Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



Nova edição da CREF2/RS em Revista discute novos rumos da Educação Física escolar
03/03/2017
Fonte: CREF2/RS

A nova CREF2/RS em Revista, que tem como tema de capa os novos rumos da Educação Física escolar, já está disponível para leitura pela Internet e para download. A publicação discute, na sua matéria principal, como a MP 746/2016 e a PEC 55/2016, recentemente aprovadas pela Câmara e pelo Senado, podem modificar o ensino no Brasil.

Além desta reportagem, a revista também apresenta os números recordes atingidos pela Fiscalização em 2016; a cobertura do Dia Estadual da Ginástica Laboral, realizado pelo CREF2/RS no último mês de novembro; o perfil da professora Virgínia Wolffenbüttel (CREF 000055-G/RS) e um relato sobre o trabalho desenvolvido por Marco Aurélio Iorio (CREF 021919-P/RS) e Diego Model (CREF 017263-G/RS) a favor do esporte. A publicação ainda mostra como as alternativas de acessibilidade da Fit Academia (CREF 002825-PJ/RS) podem servir de exemplo para todas as outras empresas que atuam neste mesmo segmento.

Você também pode acessar a edição online diretamente pela plataforma Issuu, disponível para a leitura em computadores, tablets e smartphones.

Revista Educação Física escolar



Câmara aprova MP e mantém Educação Física obrigatória no Ensino Médio
14/12/2016
Fonte: Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados concluiu ontem, dia 13 de dezembro, a votação da Medida Provisória 746/16, que propõe a reformulação do Ensino Médio. A Educação Física, apesar de não ter sido contemplada inicialmente pela proposta, seguirá como disciplina obrigatória na grade curricular. A MP ainda precisa tramitar pelo Senado antes de ser concluída.

De acordo com o projeto de lei de conversão do senador Pedro Chaves, o currículo do Ensino Médio será composto pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e por itinerários formativos correspondentes a essas áreas do conhecimento: linguagem e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e sociais aplicadas; e formação técnica e profissional. Cada sistema de ensino organizará essas áreas e as respectivas competências e habilidades esperadas do aluno segundo seus próprios critérios.

Todas as regras valerão para as redes de ensino público e privado, mas o cronograma de implementação terá de ser elaborado no primeiro ano letivo seguinte à data de publicação da BNCC. A implementação, entretanto, ocorrerá no segundo ano letivo depois da homologação dessa base curricular.

Disciplinas

O relatório de Chaves reinclui como disciplinas obrigatórias Artes e Educação Física, que tinham sido excluídas pelo texto original da MP. Entre as línguas estrangeiras, o Espanhol não será mais obrigatório, ao invés do Inglês, que deve fazer parte da grade curricular a partir do sexto ano do Ensino Fundamental. Já as disciplinas de Filosofia e Sociologia, que tinham sido excluídas, passarão a ser obrigatórias apenas na BNCC.

Quanto aos métodos de ensino, o texto retoma e reformula trecho da Lei de Diretrizes e Bases para estipular que as redes de ensino organizarão os conteúdos, as metodologias e as formas de avaliação processual e de formação, de maneira que o educando demonstre domínio dos princípios científicos e tecnológicos da produção moderna e o conhecimento das formas contemporâneas de linguagem.

Carga horária

O projeto de lei de conversão estabelece ainda uma transição para o Ensino Médio em tempo integral. Em cinco anos, a ampliação será das atuais 800 horas anuais para 1.000 horas. Após isso, a meta será de 1,4 mil horas ao ano. Nos três anos do Ensino Médio, a carga horária total destinada à BNCC não poderá ser maior que 1.880 horas.

A inclusão de novas disciplinas obrigatórias na Base Comum dependerá da aprovação do Conselho Nacional de Educação e da homologação do ministro da Educação, mas, segundo o projeto de conversão, não precisarão mais ser ouvidos o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional de Dirigentes de Educação (Undime), como era previsto na redação original da MP.

MP 746 Educação Física escolar



CREF2/RS recebe apoio da Câmara Municipal de Alegrete contra MP 746
06/12/2016
Fonte: CREF2/RS

Na tarde desta terça-feira, dia 6 de dezembro, o presidente da Câmara Municipal de Alegrete Roger Severo (CREF 011057-G/RS) compareceu à sede do CREF2/RS para oficializar o apoio dos vereadores do município ao CREF2/RS na luta contra a Medida Provisória 746, que propõe a exclusão da disciplina de Educação Física da grade curricular do Ensino Médio. O documento, assinado pelos 15 membros do Plenário da cidade, foi entregue ao vice-presidente do Conselho Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS).

