mas não me vejo fazendo outra coisa.

Graciele Herrmann: a atleta de Frederico



Natural de Pelotas, Graciele Herrmann foi a primeira nadadora gaúcha a competir em uma Olimpíada, com apenas 22 anos de idade. Além de ter participado da prova de 50 metros livre nos Jogos de Londres, em 2012, a atleta do União disputou o Panamericano do México, em 2011, e foi a grande surpresa da competição, com duas medalhas de prata. Na Olimpíada do Rio, ela é uma entre os 30 atletas brasileiros que vão representar o país nas piscinas. “A gente tem que ir por etapas. Não vou aos Jogos só para fazer o meu tempo, mas para baixá-lo ainda mais e buscar uma vaga na semifinal. Depois, vou pensar em ir para a final e lá buscar a medalha”, contou a nadadora, em uma entrevista ao jornal Zero Hora. Graciele também tem no currículo uma medalha de bronze, conquistada em 2015 no Pan-americano de Toronto, e dois ouros no Sulamericano de 2014.

Olimpíada Jogos Olímpicos natação



Disponível para leitura a revista do CREF2/RS sobre a Olimpíada
28/06/2016
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que será em breve enviada às Pessoas Jurídicas registradas no Conselho, já tem a sua versão online disponível para download no site do CREF2/RS. A publicação, que tem como tema de capa os Jogos Olímpicos, apresenta um pequeno panorama da competição esportiva do mundo e dos profissionais de Educação Física do Rio Grande do Sul que já se envolveram com uma Olimpíada.

Com quatro matérias principais, a nova revista do Conselho fala sobre as expectativas do árbitro de tênis Nicolas Sanchez (CREF 012322-G/RS) e do técnico de natação Frederico Guariglia (CREF 003724-G/RS), que representarão o nosso Estado nos Jogos Olímpicos do Rio. A edição atual também aborda a trajetória dos ex-atletas de vôlei Marco Antônio Volpi e de basquete Evandro Saraiva (CREF 001009-G/RS), que participaram de clicos olímpicos nos anos 60 e 90, respectivamente. Eles contam como a competição influenciou – e ainda influencia – as suas carreiras.

Além deste conteúdo especial, a nova edição da CREF2/RS em Revista também apresenta matérias sobre o Fórum de Educação Física Escolar, realizado no final de abril em Capão Canoa, e sobre a proposta de extinção do curso de bacharelado em Educação Física, feita pelo Conselho Nacional de Educação (CNE). A revista ainda dedica duas páginas às atividades do Departamento de Orientação e Fiscalização (DEFOR), com os números e detalhes das ações realizadas no primeiro trimestre deste ano, em todo o Rio Grande do Sul.

Desde este número, os exemplares impressos da CREF2/RS em Revista são enviados somente às Pessoas Jurídicas registradas e em dia com as suas obrigações estatutárias. Já os profissionais registrados podem baixar a versão em PDF da revista aqui ou também acessá-la diretamente pela plataforma Issuu, disponível para a leitura em computadores, tablets e smartphones.

Olimpíada Jogos Olímpicos Revista



Nova edição da CREF2/RS em Revista é sobre Jogos Olímpicos
17/06/2016
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa os Jogos Olímpicos, já está disponível para download no site do CREF2/RS. A publicação explica, ao longo de suas páginas, como a competição esportiva mais importante do mundo contribui e ainda influencia a carreira de muitos dos profissionais de Educação Física do Rio Grande do Sul.

A reportagem de capa foi dividida em quatro matérias, para falar sobre as expectativas do árbitro de tênis Nicolas Sanchez (CREF 012322-G/RS) e do técnico de natação Frederico Guariglia (CREF 003724-G/RS), que representarão o nosso Estado nos Jogos Olímpicos do Rio; e também para abordar a trajetória dos ex-atletas de vôlei Marco Antônio Volpi e de basquete Evandro Saraiva (CREF 001009-G/RS), que participaram de ciclos olímpicos nos anos 60 e 90, respectivamente.

Além deste conteúdo especial, a nova edição da CREF2/RS em Revista também apresenta matérias sobre o Fórum de Educação Física Escolar, realizado no final de abril em Capão Canoa, e sobre a proposta de extinção do curso de bacharelado em Educação Física, feita pelo Conselho Nacional de Educação. A revista ainda dedica duas páginas às atividades do Departamento de Orientação e Fiscalização (DEFOR), em que é apresentado um resumo das ações realizadas no primeiro trimestre deste ano.

Os exemplares impressos da CREF2/RS em Revista são enviados somente às Pessoas Jurídicas registradas e em dia com as suas obrigações estatutárias. Já os profissionais registrados podem baixar a versão em PDF da revista aqui ou também acessar a edição online diretamente pela plataforma Issuu, disponível para a leitura em computadores, tablets e smartphones.

Revista Olimpíadas



Conselho distribui material informativo durante Maratona de Porto Alegre
13/06/2016
Fonte: CREF2/RS

No último domingo, dia 12 de junho, o CREF2/RS esteve presente na 33ª Maratona de Porto Alegre. O Conselho, representado pelo vice-presidente Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), teve um estande montado no Parque da Harmonia, onde pôde conceder informações sobre a importância de praticar atividade física com o acompanhamento de um profissional habilitado e distribuir o seu material de divulgação, como folders e revistas.

Apesar do frio, a Maratona de Porto Alegre reuniu neste ano mais de 7.200 corredores, entre atletas profissionais, amadores e do paradesporto. Com largada e chegada junto ao Parque da Harmonia, o trajeto teve o seu início às 6h50min e também reuniu familiares e curiosos, que acompanharam a corrida principal e as suas provas menores, de 5km e 10km, por exemplo, ao longo da manhã.

Para Aguiar, é muito importante que o CREF2/RS participe de eventos representativos como a Maratona de Porto Alegre, para se aproximar dos profissionais que de Educação Física que atuam nestes grandes eventos e também para estar perto de toda a sociedade, que tem uma grande chance para ver na prática como o profissional de Educação Física é essencial no dia a dia de de atletas, sobretudo os amadores, que participam de grupos de corrida. “A população tem a oportunidade de conversar com a gente sobre qualidade de vida e exercício físico, sabendo que, com o acompanhamento correto, também durante as corridas, é possível prevenir diversas lesões”.

#VivaMaratonaPOA e Doação de órgãos

Além de apoiar a campanha #VivaMaratonaPOA, que tinha o intuito de levar um grande número de espectadores à corrida, o CREF2/RS também apoiou a campanha de doação de órgãos promovida pela Frente Parlamentar do Estímulo à Doação de Órgãos, da Assembleia Legislativa. O objetivo desta ação foi conscientizar o máximo possível de pessoas sobre a importância da doação e esclarecer o funcionamento dos transplantes, ampliando assim o número de doadores em todo o Estado.

Maratona



CREF2/RS marca presença na 33ª Maratona de Porto Alegre
09/06/2016
Fonte: CREF2/RS

A 33ª Maratona de Porto Alegre, que será realizada neste domingo, dia 12 de junho, contará com participação do CREF2/RS. O Conselho vai estar com um estande no Parque da Harmonia, para conceder informações sobre a importância de praticar atividade física com o acompanhamento de um profissional habilitado e para distribuir o seu material de divulgação, como folders e revistas. O ponto de encontro é próximo ao local onde estará a linha de chegada da corrida, a partir das 7h.

Neste ano, a Maratona de Porto Alegre irá reunir mais de 7.200 corredores, entre atletas profissionais, amadores e do paradesporto. Com largada e chegada junto ao Parque da Harmonia, o trajeto da corrida vai percorrer 42.195 km pelas ruas da cidade, iniciando às 6h50min. O percurso completo pode ser conferido aqui.

#VivaMaratonaPOA

Famosa entre os corredores de todo o Brasil por ser uma prova rápida e plana, a Maratona de Porto Alegre também surpreende pela tímida participação da sua população no evento. Buscando mudar essa realidade e levar mais pessoas às ruas, para que prestigiem os atletas amadores e profissionais, foi criado o movimento Viva Maratona POA (#VivaMaratonaPOA). A ação tem o intuito de reunir o maior número de pessoas possíveis para acompanhar a corrida, para que enriqueçam o cenário com entusiasmo e calor humano. Clique no link acima para mais informações.

