Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



4º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar discute PLC 116/2013 e lança livro em Capão da Canoa
30/03/2015
Fonte: CREF2/RS

Na última sexta-feira (27), a Câmara Técnica de Educação Física Escolar do CREF2/RS realizou o 4º Fórum de Mobilização Gaúcha pela Educação Física Escolar, em Capão da Canoa. O evento, que integrou a programação do 41º Encontro Nacional dos Profissionais de Educação Física (ENAPEF), promovido pela APEF/RS, contou com a palestra de Lúcio Rogério dos Santos (CREF 000001-G/DF) e serviu também para o lançamento oficial do livro "Recomendações para a Educação Física Escolar".

Na abertura, as autoridades presentes salientaram a importância do Rio Grande do Sul para a regulamentação da profissão, no final dos anos 90, e de eventos como o Fórum para a aproximação dos profissionais que atuam na Educação Física Escolar. Além de Carmen Masson (CREF 001910-G/RS), presidente do CREF2/RS; Miryam Brauch (CREF 006834-G/RS), presidente da Câmara Técnica de Educação Física Escolar; Álvaro Laitano (CREF 000006-G/RS), presidente da APEF/RS, José Anchieta (CREF 000337-G/RS), representando o SINPEF-RS; e Paulo Rezende (CREF 001298-G/RS), da Secretaria de Educação Rio Grande do Sul; também discursaram.

Em nome do CONFEF, Lúcio Rogério, fundador do CREF7/DF, falou em sua apresentação sobre o movimento pela regulamentação da profissão em todo o Brasil, em 1998, e sobre as ações que o Sistema CONFEF/CREFs lidera pela valorização do profissional de Educação Física até hoje. "É importante que a sociedade e as autoridades reconheçam a nossa importância", salientou. "Os conselhos trabalham neste sentido. Se a profissão não tivesse sido regulamentada, acredito que ela nem existiria mais", completou.

Além disto, a discussão do PLC 116/2013 também foi levada ao conhecimento do público que lotou o auditório da Prefeitura de Capão da Canoa durante o evento. Lúcio Rogério falou sobre a fragilidade da resolução do MEC, que não torna obrigatória a presença do profissional de Educação Física nas séries iniciais, e sobre como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação precisa ser modificada para garantir esta presença. "Não é ilegal não ter profissional na Educação Básica, a disciplina pode ser ministrada por professores de outras áreas. Mas a questão não é garantir o nosso mercado de trabalho, é garantir o mínimo de qualidade do ensino no Brasil", comentou.

No final da palestra, Lúcio Rogério apresentou o livro "Recomendações para a Educação Física Escolar", que foi entregue a todos que compareceram ao Fórum. O CREF2/RS foi o primeiro Conselho Regional a lançar a obra, organizada pelo Sistema CONFEF/CREFs no ano passado. Com a proposta de constituir um instrumento norteador para a intervenção profissional responsável e qualificada no ambiente escolar, Lúcio Rogério frisou o caráter coletivo do documento, produzido pela Comissão de Educação Física Escolar (CEFE) do CONFEF com a colaboração de inúmeros conselheiros federais e regionais. "O livro é também um convite para que todos participem do processo. Temos que qualificar a Educação Física como um todo, começando pela Educação Física Escolar", destacou.

Miryam encerrou o evento revelando o próximo passo da Câmara Técnica de Educação Física Escolar, que é distribuir agora um exemplar do "Recomendações para a Educação Física Escolar" para cada uma das escolas da rede pública do Estado. A obra já está à disposição para download também no site do CONFEF. Para baixá-la, clique aqui.