No encontro, Severo destacou a importância do profissional de Educação Física e da disciplina para o pleno desenvolvimento de crianças e de adolescentes. “Entendemos que será um retrocesso esta alteração proposta pela MP 746. Os profissionais de Educação Física têm um papel fundamental em nossa sociedade, seja na melhora da habilidade motora das crianças, no estímulo da capacidade cognitiva ou na promoção da qualidade de vida destas pessoas”, salientou.

Andamento da MP 746

O senador Pedro Chaves, relator da MP 746 na comissão mista encarregada de analisar a medida, emitiu um parecer, no dia 29 de novembro, solicitando que a Educação Física permaneça como disciplina obrigatória do Ensino Médio. O texto, que tramita a partir de agora como um Projeto de Lei de Conversão (PLC), seguirá para análise da Câmara e do Senado Federal. Mais informações aqui.

MP 746 Educação Física escolar



Relator da MP 746/2016 no Senado decide que Educação Física permanece como disciplina obrigatória no Ensino Médio
02/12/2016
Fonte: Agência Senado

A Educação Física permanecerá como disciplina obrigatória do Ensino Médio. É o que propõe o senador Pedro Chaves em seu relatório à Medida Provisória 746/2016, apresentado à comissão mista encarregada de analisar a medida, na última terça-feira, dia 29 de novembro. O texto, agora como Projeto de Lei de Conversão (PLC), seguirá para análise dos Plenários da Câmara e do Senado Federal.

– Optamos por retomar a obrigatoriedade do ensino da Educação Física como componente curricular do Ensino Médio. Esta opção se justifica porque acreditamos que a formação integral do ser humano exige o atendimento de várias dimensões, dentre as quais a corporeidade e o movimento não podem ser desconsiderados – explicou o Senador.

O Relator também ampliou a carga horária do Ensino Médio, que deverá abarcar as disciplinas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O novo texto determina que 60% das horas sejam destinadas à BNCC — antes eram 50%. A base ainda está em fase de elaboração pelo Ministério da Educação e vai conter, por exemplo, temas transversais como cidadania e meio ambiente. Para o senador, essa alteração garantirá unidade e sincronia entre as escolas brasileiras.

Meta intermediária

Na nova redação proposta, o Senador pondera sobre as dificuldades de ampliar a carga horária mínima para 1.400 horas anuais e propõe uma meta intermediária: no prazo máximo de cinco anos, todas as escolas de Ensino Médio do país terão carga horária anual de pelo menos 1.000 horas, cinco horas diárias. O ensino noturno e o da educação de jovens e adultos sofrerão as adequações necessárias, como a aprendizagem por projetos envolvendo os temas transversais. O novo Ensino Médio será ofertado com as disciplinas da BNCC e com um rol de áreas do conhecimento e “itinerários formativos”, que serão escolhidos pelo próprio aluno.

Notório saber

Chaves aprovou a inclusão, pela MP, dos profissionais com notório saber na lista dos que podem atuar na formação técnica e profissional e ampliou essa previsão, permitindo que os profissionais graduados, detentores de complementação pedagógica, também possam atuar no magistério. “Tal medida, ao mesmo tempo em que exige uma formação pedagógica mínima, desafoga o sistema e incrementa, no espaço escolar, as possibilidades de atuação e de atendimento às necessidades dos alunos”, defendeu.

O parlamentar retirou ainda, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), a exigência de que apenas em universidades e institutos superiores de educação se faça a formação de docentes em nível superior para atuar na educação básica. Ele observou que faculdades isoladas, devidamente credenciadas pelo Ministério da Educação, não atreladas a institutos ou universidades, oferecem essa formação.

MP 746 Educação Física escolar



Presidente do CREF2/RS participa da audiência pública que debate a MP 746 e da PEC 241 nos institutos federais
14/11/2016
Fonte: CREF2/RS

Representantes de organizações estudantis, de organizações dos trabalhadores em educação, reitores, professores, estudantes e parlamentares lotaram o teatro Dante Barone, na Assembléia Legislativa, nesta sexta-feira, dia 11, para debater os impactos da MP 746 e da PEC 241 nos institutos federais no Rio Grande do Sul na audiência pública da Comissão de Educação, Cultura, Desporto Ciência e Tecnologia. O CREF2/RS esteve representado pela sua presidente, Carmen Masson (CREF 001910-G/RS).