33ª Maratona de Porto Alegre
Largada, às 6h50min, e chegada no Parque da Harmonia
Endereço: Avenidas Loureiro da Silva, s/nº – Praia de Belas
Site oficial: www.corpa.esp.br

Corrida de Rua Maratona



Câmara de Educação Física Escolar avalia 5º Fórum de Mobilização Escolar
07/06/2016
Fonte: CREF2/RS

A Câmara de Educação Física Escolar do CREF2/RS realizou reunião nesta última sexta-feira (3), com a presença da presidente Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), e dos conselheiros João Guilherme Queiroga (CREF 000839-G/RS ), Marcia Rohr da Cruz (CREF 007542-G/RS), Leila Castilho Iabel (CREF 000113-G/RS) e do convidado Francisco Carlos Lemes de Menezes (CREF 00075-G/RS).

Na ocasião, foi apresentado um relato sobre o 5º Fórum de Mobilização Escolar, evento que teve um público de cerca de 130 pessoas e local que atendeu as expectativas em relação à infraestrutura. A participação da Comissão no Enapef foi considerada significativa e o resultado das fichas de avaliação distribuídas durante o evento classificaram com muito bom os itens organização, apresentação e expectativas atendidas. Como sugestões para próximas edições, que os eventos sejam realizadas em turno integral.

Durante a reunião, professor Menezes apresentou o 7º Encontro do Professor de Educação Física, organizado pela CRE de São Leopoldo e apoiado pela Unisinos. Segundo Menezes, está prevista a presença de professores da rede municipal e estadual, e estendeu o convite de participação à Comissão.

Câmara de Educação Física Escolar



ESEFID/UFRGS realiza projeto em parceria com a Câmara de Saúde do CREF2/RS em escola de Porto Alegre
10/05/2016
Fonte: CREF2/RS

A ESEFID/UFRGS, em parceria com a Câmara Técnica de Saúde do CREF2/RS, vai realizar um projeto-piloto na Escola Estadual de Ensino Básico Presidente Roosevelt, no bairro Menino Deus, em Porto Alegre. Intitulada “Esporte e Saúde na Escola”, a atividade tem o intuito de promover a saúde da população infantil, através da prática de modalidades esportivas durante as aulas de Educação Física escolar.

Coordenado pelos professores Adroaldo Gaya (CREF 002280-G/RS) e Anelise Gaya, o projeto vai iniciar agora em maio, com a avaliação física e da saúde dos alunos da escola. “As coletas vão começar neste mês para, posteriormente, iniciarmos a intervenção nas aulas de Educação Física”, explica Anelise. Com duração prevista de seis meses, a ideia deste piloto é, como salienta a professora da UFRGS, redefinir a Educação Física escolar para a promoção da saúde. “Queremos que, com aulas mais bem estruturadas, a comunidade escolar dê a devida importância para a Educação Física, como um fator imprescindível para uma vida mais saudável”.

O projeto “Esporte e Saúde na Escola” tem o apoio do CREF2/RS, que pretende levar os resultados, depois de mensurados, para os profissionais de todo o Rio Grande do Sul. “Esta é a primeira vez que o Conselho se envolve com um projeto deste porte. A nossa intenção é ampliar este piloto para aplicá-lo em todo o Estado, para que se torne uma referência e para que a comunidade em geral entenda o papel dos profissionais de Educação Física neste contexto”, complementa Débora Garcia (CREF 002202-G/RS), presidente da Câmara Técnica de Saúde do CREF2/RS.

No sábado, dia 21 de maio, será realizada uma primeira reunião com os professores e os pais dos alunos da Escola Presidente Roosevelt, para apresentar o projeto. Os profissionais de Educação Física que se interessarem pelo “Esporte e Saúde na Escola” podem entrar em contato diretamente pelo telefone (51) 9924-2909 ou pelo e-mail anegaya@gmail.com. Mais informações também podem ser obtidas pela página www.ufrgs.br/proesp.

Câmara Técnica de Saúde PROESP Esporte e Saúde na Escola



Reunião de Diretoria do CREF2/RS debate próxima Plenária
23/02/2016
Fonte: CREF2/RS

A Diretoria do CREF2/RS reuniu-se nesta segunda-feira (22), quando tratou, dentre outros temas, de questões internas, planejamento estratégico e a preparação para a reunião plenária a ser realizada no próximo dia 26. Estiveram presentes a presidente do CREF2/S, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), o vice-presidente Lauro Ubirajara Barboza de Aguiar (CREF 002782-G/RS), a 2ª vice-presidente, Débora Garcia (CREF 002202-G/RS), a 1ª secretária, Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS) e a 2ª secretária, Sonia Waengertner (CREF 007781-G/RS). A Diretoria é o órgão que exerce as funções administrativas e executivas do Conselho. As competências de cada membro da Diretoria do Conselho, além das previstas no Estatuto, são estabelecidas em regimento aprovado pelo Plenário do CREF2/RS.

Diretoria CREF2 RS



Modalidades de luta são destaque na nova edição do CREF2/RS em Revista
19/02/2016
Fonte: CREF2/RS

Os profissionais registrados no Conselho vão receber, a partir da próxima semana, a nova edição do CREF2/RS em Revista. Referente ao primeiro trimestre de 2016, a publicação tem como tema principal as modalidades de luta, uma das áreas polêmicas da Educação Física. Na reportagem de capa, mostramos como a formação superior é importante e como os profissionais que atuam neste segmento, que vem crescendo muito desde a popularização do MMA, podem se destacar.

Além desta matéria, a atual edição do CREF2/RS em Revista conta ainda com o perfil de Francisco Xavier de Vargas Neto (CREF 007683-G/RS), um dos pioneiros do judô no Estado; e reportagens sobre o projeto social comandado pelo professor de judô Willy Schneider (CREF 019121-G/RS), sobre o ringue tecnológico desenvolvido por Roberto Mesquita (CREF 000449-G/RS) e Jonas Gurgel (CREF 008995-G/RS) e sobre o Dia Estadual da Ginástica Laboral, entre outras mais.

O CREF2/RS em Revista tem também uma versão online, que pode ser acessada diretamente por aqui. A publicação pode ser baixada em PDF ou visualizada também em tablets e smartphones pela plataforma Issuu.

Revista Lutas



CREF2/RS faz sua última reunião de Diretoria de 2015
21/12/2015
Fonte: CREF2/RS

A Diretoria do CREF2/RS fez sua última reunião de 2015 nesta segunda-feira (21), quando tratou, dentre outros temas, do planejamento estratégico para 2016. A Diretoria é o órgão que exerce as funções administrativas e executivas do Conselho. As competências de cada membro da Diretoria do Conselho, além das previstas no Estatuto, são estabelecidas em regimento aprovado pelo Plenário do CREF2/RS.

Diretoria



Câmara de Ginástica Laboral realiza sua reunião mensal
10/12/2015
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Técnica de Ginástica Laboral e Atividade Física na Empresa do CREF2/RS reuniu-se na sede do Conselho na tarde desta quarta-feira (9). Entre os assuntos tratados, foi realizada a avaliação do evento “Profissional de Educação Física como Protagonista da Ginástica Laboral”, organizado em comemoração ao Dia da Ginástica Laboral na Câmara Municipal de Porto Alegre, no dia 23 de novembro.

Também foi debatida a expectativa de aquecimento do mercado de Ginástica Laboral nos próximos meses, e o respectivo incremento na disponibilização de vagas do site do CREF2//RS, que já está sendo reformatado para atender a demanda. Quanto à hora-aula, foi sugerido que o CREF2/RS, o SEBRAE/RS, a ACAD RS e o SINPEF/RS reúnam-se com empresas de Ginástica Laboral para discutir os valores de referência em março de 2016. Concluindo a reunião, ficou determinado que será feito um levantamento dos profissionais de Educação Física e das empresas que atuam com Ginástica Laboral no Rio Grande do Sul, e definiu-se que as reuniões da Câmara em 2016 serão realizadas na segunda quarta-feira de cada mês, das 9h às 11h, na sede do CREF2/RS.

Estiveram presentes à reunião o presidente da Câmara e vice-presidente do CREF2/RS, Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), Tony Izaguirre (CREF 002462-G/RS), Alessandro Gonçalves (CREF 005863-G/RS), Márcio Martini (CREF 002842-G/RS), Magale Konrath (CREF 000378-G/RS) e Jussara Mesquita da Costa (CREF 009226-G/RS). A próxima reunião está prevista para o dia 13 de janeiro de 2016.

Ginástica Laboral



Nova edição do CREF2/RS em Revista tem como tema principal o diabetes
25/11/2015
Fonte: CREF2/RS

Os profissionais registrados no Conselho vão receber, nos próximos dias, a nova edição do CREF2/RS em Revista. Referente aos meses de outubro, novembro e dezembro, a publicação tem como tema principal o diabetes, uma das doenças mais recorrentes entre os gaúchos e que pode ser tratada, de maneira bastante satisfatória, com atividade física.

