Notícias




Data Inicial:
(dd/mm/aaaa)  

Data Final:
(dd/mm/aaaa)  
Título:
Palavras na Notícia:



Reunião da Câmara Técnica de Corrida de Rua discute Trail Run
11/06/2018
Fonte: CREF2/RS

A Câmara Técnica de Corrida de Rua realizou sua reunião no dia 7 de junho, na sede do CREF2/RS. Na ocasião, a presidente da Câmara, Cláudia Ramos Lucchese (CREF 002358-G/RS), informou que um dos principais objetivos a serem propostos aos profissionais de Educação Física e à sociedade será estabelecer um regramento específico para organizar corridas de rua, já que o papel do CREF2/RS é fiscalizar os profissionais de Educação Física e não os competidores. Além desse ponto, será iniciado um trabalho de orientação sobre regras e conduta para o Trail Run. A modalidade é cada vez mais popular e apresenta desafios diferentes da corrida de asfalto, sendo um esporte que consiste em correr “fora de pista”, por trilhas de montanha ou caminhos secundários, cruzando riachos e rios, com subidas e descidas íngremes.

Durante a reunião, o profissional Luís Leandro discorreu sobre o que precisa para organizar uma prova de Trail Run, que é registrado no Brasil com a marca “Circuíto Trilhas e Montanhas”, e elencou uma série de itens para que se protocole o conjunto de regras e condutas para o esporte. Além disto, Leandro disse que a Confederação Brasileira de Atletismo já possui algumas normas sobre o esporte. Ele também deu uma visão sobre os negócios que são gerados pelo Trail Run. Já João Remião comparou o tipo de organização de provas entre as modalidades corridas de rua e Trilhas e Montanha. Na primeira, não existe a necessidade de um profissional na organização, mas sim de um responsável técnico com registro de no CREF2/RS. Na segunda modalidade, também há necessidade de um RT, mas com conhecimentos de terrenos e montanhas.

Cláudia Lucchese questionou sobre a metodologia de treinos, e se os grupos se reúnem sem Rts. Damião colocou a proposta de se “blindar” as inscrições de RT com uma norma que só aceitem profissionais de Educação Física. Segundo Fabiano Braun, a planilha de corrida de quem deseja migrar para as montanhas deve incluir treinos específicos em superfícies instáveis como a areia e em subidas. Em paralelo, é imprescindível investir em treinos de força, com exercícios em escadas e saltos, por exemplo.

A reunião teve a participação especial do maratonista Ronaldo da Costa (CREF 010568-P/DF), que esteve em Porto Alegre, uma das cidades escolhidas para as comemorações dos 20 anos da Recorde mundial da maratona de Berlim, quando ele completou a prova em 2h06min05. Ele já havia ganho a tradicional Corrida de São Silvestre dois anos antes e chegado ao pódio nos Jogos Pan-americanos de 1995, na Argentina, conquistando o bronze para o Brasil. Atualmente Ronaldo está no 5º semestre do bacharelado em Educação Física. “Temos talento, precisamos lapidar. Não adianta pensar apenas em bater recorde. Precisamos de profissionais de Educação Física capacitados para treinar nossos jovens”, afirmou.

A reunião foi composta pela presidente da Câmara Cláudia Lucchese (CREF 002358-G/RS), Darlan Souza (CREF 015393-G/RS), Kátia Ferreira (CREF 014403-G/RS), Rodrigo Nascente (CREF 007110-G/RS), Renato Rimoli Capparelli (CREF 002109-G/RS), Eduardo Remião (CREF 001855-G/RS) e o coordenador para Trilhas e Montanhas, Luis Leandro Grassel (CREF 009564-G/RS).

Câmara Técnica de Corrida de Rua