Primeiro, manifestaram-se reitores de institutos federais presentes. Marcelo Bender Machado, que foi reitor do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) e hoje preside o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), explicou que o objetivo, quando da criação dos institutos, foi o de implantar a rede onde não havia equipamentos federais de ensino, em grande centros e no “Brasil profundo”. "Atualmente, são atendidos 850 mil alunos em todos os níveis. A PEC 241 emperra o orçamento por 20 anos e não há segurança de verbas mínimas à manutenção. Existe o perigo a retornarmos a situação da UFPel, em que não havia nem banheiros funcionando na universidade".

Amílton de Moura Figueiredo, reitor em exercício do Instituto Federal Rio Grande do Sul (IFRS), depositou sua confiança na atuação aguerrida do atual movimento estudantil para barrar as MP do governo Temer. “Esta juventude que nos faz resistir aos ataques deste atual governo ilegítimo”. Disse que a MP 476 é um retrocesso na educação. “Se existe a necessidade de melhorias, vamos debatê-las, mas não se pode aceitar algo imposto”, advertiu. Sobre a PEC 241, afirmou que significará retroceder a educação à década dos anos 90, e sublinhou que é preciso unificação dos movimentos de protesto, “numa luta para que não seja negado a esta juventude um futuro melhor”.

O procurador regional da República, Domingos Dresch da Silveira, frisou que a “MP pode até congelar investimentos sociais, mas não vai congelar corações, que vão resistir e lutar”. Frisou que ocupar escolas não é a simples ocupação, mas sim “a realização do princípio constitucional da desobediência civil, que é dever de cada um de nós. Não haveria reforma agrária se não houvesse desobediência civil”, enfatizou. Hoje, para ele, infelizmente, “é subversivo quem defende a Carta Federal”. 

O deputado Pedro Ruas afirmou que tanto a PEC como a MP são preocupantes. “Mas este ato hoje, com este local lotado, nos enche de orgulho. É uma audiência pública com representatividade e bradamos a todo o país, desde aqui do Sul, o grito forte da resistência. Estamos falando, sim, de vida e morte, porque os dados já informados dão conta do custo à sociedade caso haja a implementação destas iniciativas”, advertiu. A deputada Manuela d Àvila também destacou o papel da juventude, “mas especialmente das jovens mulheres”, à frente da movimentação estudantil. “Querem, isso sim, estabelecer uma linha imaginária entre aqueles que devem continuar quem apenas aperta parafusos, precarizados, e os que poderão continuar pensando. A PEC e a MP fazem parte da mesma política segundo a qual pobre não pode se emancipar por meio da educação”. A deputada Stela Farias afirmou que esta luta é pela vitória do povo brasileiro. “Uma luta que achávamos acalmada, mas não, está mais viva que nunca”, disse, “evidenciado pelo golpe das oligarquias, agregou. 

A presidente do CREF2/RS, Carmen Masson, afirmou que a PEC que congela os investimentos em saúde e educação no país é um ato bastante negativo ao futuro do país, constituindo-se em um grande ataque aos direitos sociais. "Estudos mostram que se a PEC existisse desde 2006, o orçamento da educação que hoje é de 103 bilhões seria de apenas 31 bilhões, ou seja, menos 62%. Com a 241, não existirá mais o ProUni, nem FIES, nem Pronatec. Os programas de pesquisa, qualificação profissional e combate ao analfabetismo serão suspensos. Também teremos menos vagas em creches e escolas e os professores serão cada vez mais desvalorizados. Ao final dos 20 anos, teremos índices semelhantes ao Haiti", alertou Carmen.

MP 746 PEC 241 PEC 55



Audiência pública reúne profissionais e sociedade pela Educação Física no Ensino Médio
11/11/2016
Fonte: CREF2/RS

Na manhã desta sexta-feira, dia 11 de novembro, a Frente Parlamentar Mista do Esporte, liderada pelo deputado federal João Derly, realizou, na Câmara Municipal de Porto Alegre, uma audiência pública em defesa da Educação Física no currículo escolar do Ensino Médio. O evento, que contou com a participação das mais diferentes entidades ligadas à educação e ao esporte no Estado, teve ainda a presença da presidente do CREF2/RS Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), da 1ª secretária Débora Garcia (002202-G/RS) e da presidente da Comissão de Educação Física Escolar do Conselho Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS).