Além disto, a atual edição do CREF2/RS em Revista conta ainda com o perfil de Rodrigo Delevatti (CREF 013674-G/RS), que pesquisou no seu mestrado e no seu doutorado os exercícios mais indicados para os diabéticos, e reportagens sobre o CongregaCREF, sobre o Troféu Destaque 2015 e sobre os novos conselheiros, que tomaram posse em outubro. O CREF2/RS em Revista tem também uma versão online, que pode ser acessada diretamente por aqui. Nesta plataforma, a publicação pode ser baixada em PDF e visualizada também em tablets e smartphones.

Revista diabetes



CREF2/RS divulga ganhadores do Troféu Destaque 2015
20/08/2015
Fonte: CREF2/RS

Os vencedores do Troféu Destaque 2015, prêmio que homenageia os melhores profissionais de Educação Física do ano, foram divulgados pelo CREF2/RS. As categorias “Academia”, “Clube ou Sociedade”, “Mérito da Educação Física”, “Profissional do Ano”, “Veículo de Comunicação” e “Personalidade do Ano” foram escolhidos pela Plenária do CREF2/RS. A escolha das demais categorias foi feita por meio de votação no site do Conselho aberta a todos os profissionais de Educação Física registrados e em dia com suas obrigações estatutárias, a partir de lista tríplice, indicada por Comissão ou Câmara Técnica.

O CREF2/RS parabeniza a todos os vencedores e indicados desta edição do Troféu Destaque, que por meio de suas trajetórias vitoriosas ajudam a dignificar nossa Profissão.

Categoria Academia: Academia Sal da Terra (CREF 000009-PJ/RS) – Atuando desde 1987, a Sal da Terra é uma das mais tradicionais academias de Porto Alegre, e o seu trabalho é realizado dentro dos parâmetros profissionais, com quadro de profissionais devidamente registrados no CREF2/RS, contando com excelente infraestrutura.

Categoria Clube ou Sociedade: Grêmio Náutico União (CREF 000505-PJ/RS) – Formação de atletas e investimento no esporte, Top of Mind da revista Amanhã, vencedor por toda sua tradição no esporte e pelas grandes conquistas de seus atletas, nos diversos esportes em que atuam.

Categoria Profissional do Ano: José Anchieta (CREF 000337-G/RS) – Profissional de Educação Física formado na UFRGS e pós-graduado em Dança na PUC/RS, é professor da Graduação do Curso de Educação Física da UNISINOS RS. Ganhou vários prêmios, entre eles o de melhor instrutor internacional de Fitness da Espanha – 1997. Foi criador do Método de Ginástica Afro Aeróbica e autor do livro "Ginástica Afro Aeróbica".

Categoria Mérito da Educação Física: Ivan Fonseca Gallo (CREF 004207-G/RS) – Possui graduação em Educação Física pela UFRGS e especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Unisinos. Atualmente é Professor e Técnico da Unisinos e Técnico da Federação Gaúcha de Voley Ball.

Categoria Veículo de Comunicação – RBS TV – Vida e Saúde. Por acompanhar o trabalho de profissionais de Educação Física por meio de entrevistas e reportagens sobre saúde, nutrição, atividade física, beleza e comportamento.

Categoria Personalidade do Ano: Kalil Sehbe Neto – Ex-secretario Estadual do Esporte e do Lazer, militou em prol dos profissionais de Educação Física e de atletas com a criação da Lei Estadual Pró-Esporte de Incentivo ao Esporte Gaúcho. Também coordenou o Comitê Gestor da Copa do Mundo 2014.

Categoria Profissional de Escola: Luis Eurico Kerber (CREF 001203-G/RS) – Graduado pela Feevale e pós-graduado em Ciências da Atividade Física – Aspectos da Medicina do Esporte. Atua na Educação Básica desde 2002 e como professor universitário da Feevale desde 2005. Trabalha também na rede municipal de ensino de Ivoti. Já desenvolveu projetos de atividades físicas de aventura na natureza e de promoção da saúde na escola.

Categoria Profissional de Esporte Educacional: Luiz Afonso Gomes (CREF 000484-G/RS) – Possui graduação pelo IPA, mestrado em Ciências Sociais e especialização em Basquete e em Futebol. É o docente mais antigo do IPA, onde atua desde 1980. Coordena o curso de pós-graduação Futebol e Futsal: do Treinamento à Gestão e atua na área de ensino-aprendizagem em treinamento, performance, avaliação e motivação.

Categoria Profissional de Paradesporto e Atividade Adaptada: Tiago José Frank (CREF 015592-G/RS) – Possui graduação pela UCS e é coordenador do setor de Paradesporto e Lazer Inclusivo da Secretaria Municipal do Esporte e Lazer de Caxias do Sul. Atuou como supervisor do Centro Integrado das Pessoas com Deficiência (CIDEF/UCS) e como técnico da seleção brasileira sub-21 de basquete em cadeira de rodas, tornando-se campeão Parapanamericano em 2013. Dedica-se ao desenvolvimento e promoção de atividades de esporte e lazer para pessoas com deficiência.

Categoria Profissional de Recreação e Lazer: Desire Lacreta Maridakis (CREF 006536-G/RS) – Possui graduação e especialização pelo IPA, é ex-atleta profissional de voleibol e funcionária, desde 1985, da Prefeitura Municipal de Canoas. Atua há 26 anos no Centro Olímpico Municipal (COM), que oferece programas de atividade física, de esporte, de lazer e escolinhas esportivas à comunidade.

Troféu Destaque



CREF2/RS divulga ganhadores do Troféu Destaque 2015
19/08/2015
Fonte: CREF2/RS

Os vencedores do Troféu Destaque 2015, prêmio que homenageia os melhores profissionais de Educação Física do ano, foram divulgados pelo CREF2/RS. As categorias “Academia”, “Clube ou Sociedade”, “Mérito da Educação Física”, “Profissional do Ano”, “Veículo de Comunicação” e “Personalidade do Ano” foram escolhidos pela Plenária do CREF2/RS. A escolha das demais categorias foi feita por meio de votação no site do Conselho aberta a todos os profissionais de Educação Física registrados e em dia com suas obrigações estatutárias, a partir de lista tríplice, indicada por Comissão ou Câmara Técnica.

O CREF2/RS parabeniza a todos os vencedores e indicados desta edição do Troféu Destaque, que por meio de suas trajetórias vitoriosas ajudam a dignificar nossa Profissão.

Categoria Academia: Academia Sal da Terra (CREF 000009-PJ/RS) – Atuando desde 1987, a Sal da Terra é uma das mais tradicionais academias de Porto Alegre, e o seu trabalho é realizado dentro dos parâmetros profissionais, com quadro de profissionais devidamente registrados no CREF2/RS, contando com excelente infraestrutura.

Categoria Clube ou Sociedade: Grêmio Náutico União (CREF 000505-PJ/RS) – Formação de atletas e investimento no esporte, Top of Mind da revista Amanhã, vencedor por toda sua tradição no esporte e pelas grandes conquistas de seus atletas, nos diversos esportes em que atuam.

Categoria Profissional do Ano: José Anchieta (CREF 000337-G/RS) – Profissional de Educação Física formado na UFRGS e pós-graduado em Dança na PUC/RS, é professor da Graduação do Curso de Educação Física da UNISINOS RS. Ganhou vários prêmios, entre eles o de melhor instrutor internacional de Fitness da Espanha – 1997. Foi criador do Método de Ginástica Afro Aeróbica e autor do livro "Ginástica Afro Aeróbica"

Categoria Mérito da Educação Física: Ivan Fonseca Gallo (CREF 004207-G/RS) – Possui graduação em Educação Física pela UFRGS e especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Unisinos. Atualmente é Professor e Técnico da Unisinos e Técnico da Federação Gaúcha de Voley Ball.

Categoria Veículo de Comunicação – RBS TV – Vida e Saúde. Por acompanhar o trabalho de profissionais de Educação Física por meio de entrevistas e reportagens sobre saúde, nutrição, atividade física, beleza e comportamento.

Categoria Personalidade do Ano: Kalil Sehbe Neto – Ex-secretario Estadual do Esporte e do Lazer, militou em prol dos profissionais de Educação Física e de atletas com a criação da Lei Estadual Pró-Esporte de Incentivo ao Esporte Gaúcho. Também coordenou o Comitê Gestor da Copa do Mundo 2014.

Categoria Profissional de Escola: Luis Eurico Kerber (CREF 001203-G/RS) – Graduado pela Feevale e pós-graduado em Ciências da Atividade Física – Aspectos da Medicina do Esporte. Atua na Educação Básica desde 2002 e como professor universitário da Feevale desde 2005. Trabalha também na rede municipal de ensino de Ivoti. Já desenvolveu projetos de atividades físicas de aventura na natureza e de promoção da saúde na escola.

