Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



CongregaCREF reúne profissionais e estudantes para debater diversas áreas da Educação Física
30/08/2016
Fonte: CREF2/RS

O CREF2/RS realizou, no último sábado, dia 27 de agosto, a segunda edição do CongregaCREF – Seminário Sul Brasileiro de Educação Física. O evento, que integra as comemorações do Conselho pelo Dia do Profissional de Educação Física, ocorreu no auditório do CRO/RS, em Porto Alegre, e contou com a presença de profissionais registrados e de estudantes para debater as diversas áreas da profissão. A abertura do evento foi feita pela presidente Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), que reiterou o sucesso de público do CongregaCREF, pelo segundo ano consecutivo, e saudou todos aqueles que compareceram para assistir às palestras.

A primeira apresentação foi feita por Rodrigo Gonçalves Dias (CREF 059988-G/SP), pesquisador da Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do Instituto do Coração (InCor), em São Paulo, e primeiro profissional de Educação Física a vencer o Prêmio Jovem Cientista, promovido pelo CNPq, em 2012. A palestra “Genética, performance física humana & doping genético: o senso comum versus a realidade científica” abordou as suas investigações científicas mais recentes e tentou explicar como funciona o rastreamento de genes para a descoberta de novos “fenômenos do esporte”, algo tão em evidência nos dias de hoje por causa da Olimpíada. “O nosso trabalho envolveu os melhores atletas do atletismo brasileiro e comparou o desempenho de todos com pessoas comuns. A conclusão que chegamos é que há mais ou menos 200 pessoas com potencial para serem esportistas espetaculares no nosso país e que ainda não foram descobertas”, revelou Dias.

Além de explicar os detalhes do seu trabalho, o pesquisador também contextualizou os avanços que a Educação Física teve – e ainda pode ter – desde o surgimento do projeto Genoma, na década de 90. “Os estudos genéticos deixaram claro que a responsividade ao treinamento é diferente de pessoa para pessoa, não segue um padrão que pode ser aplicado da mesma forma a todos os atletas. Ou seja, não podemos simplificar algo tão complexo como o organismo humano, precisamos aprender e relacionar as particularidades de cada estrutura muscular aos diversos genes que compõem o DNA de cada um destes indivíduos”, explicou.

Com espaço para perguntas da plateia e transmissão online, que permitiu que profissionais e acadêmicos de todo o Estado acompanhassem as palestras dos seus computadores em casa, o CongregaCREF prosseguiu com a conselheira federal do CONFEF Elisabete Laurindo (CREF CREF 002036-G/SC), que falou sobre o papel do profissional de Educação Física na escola. Além de apresentar os consensos internacionais da UNESCO e de inserir a Educação Física aos direitos fundamentais de todas as pessoas, Elisabete mostrou quais são os indicadores de qualidade na educação e explicou como o ambiente escolar, a prática pedagógica e as condições de trabalho dadas aos profissionais que atuam nestes locais interferem nesta equação. “O Brasil está entre os países mais obesos do mundo e precisamos nos apropriar da Educação Física escolar como forma de promover a saúde das crianças”, defendeu.

A Conselheira também trouxe para discussão o atual momento vivido pela Educação Física escolar, em que há a busca pela consolidação do profissional de Educação Física neste ambiente. “O livro Recomendações para a Educação Física Escolar, publicado pelo CONFEF e distribuído às escolas de todo o Brasil, veio para conscientizar todos dos benefícios da atividade física e de como é importante uma qualificação adequada para atuar na área, com comportamento ético e materiais adequados”.

Depois, quem deu continuidade ao CongregaCREF foi a professora da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID) da UFRGS Anelise Gaya (CREF 024009-G/RS). A palestra “O papel da Educação Física na promoção da saúde na escola” abordou um pouco do seu trabalho com o projeto de pesquisa Esporte Brasil, que busca avaliar e dar um novo sentido aos indicadores de aptidão física, saúde, obesidade e de outras doenças, com ênfase na população infantojuvenil. “30% das crianças tem obesidade e sobrepeso e a atividade física na escola poderia ter uma função primordial no sentido contrário a estes dados alarmantes”, explicou. “Os profissionais de Educação Física da escola precisam se dar conta deste quadro e trabalhar de maneira consciente, sabendo que existe um período crítico para o desenvolvimento motor das crianças e que este precisa ser bem aproveitado, para que não haja nenhum comprometimento”, complementou.

Como salientou Anelise durante a sua palestra, os dados coletados pelo Projeto Esporte Brasil nos últimos anos mostram ainda que 60% das crianças em idade escolar não cumprem o mínimo de atividade física proposto pela Organização Mundial da Saúde. “O que descobrimos é que muitas delas não brincam, não têm recreio e ou são atendidas de maneira correta pelas aulas de Educação Física. O sedentarismo é uma das principais causas de morte no Brasil e esta realidade no ambiente escolar é bastante preocupante, já que muitas doenças que eram vistas somente em adultos, como o diabetes tipo II e hipertensão, já estão aparecendo em crianças e gerando outras complicações”, revelou.

A conclusão, compartilhada com todos os presentes que lotavam o auditório do CRO/RS, é que a escola deveria oferecer mais momentos para a prática de atividade física, com pelo menos 45 minutos de duração, duas vezes por semana. “Não podemos privar o desenvolvimento das crianças, sobretudo da forma que só o esporte proporciona”, contou Anelise. As aulas de Educação Física escolar, além de precisarem de um planejamento mais eficaz, necessitam a adoção de novas estratégias, para que os hábitos de vida sejam modificados desde cedo. “Há bons projetos ocorrendo nas escolas, sobretudo fora do país, que podem servir de exemplo. O Projeto Esporte Brasil, por exemplo, tem contribuído na interpretação dos padrões de crescimento e, com isto, oportunizado o planejamento de ações diferenciadas e auxiliado os professores de Educação Física na avaliação dos seus alunos”, concluiu.

O CongregaCREF foi encerrado pela palestra “Gestão de academia”, ministrada por Rogério Menegassi (CREF 001008-G/RS), proprietário da academia Athlética, localizada em Porto Alegre, e ex-presidente da Associação das Academias do Rio Grande do Sul (ACAD RS). Há mais de 30 anos atuando na área, Menegassi conversou com os presentes sobre esta área e tirou as dúvidas daqueles que tem a intenção de abrir, futuramente, o seu próprio negócio. “As opções para as academias cresceram muito nos últimos anos. A piscina, antigamente, era aproveitada somente para aulas de natação e hoje há uma infinidade de modalidades e de atividades que podem ser exploradas e ofertadas aos alunos”.

Além disto, Menegassi apresentou um pequeno panorama sobre a evolução da ginástica em academias, explicou algumas estratégias adotadas pela Athlética e salientou que muitos adultos são resistentes a aderir a um programa de treinamento porque não tiveram uma boa experiência com a atividade física quando eram jovens, numa época em que a profissão de Educação Física ainda não era regulamentada. “Na nossa área, ninguém poderá inventar algo totalmente inédito, porque as modalidades são variações e vêm de uma mesma base. O que os profissionais de academia realmente precisam fazer é tentar tornar as suas aulas cada vez mais prazerosas para os alunos, para que eles se transformem em clientes fiéis, tenham resultados e que reconheçam os benefícios que só podem ser proporcionados pela Educação Física em suas vidas”.

CongregaCREF eventos