Com o objetivo de debater alternativas à Medida Provisória 746, que exclui a Educação Física, assim como outras disciplinas, do currículo obrigatório do Ensino Médio, a audiência foi aberta por Derly, que frisou que o evento proposto pela Frente Parlamentar é o início de um grande movimento a favor da sociedade. “A Educação Física é um componente essencial, que precisa urgentemente de um currículo mínimo e de uma estratégia pedagógica clara”, declarou. “No Estado, conscientes da sua importância, temos um projeto, em tramitação na Assembleia, para assegurar a obrigatoriedade desta disciplina em todos os anos escolares. Este é um exemplo que temos que levar para o restante do país”, complementou o Deputado.

A mesa de debate, que teve a presença de representantes do Sindicato dos Profissionais de Educação Física (SINPEF-RS), da Secretaria Estadual de Educação e da Federação Internacional de Educação Física (FIEP), entre outras instituições, continuou com o discurso da Presidente do CREF2/RS. Na sua fala, Carmen destacou que a Educação Física não pode ter o seu espaço diminuído pela MP. “Quem tem um ritmo de vida ativo consegue prevenir diversas doenças, apenas praticando exercícios. Por isto, acreditamos não só que a Educação Física precisa ser obrigatória em todas as etapas escolares, mas ela tem que ter também a sua carga horária ampliada e a presença do profissional de Educação Física garantida nestes espaços”.

Os presentes, que lotaram a Sala das Comissões da Câmara Municipal, também puderam se manifestar. O consenso entre todos, profissionais de Educação Física e membros de outras tantas organizações da sociedade civil que também estiveram no encontro, é que o trabalho precisa ser conjunto, para que se concretizem as mudanças sugeridas à Medida Provisória. “A reforma do Ensino Médio é necessária, mas acreditamos que a educação precisa ser ampliada – e não reduzida. O que leva as pessoas a pensarem em acabar com a Educação Física, uma disciplina tão importante para a formação das crianças e dos adolescentes?”, questionou Francisco de Vargas Neto (CREF 007683-G/RS).

No encerramento da audiência, Derly declarou que a Frente Parlamentar Mista do Esporte está organizando um grande ato em Brasília, no próximo dia 19 de novembro. A ideia do Deputado é, fazer na véspera da votação da MP 746, uma grande conscientização da necessidade da Educação Física continuar sendo um componente curricular obrigatório no Ensino Médio. Com a sugestão dos presentes, também será realizada um novo encontro, para ampliar a discussão sobre o assunto, e elaborada uma carta para todos os Deputados Federais a respeito do tema. Você também pode assinar a petição online de apoio à obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio: http://bit.ly/ManifestoSIMaEducaçãoFísica

Audiência Pública MP 746 Educação Física escolar



Audiência pública em defesa da Educação Física no Ensino Médio é nesta sexta-feira
07/11/2016
Fonte: CREF2/RS

A Frente Parlamentar Mista do Esporte, comandada pelo deputado federal João Derly, vai realizar, na próxima sexta-feira, dia 11 de novembro, uma audiência pública em defesa da obrigatoriedade da Educação Física no currículo escolar do Ensino Médio. O evento ocorrerá a partir das 9h30min, no plenário Ana Terra, da Câmara Municipal de Porto Alegre. A entrada será gratuita.

O objetivo da audiência é contrariar as determinações da Medida Provisória 746, encaminhada pelo Governo Federal ao Congresso em setembro, que exclui a Educação Física, assim como outras disciplinas, do currículo obrigatório do Ensino Médio. “A Educação Física é um componente essencial, que precisa urgentemente da definição de um currículo mínimo e de uma estratégica pedagógica clara”, declarou Derly.

Você também pode assinar a petição online de apoio à obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio: http://bit.ly/ManifestoSIMaEducaçãoFísica

Audiência pública da obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio
Data: sexta-feira, dia 11 de novembro, às 9h30min
Local: Plenário Ana Terra – Câmara Municipal de Porto Alegre
Endereço: Avenida Loureiro da Silva, 255 – Centro Histórico

Audiência Pública MP 746 Educação Física escolar



Audiência pública em defesa da Educação Física no Ensino Médio é nesta sexta-feira
07/11/2016
Fonte: CREF2/RS

A Frente Parlamentar Mista do Esporte, comandada pelo deputado federal João Derly, vai realizar, na próxima sexta-feira, dia 11 de novembro, uma audiência pública em defesa da obrigatoriedade da Educação Física no currículo escolar do Ensino Médio. O evento ocorrerá a partir das 9h30min, no plenário Ana Terra, da Câmara Municipal de Porto Alegre. A entrada será gratuita.