Categoria Profissional de Esporte Educacional: Luiz Afonso Gomes (CREF 000484-G/RS) – Possui graduação pelo IPA, mestrado em Ciências Sociais e especialização em Basquete e em Futebol. É o docente mais antigo do IPA, onde atua desde 1980. Coordena o curso de pós-graduação Futebol e Futsal: do Treinamento à Gestão e atua na área de ensino-aprendizagem em treinamento, performance, avaliação e motivação.

Categoria Profissional de Paradesporto e Atividade Adaptada: Tiago José Frank (CREF 015592-G/RS) – Possui graduação pela UCS e é coordenador do setor de Paradesporto e Lazer Inclusivo da Secretaria Municipal do Esporte e Lazer de Caxias do Sul. Atuou como supervisor do Centro Integrado das Pessoas com Deficiência (CIDEF/UCS) e como técnico da seleção brasileira sub-21 de basquete em cadeira de rodas, tornando-se campeão Parapanamericano em 2013. Dedica-se ao desenvolvimento e promoção de atividades de esporte e lazer para pessoas com deficiência.

Categoria Profissional de Recreação e Lazer: Desire Lacreta Maridakis (CREF 006536-G/RS) – Possui graduação e especialização pelo IPA, é ex-atleta profissional de voleibol e funcionária, desde 1985, da Prefeitura Municipal de Canoas. Atua há 26 anos no Centro Olímpico Municipal (COM), que oferece programas de atividade física, de esporte, de lazer e escolinhas esportivas à comunidade.

Troféu Destaque



CREF2/RS em Revista sobre políticas públicas está disponível para download
12/08/2015
Fonte: CREF2/RS

Os profissionais registrados no Conselho vão receber, nos próximos dias, a nova edição do CREF2/RS em Revista. Referente aos meses de julho, agosto e setembro, a publicação tem como tema principal as políticas públicas relacionadas à Educação Física, assunto que vem despertando o interesse do Governo e exigindo a construção de programas que fomentem a prática de atividade física. A presença do profissional habilitado é fundamental neste ambiente que reúne esporte, lazer, formação e Sistema Único de Saúde.

Além disto, a atual edição do CREF2/RS conta ainda com o perfil de Ubirajara Brites (CREF 000416-G/RS), que há quase 40 anos trabalha no setor de Educação Física do Hospital Psiquiátrico São Pedro, e reportagens sobre atividade física para dependentes químicos, sobre o Fórum de Coordenadores de Curso de Educação Física do Rio Grande do Sul e sobre o perigo dos blogs fitness, entre outros assuntos. O CREF2/RS em Revista tem também versão online e pode ser acessado diretamente por aqui. Para quem preferir, a publicação pode ser baixada em PDF ou visualizada em tablets e smartphones pelo aplicativo gratuito da plataforma Issuu.

Revista CREF2 RS em Revista Políticas Públicas



Diretoria do CREF2/RS acerta detalhes do 1º de Setembro
29/07/2015
Fonte: CREF2/RS

A Diretoria do CREF2/RS reuniu-se nesta quarta-feira (29), quando tratou, entre os temas, das comemorações do Dia do Profissional de Educação Física, realizado em 1º de setembro. A Diretoria é o órgão que exerce as funções administrativas e executivas do Conselho. As competências de cada membro da Diretoria do Conselho, além das previstas no Estatuto, são estabelecidas em regimento aprovado pelo Plenário do CREF2/RS.

Diretoria



Câmara Técnica organiza comemorações do Dia da Ginástica Laboral
09/07/2015
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Técnica de Ginástica Laboral e Atividade Física na Empresa do CREF2/RS reuniu-se na sede do Conselho na tarde desta quarta-feira (8). Entre os assuntos tratados, foram estudados os detalhes para a impressão do Manual de Ginástica Laboral do CREF2/RS. Também esteve em pauta a configuração dos eventos que serão realizados em comemoração ao Dia da Ginástica Laboral (22/11). O objetivo será divulgar o máximo possível a Ginástica Laboral na sociedade, promovendo mesas-redondas que deverão contar com a presença com diretores de empresas que já adotam a GL, o presidente do CONFEF, Jorge Steinhilber (CREF 000002-G/RJ), a presidente do CREF2/RS, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), representantes do Ministério do Trabalho, Secretaria da Saúde, TRT, INSS, reitores de universidade que ofereçam a disciplina, além de especialistas em Ginástica Laboral.

Estiveram presentes à reunião o presidente da Câmara e conselheiro do CREF2/RS, Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), Tony Izaguirre (CREF 002462-G/RS), João Scholles (CREF 003966-G/RS), Alessandro Gonçalves (CREF 005863-G/RS), Márcio Martini (CREF 002842-G/RS) e Marcelo Costa Fernandes (CREF 000835-G/RS).

A próxima reunião da Câmara está prevista para dia 12 de agosto, às 13h30min, e está aberta aos Profissionais de Educação Física.

Ginástica Laboral



Projeto de qualificação da Gestão das Academias do SEBRAE-RS será lançado com a realização de palestra no próximo dia 25/06
16/06/2015
Fonte: SEBRAE-RS

O Sebrae-RS, em parceria com o CREF2/RS e com a Associação das Academias do RS (ACAD RS), lançará no próximo dia 25/06, quinta-feira, às 14h, o projeto “Fortalecendo a Gestão Empresarial das Academias". O evento, que ocorrerá na academia Ipanema Sports (Av. Cel. Marcos, nº 2353 - Porto Alegre - RS), será marcado pela realização da palestra “O sucesso da academia de forma simples e eficaz”, ministrada pelo arquiteto e empresário Luiz Amoroso, eleito consultor revelação em 2002 pela CMS International (EUA.

O projeto do Sebrae-RS objetiva a qualificação da gestão das academias de ginástica de Porto Alegre e Região Metropolitana, podendo dele participar as academias registradas no CREF2/RS e enquadradas como micro ou pequenas empresas. O empresário, após aderir ao Projeto, recebe o cronograma com as datas de realização das capacitações propostas. As empresas contam com subsídio de 80% nas ações, com o compromisso de participar em no mínimo 20 horas de capacitação durante o Projeto. Para os meses agosto/setembro/outubro, estão previstas consultorias; cursos; encontro empresarial com palestrante referência do setor; visitas técnicas de benchmarking e ações de acesso ao mercado.

O palestrante convidado está entre o top 10% de perfis mais vistos em 2012 no Linkedin, sendo membro do conselho da GLG Research, empresa americana que reúne grupos de profissionais e consultores de vários setores que compartilham seus conhecimentos com indivíduos em posições de liderança nos setores financeiro e comercial. Já apresentou mais de 50 palestras e cursos em todo o território nacional e mais de 35 palestras e cursos internacionais (América do Sul, América do Norte e Europa) e desenvolveu mais de 50 projetos que vão da reestruturação operacional ao planejamento e montagem de academias no Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, México e Portugal. Atualmente é diretor-superintendente da Monday Academia (São Paulo).

O sucesso da academia de forma simples e eficaz
Data: 25/06, quinta-feira, às 14h.
Local: Academia Ipanema Sports - Av. Cel. Marcos, 2353 - Ipanema - Porto Alegre - RS,

Temas da palestra:
- Explorar o mercado e estabelecer o volume de venda necessário para atingir o faturamento e o lucro;
- Definir o valor da venda para que os clientes sejam rentáveis;
- Compor o perfil de venda de tal forma que a carteira de recebíveis assegure o sucesso e a estabilidade;
- Planejar as vendas estrategicamente;
- Implantar indicadores e metas eficazes com o objetivo acompanhar o desempenho e garantir performance;
- Gerenciar as finanças de forma simples e objetiva.

Inscrições e informações: clique aqui

Sebrae



Câmara de Ginástica Laboral realizou sua reunião mensal
11/06/2015
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Técnica de Ginástica Laboral e Atividade Física na Empresa do CREF2/RS realizou ontem à tarde, na sede da entidade, sua reunião mensal. Entre os temas tratados, de uma ideia que inicialmente previa um manual, avançou-se para a confecção de um livro de orientação da Ginástica Laboral do CONFEF. Também se estudou métodos de divulgação da Ginástica Laboral nas universidades, utilizando para isto, por exemplo, as semanas acadêmicas.

Quanto ao Dia da Ginástica Laboral (22/11), o objetivo será abranger a maior parte possível da sociedade, promovendo mesas-redondas com diretores de empresas que adotam a GL, os presidentes do CONFEF e CREF2/RS, superintendente do Ministério da Trabalho, Secretaria da Saúde, representantes do TRT e do INSS, universidades que ofereçam a disciplina de GL, além de especialistas em GL. Na reunião, também se previu as ações da Câmara Técnica junto à Frente Parlamentar de Educação Física, que realizará evento no dia 22/11. A próxima reunião da Câmara de Ginástica Laboral está prevista 08/07, às 13h30min.

A Câmara Técnica de Ginástica Laboral e Atividade Física na Empresa é formada pelos profissionais Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS), Tony Izaguirre (CREF 019093-G/RS), Alessandro Gonçalves (CREF 005863-G/RS) e João Scholles (CREF 003966-G/RS). Também participaram desta reunião como convidados Márcio Martini (CREF 002842-G/RS) e Marcelo Costa Fernandes (CREF 000835-G/RS).

Ginástica Laboral



Nova edição do CREF2/RS em Revista está disponível para download
27/05/2015
Fonte: CREF2/RS

Os profissionais registrados no Conselho vão receber, nos próximos dias, a nova edição do CREF2/RS em Revista. A publicação trimestral, referente aos meses de abril, maio e junho, tem como tema principal o paradesporto. Mesmo com a ascensão do Brasil nos Jogos Paralímpicos, estas modalidades ainda enfrentam grandes dificuldades no país, cabendo aos profissionais de Educação Física levá-las para a escola e promover a socialização de pessoas com deficiência.

Além disto, a atual edição do CREF2/RS em Revista ainda conta com o perfil de Fabiane Póvoa, professora de dança da Escola Paralímpica Gaúcha, e reportagens sobre o basquete em cadeira de rodas, sobre o 4º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar e sobre o Interiorizasul. O CREF2/RS em Revista tem também versão online e pode ser acessado diretamente por aqui. Para quem preferir, a publicação pode ser baixada em PDF ou acessada em tablets e smartphones pelo aplicativo gratuito da plataforma Issuu.



SEBRAE firma parceria com CREF2/RS e ACAD RS para curso de gestão de academia
13/05/2015
Fonte: CREF2/RS

Na manhã desta quarta-feira (13), a presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) esteve reunida com representantes do SEBRAE para firmar parceria. O objetivo do encontro com Antônio Melo Jr., gerente regional metropolitano da instituição; e Ana Paula Rezende, gerente setorial de comércio e serviço, foi definir as diretrizes do curso de gestão de academias que será oferecido aos profissionais e Pessoas Jurídicas registradas no Conselho. A atividade, prevista para ser de longa duração, contará também com o suporte da Associação das Academias do Rio Grande do Sul (ACAD RS). Mais informações serão divulgadas em breve.



CREF2/RS participa do programa Encontro do Esporte neste sábado
13/03/2015
Fonte: CREF2/RS

Neste sábado (14), o Encontro do Esporte exibe reportagem sobre o Conselho e sobre as atuação dos profissionais de Educação Física. O programa, que inicia ao meio dia no canal 20 da NET, conta com entrevistas da presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e da assessora jurídica Cristiane Costa. Assista!



Nova edição do CREF2/RS em Revista está disponível para leitura online e download
06/02/2015
Fonte: CREF2/RS

Os profissionais registrados no Conselho vão receber, nos próximos dias, a nova edição do CREF2/RS em Revista. A publicação trimestral, referente ao meses de janeiro, fevereiro e março, tem como tema principal os esportes praticados na natureza. Estas modalidades, como o montanhismo e a corrida de aventura, têm atraído grande visibilidade e conquistados novos praticantes nos últimos anos, abrindo espaço para os profissionais de Educação Física interessados em atuar próximo ao meio ambiente.

Além disto, a atual edição do CREF2/RS em Revista ainda conta com o perfil de Alexandre Bidart, um dos primeiros profissionais a trabalhar com o surf no Rio Grande do Sul, e reportagens sobre a festa de 15 anos do Conselho, o mercado de trabalho nos cruzeiros marítimos e sobre os cuidados que devem ser tomados durante a atividade física no verão. O CREF2/RS em Revista tem também versão online e pode ser acessado diretamente por aqui. Para quem preferir, a publicação pode ser baixada em PDF ou acessada em tablets e smartphones pelo aplicativo gratuito da plataforma Issuu.



CREF2/RS em Revista: a gravidade da obesidade infantil
18/11/2014

Reportagem publicada originalmente no CREF2/RS em Revista nº 7. A publicação pode ser lida na íntegra aqui.

A obesidade é considerada hoje uma epidemia. De acordo com pesquisa publicada pela revista científica Lancet, em maio deste ano, aproximadamente 2,1 bilhões de pessoas estão acima do peso no mundo inteiro. O número não para de crescer e já é motivo de preocupação entre os cientistas. Se em 1980 eram "apenas" 875 milhões de indivíduos nesta faixa, a instituição norte-americana National Survey Data prevê que em 2030 51,1% da população do planeta – porcentagem estimada em cerca de 4 bilhões de seres humanos – será formada por pessoas com excesso de peso.

"A obesidade está relacionada com as maiores pandemias modernas, como depressão, alguns tipos de câncer, diabetes e doenças cardiovasculares", salienta Amélio Matos, médico do Instituto de Diabetes e Endocrinologia do Rio de Janeiro, no documentário "Muito Além do Peso". Se os números atuais e a perspectiva para o futuro já são motivo de atenção entre os adultos, o quadro se torna ainda mais preocupante quando é avaliada apenas a população infantil. No Brasil, em 1989, 4,1% dos meninos de 5 a 9 anos foram classificados como obesos, segundo pesquisa realizada pelo IBGE. Os dados do mesmo estudo, feito em 2008 e 2009, apontaram que 16,6% desta população apresentava o mesmo problema. O índice registrou, portanto, que a obesidade infantil aumentou 300% só nos últimos 20 anos. Por quê?

"A obesidade é o distúrbio mais comum na infância hoje e, na minha opinião, o fato de ter aumentado tanto nos últimos anos está associado às mudanças no estilo de vida da população", avalia Rafael Gambino (CREF 009460-G/RS), professor de Educação Física da Prefeitura Municipal de Esteio e mestre em Ciências do Movimento Humano. "A má alimentação e o consumo exagerado de alimentos hipercalóricos, associada às rotinas apressadas das famílias, são fatores responsáveis pelo excesso de peso e colaboram para agravar o problema", completa.

E não é só isso. As crianças deixaram de brincar como antigamente e praticar esportes. Para elas, hoje em dia, o lazer é muito mais sinônimo de computador e videogame do que de atividade ao ar livre. "O exercício físico ficou em segundo plano, porque falta espaços apropriados, há violência e falta de segurança. Além disto, os pais não têm tempo para levar os filhos para brincar", explica Fabiani da Silveira (CREF 002949-G/RS), professor de Educação Física dos colégios Farroupilha e Sinodal do Salvador, ambos em Porto Alegre. "A atividade física deve andar paralela às demandas diárias, como a escola. Uma não exclui a outra, muito pelo contrário. O estudo e o exercício físico são fundamentais para a formação de nossas crianças".

ATIVIDADE FÍSICA NO AMBIENTE ESCOLAR

A rotina apressada dos pais passa para a escola parte da responsabilidade de incentivar a prática de atividade física e de tornar isto frequente no dia a dia das crianças. "O professor de Educação Física tem que mostrar que exercício é importante para a vida toda. A base da saúde está relacionada a ter hábitos saudáveis", explica Luiz Fernando Kruel (CREF 002211-G/RS), professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e coordenador do Grupo de Pesquisa em Atividades Aquáticas e Terrestres (GPAT)."O único profissional da área da saúde que atua regularmente junto às crianças em idade escolar é o profissional de Educação Física. Muitos não se dão conta disto", reforça.

Para muitas crianças, a aula de Educação Física é o único momento da semana em que é praticado algum tipo de exercício. Por isto, "o professor deve estimular o interesse do aluno com aulas dinâmicas, intensidades adequadas e, principalmente, promovendo a inclusão das crianças com sobrepeso e obesidade nas aulas", defende Adriane Vanni (CREF 003918-G/RS), professora do curso de Educação Física da URI – Campus Erechim. Kruel vai mais além e mostrar que a situação é ainda mais complexa. "Para elas, a obesidade pode ser só um problema estético e social, mas no contexto escolar atrapalha muito. Os estudos mostram que compromete o desempenho em aula e as crianças acabam sendo marginalizadas também. A questão do bullying é muito presente e precisa ser bem administrada em aula", explica.