O objetivo da audiência é contrariar as determinações da Medida Provisória 746, encaminhada pelo Governo Federal ao Congresso em setembro, que exclui a Educação Física, assim como outras disciplinas, do currículo obrigatório do Ensino Médio. “A Educação Física é um componente essencial, que precisa urgentemente da definição de um currículo mínimo e de uma estratégica pedagógica clara”, declarou Derly.

Você também pode assinar a petição online de apoio à obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio: http://bit.ly/ManifestoSIMaEducaçãoFísica

Audiência pública da obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio
Data: sexta-feira, dia 11 de novembro, às 9h30min
Local: Plenário Ana Terra – Câmara Municipal de Porto Alegre
Endereço: Avenida Loureiro da Silva, 255 – Centro Histórico

Audiência Pública MP 746 Educação Física escolar



CREF2/RS divulga manifesto pela obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio
01/11/2016
Fonte: CREF2/RS

A Medida Provisória 746, que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e retira a obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio, é um grande retrocesso. Excluir esta disciplina do currículo significa total incompreensão do papel do esporte e da prática de atividades físicas na âmbito educacional e social, ainda mais depois do país sediar o maior evento esportivo do planeta, os Jogos Olímpicos.

Em 1978, a Unesco declarou a prática de atividade física um direito fundamental de todo ser humano, através da Carta Internacional do Esporte e da Educação Física, considerando o esporte um elemento essencial ao longo do sistema educacional. A Constituição Federal brasileira também estabelece que o fomento do desporto é um dever do Estado. Levando em conta estas determinações, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação prevê a obrigatoriedade da Educação Física em toda a educação básica, o que compreende os Ensinos Infantil, Fundamental e Médio. Isto não pode ser mudado, pois acarretaria diversos prejuízos à sociedade.

Em tempos em que o esporte está em evidência na sociedade brasileira, é oportuno discutir avanços na legislação, em sentido de que todo cidadão tenha a oportunidade de praticar atividade física, pois os benefícios proporcionados são incontestáveis e disseminados em diversos trabalhos científicos. A Educação Física, no âmbito individual, colabora para a saúde das pessoas, evitando inúmeras doenças, como problemas cardiovasculares e obesidade. No âmbito comunitário, também enriquece as relações sociais, valorizando preceitos éticos e morais.

A partir destes pontos, a Educação Física precisa ser trata como essencial no âmbito educacional, ministrada por um profissional de Educação Física, devendo ser complementada e se relacionar com outras áreas do conhecimento, fomentando assim a formação de cidadãos capacitados não apenas para o mundo do trabalho, mas também preparados para a vida em sociedade com saúde. Por isto, apoiamos a emenda número 2, que restabelece o texto atual da Lei de Diretrizes e Bases da Educação e volta a garantir a presença obrigatória da Educação Física no Ensino Médio.

Assine a petição online pela obrigatoriedade da Educação Física no Ensino Médio aqui.

MP 746 Educação Física escolar



Ulbra Guaíba promove evento para discutir MP 746 e PEC 241
31/10/2016
Fonte: CREF2/RS

Com o apoio do CREF2/RS e da Secretaria Municipal de Educação, a Ulbra Guaíba realizou na última quinta-feira, dia 27 de outubro, o I Ciclo de Debates: um Olhar sobre o Futuro da Educação Física. O evento, que integrou o II Encontro de Educação Física da Costa Doce e a Semana Acadêmica do Curso de Educação Física da Ulbra Guaíba, trouxe para debate a MP 746, que propõe a reforma do Ensino Médio, e a PEC 241, que busca limitar os gastos públicos.