Por esta perspectiva, o profissional de Educação Física passa a ser mais do que apenas o professor responsável pela disciplina. "Ele deve ser o ponto central deste processo, deixando claro para o aluno os benefícios da prática esportiva a favor da saúde e contra os problemas ocasionados pelo sedentarismo e pela obesidade", salienta Bettega Lopes (CREF 020725-G/RS), pesquisador e mestre em Fisiologia. "O papel da Educação Física é estimular nas crianças o gosto pela prática, de formas e maneiras diversas, contemplando o maior número de estímulos diferentes. A vida saudável e equilibrada decorre da boa iniciação que, basicamente, começa na escola com o profissional da área", complementa Silveira.



DOENÇAS DE ADULTOS

O GPAT, em trabalho feito em 2009, avaliou a evolução de crianças com sobrepeso, de sete a dez anos de idade, da rede municipal de Porto Alegre. O índice piorou com o passar do tempo, quando a amostra atingiu a faixa de 11 a 14 anos. "Elas saíram da infância e foram para a adolescência em quadro muito preocupante. O nível de obesidade, que era 25%, passou a ser 50% grave", relata Kruel. A síndrome metabólica, que era antes considerada doença apenas de idosos, passou a ser vista, pela primeira vez, também entre as crianças. "Nós começamos a achar alguns dados alarmantes. Além de hipertensos, a concentração de insulina no sangue ficava em 22,5 mg/DL, quando o normal é de aproximadamente 10 mg/dL. Isto sobrecarrega o pâncreas de maneira assustadora, levando ao que podemos classificar como diabetes tipo 2".

Como é possível perceber, os números apresentados relataram problema de saúde muito grave. A criança, já hipertensa, começa a ter resistência à insulina, o que passa a configurar quadro de síndrome metabólica na adolescência. Das crianças obesas analisadas pelo GPAT, 51% já tinham três ou mais fatores de risco. Se o ponto de corte é diminuído para um, a taxa passa a ser superior a 90%. "A gente não vê ninguém tratando isto. Nem na escola, que seria responsabilidade da Secretaria de Educação, nem nos postos de saúde", critica Kruel. "O que seria ideal? O trabalho conjunto para reverter este quadro. A gente percebe que estas crianças são todas sedentárias. A aula de Educação Física não é adaptada para que têm obesidade", complementa.

Para Kruel, o que é preciso diminuir são os problemas causados pelo sedentarismo. Não há dúvidas de que os fatores de risco podem ser amenizados com atividade física. "A importância do profissional de Educação Física é muito grande, principalmente daquele que atua na escola", explica. "O que a gente vê é a criança obesa que, por causa do bullying e de outras coisas, abandona a atividade física e passa a ser ainda mais sedentária. Nós tivemos conquista muito grande, principalmente em Porto Alegre, quando foi aprovada lei municipal que obriga a presença do profissional de Educação Física nas séries iniciais. Nós temos agora que dar um passo adiante e oferecer formação adequada e especializada para este profissional, para que ele saiba lidar com isto".

Por mais que a criança passe boa parte do dia na escola, a responsabilidade pelo combate à obesidade precisa ser estendida também aos pais, que devem se portar como exemplo. "Os adultos precisam, com urgência, rever suas posturas frente a estas questões básicas que fazem parte da formação inicial das crianças", analisa Silveira. "Prevenir é a palavra-chave. Oferecer estrutura básica, como boa alimentação e acompanhamento médico, além de espaços para brincadeiras, convívio social e exercício físico, é contribuição fundamental que deve vir de casa". "A família é a base para a mudança no estilo de vida. A criança que vive em ambiente onde todos agem de forma desregulada e desregrada tende a se incluir nesta rotina", complementa Gambino.

ALIMENTAÇÃO

Não é só o sedentarismo que preocupa os pesquisadores e profissionais de Educação Física. A alimentação das crianças também tem sido objeto de estudo de nutricionistas. "O que mais assusta é a oferta inadequada e precoce de doces, guloseimas e alimentos com alto teor de sódio e gordura, como salgadinhos, bolachas recheadas e sucos artificiais", analisa Ana Carolina Terrazan (CRN2 8330), nutricionista da Clínica Nutriossoma e especialista em Nutrição Infantil. "Em muitos casos, as famílias demoram a entender que a alimentação correta desde o princípio, ou seja, desde a gestação, é fundamental para a saúde da criança", complementa.

A nutricionista Camila Vargas (CRN2 8264) acredita que o ambiente escolar colabora também de outra maneira no controle da obesidade infantil. "A escola poderia inserir a disciplina de Educação Nutricional desde as séries iniciais. Trabalhos educativos que envolvam o tripé nutrição, saúde e doença pode conscientizar e elucidar a importância de se manter bons hábitos alimentares", defende. "É possível criar formas de incentivar isto, buscando envolver a criança no contexto da alimentação saudável, sempre associando à atividade física".



POSSÍVEIS SAÍDAS

Há diversas alternativas para amenizar – ou até mesmo solucionar – o problema da obesidade infantil no país. "Acredito, que o primeiro passo, antes de tudo, é pensarmos de que forma isto pode ser contido, para não nos depararmos mais com esta realidade que a cada dia é mais frequente", explica Lopes. O estímulo da prática esportiva é consenso entre todos os profissionais de Educação Física. "Não só em casa, mas também nas escolas, como forma de instituir hábitos e costumes mais sudáveis, como forma de prevenção aos inúmeros problemas que são consequência do sedentarismo", complementa.

Além disto, o combate à obesidade não pode começar apenas quando o aparecimento de doenças cardiovasculares, como a hipertensão, se torna quadro inevitável. "A questão que penso ser mais pertinente é: como prevenir?", alerta Silveira. "As nossas crianças necessitam de muito mais atenção em todos os aspectos, afinal, elas não são responsáveis por elas mesmas", complementa. A opinião é compartilhada por Gambino. "A principal prevenção é a manutenção do peso que, no caso das crianças, deve se dar com alimentação adequada associada à prática de atividade física regular. As crianças precisam se movimentar".

Para Ana Carolina, é possível criar formas de incentivar a boa alimentação também entre os pais. "Informação é sempre a melhor estratégia e mostrar os resultados também é importante. Os familiares gostam muito de ver que o esforço e as mudanças realmente fizeram diferença", explica. A conscientização dos pais é importante também na visão de Kruel, já que muitos não conseguem enxergar o problema dos filhos. "Em nossa pesquisa, das 213 mães que tinham filhos obesos, só 50 os viam nesta condição. Muitas classificaram como normal ou abaixo do peso", revela. "Os adultos, geralmente, têm dificuldade de aceitar que a criança precisa emagrecer. Nós temos notado isto. Em alguns casos, só a criança querer não é suficiente. Ela não possui tanta independência para saber o que é certo e o que é errado e decidir o que ela vai ou não fazer".

Outra coisa que deve mudar é a percepção de que atividade física para fazer efeito precisa ser difícil. "A criança obesa não tem que sofrer", considera Kruel. "Se o profissional de Educação Física souber dosar a carga do exercício, é possível ter atividade eficiente sem sofrimento. Desta forma, começa a ter aderência ao programa e os resultados definitivamente aparecem". Para Kruel, o caminho seria procurar atividades de baixo impacto e que sejam prazerosas. "Apesar de muitos já serem adolescentes, eles querem algo lúdico, que não seja aquela coisa monótona de ir para a academia. Ou seja, tem que ser uma atividade que eles se sintam brincando", conclui.

Para Rafael Gambino, é importante também que todas as crianças tenham a oportunidade de experimentar várias modalidades, individuais e coletivas, para decidir com qual se identifica. A atividade física pode ser competitiva, mas precisa ser aquela que a criança quer praticar. "Ela precisa explorar e experimentar todos os jogos e esportes. A criança precisa ser estimulada e participar o máximo possível de vivências motoras até que consiga se identificar e optar pela que mais desperta interesse", avalia. Para a aderência, a criança tem que sentir vontade e não ser obrigada a participar. "Os pais não podem considerar que a sua vontade será a mesma de seu filho. Os profissionais de Educação Física devem oferecer aos alunos a mais diversificada oportunidade de movimentos. Quando a criança optar por uma, de forma espontânea, não tenho dúvidas de que ela dará continuidade por longo período".

O último alerta fica para os pais. "Os adultos estão atrás das demandas do momento. Muitos acreditam que estar numa boa escola, que invista no lado cognitivo e ensine uma língua estrangeira, já é suficiente para a formação básica. Nós, profissionais de Educação Física, sabemos que isto é importante, mas só parte do contexto todo", comenta Silveira. "A prática de atividade física formativa e saudável, o investimento em alimentação correta e o acompanhamento da saúde é o que deve ser feito. As instituições responsáveis pelo trabalho com crianças necessitam desenvolver projetos para que os pais possam perceber que toda esta formação de base será fundamental para o futuro longe da obesidade".

PARA ASSISTIR: MUITO ALÉM DO PESO



O documentário "Muito Além do Peso" foi lançado em novembro de 2012, com objetivo de criar amplo debate sobre a qualidade da alimentação das crianças brasileiras e os efeitos da comunicação dirigida a elas. O filme, dirigido por Estela Renner, é reflexo do trabalho do Instituto Alana, organziação que busca sensibilizar e mobilizar a sociedade sobre os problemas decorrentes do consumismo na infância. "O documentário mostra que as crianças desconhecem o que é alimentação saudável, aprendem a comer de forma equivocada desde muito", conta a nutricionista Camila Vargas.

A obra mergulha no tema da obesidade infantil ao discutir porque 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria alimentícia, a publicidade, o governo e a sociedade de modo geral. Com histórias reais e chocantes, de crianças com menos de dez anos que já apresentam quadros graves de diabetes, hipertensão e colesterol, o filme promove interessante discussão sobre o tema, dando voz a especialistas do mundo todo. "Quando se fala de obesidade infantil, vemos que as crianças não brincam mais na rua, las ficam com só seus polegares em iPhones e iPods. Elas não se exercitam mais", comenta William Dietz, um dos entrevistados pelo documentário. Ele é diretor da Divisão de Nutrição, Atividade Física e Obesidade do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos.

"Muito Além do Peso" pode ser assistido aqui.



Nova edição CREF2/RS em Revista está disponível para leitura online
06/11/2014

Nos próximos dias, os profissionais registrados no Conselho e em dia com suas obrigações estatutárias vão receber a nova edição do CREF2/RS em Revista. A publicação trimestral, referente aos meses de outubro, novembro e dezembro, tem como tema principal a obesidade infantil. A condição, considerada pela Organização Mundial de Saúde um dos maiores problemas da atualidade, é apresentado de maneira ampla pela matéria de capa, que também aponta os caminhos pelos quais a Educação Física pode ajudar a reverter este quadro.

Além disto, a atual edição do CREF2/RS em Revista também conta com perfil do ex-professor e atleta Nelson Ruben Saul, reportagem sobre os vencedores do Troféu Destaque 2014 e ensaio científico sobre Educação Física integral. O CREF2/RS em Revista tem também versão online, que permite donwload em PDF, e pode ser acessado diretamente por aqui.



Registrados no CREF2/RS têm desconto nos cursos de pós-graduação da wPós
24/10/2014

Com intuito de proporcionar ampla oferta de aperfeiçoamento profissional, CREF2/RS e wPós firmaram convênio para oferecer aos profissionais registrados no Conselho descontos de 10% a 50% nos cursos de pós-graduação a distância oferecidos pela empresa. Em Educação Física, são 24 opções de especializações disponíveis para matrícula, em áreas como Anatomia Funcional, Gestão do Esporte, Atletismo, Treinamento Desportivo, Pilates, Fisiologia do Exercício, Treinamento Físico para Terceira Idade e outras mais.

Além destes, o benefício é estendido também para todos os outros cursos de pós-graduação. Para garantia do desconto, basta enviar cópia da Cédula de Identidade Profissional (CIP), junto com os demais documentos necessários, no momento da matrícula. A lista completa das especializações oferecidas pela wPós você encontra aqui.

A wPós é vinculada à AVM Faculdade Integrada. A instituição de Ensino Superior tem nota 5 no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) e nota 4 no Índice Geral de Cursos (IGC). Das mais de 2,5 mil instituições de Ensino Superior do Brasil, ocupa posição de número 27 no ranking da revista Exame de 2011.



Nova edição CREF2/RS em Revista está disponível para leitura online
28/08/2014
Fonte: CREF2/RS

Nos próximos dias, os profissionais registrados no Conselho e em dia com suas obrigações estatuárias vão receber a nova edição do CREF2/RS em Revista. A publicação trimestral, referente aos meses de julho, agosto e setembro, tem como tema principal a corrida de rua. A atual fenômeno da modalidade, cujo número de adeptos não para de crescer em todo o Brasil, é explicado, na matéria de capa, pela forma como proporciona qualidade de vida de previne problemas de saúde. O importante valor social da atividade física também é abordado.

Além disto, a atual edição do CREF2/RS em Revista, também conta com perfil do treinador de atletismo da Sogipa Leonardo Ribas (CREF 003760-G/RS), entrevistas com o prefeito José Fortunati e com o atleta paralímpico Carlão de Oliveira e reportagem sobre Educação Física Escolar e o PLC 116/2013.

O CREF2/RS em Revista também tem versão online e pode ser acessado diretamente por aqui. Boa leitura!



CONFEF esclarece andamento do PLC 116/2013
21/07/2014
Fonte: CONFEF

Com o objetivo de manter os profissionais informados a respeito das questões pertinentes à classe, o CONFEF enviou comunicado aos Conselhos para esclarecer o andamento do Projeto de Lei 116/2013, que prevê a obrigatoriedade de professor habilitado em curso de Licenciatura em Educação Física nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

O CONFEF acredita que a maioria dos senadores se sensibilizou com a causa, em razão das milhares de mensagens que receberam dos profissionais e pela intensa campanha levada, que teve suporte valioso do CREF2/RS. A mobilização, que iniciou no começo deste ano, contou ainda com o apoio dos estudantes dos cursos de Educação Física e foi reconhecida por todos os parlamentares, em ação realizada em Brasília, em junho.

"Infelizmente, na data prevista, fomos surpreendidos com a informação de que havia algum acordo construído entre o senador relator e as lideranças sobre a alteração do texto, razão pela qual o PLC não entraria na pauta de votação", explicou o CONFEF. "A Copa do Mundo interferiu nos trabalhos do Congresso Nacional, assim como as eleições. Entretanto, já estamos enviando esforços para que o projeto seja pautado, aprovado e que siga para a sanção da presidente Dilma Rousseff", completou o Conselho.

Como o PLC 116/2013 ainda segue em tramitação no Senado, o Sistema CONFEF/CREFs acredita que ainda seja importante que os profissionais de Educação Física sigam dando continuidade à campanha. "Devemos manter a chama acesa, questionando os senadores sobre o porquê do PLC ainda não ter sido votado. É com este trabalho sério, ético e em prol dos direitos sociais que alcançaremos a vitória neste pleito", declarou o CONFEF.

Para participar da campanha, clique aqui.



Todas edições do CREF2/RS em Revista estão disponíveis para leitura online
08/07/2014
Fonte: CREF2/RS

Enquanto que o CREF2/RS em Revista deste mês não chega da gráfica, você pode, a partir de hoje, conferir todas as nossas edições pela Internet. A publicação trimestral do Conselho, enviada para todos os profissionais registrados, pode ser lida na íntegra através da plataforma Issuu, clicando aqui. O download em PDF do CREF2/RS em Revista também pode ser feito pelo mesmo link.

A próxima edição do CREF2/RS em Revista traz matéria de capa sobre o boom das corridas de rua e matéria sobre a votação do PLC 116/2013, entre outros assuntos. Além disto, apresenta entrevistas com o paratleta Carlos Oliveira, com o prefeito de Porto Alegre José Fortunati e com Leonardo Ribas, treinador de atletismo da Sogipa e da Seleção Brasileira. Aguarde!



Edital de contrato emergencial do Governo do Estado é ilegal
10/02/2014
Fonte: CREF2/RS

Em 05 de fevereiro foi publicado o Edital nº 01-14 da Secretaria de Educação do RS para contratação emergencial de professores de Educação Física. O edital infringe decisão da 3ª Vara Federal de Porto Alegre que determinou ao RS que se abstenha de contratar candidatos para o cargo de professor de Educação Física que não possuam graduação adequada e registro profissional. O Departamento Jurídico do Conselho já comunicou o Juiz do descumprimento da mesma e solicitou a aplicação da multa de R$ 300,00 diários prevista na ação, bem como a imediata retificação do Edital. O Conselho aguarda que o judiciário faça cumprir sua determinação.



Educação Física Escolar é debatida na Sogipa
18/06/2013
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS, por meio da sua Câmara de Educação Física Escolar, realizou, no dia 13 de junho, durante a 20ª Convenção Brasil, o Seminário de Educação Física Escolar, na Sogipa. Participaram do evento como palestrantes o vereador Professor Garcia, as professoras Eliana Alves e Márcia Cruz e o professor Carlos Pilenghi Costa, o Betão.

Uma das principais reivindicações defendidas pelo Conselho Regional de Educação Física – CREF2/RS – é a obrigatoriedade da presença do Profissional de Educação Física nas séries iniciais do ensino público. Atualmente, nas escolas estaduais, as aulas do 1º ao 5º ano do ensino fundamental são ministradas por professores generalistas, o que exclui cerca de 300 mil crianças da iniciação esportiva no Estado.