A mesa foi composta pelo coordenador do curso de Educação Física Luciano Loureiro (CREF 007142-G/RS), pela doutora em Políticas Públicas Líbia Aquino, pela professora da UFRGS Anelise Gaya (CREF 024009-G/RS) e pelo representante da Secretaria de Educação Vitor Powaczruk (CREF 023027-G/RS). O evento contou com a presença de mais de 200 pessoas, entre professores das escolas da região e estudantes. Além de debater a relação da MP 746 e da PEC 241 com o futuro da Educação Física, a Base Nacional Comum Curricular e a saúde na escola também foram abordadas. “É preciso que mais momentos como este, para firmarmos um posicionamento forte, de que a Educação Física é uma disciplina fundamental para o desenvolvimento da cultura corporal”, declarou Loureiro.

Eventos Guaíba Ulbra Guaíba



CREF2/RS e deputado João Derly se unem contra a MP 746
28/10/2016
Fonte: CREF2/RS

A presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS) e o vice-presidente Lauro Aguiar (CREF 002782-G/RS) estiveram reunidos, na tarde de hoje, dia 28 de outubro, com o deputado federal João Derly. O objetivo do encontro foi buscar apoio para a mobilização dos profissionais de Educação Física e das instituições de ensino para participarem da audiência pública a favor da obrigatoriedade da Educação Física no currículo escolar do Ensino Médio, que será realizada no dia 11 de novembro, na Câmara Municipal de Porto Alegre.

A sessão, proposta pela Frente Parlamentar Mista do Esporte, foi idealizada por Derly, coordenador do grupo. O Deputado, que concorda com a necessidade de uma reforma no Ensino, destacou que as disciplinas, como a Educação Física, na verdade precisam ser aperfeiçoadas, não excluídas do currículo, como propõe a MP 746. “A Câmara Legislativa deveria discutir o que pode ser feito para melhorar a educação. A Educação Física é um componente obrigatório e essencial, que precisa urgentemente da definição de um currículo mínimo e de uma estratégia pedagógica clara”, declarou.

No encontro, Carmen firmou o compromisso do CREF2/RS em lutar contra a aprovação da MP 746 e também salientou que o investimento na Educação Física, sobretudo no ambiente escolar, pode representar uma economia para o Poder Público, em longo prazo. “Diversos estudos têm mostrado que o exercício físico é uma forma valiosa de se prevenir diversas doenças”, comentou. “A criança que não é sedentária, que é atendida de maneira correta pela Educação Física escolar, não tem o seu desenvolvimento motor e cognitivo prejudicados e se torna um adulto ativo e meno propenso a diversas doenças, desonerando assim o Sistema Único de Saúde”.

Depois desta audiência pública em Porto Alegre, o objetivo é levar a discussão também para Brasília. Como adiantou Derly, a ideia é reunir o maior número de pessoas possíveis, entre profissionais de Educação Física e representantes do esporte, em um ato contra a MP 746. A data prevista para a votação da Medida Provisória é os dias 22 e 23 de novembro.

Audiência Pública pela obrigatoriedade da Educação Física
Data: sexta-feira, dia 11 de novembro, às 9h30min
Local: Câmara Municipal de Porto Alegre – Plenário Ana Terra
Endereço: Avenida Loureiro da Silva, 255 – Centro Histórico
Entrada gratuita

MP 746 Audiência Pública



Ulbra Guaíba realiza amanhã debate sobre PEC 241 e MP 746
26/10/2016
Fonte: CREF2/RS

Com o apoio do CREF2/RS, a Ulbra Guaíba vai realizar amanhã, dia 27 de outubro, o I Ciclo de Debates: um Olhar sobre o Futuro da Educação Física. O evento, que integra a programação da VI Semana Acadêmica do curso de Educação Física da universidade, trará para debate as atualizações da PEC 241 (que limita os gastos públicos), da MP 746 (que reforma o Ensino Médio) e as políticas públicas em Educação. A entrada será gratuita.

O evento terá a mediação de Luciano Loureiro (CREF 007142-G/RS), coordenador do curso de Educação Física da Ulbra Guaíba, e a participação dos professores Líbia Aquino, Anelise Gaya (CREF 024009-G/RS) e Vitor Powaczruk (CREF 023027-G/RS). A atividade vai ocorrer no Auditório Principal da instituição, das 19h30min às 22h. Mais informações pelo telefone (51) 3480-1618.

I Ciclo de Debates: um Olhar sobre o Futuro da Educação Física
Data: 27 de outubro, quinta-feira, das 19h30min às 22h, com entrada gratuita
Local: Ulbra Guaíba
Endereço: Rodovia BR 116, 5724 – Moradas da Colina
Mais informações: (51) 3480-1618

Eventos políticas públicas