Segundo o vereador professor Garcia, atualmente as crianças apresentam doenças que até pouco tempo eram relacionadas aos adultos, como hipertensão, glicose alta e colesterol. “Para preveni-las, temos que contar com a orientação correta do Profissional habilitado nas aulas de Educação Física nas séries iniciais”.

Eliana Alves, professora e advogada, explicou que não há como pensar a escola independente da sociedade na qual ela se insere. “O que acontece no ambiente escolar é mais que uma analogia a situações sociais mais amplas; é um reflexo da sociedade”.

O Grupo de Mobilização em Prol da Educação Física foi apresentado por Márcia Cruz. Conforme ela, o objetivo do grupo é contribuir para o resgate da essência da Educação Física Escolar nas Instituições de Ensino Municipais e Estaduais de Caxias do Sul. “Propomos novas alternativas para a recondução deste componente curricular, contribuindo com o desenvolvimento e formação dos alunos na Educação Básica”, explica.

Betão lembrou que o Esporte Escolar a utilização eminentemente educativa do esporte e de todos os seus conteúdos que lhe dão consistência como importante instrumento didático/pedagógico de formação geral de cada aluno em idade prevista para praticá-lo. “O esporte escolar está em crise como em crise está a Educação Física Escolar, bem como toda a Educação”.



Estudo aponta que é preciso estar ativo o dia inteiro para manter a boa forma
25/02/2013
Fonte: Zero Hora

Você seguiu direitinho as recomendações do médico (e da Organização Mundial de Saúde): 30 minutos de exercício físico por dia, de segunda a sexta. Está satisfeito consigo mesmo, tem saúde garantida, correto? Não completamente.

Um estudo novo da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) sugere que uma pessoa que se exercita apenas nesses poucos minutos, mas passa o resto do dia sentado ou realizando atividades que não demandam muito movimento, tem as mesmas condições de saúde de alguém que não faz exercício nenhum, mas fica zanzando de um lado para o outro o dia todo.

Até 10 anos atrás, a ciência se fixava somente nos benefícios do tempo do exercício físico — aquele vôlei, futebol, academia, corrida e caminhada, todos esportes de grande intensidade, mas que consomem somente de 5% a 8% do tempo acordado de uma pessoa. O restante da boa forma vem das atividades corriqueiras do dia a dia: cozinhar, passear com o cachorro, se levantar da mesa do trabalho para pegar um cafezinho, caminhar até a padaria para comprar pão etc.

Na última década, países como Austrália, Estados Unidos e Inglaterra têm fixado sua atenção no que as pessoas fazem fora do horário de praticar esportes. No Brasil, há alguns estudos que relatam o tempo que adolescentes ficam na frente do computador, da televisão e do videogame, mas ainda não havia um perfil completo de como as pessoas se movimentam rotineiramente: deslocamentos, lazer, trabalho e estudo.

Em tese de mestrado, Grégore Mielke, pesquisador do comportamento sedentário da UFPel, apresentou um estudo feito com quase 3 mil moradores de Pelotas, mas que pode ser aplicado na população de outras cidades de médio porte. Os resultados são surpreendentes: 10% dos entrevistados passam 12 horas ou mais por dia sentados. E quanto mais velha for a pessoa, menor será o comportamento sedentário.

O próprio conceito de sedentarismo muda:

— É possível que uma pessoa pratique muita atividade física, mas seja sedentária. Se ela ficar sentada na maior parte do tempo, sem se movimentar e só se exercitar meia hora por dia, pode ser considerada sedentária. E isso pode se reverter em uma pior condição de saúde — avalia Mielke.

Sedentarismo, portanto, significa se movimentar pouco durante o dia. E outra coisa, bem diferente, é ser fisicamente ativo. Assim, Mielke dividiu os entrevistados em quatro grupos:

1. Fisicamente ativos e não sedentários
2. Fisicamente ativos e sedentários
3. Fisicamente inativos e não sedentários
4. Fisicamente inativos e sedentários.

Os integrantes dos grupos 2 e 3 teriam os mesmos gastos energéticos durante o dia. Mas antes de cancelar a academia, preste atenção ao que diz Mielke:

— Eu gosto de fazer uma analogia: comer muita fruta ou verdura não anula os efeitos de comer muita gordura. O que eu quero dizer com isso é que os caminhos metabólicos para o gasto energético são diferentes e não se deve abandonar nenhum hábito que seja saudável para o organismo. O problema é que se tomou que 30 minutos de atividade física seriam uma cápsula de saúde e a pessoa não precisaria fazer mais nada. E isso não é verdade.



""Obesidade infantil é um problema mundial"", diz especialista
17/01/2013
Fonte: Zero Hora

Um dos nomes mais representativos no que diz respeito ao estudo do sobrepeso e da obesidade infantil, o médico Richard White é clínico geral do departamento de Medicina Interna Comunitária da Clínica Mayo de Jacksonville, na Flórida. O especialista, que participou de um programa sobre as disparidades na saúde dos latinos, em San Diego, Califórnia — organizado pela Escola Estadual de Pós-Graduação em Saúde Pública e pelo Instituto Nacional dos Estados Unidos do Coração, Pulmão e Sangue — fala, na entrevista a seguir, sobre o impacto do excesso de peso nas crianças.

Vida — Quais são as principais preocupações com a obesidade infantil? Richard White — Sobrepeso e obesidade infantil se tornaram, rapidamente, um problema mundial. Nos Estados Unidos, praticamente uma em quatro crianças e adolescentes, na faixa etária de dois a 19 anos, tem problema de sobrepeso ou obesidade. Os números são ainda maiores em alguns grupos minoritários, como o latino. Entre as causas desse problema estão os anúncios publicitários eficazes de comidas que não são saudáveis, dirigidos às crianças, o maior volume de alimentos ingeridos e menor atividade física. Há uma quantidade crescente de evidências que vinculam o sobrepeso e a obesidade infantil a maior risco dessas crianças contraírem, no futuro, doenças cardíacas e diabetes. Sobrepeso e obesidade em crianças também podem complicar o controle de outros problemas de saúde, como asma, além de prejudicar a autoestima.

Vida — O peso da mãe na gravidez tem alguma ligação com a obesidade infantil? White — Sim. Existem evidências que estabelecem um relacionamento entre o ganho de peso excessivo da mãe, durante a gravidez, e maior peso da criança no nascimento. Da mesma forma, mães com sobrepeso antes de gravidez terão, mais provavelmente, filhos com sobrepeso.

Vida — O fato de uma criança ser mais pesada ao nascer aumenta a probabilidade de ela ter sobrepeso ou obesidade ao longo da infância? White — Sim. Alguns estudos têm mostrado que um peso alto no nascimento, bem como um rápido ganho de peso durante o primeiro ano de vida, são fatores de risco para o sobrepeso infantil.

Vida — Há alguma condição genética que predispõe a criança à obesidade? White — Sim. Há algumas condições genéticas associadas a um risco maior de obesidade na infância, tais como síndrome de Down e a síndrome de Prader-Willi. No entanto, a maioria dos especialistas concorda que influências genéticas, isoladamente, não explicam o aumento significativo da quantidade de sobrepeso e obesidade infantil que temos observado nas últimas duas décadas.

Vida — As crianças obesas são propensas a desenvolver doenças metabólicas e cardiovasculares? White — Sim. Há muitos estudos que já estabeleceram uma relação entre a obesidade infantil e um maior risco de desenvolver doenças metabólicas e cardiovasculares.

Vida — Quais são as estratégias essenciais para prevenir a obesidade infantil, desde o nascimento? White — A prevenção e o tratamento de sobrepeso e obesidade infantil são tarefas difíceis. Alguns fatores são importantes, como promover a amamentação materna, reduzir o consumo de comidas de alta caloria, que têm baixo valor nutritivo, ensinar os pais e as crianças a comer lanches mais saudáveis, aumentar as atividades físicas, reduzir o tempo de uso de mídias (como televisão, videogames) e tornar alimentos mais saudáveis mas disponíveis a famílias com dificuldades financeiras.

Vida — Como é possível motivar pais e filhos a praticar mais atividades físicas e a fazer escolhas alimentares mais saudáveis? White — É preciso dedicação e esforço, mas é possível. Encorajamos as famílias a dar pequenos passos em direção a mudanças em seus estilos de vida e em seus comportamentos, para premiar os sucessos que alcançam.

Preste atenção O especialista aponta que só em circunstâncias extremas é recomendada a perda de peso para crianças. Os pais devem incentivar atividades físicas por 60 minutos por dia, incluindo brincadeiras, uma medida eficaz para regular o metabolismo infantil.